TV GGN: O país precisa parar o genocídio de Witzel, por Luis Nassif

Em países democráticos, o governador do Rio receberia voz de prisão assim que descesse de um helicóptero que atirou na população.

Jornal GGN – Em países democráticos, o governador do Rio receberia voz de prisão assim que descesse de um helicóptero que atirou na população.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Xadrez de como Barroso levou a Bolsonaro e Witzel, por Luis Nassif

20 comentários

  1. O país não vai parar genocídio nenhum. E por que não vai parar?
    Já há muito tempo através da mídia porca e seus programas mundo cão vem se cristalizando a opinião de que bandido bom é bandido morto. Diante disso a sociedade veio se acostumando em aceitar os chamados efeitos colaterais,como a morte de inocentes e a quebra dos direitos,principalmente quando trata-se de preto,pobre,prostituta e petista.
    Enquanto não houver uma discussão na sociedade que restabeleça minimamente as garantias individuais e coletivas,que não se discuta as causas da criminalidade e,principalmente,que se restabeleça a democracia,continuaremos a assistir a cenas patéticas como a desse sujeito que,um dia já se fantasiou de juiz,comemorando a morte de um ser humano.

    14
    • O slogan do dep federal Jair Bolsonaro em sua campanha no RJ era Bandido bom é bandido morto. Só estão fazendo o que quer grande parte da população como se não fosse negra e pobre.

      • Por isso que foi eleito, foi o único que prometeu algum endurecimento contra o crime. Se o candidato petista houvesse incluído em sua proposta o endurecimento da legislação penal, talvez tivesse sido eleito.

        2
        8
    • Concordo Vladimir, mas é aí que entram as questões estratégicas: quem vai fazer esse debate com a população, e como? Sem uma imprensa de esquerda fica difícil. Inclusive, a deputada Jandira Fegali disse uma vez para o Witzel “ir trabalhar”. Que esquerda é essa? A esquerda que “dialoga” com genocidas? A esquerda que não levanta o Fora Bolsonaro (quando por muito menos levantou o FHC)? Para mim o problema central é a absoluta falta de clareza política dos dirigentes e representantes da esquerda. Fica parecendo que a formação política deles foi no Insper, e não nas ruas.

  2. Parabéns pela coragem Nassif, um criminoso egresso da justiça. Justiceiro? Jativemos alguns, cabo Bruno por exemplo.

  3. Onde esta a zona sul carioca (e o restante do Brasil) que não se veste de branco e sai às ruas pedindo paz? Se não fazem nada é porque apoiam o neofascismo e suas milicias. Danem-se as crianças, os trabalhadores, as pessoas assustudas e angustiadas nas favelas e periferias.

    9
    1
  4. Concordo e reproduzo aqui dois Twitters que dediquei a esse assunto:

    Duas faculdades de Direito renomadas, dezenas de desembargadores no @tjrjoficial e centenas de promotores no @MP_RJ ganhando salários acima do teto e um governador que foi juiz (@wilsonwitzel) mandando o helicóptero da PM atirar aleatoriamente em crianças na escola.
    O fracasso no Rio de Janeiro é completo. O ensino de Direito é uma fraude. Os operadores dele no Sistema de Justiça são canalhas gananciosos. O Estado é assassino. Os cariocas não tem nem Direito, nem Justiça nem Lei. A violência estatal é criminosa e ficará impune.
    https://twitter.com/FabioORibeiro/status/1174627359116419073

  5. Eu não consigo entender a passividade da população sob o governo Bolsonaro é seus asseclas como o witzel. Eu outros governos inclusive durante a ditadura tivemos protestos: greves, passeatas com maior participação popular, mesmo sob forte repressão.

    • É que vocês insistem em dar uma leitura de luta de classes ao fenômeno da criminalidade. Sob esta óptica, a ação da polícia seria análoga à repressão exercida por uma ditadura, os marginais mortos são a “população”, etc. etc. Mas quando os atores não executam os papéis que vocês lhes deram, aí vocês veem que o mundo real não tem nada a ver com suas fantasias intelectuais.

      • O conceito de luta de classes não se aplica nesse caso. Aqui a questão é a manutenção do estado de direito. Um governante não pode sair por aí mandando a polícia atirar em pessoas de dentro de um helicóptero, ainda que sejam criminosos, colocando em risco a vida de centenas de cidadãos, incluindo crianças. O número de inocentes mortos nessas operações tem batido todos os recordes no governo Witzel, e isso está longe de ser uma fantasia intelectual, infelizmente, é a dura realidade de quem mora nessas comunidades. Aqui não se trata de direita ou esquerda, mas de civilização e barbárie.

  6. Nassif,
    De acordo com o grande presidente eleito JBolsonaro, grupo de extermínio era algo bem vindo para a cidade do RJ, é a mesma tese do “bandido bom é bandido morto”.
    No RJ, agora com alguns milicianos devidamente sentados na Alerj, fator bastante negativo para o combate ao poder paralelo exercido pelo dueto milícia/policiais aposentados ou não, o desenvolvimento das chamadas milícias cobre, hoje, mais de 120 localidades, às quais nenhuma foi incomodada pela recente e inútil intervenção militar que durou mais de seis meses, haja coincidência.
    Sobre o assunto, a maior parte das pessoas, tanto as que sofrem a interferência diretamente quanto as restantes, se mantém silente ou, quando muito, fazem críticas vapt vupt, nada de mais profundo. Este aspecto de aparente conivência por parte da população não ajuda em nada, mas é como é.
    A classe política procura tirar proveito daqueles inúmeros nichos de eleitores, haja vista a vitória do clã bolsonaro em cerca de 90% das seções eleitorais dominadas por milicianos, uma impressionante coincidência.
    Em minha opinião, vale lembrar que antes da chegada das milícias, isto é, até meados da década de 80, o crime organizado já era ostensivamente dominado por forças policiais, a partir dali começou a união que deu origem ao que se tem hoje.
    Como fato curioso, não existe ( ao menos nunca foi comentado) interferência direta de milicianos na zona sul da cidade, que considero a fatia que vai do Flamengo ao Leblon.
    Quanto ao atual governador, é um fenômeno.

  7. Que sujeito é este chamado “país”. ? Bacurau já não há. Estamos , maioria sem poder , paralizados pela violência. Nem nomeamos responsáveis. Nem esperamos interditos institucionais. Não há instituicoes . Há ocupacoes por Violência histórica, institucionalizada, obstétrica, feminicida, racista , homofóbica com consequências promissoras ao capital financeiro especulativo em território livre para a exploracao e devastacao. Nem ao menos lemos ou enxergamos saídas ou contrapoderes promissores. Máximo pessimismo. Aguardamos passivamente a era de Aquarius…

  8. Enquanto ficam atirando e colocando em risco a vida de pessoas inocentes, o transporte de drogas, munições e de armas para dentro das comunidades corre solto

    alguém já ouviu falar de alguma apreensão interna que não fosse diretamente das mãos dos bandidos?

    se não ocorre é porque não querem que acabe

  9. Embora vc esteja certo no diagnóstico de que Witzel age com truculência assassina, Nassif, nada vai acontecer porque a classe média apoia o seu método.

  10. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome