Matando por matar, por Gustavo Gollo

Assassinatos cometidos por policiais são uma banalidade, onde o crime é ter nascido pobre.

Matando por matar, por Gustavo Gollo

Dyogo Coutinho tinha 16 anos, nome de craque e jogava futebol, mas morava em região pobre e era meio escuro, então podia ser morto que ninguém se importaria. O policial que atirou não se importou. No Rio de Janeiro é assim.

Por sorte, ou azar, o avô de Dyogo vinha passando na hora e se importou com o crime. Foi o relato emocionado do avô de Dyogo que virou notícia; assassinatos cometidos por policiais são uma banalidade, onde o crime é ter nascido pobre.

Margareth tinha 17 e um bebê no colo, também ferido pelo tiro que a matou; a polícia local não perdoa a pobreza.

Gabriel também se foi.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Renato Braz homenageia Tim Maia no Teatro Rival, no Rio de Janeiro