Doria recua e agora se diz chocado com agressões e mortes em Paraisópolis

Recuo no discurso e na intenção. Doria agora diz que vai revisar os protocolos da Polícia Militar dizendo que tais atos não são compatíveis com a corporação

Jornal GGN – Em consonância com seu discurso eleitoral, João Doria apoiou ação da Polícia Militar em Paraisópolis, declarando que não mudaria os protocolos da corporação. O caso ganhou redes sociais, jornais, portais, mundo e o governador ganhou um novo discurso. Agora se diz chocado com vídeo que mostrou um policial agredindo jovens com violência desproporcional, visto não haver qualquer reação dos agredidos. As informações são da Folha.

Recuo no discurso e na intenção. Doria agora diz que vai revisar os protocolos da Polícia Militar dizendo que tais atos não são compatíveis com a corporação pois que a melhor polícia do Brasil não pode, e usou inaceitável para ilustrar, utilizar a violência ou força desproporcional, ‘sobretudo quando não há nenhuma reação de agressão’.

Nove jovens morreram. A versão primeira dizia que foram pisoteados, o laudo mostrou que foi asfixia mecânica por enforcamento e asfixia. A versão da polícia começa a ruir com inúmeros relatos de que a corporação fechou os acessos à rua em que o baile acontecia e agrediu os frequentadores, fazendo com que se aglomerassem nas vielas.

A reação do governador de São Paulo ocorre depois de uma semana dos assassinatos, uma semana de denúncias de abuso da polícia em bailes funks, uma semana emergindo vídeos das agressões perpetradas contra jovens que têm o endereço errado para a força pública. Doria afirmou, na segunda-feira, que as ações vão continuar, principalmente nas comunidades, coibindo barulho, drogas ou furtos. ‘A existência de um fato não inibirá as ações de segurança’, diz ele, ‘não inibe a ação, mas exige a apuração’.

Leia também:  Invisível no censo da prefeitura, população de rua na periferia de São Paulo só é vista pela polícia

O discurso desta quinta-feira, dia 5, vem bem mais eleitoral: Como governador do estado de São Paulo, eu não aceito que no estado onde, tendo sido eleito governador, esse tipo de procedimento exista. E não mais vai existir”. Deu uma contemporizada, dizendo que, pelo menos, se fará tudo para que isso não aconteça e cravou a revisão de protocolos, treinamentos e comandos ‘para que nenhum policial militar aja dessa maneira’.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. Este recuo mostra apenas a desumanidade deste janota que exemplifica bem a crueldade vestindo armani. Ele não se importa de flertar com a barbárie quando conveniente ou posar de bom moço, quando também lhe convem. Seus passos são medidos em busca das bolhas sociais que podem lhe render votos. Estivesse o Brasil num período mais democrático e mais humanizado este senhor estaria ecoando poesias a contragosto, dando palestras de auto ajuda e sobre o mercado, e pregando um liberalismo humanista, uma contradição em termos. Abrigado pelo PSDB, hoje sequer cospe sobre os fundadores, apenas os ignora. O partido esta na “cova”, e transformou-se numa versão fantasia do PSL.

  2. Dória recua? Outro Carandiru? Outro Antonio Fleury Filho? Outro Pedro Campos? Quem é o Secretário de Segurança do Governo Dória? Não pode jogar toda a bronca nem esfregar a cara de Soldados rasos em JN’s de horários nobres, agora fica pisando em ovos. Agora tem Major Olímpio do outro lado. Entendemos também o silêncio e cuidado de Imprensa Ideologizada e Partidária. Dória é Comandante em Chefe da Polícia do Estado de São Paulo. É RESPONSÁVEL DIRETO pelas mortes destes 9 Cidadãos Brasileiros, destes Jovens, destas Crianças. Deve RENUNCIAR !! Assim como Comandante da PM e Secretário de Segurança. E responsabilizados e processados por atitudes tão medíocres. Entendemos também a canalhice da doutrinação de 9 décadas de Estado Ditatorial Caudilhista Absolutista Assassino Esquerdopata Fascista, replicados nestas 4 décadas de farsante Redemocracia. Drogas, Violência, Miséria, Coerção, Ameaças, Crimes, Bebidas Alcoólicas, Invasão de Propriedades, Fechamento de Vias Públicas, Facções Criminosas, Perturbação, Armas, Omissão, Cumplicidade, juntamente a Transito de Automóveis entre Crianças, Menores de Idade e Moradores coagidos. Queremos ver isto na Av. Paulista, defronte a Endereços privilegiados, nas portas de Políticos ou Autoridades Públicas….Ah!Bão !!! Pobre país rico. Mas de muito, muito, muito fácil explicação.

  3. Bolsonaro não vai condecorar os assassinos que praticaram a carnificina em Paraisópolis, pois foram apenas 9 mortos e, segundo ele, ‘policial que mata 10, 15 ou 20 deve ser condecorado’.

    Por sua vez, o $érgio Moro quer saber se os excessos da PM que resultaram na carnificina da juventude decorreram de “escusável medo, surpresa ou violenta emoção”, a fim de defender suas impunidades.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome