O duo violão de Carlos Walter e Silvinho Sete Cordas

No sarau de Belo Horizonte, impressionou-me o violão de Carlos Walter, com um show e uma harmonização que me lembrou imediatamente o grande argentino Luiz Salinas. Depois de sua apresentação fui conferir e, de fato, ele é fã entusiasmado de Salinas.

Seu solo é tenso, com cada corda vibrando, dando uma emotividade com limpeza excepcionais.

Filho e neto de músicos, contou-me um encontro que tive com seu pai em Uberada. Saí de uma palestera e um grupo de pessoas me esperando na porta. Não pareciam empresários nem fazendeiros. Olhei, alguém (que devia ser seu pai) chamou: “Vamos embora, somos do choro”. Fomos a um bar e ficamos até uma da manhã.

Além de exímio violonista, Carlos Walter é um belo intelectual, com estudos na área jurídica e na área do choro e participação em alguns festivais internacionias.

Já Silvinho Sete Cordas é um engenheiro que se tornou dos melhores sete cordas do país, no regional Flor do Abacate. Ele e Walter tem se apresentados em diversos palcos.

O primeiro vídeo é Carlos Walter com Yamandu e Humberto Junqueira no clássico “Magoado”, de Dilermando Reis.

No vídeo seguinte, com Silvio Carlos, o Silvinho Sete Cordas e e o pandeiro de Paul Mindy, em Paris. Waltrer e Silvinho dão um balanço de primeiríssima a choros clássicos. Aqui, em “Sons dos Carrilhões”.

No terceiro vídeo, o “Santa Morenda”, de Jacob do Bandolim.

No quarto, entrevista de ambos à Rede Minas.

https://www.youtube.com/watch?v=KZsJVtrhgpY
https://www.youtube.com/watch?v=PO2NZw-KnvA
https://www.youtube.com/watch?v=xlKf4tc2h-4
https://www.youtube.com/watch?v=h1nQjTJ12zY

2 comentários

  1. Agradecendo

    Estimado Luís Nassif, bom dia!

    Muito obrigado pelos generosos textos alusivos à minha participação musical no festejado sarau de BH.

    Sou admirador da família Nassif  (convivo com os queridos Oscar e Eda há 7 anos) e fã da sua trajetória jornalística e literomusical. Leio suas publicações há anos. Os textos sobre o Lalão, o Waltel Branco, o Garoto (verdadeiro Waldir e Jacob) etc povoam minha cabeceira digital. O “Entre música de câmara e batuques” publicado numa edição comemorativa da Guitar Player de 1997 resume com precisão a história do violão brasileiro.

    Aprendi muito e me emocionei ao ler “A casa da minha infância” em 2008. A crônica “Um músico extraordinário” subsidiou um ensaio que redigi sobre o Waltel Branco a pedido do Ulisses Rocha. Registrei seu pioneiro resgate acerca da obra do maestro na vigésima quarta nota de fim e na quinta página: “Luís Nassif – difusor midiático de refinadas vanguardas musicais (redivivas e em extinção), o transdisciplinar bandolinista radiografou em livro e blog o itinerário multicultural de Waltel” (http://www.mediafire.com/view/?j2cg00mpnab5zu2)

    Hoje ao apreciar o vídeo da bela valsa Oscar e Tereza, revisitei os textos “O olhar de meu pai” e “Dona Tereza”. A propósito, os traços do seu primo Oscar se assemelham aos do retrato de seu pai na capa do livro. Depois reli aquela crônica sobre os Maristas. Conheci o Irmão Gonçalves Xavier (com quem você travou a 1ª batalha jornalística) durante a fundação da associação de ex-alunos do Colégio Marista Diocesano de Uberaba.

    Tinha 17 anos quando o meu pai Alvaro (http://www.alvarowalter.com.br/2012/11/alvaro-walter-no-programa-sr.html) chegou em casa com o seu CD. Mal sabia que nove anos depois conheceria um dos personagens do testimonial da ficha técnica: o primo Oscarzinho!

    Aquele seu post no ano passado sobre a canção Dúvida de Luiz Gonzaga e Domingos Ramos foi arrebatador. Afinal, fui aluno do Sérgio Ramos (filho do Sr. Domingos e irmão do Toninho Ramos, com quem já toquei).

    Já a música do Luiz Salinas me chegou através daquele CD premiado do violonista Tomatito com o pianista Michel Camilo. Dele gravaram “Para Troilo y Salgán”. Depois disso, o hermano entrou na lista dos favoritos. Como lhe disse, ele canta e também toca guitarra elétrica. Confira http://www.youtube.com/watch?v=ugo1cCCk_KA&list=PLE03CB1656D233E23 e http://www.youtube.com/watch?v=ubZt2UvbIgw

    Há então no meu imaginário uma teia de reminiscências que maximizam cada palavra escrita por você. Portanto, a sua impressão positiva sobre o meu estilo musical aumenta a minha responsabilidade e o meu comprometimento com a boa música.

    Em maio e/ou junho próximo tocarei em São Paulo no lançamento do cd e do álbum digital de partituras do Projeto Novas #2, organizado pela violonista Elodie Bouny com o auxílio luxuoso do Sérgio Assad, Fábio Zanon e Marco Pereira. A iniciativa corresponde ao resultado de um concurso de composições para violão-solo fomentado pelo Programa de Ação Cultural da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo: http://www.mecenaria.com.br/ver_nota.asp?id=26

    Duas composições minhas foram selecionadas: Acrobata (inspirada nas batidas de coração e nas acrobacias intrauterinas do meu filho Pedro) e Sui Generis (composta no 3º mês de gestação da esposa Rosana e inspirada numa improvisação sui generis do Juarez Moreira e na leitura do “O violão ibérico” do Carlos Galilea).

    Na época o convidarei. Sua presença abrilhantará a ocasião!

    Grande abraço, Carlos Walter.

  2. o genial Carlos Walter

    Olá, Luis!!

    VOCÊ JÁ O CONHECIA!

    Antes de tudo,gostaria de dizer que sou teu admirador e admiro sua coragem e tranaparência como jornalista.Contudo,passei a te admirar mais vendo-o tocar e contar causos…

    Parece que você não se lembra, mas em 2011, você recebeu em seu apartamento, duas amigas, Vanesa, belíssima cantora e sua amiga pessoal, que convidou a mim e a uma outra amiga dela para nos deleitarmos com uma prosa boa, com você tocando e ela cantando. Eu até arrisquei declamar uns poemas, entre eles Cântico Negro do José Régio, mas a noite foi de uma boa música. Enfim, entre tantos assuntos musicais e literários, mencionei e falei do Cralos Walter, que é um amigo de infância lá de Uberaba, meu padrinho de fogueira e um irmão de todas as horas. Aliás, falei tanto dele com entusiasmo, que você até sugeriu levá-lo em sua casa um dia, prauma boa roda de violão. Mas quis o destino que você o conhecesse pela inigualável e genial verve e vibração deleem palco.Mas vocêjá o conhecia…

     

    um gde abço terno e fraterno

    cordialmente

    Kleider Risso

    Uberabense, fã desde criancinha de Carlos Walter, hoje Preparador de Elenco do Studio FátimaToledo

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome