Alvo de atentado, caravana de Lula é atingida por tiros no Paraná

Ônibus onde se encontravam jornalistas que cobriam a caravana foi alvo de emboscada / Daniel Giovanaz/Brasil de Fato

Ônibus onde se encontravam jornalistas que cobriam a caravana foi alvo de emboscada - Créditos: Daniel Giovanaz/Brasil de Fato

 Matéria atualizada às 23h39 desta terça-feira (27) para acréscimo de informações.

do Brasil de Fato

Alvo de atentado, caravana de Lula é atingida por tiros no Paraná

Dois ônibus da caravana do ex-presidente foram alvejados na estrada nesta terça-feira (27)

Redação

Brasil de Fato | Laranjeiras do Sul (PR)

“Isso não é manifestação pacífica, democrática, é um atentado”. A afirmação é de Gleisi Hoffman, senadora e presidenta do Partido dos Trabalhadores (PT), em entrevista na noite desta terça-feira (27) sobre os dois ônibus da Caravana Lula pelo Brasil que foram alvejados no final da tarde, na estrada entre a cidade de Quedas do Iguaçu e Laranjeiras do Sul, no Paraná. Não houve feridos. Um boletim de ocorrência foi aberto pelos organizadores. A perícia da Polícia Civil já confirmou que os dois ônibus foram atingidos por um total de três tiros. O laudo final deve sair em 24 horas.

Os repórteres Leonardo Fernandes e Daniel Giovanaz, do Brasil de Fato, acompanham a caravana e relataram o ocorrido no vídeo abaixo:

O primeiro ônibus, com jornalistas que acompanham a caravana, recebeu dois tiros, um na sua parte frontal e um na lateral. O outro, onde estavam integrantes do PT e convidados, foi atingido em sua lateral. Há suspeita de que os tiros foram dados por pistola e revólver. Além disso, os ônibus tiveram seus pneus furados por miguelitos, uma espécie de cruz formada por pregos entrelaçados, jogados na estrada para diminuir a velocidade e facilitar a emboscada.

Leia também:  No Paraná, o apagamento da Filosofia e Sociologia nas escolas, por Vinicius de Figueiredo

A Caravana Lula pelo Brasil na região Sul tem sofrido uma série de agressões desde seu início. Seus integrantes foram atingidos por ovos e pedras, como o ex-Deputado Federal Paulo Frateschi (PT), que teve sua orelha dilacerada por uma pedra atirada por um opositor, na cidade de Chapecó (SC). Já em Foz do Iguaçu (PR), o padre Idalino Alflen, de 64 anos, levou uma pedrada na cabeça e foi atropelado por uma motocicleta, minutos antes do pronunciamento de Lula.

De acordo com Hoffmann (PT-RS), os organizadores da Caravana vêm denunciado a escalada de violência desde seu início, mas não houve nenhuma garantia de segurança por parte da Polícia Militar dos respectivos estados, ou mesmo do Ministério da Defesa. 

“A nossa caravana foi vítima de uma emboscada, podemos dizer isso claramente. Estão todos muito assustados, a violência contra a caravana vêm crescendo, nós já tínhamos denunciado isso. Mandamos um ofício com o roteiro da caravana, pedindo apoio da segurança. Falamos com o comando da PM. O fato é que não temos proteção. O nível de violência e ódio chegou a um ponto que precisamos da manifestação das autoridades desse país. Vamos deixar a política virar um bang bang? Temos um evento amanhã em Curitiba e tenho que saber o nível de segurança das pessoas que vão nesse evento. Ou não somos mais um país democrático?”, afirmou ela em coletiva logo após o atentado.

Ônibus com assessores do PT e convidados também foi alvejado/Daniel Giovanaz/Brasil de Fato

Leia também:  No Paraná, o apagamento da Filosofia e Sociologia nas escolas, por Vinicius de Figueiredo

Negligência policial

Representantes do Coletivo Advogadas e Advogados pela Democracia (CAAD) entregarão amanhã (28) ao Ministério Público (MP) denúncias sobre os crimes praticados contra a caravana de Lula na região Sul. O CAAD está elaborando também uma denúncia da negligência policial em relação à essas agressões nos três estados da região Sul, que será entregue à Corte Interamericana de Direitos Humanos.

De acordo com a advogada Tânia Mandarino, integrante do CAAD, a representação pediu para que as denúncias de ameaças de morte e violência contra o ex-presidente Lula, os integrantes e apoiadores da caravana, fossem entregues ao coletivo até esta terça-feira (27).

“Nós somos operadores do Direito, não podemos deixar esse crime acontecer contra a democracia, contra o Estado de Direito, contra o ex-presidente Lula e qualquer pessoa que acompanhar a Caravana. Isso é a polícia colocada com parcialidade para defender agressores”.

O CAAD realizou uma triagem das denúncias recebidas e, de acordo com Mandarino, já identificou pelo menos três agressores.

“Recebemos vídeos de agressões na Caravana, e também de companheiras de toledo que não conseguiram nem mesmo chegar até o ato da Caravana, porque foram impedidas por criminosos. Nós fizemos a triagem dessas denúncias, e encontramos inclusive advogados, que já identificamos com registro na Ordem dos Advogados Brasileiros, cometendo atos criminosos de ameaça, incitação à morte, à Lula. Tem um advogado que está com uma pedra na mão escrito ‘ovo geneticamente modificado’ em uma mensagem no Whatsapp, em um grupo no Rio Grande do Sul. É uma pedra, capaz de matar”, denunciou.

Leia também:  No Paraná, o apagamento da Filosofia e Sociologia nas escolas, por Vinicius de Figueiredo

Outro lado

Procurada pelo Brasil de Fato, a Polícia Militar do Paraná informou que está fazendo policiamento preventivo de segurança pública em todos os locais de aglomerações, seja de pessoas favoráveis ou contrárias ao ex-presidente. “A Polícia está preparada para agir caso haja alguma necessidade”, afirmou a assessoria do órgão.

Para o ato de encerramento da caravana nesta quinta-feira (28), o órgão pontuou que vai acompanhar as movimentações nos lugares onde estão previstos atos públicos. O principal evento do dia vai ocorrer na Praça Santos Andrade, localizada no centro de Curitiba.

A PM ponderou ainda que a estratégia de segurança envolve outras instituições e as investigações das agressões ocorridas são responsabilidade das polícias Civil e Federal.

Segundo assessoria do ex-presidente Lula, o Paraná foi o único estado da federação de todos os percorridos pela caravana a não fornecer uma escolta policial para a comitiva dos ônibus.

Edição: Thalles Gomes

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

10 comentários

  1. As sementes de ódio

    As sementes de ódio cultivadas por anos e anos pela mídia, pelo judiciário parcial e pelos irresponsáveis do PSDB, sendo que o faxineiro da Sourbonne nada fez para tentar levar um pouco de lucidez ao seu próprio partido, germinaram. Ale4manha e Itália da primeira metade do século XX despencaram ladeira abaixo e aquilo só teve fim quando chegaram ao fundo do abismo. Um dia, isto vai acabar. Os (ir)responsáveis ficarão impunes?

  2. Sinto dizer, meus caros, mas

    Sinto dizer, meus caros, mas tenho a sensação que escancaram as portas do Inferno de vez. Pelo tom, parece que a mídia tradicional resolveu atear fogo no paiol e apostar na barbarie, com suporte daqueles todos que sabemos, com o coro dos cretinos de sempre e o fanatismo de meia dúzia de delinquentes. Mesmo que houvesse um mínimo de bom senso institucional agora – o que duvido muito – temo pelo pior. A Mitologia – tradutora dos sentimentos submersos da psiquê coletiva – e a História – esclarecedora de seus movimentos aparentes – nunca deixaram de repetir um velho e recorrente relato: o da besta-fera que, uma vez que tenha provado da carne humana, já não escolhe vítimas pra saciar seu apetite voraz. 

    E quanto apetite! 

  3. O ministro da segurança

    O ministro da segurança pública disse que a PF não vai investigar o atentado por não ser Federal. Certíssimo, ocorreu nos Estados Unidos da República do Paraná, que não pertence à República Federativa do Brasil, que nada tem a ver com isso. Sobre a dúvida de ter sido ou não um atentado político lá vai um pitaco de esclarecimento: Não foi político, foi apenas uma tentativa de matar o Lula. 

  4. Lembrança

    O atentado.contra a caravana de Lula ocorreu na mesma regiao  onde dois integrantes do MST foram assassinados em 2016.  Baleados pelas costas por PMs, também numa emboscada, os trabalhadores rurais Vilmar Bordim, de 44 anos, e Leomar Bhorbak, de 25 anos, pertenciam ao Acampamento Dom Tomás Balduíno, localizado em área sob disputa judicial entre o MST e  a empresa de celulose Araupel, em Quedas do Iguaçu.

  5. Graças ao fascismo

    Graças ao fascismo incentivado pelo conluio midiático-penal chegamos a este ponto.

    O tiro acertou a poltrona de um integrante da caravana, que cobria o evento para uma agência francesa.

    A intenção era mesmo matar.

    Se fazem isso com um ex-presidente,….se atiram contra ônibus transportando jornalistas a serviço de empresas de midia nacionais e estrangeiras, o que tem feito esses agroboys miliciantos fascistas contra as lideranças progressistas da região.

    ?

    Monstros emergiram das trevas em 2013 e ai estão mostrando suas garras para silenciar lideranças: Marielle foi apenas um aperitivo: com STF e tudo junto…

    [video:https://youtu.be/Gv80pUz5oqg%5D

     

     

     

    • Uma realidade muito desoladora

      Assistindo ao video fica claro que poderiam ter matado alguém dentro do ônibus. E ai a responsabilidade também do Estado que nada tem feito realmente para pôr fim a esses ataques de gente que não sabe que o mundo não se resume apenas ao umbigo deles.

  6. Vou desaposentar minha velha arma e lubrificá-la

    Já que as forças de repressão do estado não reprimem os agressores, mas apenas os agredidos, chegou a hora de tirar a minha velha arma da hibernação. Legítima auto-defesa.

  7. Aguardando providências das instituições AINDA existentes…

    *Amanhã (28), às 10h, o Coletivo Advogadas e Advogados pela Democracia entregará ao MP do Paraná a Notícia Crime elaborada com material triado pelo CAAD a partir dos e-mails com denúncias enviadas ao Coletivo.*

    ➡ *Trata-se de vídeos com cenas de apedrejamento, fogo e obstrução nas estrada para impedir a passagem da caravana, fotos de postagens com ameaças de morte a Lula, crimes de lesões corporais contra militantes, cerceamento do direito de ir e vir de Lula e de militantes, injúrias e postagens criminosas em grupos de Whatsapp, a respeito da qual se pedirá ao MP a identificação dos sujeitos através dos seus números de telefones, ali identificados*.

    ➡ *O ato de entrega da nossa representação criminal será às 10h no CAOP de Direitos Humanos, diretamente ao Dr. Olympio Sotto Mayor Neto, que encaminhará todas as denúncias para as devidas providências*.

    ➡ Como se tratam de crimes de ação penal pública, o legitimado é o Ministério Publico, a quem cabe promover a ação penal, então o CAAD, através de notícia crime, está levando ao conhecimento do MP para que tome as devidas providências e encaminhamentos em relação a todas as denúncias, o que não afasta a possibilidade de, também, quem se sentiu ofendido, ingressar com queixa-crime pelos crimes contra a honra (injúria, calúnia e difamação), que são de ação penal privada.

    ➡ *Olympio de Sá Sotto Maior Neto é coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Proteção aos Direitos Humanos do Ministério Público do Paraná*.

    Se ainda tiverem denúncias a enviar, estamos recebendo pelo e-mail: [email protected]

    ⚖ *Coletivo Advogadas e Advogados pela Democracia – CAAD

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome