Home Editoria Cidadania Delegado diz que segurança envolvido em morte de jovem no Extra foi ‘imprudente’

Delegado diz que segurança envolvido em morte de jovem no Extra foi ‘imprudente’

Delegado diz que segurança envolvido em morte de jovem no Extra foi ‘imprudente’

do Huffpost Brasil

Delegado diz que segurança envolvido em morte de jovem no Extra foi ‘imprudente’

“Eu não tenho elemento concreto que o vigilante queria a morte dele. O que eu tenho é ele tentando conter o jovem, da pior maneira possível”, afirmou.

por Ana Beatriz Rosa

O delegado Cassiano Conte, responsável pela investigação da morte de um jovem dentro do supermercado Extra, no Rio de Janeiro, afirmou que o segurança Davi Ricardo Moreira foi “imprudente na técnica” ao tentar conter o jovem. A afirmação foi feita em entrevista ao jornal O Globo.

Nesta sexta-feira (15), Pedro Henrique Gonzaga, de 25 anos, morreu dentro do estabelecimento na Barra da Tijuca. Segundo Conte, o segurança vai responder por homicídio culposo – quando não há a intenção de matar.

O crime prevê uma pena de até 4 anos de prisão. Davi Ricardo foi preso em flagrante, mas deixou a Delegacia de Homicídios da capital ainda na manhã de hoje. A defesa não revelou o valor da fiança.

O delegado explica que não há elemento concreto que possa afirmar o dolo na ação, uma vez que Moreira estava no exercício de sua profissão.

“Eu não tenho elemento concreto que o vigilante queria a morte dele. O que eu tenho é ele tentando conter o jovem, da pior maneira possível”, disse Cassiano Conte.

“Ele exagerou, ele foi imprudente na técnica, mesmo tendo o conhecimento”, completou.

Pedro Henrique estava com familiares dentro do supermercado. De acordo com o depoimento da mãe, o jovem estava sob efeitos de drogas e iria ser internado em uma clínica de reabilitação em Petrópolis.

A mãe de Pedro Henrique estava no caixa quando o jovem se afastou e foi detido pelo segurança.

Ela teria avisado à equipe de segurança que o filho estava sob efeitos de substâncias, e o jovem teria ficado nervoso com o comentário da mãe.

No depoimento do segurança, ele afirmou  que a vítima estava passando mal e abaixou para prestar os primeiros socorros, mas “percebeu que ele estava simulando” e que “não tinha nenhum problema”.

Davi Moreira afirma que Pedro Henrique teria pegado a arma que ele usava e por isso ele o imobilizou com força.

Foi então que Moreira deu uma “gravata” no jovem e permaneceu com o corpo por cima dele por cerca de 2 minutos, de acordo com depoimento de testemunhas.

Em vídeos que circulam nas redes sociais, outros clientes que assistiam à cena avisaram ao segurança que o jovem estava desacordado e pediram para que o soltasse.

Um deles chegou a afirmar que a mão de Pedro Henrique estava roxa e que ele não possuía nenhuma arma.

“Você está mentindo”, repete Moreira no vídeo.

Jornal O Dia

@jornalodia

Jovem de 19 anos morreu após ser imobilizado em um “mata-leão” por um segurança do hipermercado Extra, na Barra da Tijuca

9.833 pessoas estão falando sobre isso

O que diz a defesa

Segundo o advogado da empresa Group Protection, da qual Davi Moreira é funcionário, o jovem teria simulado um desmaio e a contenção do garoto seria em legítima defesa e de terceiros.

A mãe do rapaz assistiu à imobilização do seu filho e testemunhou os apelos dos outros clientes. O Corpo de Bombeiros chegou a prestar atendimento ao jovem, mas ele não resistiu.

Em nota, o supermercado Extra afirmou que repudia qualquer ato de violência e disse que o segurança será afastado.

O crime repercutiu nas redes sociais. No Twitter, os termos “vidas negras importam” e “a carne mais barata do mercado” estavam entre os assuntos mais comentados do dia pelos usuários, que demonstram indignação diante do ocorrido.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

9 COMMENTS

  1. Não queria mas matou, apesar dos apelos de que o rapaz estava ficando roxo. Assassino. Mas com tanto criminoso, laranja, caixa2, e fantasma no governo tudo bem. O povo que se dane.

  2. O que acontece é o seguinte: O mata-leão é uma técnica da arte-marcial que dá um sincope na pessoa. A constrição das veias do pescoço por enforcamento (enforcamento controlado), corta o fornecimento de sangue para o cérebro da pessoa. Sem oxigênio no cérebro, a pessoa desmaia. O desmaio é um black out do corpo humano, que dá um reset para que o corpo vá ao chão na tentativa de salvar a pessoa por falta de circulaçao sanguinea, falta de oxigênio. É um acontecimento de altíssimo risco pois o corpo pode não voltar com esse “reset”.

    Resumindo: O vigia realizou o procedimento de “resetar” o cidadão, o fez, com sua inteira responsabilidade de assumir o risco do blackout completo do corpo do cidadão. Por óbvio não é um procedimento adequado, por se tratar de alto risco (a pessoa pode ter outros problemas, como drogas, que pode levar ao seu colapso, passar mal e morrer), Foi o que ocorreu, agora é tudo simples, terá que pagar por seu ato de colocar deliberadamente uma pessoa diante da morte.

  3. Esse cara e um assassino nato,devia responder pelo crime na prisão, não ter direito a fiança nenhuma, e um psicopata,arrogante,que gosta de se exibir, mas infelizmente a lei proteja esse tipo de gente

  4. Esse troglodita insano deve pagar pelo crime doloso. Ainda que eventual. Pois assumiu o risco de provocar o resultado morte. É lógico que ele conhece as consequências daquele procedimento. Vai Brasil mostra a tua cara.

  5. mais ridículo ainda são os colegas dele que deixaram ele fazer isso e só ficaram assistindo agora a empresa deles está queimada o extra vai acabar tirando toda a empresa da jogada e outras empresas tb irão começar a sair dos contratos com essa empresa e muitos desses que ai ficaram só olhando ficarão desempregados em breve

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Sair da versão mobile