Maria Cristina Kupfer fala sobre a epidemia de autismo ao Cai na Roda, da TV GGN

Autora da obra de Ficção “Arthur, um Autista no Século XIX”, ela fala às mulheres da redação GGN sobre sua trajetória de mais de 40 anos como pesquisadora pioneira sobre autismo infantil

Jornal GGN – A psicanalista e professora da Universidade de São Paulo, Maria Cristina Kupfer, é a entrevistada do Cai na Roda, programa exibido na TV GGN, neste sábado (31). Fundadora do Lugar de Vida, um centro de educação terapêutica, Kupfer é especialista no tratamento e no acompanhamento escolar de crianças e adolescentes com dificuldades psíquicas. Autora da obra de ficção “Arthur, um Autista no Século XIX”, ela fala às jornalistas do GGN sobre sua trajetória de mais de 40 anos como pesquisadora pioneira sobre autismo infantil.

Um dos pontos de destaque da entrevista são os dados sobre pessoas autistas no Brasil. Um estudo do CDC (Center of Deseases Control and Prevention, em inglês), órgão ligado ao governo dos Estados Unidos, mostra que existe hoje um caso de autismo a cada 110 pessoas. Sendo assim, estima-se, no Brasil, tendo em vista seus 200 milhões de habitantes, que cerca de 2 milhões de pessoas são autistas. Para Kupfer, esses números são “realmente assustadores” e caracterizam “uma epidemia”.

Na entrevista ela explica que, antes de mais nada, é preciso lembrar que hoje, “dentro do espectro do autismo, são colocadas outras patologias que antigamente não eram chamadas de autismo”, por isso há uma incerteza sobre número de pessoas atingidas pela doença, que pode ser muito maior.

O transtorno neurológico do autismo é entendido a partir da interação social, comunicação verbal e não verbal, e comportamento restrito e repetitivo do paciente. No entanto, estes sinais geralmente se desenvolvem gradualmente, por isso, há uma dificuldade no diagnóstico da doença.

Leia também:  Supercomputador do TSE custou R$ 26 milhões

Kupfer explica que é preciso trabalhar a relação familiar para que não haja um retardo na não identificação do autismo. Ela cita que um dos principais sinais do distúrbio pode ser percebido pelo “prazer compartilhado e a imutabilidade” das pessoas, “além do desespero quando se quebra uma rotina”.

A psicanalista comenta a importância da relação entre autistas e não autistas, para o desenvolvimento de ambas as partes, na construção do que ela cita como mais importante: a consciência de cidadania. “Psiquicamente é muito importante ter diferenças. Se fosse todo mundo igual, eu não aprendo quem eu sou, eu aprendo quem eu sou pela diferença, por aquilo que o outro não é”, pontua.

Ciência e ficção revelam a verdade por trás do autismo

Kupfer é autora da obra “Arthur, um Autista no Século XIX ”, que mistura ciência e ficção para ilustrar o autismo na infância. No livro, a criança autista observa as pessoas, a natureza e reflete sobre o tempo em Laterre, uma vila na França.

Entre 268 páginas, a autora deixa de lado a linguagem acadêmica para conseguir estabelecer um diálogo mais didático com os leitores sobre as verdades por trás do autismo.

Kupfer afirma que seu desejo com a obra é que o “psicanalista seja mais ouvido”, diz. “Porque [no livro] toda a minha concepção psicanalítica do autismo, bem como seu tratamento, está colocado romanticamente.”

Para ela, outro objetivo a ser alcançado com a obra é o contato com pais de autistas, para que seja entendido que “desenvolver autismo é um modo de relação ao qual as crianças só têm a ganhar e não há acusação de ninguém”, completa.

Leia também:  AO VIVO: As lições das eleições para prefeito, entrevista com Claudio Couto

Durante a entrevista, Kupfer também fala sobre o papel da escola no desenvolvimento do autista, a situação do professor no ensino de crianças especiais e as políticas assistencialistas para pessoas com deficiência.  

Participaram da entrevista as jornalistas Lourdes Nassif e Patrícia Faermann.

Assista:

Sobre o Cai Na Roda

Todos os sábados, às 20h, o canal divulga um novo episódio do Cai Na Roda, programa realizado exclusivamente pelas jornalistas mulheres da redação, que priorizam entrevistas com outras mulheres especialistas em diversas áreas. Deixe nos comentários sugestão de novas convidadas. Confira outros episódios aqui:

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome