Revista GGN

Assine
imagem de Matê da Luz
Formação Psicologia - Anhembi Morumbi

CONTEÚDOS DO USUÁRIO

Postagens

Vivendo na ditadura, sim, estamos. Por Matê da Luz

Vivendo na ditadura, sim, estamos.

Por Matê da Luz

Quando aconteceu o episódio que alguns insistem em chamar de impeachment, uma das maiores tensões daqueles que sentiam o golpe dava conta dos ares de ditadura retornando ao cenário nacional. Ditadura, aquele período negro na história do país, é, esse mesmo, não tão distante, sabe? Data tão atual a ponto de um enorme número de pessoas consideradas de meia idade terem vivido naquele "outro Brasil". Estas pessoas alardeavam a volta da ditadura e eu, confesso, achei que havia ali um certo exagero, um quê de desgosto justificável quando a gente batalha muito por algo e vê escorrer pelas mãos - pois é, essas pessoas batalharam por um conceito muito amplo de liberdade, que inclui as liberdades dos outros e isso, durante um tempo, tirou o Brasil da dolorida faixa de miséria e fome, é, meu chapa, fome, mas não aquela fome específica de um steak tartar, mas a fome de comida mesmo, aquela escasses que mata e, olha, eu não consigo pensar nisso sem ficar profundamente mexida e triste. Mas bem, essas pessoas falaram em ditadura e eu achei que havia um exagero. 

Leia mais »

Média: 4.6 (10 votos)

Laerte e a vitória contra Reinaldo Azevedo, Jovem Pan e Veja, por Matê da Luz

 

Reinaldo Azevedo, Jovem Pan e Veja são condenados a pagar indenização para Laerte - mas este é só o início da notícia

por Matê da Luz

Uma das notícias mais felizes do dia de hoje: a cartunista Laerte ganhou o processo contra Reinaldo Azevedo, a revista Veja e a Rádio Joven Pan. Há algum tempo, Laerte fez uma charge ironizando o golpe contra a presidente Dilma (essa mesmo, a que sofreu um golpe porque não quis participar de um esquema de corrupção, até a Globo tá falando, ainda não viu?) e foi chamada de "baranga moral", "fraude de gênero" e "homem que se finge de mulher" na coluna do senhor na respectiva revista. A rádio replicou os comentários e por isso foi inclusa no processo.  Leia mais »

Média: 4.8 (19 votos)

Des-cansar: um pouco da saga que é ser mulher nos dias atuais, por Matê da Luz

Des-cansar: um pouco da saga que é ser mulher nos dias atuais

por Matê da Luz

O sumiço se deve ao intenso cansaço e, então, eis que preciso de espaço. Físico, emocional, estrutural. Me retiro para recarregar e, como se fosse alguém que pudesse receber energia plugando um fio numa tomada, repouso dentro do tempo do possível. Sou uma mulher que trabalha de forma autônoma, estudo à distância e contribuo com contas relevantes fora de casa, especialmente no sustento da filha que ficou na cidade grande para cursar a faculdade, o que significa que não posso me dar ao luxo de simplesmente parar - mesmo que por alguns dias, mesmo que por algum tempo. 

Leia mais »

Média: 3.5 (11 votos)

Meditação de 21 dias de limpeza energética, vale pra todo mundo, pro mundo todo, por Matê da Luz

Meditação de 21 dias de limpeza energética, vale pra todo mundo, pro mundo todo

por Matê da Luz

Sou macumbeira, se você me lê, já deve saber. Adepta do candomblé, acredito, sobretudo, em energias e, convenhamos, as energias do mundo estão muito estranhas, mais do que esquisitas, ultimamente. Daí uma amiga compartilhou comigo esta oração, que pra algumas pessoas pode ter peso e caráter religioso, mas por aqui se funde com uma meditação de boas palavras e intenções e, então, por que não assumir o compromisso de meditar positivamente durante 21 dias, mesmo que seja entoando para anjos e arcanjos e que eles sequer existam, que mal tem?  Leia mais »

Média: 3 (8 votos)

Ser louco num mundo cão, por Matê da Luz

Ser louco num mundo cão, por Matê da Luz

Eu tento, olha, eu tento muito, com firmeza e veemência, ser fiel ao discurso e prática de que é tudo cíclico, então, que seja, este é um período naturalmente caótico e tudo, então, tende a melhorar logo ali, depois da curva que justifica o nome. Ciclo, círculo, acho que é isso, é daí que deve vir...

Daí vem a notícia do segurança que ateou fogo em si próprio e numa creche em Janaúba, Minas Gerais, e quase toda e qualquer crença que eu tenha escorre nas lágrimas de questionamento sobre os porquês disso tudo. A notícia, por mais que acredite que todos já tenham lido sobre, dá conta de que o segurança Damião Soares dos Santos, 50, foi o único responsável pelo incêndio na creche municipal em Janaúba (547km de Belo Horizonte), segundo investigações da Polícia Civil da região. Ele morreu na tarde de quinta-feira em decorrência de queimaduras. Leia mais »

Média: 3.7 (7 votos)

Ser mulher: uma constante movimentação para não cansar enquanto não há descanso, por Matê da Luz

Ser mulher: uma constante movimentação para não cansar enquanto não há descanso

por Matê da Luz 

E quando o mundo lá fora parece que espreme, reprime e dilacera o que a gente carrega aqui dentro? Em psicologia, este talvez seja o contexto ideal pra formação ou inflamação de um quadro depressivo. Individualmente, e isso depende muito da fase da vida em que a gente anda, os caminhos podem ser de sabedoria ou de opressão.

Na opressão a gente se espreme, reprime e dilacera mesmo, sentindo todas as dores que este mundo apresenta. Sangram corpo, alma, pensamentos. Sangram as oportunidades escorrendo pelas mãos naquele futuro que não vai chegar. Sangram os pulsos, vez ou outra literalmente – e ai da gente que não aguentou.

Leia mais »

Média: 2.7 (7 votos)

Crônica sobre o medo, por Matê da Luz

Crônica sobre o medo

por Matê da Luz

Aconteceu comigo: no Candomblé, a gente tem que percorrer um caminho de pequenos compromissos até chegar na obrigação de início na religião e, em todos estes episódios, cumpre algo chamado de preceito que é, basicamente, uma série de restrições relacionadas ao processo mágico pelo qual passamos. Alguns preceitos incluem comidas, lugares, atividades, vestimentas e, então, especialmente por conta deste último, as roupas, ficamos mais expostos - o que sempre foi motivo de orgulho pra mim, sempre mesmo, amo minhas escolhas com a mesma força e determinação com que as faço e não tenho problema algum em ostentá-las por aqui e acolá. 

Leia mais »

Média: 3 (4 votos)

Instrospectar para não morrer ou matar, por Matê da Luz

Instrospectar para não morrer ou matar

por Matê da Luz

Tem um grande amigo meu que disse estes dias sobre os tempos difíceis que a gente tem vivido: "essas leis que aprovam a cura gay, essas invasões nos terreiros, esse grande Brasil evangelizado que tem se apresentado acontece, na verdade, pra nos distrair - isso porquê os bandidos políticos não têm mais como fugir ou como esconder suas maracutaias e, então, ficam causando grandes movimentações midiáticas pra sairem de cena". Num primeiro momento eu, que estava aos prantos com essa história de autorização de tratamento psicológico para os gays pelo simples fato de não ter nem mais energia pro diálogo, que dirá pra investir em demolição de preconceito, respira, pega fôlego e segue o parágrafo, bem, num primeiro momento eu achei que ele estava exagerando. 

Leia mais »

Média: 3.1 (10 votos)

Práticas pra realmente se curar (ainda mais se você mora no Rio de Janeiro), por Matê da Luz

Práticas pra realmente se curar (ainda mais se você mora no Rio de Janeiro)

por Matê da Luz

Hoje, em meio a infinitos diálogos e discursos sobre a abominável aprovação da classificação do homossexualismo como doença tratável (abordarei quando as lágrimas pararem de escorrer vermelhas), recebi este email:

“Nosso RETIRO DE YOGA E MEDITAÇÃO desse ano está se aproximando e abaixo coloquei todas as infos pra quem tiver interessado:

Leia mais »

Média: 4 (8 votos)

Criança viada e porque aceitar a heterosexualização infantil, por Matê da Luz

Criança viada e porque aceitar a heterosexualização infantil

por Matê da Luz

Por que é que todo mundo acha normal e corriqueiro perguntar pra um menino de 4, 5 anos sobre as namoradinhas e comentar sobre as meninas de até menos que isso sobre o "trabalho" que vão dar pros pais? Por que segue sendo normal que as crianças sejam sexualizadas a este ponto, o que, de certa forma, eu só não sei explicar muito bem porque o assunto embrulha meu estômago, contribui para que a pedofilia seja amenizada dentro das famílias, tantas vezes colocada como algo que "acontece, não tem muito o que fazer", como se não fosse crime mas feitio cultural? Por quê? 

Leia mais »

Média: 2.9 (15 votos)

Os limites da intolerância religiosa no Rio de Janeiro, por Matê da Luz

Os limites da intolerância religiosa no Rio de Janeiro

por Matê da Luz

Atos infelizes e de apertar o coração da humanidade (deveria ser isso mesmo, algo que comove a todos, tamanha violência sem justificativa alguma) vêm acontecendo descaradamente no Rio de Janeiro de alguns meses pra cá. Escrevo descaradamente porque a violência e discriminação contra as práticas religiosas com origens negras acontecem rotineiramente, com maior ou menos força - não é raro para nós, os praticantes dessa fé, ter intimidade com a palavra preconceito, muito pelo contrário: tantos de nós, como no meu caso (brancos, privilegiados e por aí vai...) temos a oportunidade de conhecer o que é preconceito por conta desta escolha. 

Leia mais »

Média: 2 (2 votos)

Santander Cultural cancela Queermuseu - cartografias da diferença na arte brasileira, por Matê da Luz

Santander Cultural cancela Queermuseu - cartografias da diferença na arte brasileira

por Matê da Luz

Qual o tamanho da lacuna entre o que pregam e praticam - empresas, pessoas? 

A pergunta surge para estimular o diálogo e reflexões sobre a mostra Queermuseu, que aconteceu em Porto Alegre e que, neste final de semana, teve decretado seu fim por meios nada sólidos e, quiçá, desrespeitosos –o curador, o público e a comunidade diversa deste país ficaram sabendo do encerramento pelo Facebook, primeiramente.

Iniciada em 15 de agosto e com previsão de término em 8 de outubro, a exposição dava conta de quase 300 obras que contemplavam coleções púbicas e privadas explorando a diversidade de gênero.

Leia mais »

Média: 2.6 (10 votos)

Só um monte de dados assustadores sobre abuso sexual no Brasil, por Matê da Luz

Só um monte de dados assustadores sobre abuso sexual no Brasil

por Matê da Luz

Abrir os olhos e não se calar. Abrir os olhos e não se calar. Abrir os olhos e não se calar. Abrir os olhos e não se calar. Abrir os olhos e não se calar. Abrir os olhos e não se calar.  - tantas e quantas vezes forem necessárias, até que a mudança se instale. Tem gente que se diz cansada de tanta batalha pra onde não adianta nada andar e, eu sei, também me sinto assim, no final das contas é isso o que a oposição mais deseja: que a gente se sinta cansada e desista. 

Mas não. Não vou desistir, e meu conselho é pra que você também não desista - siga imprimindo empatia, atos de gentileza e amor com força e sutileza por aqui e acolá. Siga superando as dificuldades mais duras e semeando leveza em terrenos áridos pelo tempo que for porque, olha, se tem algo que posso garantir, se é que garantia dá validade alguma pra qualquer coisa que seja, é que a gente dorme melhor quando pratica o que é bom. E isso, nos dias de hoje, já é um baita de um presente. 

Leia mais »

Média: 3 (8 votos)

O absurdo da liberação do esporro em público e a simbologia nefasta da falta de limites individual, por Matê da Luz

O absurdo da liberação do esporro em público e a simbologia nefasta da falta de limites individual

por Matê da Luz

(imagine meu humor ao escrever dois textos seguidos sobre abusos contra a mulher)

Foram dois episódios esta semana em plena Avenida Paulista, símbolo da boa vida na capital do estado mais rico do Brasil. Em um deles, o segundo, um homem apalpa os seios de uma moça num ônibus. Ela chama a polícia, ele é encaminhado à delegacia e sabe-se lá qual é o resultado, porque nem noticiado foi. O primeiro caso, ainda mais bizarro, dá conta de um homem ter ejaculado no pescoço de uma mulher dentro de outro ônibus, também numa das avenidas mais movimentadas da capital. 

Leia mais »

Média: 4.1 (13 votos)

O estupro de Clara Averbuck no Uber, a culpa é sempre da vítima e o feminismo cada vez mais necessário, por Matê da Luz

O estupro de Clara Averbuck no Uber, a culpa é sempre da vítima e o feminismo cada vez mais necessário

por Matê da Luz 

Faz dois dias e, na velocidade que a internet leva e traz informação, este pode parecer um artigo atrasado. Peço, então, que se coloquem no lugar de alguém que escreve com o coração nas mãos e, no mais, pretende levatar diálogos muito mais do que noticiar. Hoje, depois de duas noites em claro, uma delas chorando e cogitando voltar pra São Paulo para superproteger minha filha (sim, entendo como superproteção querer abrir mão da minha vida individual apenas para ser trasporte de uma marmanja que já está na faculdade, mas confesso que cogitei porque a Clara estuprada é minha amiga e, por mais que a gente saiba que isso acontece, quando é com alguém conhecido o impacto é tenebroso), bem, hoje consigo sentar e lidar com o tema de forma menos irracional. 

Leia mais »

Média: 3.7 (12 votos)

Fotos

Sem colaborações até o momento.

Vídeos

Sem colaborações até o momento.

Documentos

Sem colaborações até o momento.

Áudio

Sem colaborações até o momento.