Nova rebelião registra mais quatro mortes em Manaus

Detentos reclamam de falta de infraestrutura e espaço em cadeia pública reativada 
 
Jornal GGN – Na madrugada deste domingo (08) ocorreu uma nova rebelião na Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, no centro de Manaus. Segundo informações da Agência Brasil, há pelo menos quatro mortos, sendo três decapitados e um asfixiado.
 
A situação já foi controlada, mas a direção da penitenciária não informou o motivo da rebelião. Na última sexta-feira (06), os detentos haviam provocado um tumulto no local, por melhores condições e espaço. A cadeia estava desativada desde outubro de 2016, por recomendação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Entretanto, a Secretaria de Administração Penitenciária do Amazonas transferiu para o local 280 detentos após a chacina no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), que deixou pelo menos 56 mortos no dia 1º.
 
Também na sexta, o Secretário de Segurança Pública do Amazônas, Sérgio Fontes, declarou que os detentos deverão permanecer na cadeia pública por, pelo menos três meses.
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

3 comentários

  1. Que lamentável acidente!

    Enquanto isso, o país descobre agora coisas que já devia saber há vinte anos:

    Tática da negação ajudou a alimentar PCC há 20 anos

     

     

    Fábio Zanini – Folha de S.Paulo

    “Esse PCC não existe. É uma ficção absoluta”, disse o então secretário de Administração Penitenciária de São Paulo, João Benedicto de Azevedo Marques, em maio de 1997. Existia, sim. Havia sido criado dois anos antes por presos na Casa de Custódia de Taubaté (SP) e já tinha até estatuto.

    Quatro anos depois, o PCC promoveu a primeira grande onda de rebeliões em presídios paulistas. Na época, o ocupante da secretaria, Nagashi Furukawa, admitiu o despreparo do governo. “Sabíamos que algo viria. Não esperávamos que fosse nestas proporções”, disse. Pelo menos, aceitava a existência da facção.

    Em maio de 2006, a organização criminosa antes “inexistente” materializou-se de forma incontestável para os paulistanos. Além de mais uma onda de rebeliões em presídios, o PCC promoveu ataques nas ruas que levaram a uma reação de pânico e, em alguns casos, a um toque de recolher não-declarado. Nada que impressionasse o mesmo Furukawa, ainda secretário. “Não são rebeliões graves, na grande maioria”, afirmou.

    É difícil dizer qual a melhor estratégia para combater facções criminosas, mas é fácil definir a pior: negar a ameaça delas, ou minimizar seu poderio. Alexandre de Moraes (Justiça) tem trilhado esse perigoso caminho.

    Em outubro de 2016, disse que informações sobre a atuação dessas organizações em presídios eram muitas vezes “mera bravata”. No mês seguinte, negou pedido de socorro do governo de Roraima quando o conflito entre o PCC e o Comando Vermelho começava a sair de controle. Para o ministro, não parecia ser nada grave a ponto de exigir a presença da Força Nacional de Segurança.

    Com duas matanças escancarando o domínio dessas facções sobre partes expressivas do sistema prisional, Moraes deveria refletir sobre as consequências passadas de adotar a tática da negação. Talvez não estivéssemos na atual situação se há 20 anos o PCC tivesse sido encarado como algo mais que apenas ficção. 

     

     

    https://www.blogdomagno.com.br/ver_post.php?id=170890

  2. Tradução

    Após contratar uma consultoria de comunicação e gestão de crises, o presidente da Umanizzare anunciou que a nova marca da empresa será Scapezzare, sinonimo de decapitar, também em italiano.

    A consultoria também anunciou a contratação de especialistas da máfia, ndrangheta, sacra corona unita e da camorra para assessorar sua equipe.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome