TV GGN 20hs: os dados da Covid estariam sendo escondidos devido às eleições?

Confira entrevista com o infectologista Paulo Lotufo e os comentários de Luis Nassif sobre economia e política nesta quarta-feira, 11 de novembro

O tema da TV GGN 20 horas desta quarta-feira (11/11) é o uso dos dados da Covid-19 e a manipulação eleitoral. Veja este e outros destaques a seguir:

O programa começa destacando a falta de dados sobre a covid-19 no Brasil – “os últimos dados no Ministério da Saúde são de 04 de novembro”.

No mundo, os EUA tiveram mais de 147 mil casos registrados, enquanto não se tem ideia do que ocorre com o Brasil. Em termos de óbitos, os países do Leste Europeu – como Polônia e Bulgária – são destaque.

Uma análise do pico de casos entre a primeira e a segunda onda de covid-19 mostra o aprendizado de alguns países ao lidar com a pandemia, mas isso não impede que países como Espanha e Itália apresentem recordes sucessivos de alta. “Em suma: você tem Europa e EUA como epicentro, que são os casos mais emblemáticos”

Nassif destaca a dificuldade em se obter dados de covid-19 no Brasil, “o que passa a suspeita de que possa ser algo com o processo eleitoral”.

Nassif entrevista o infectologista Paulo Lotufo, que analisa o papel da Anvisa, do Instituto Butantan e os reflexos dessa disputa. “Quando eu assisti a entrevista da Anvisa, fiquei assutado com o que aconteceu”.

“Todo mundo tá achando que foi uma ação política, deliberada, mas eu tenho um medo pior ainda. Quando você faz uma ação política deliberada, você tem uma certa competência, um certo domínio da matéria para você poder manipular”

“Mas, veja só: a informação saiu no dia 29/10 (…) Aquilo foi colocado no sistema, depois houve ataque de hackers no Ministério da Saúde que atingiu a Anvisa e eles não ficaram sabendo disso, mas tinham a informação de que o Conselho Nacional de Ética e Pesquisa (CONEP) já tinha avaliado”, diz Lotufo

“As informações que são faladas naquela entrevista me dão medo, pois eles falam ‘tivemos informação de que a CONEP’… Como assim tivemos a informação?

Leia também:  A violência racista e a responsabilidade da Polícia Federal

“Você está no órgão mais importante em termos de regulação sanitária, você pega o telefone e vai atrás de todo mundo que está envolvido para saber o que está acontecendo. Você não vai depender de sistema”, afirma o infectologista.

“A sensação que eu passei a ter é que é uma coisa inadmissível. E na segunda-feira, mandaram mais um e-mail para o Instituto Butantan. Será que eles não tem o telefone do diretor do Instituto Butantan?(…) É uma situação grave

O medo que eu tive é que talvez não tenha sido uma armação. Realmente, são pessoas que não tem preparo, que não entendem a responsabilidade do cargo. Quem está na Anvisa é autoridade maior do país, ele representa o país.

“As empresas farmacêuticas sediadas nos EUA, Suíça (…) Elas só conseguem trabahar em países onde as agências regulatórias sigam as boas práticas de pesquisa e independência do poder”.

“Há um risco muito grande de sermos penalizados no futuro, pois algumas empresas pelo compliance interno não vão poder trabalhar no Brasil”, alerta Lotufo

Sobre a demora em liberar os dados sobre a covid-19, Lotufo diz que o Ministério da Saúde tem um sistema de informação muito antigo, do antigo Dataprev, e ele é feito com uma estrutura que permite edições

“Uma das ações que se faziam no passado é que estados e municípios ficavam com a plataforma, editavam e depois informavam, como acontece com o Imposto de Renda”

“Agora, é um sistema que você vai automaticamente alimentando. Com isso, você não precisa ter hardware. Mas o preço disso é justamente quando você tem um problema no hardware central”

“Agora, que a eleição está causando alteração no número de casos, não tem como duvidar. Existe relaxamento, pode com certeza ter omissão de casos

Sobre a compra de vacinas, Lotufo diz estar convencido que “conseguimos segurar o vírus sem usar nenhum medicamento. Isso foi o isolamento social, e que agora tá todo mundo tentando ver o que funciona e o que não funciona”

Leia também:  Trivial do Madrigal Renascentista

“Essas medidas não-farmacológicas, nós vamos continuar a ter (…) E descobri que várias coisas vão ser adotadas de forma efetiva, e a vacina vai se juntar a isso”

Sobre as vacinas: “A Pfizer fala que tem uma eficácia de 90%, mas a efetividade dessa vacina vai ser muito baixa por depender de uma cadeia de frio que nenhum lugar do mundo consegue ter”

Sobre a testagem no Brasil, Lotufo explica sobre a procura do vírus e o chamado teste da farmácia. “O que vale é a pesquisa do vírus, a testagem. Ela é muito baixa (…) Acho que a nossa testagem ficou muito aquém, e nós não soubemos ampliar a rede de laboratórios para poder fazê-la”

“A testagem por habitante é um indicador secundário perto da testagem por casos. A rica Alemanha fez um monte de testes, e o Vietnã se restringiu a testar os casos e os contactantes, e teve um sucesso muito melhor”

Nassif comenta sobre o óleo de xisto, que provocou uma grande devastação ambiental nos Estados Unidos – e ponto de debate entre Donald Trump e Joe Biden. Em entrevista ao GGN, a professora Izabel Cristina Marson fala dos riscos que o fracking traz ao meio ambiente como um todo.

“O fracking trata de perfurações para extração de xisto que vão implodir as rochas que contém o gás de xisto, e lançar muita contaminação na atmosfera. Para fazer a extração de un poço de fracking, são nove toneladas de areia, mais de 600 produtos químicos e milhões de litros de água”

“Obviamente tem escape dessa contaminação do lençol freático no subsolo. Isso causa danos à vida humana, e esse resíduo de água injetada para extração de xisto volta para o meio ambiente, e é jogado como dejeto sem tratamento”

“O fracking é a plantação de uma colheita só. Depois que ele chega em uma região, você não colhe mais nada. E na Argentina, tivemos regiões altamente contaminadas”

Leia também:  Uma análise pós-eleições e o que esperar para 2022

“Esse pessoal do fracking, mineração em terras indígenas, isso compõe todo aquele entorno dessa indústria da ilegalidade que bancou o Trump e, aqui, bancou o Bolsonaro”, diz Nassif

Sobre a preocupação do governo Bolsonaro em não ingressar na OCDE, Nassif diz que “são aqueles estereótipos mercadistas: temas sem nenhuma relevância para o desenvolvimento do país que são transformados em tema central”

“É o mesmo padrão que você tinha no começo do século para impedir qualquer restrição ao fluxo de capitais. Esse fluxo de capitais, se não administrar, o Brasil está ferrado. Você tem oscilações de valorização, de depreciação, e tudo o que mata qualquer tentativa de criação de indústrias no país”

“Indo para a OCDE, você fica com um conjunto de restrições. Você amarra qualquer tentativa de política industrial, que vai ser retomada depois desse período Temer/Bolsonaro”

“Em qualquer parte, o financeiro/tesouraria tem que obedecer uma estratégia de país. Qual é a estratégia de país? O que é que o país precisa para se desenvolver? O que o país precisa fazer para recuperar o nível de atividade econômica?”

“E daí, recuperar a arrecadação fiscal também, e reduzir o rombo fiscal. É um conjunto de políticas que é definida fora do Banco Central. O Banco Central é um instrumento”

“Então, do que nós precisamos? Nós precisamos aumentar gastos públicos agora, para poder melhorar o nível de atividade e poder melhorar o nível de arrecadação amanhã. Então, o que eu gasto agora vai ser compensado amanhã. Esse pente fino, o Guedes é incapaz de administrar um negócio desses”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

    • Inverno de altas temperaturas seguido por Primavera com elevação de temperatura e chuvas que anunciam o Verão. E simplesmente sumiu a DENGUE? Ninguém mais morre de Dengue? (Em SP, foi proibido morrer de outra causa fora Covid, segundo determinação do decreto do Governador João Dória). E DENGUE HEMORRÁGICA? Ainda mais preocupante e letal? E ZICA? E CHICUNGUNYA? E GUILLIAN BARRÉ? E MICROCEFALIA? Como se deu tal Milagre?!! Quase este ano inteiro sem precisar de “Fumacê”? Foram extintas !! MILAGRE !!!!!!!!!!! E Surtos de Leschimaniose e Hepatite que voltaram para São Paulo, juntamente com Febre Amarela e Raiva Humana depois de 30 anos competentíssimos de ‘Coxinhas e Mortadelas’? Tudo isto foi simplesmente extinto?!!! Pelo menos dos Noticiários (direcionados, tendenciosos e interesseiros) MILAGRE !!! O Mundo se resume apenas Coronavírus e sua Vacina !! Estamos Salvos !!!!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome