Democracia racial com representatividade política, por Ricardo Mezavila

A democracia racial será possível quando mais homens e mulheres negros forem seus próprios representantes nas bancadas legislativas e no executivo para que, de maneira homogênea e progressista lutem contra o sistema de desigualdades.

Democracia racial com representatividade política, por Ricardo Mezavila

O Brasil não passa por um momento de normalidade democrática, as instituições fingem que estão funcionando com naturalidade, mas os bastidores são de muita pressão e tensionamento por conta da instabilidade política.

Instabilidade crescente desde o golpe de 2016, quando um Ministério Público sem transparência, um Supremo Tribunal Federal acovardado e a famigerada Operação Lava Jato, destruíram os meios de produção, levando o país a números recordes de mão-de-obra desempregada.

Desgovernado, o Brasil fez a transição do vampiro para o inominável, afundando de vez na barbárie, na desconstrução de valores culturais e éticos, atingindo e exportando os maiores índices de vergonha da história.

Vergonha institucionalizada como já foi a escravidão que promoveu, durante mais de trezentos anos a relação social de produção, que consistia no rapto de homens e mulheres africanos para serem vendidos no mercado em outros continentes.

Toda essa desestabilização, com gente em treinamento fascista o tempo todo com demonstrações de racismo, vão se tornando cada vez mais públicas e empoderadas, por definição e conceito, pelo governo federal.

Como a advogada que cometeu crimes de racismo e de homofobia dentro de uma padaria em São Paulo. Internautas foram às redes sociais da advogada e reproduziram fotos suas com camiseta de apoio a Bolsonaro. Após o episódio, a mulher argumentou que tinha uma doença. Essa doença nós conhecemos e tem nome: Racismo!

A democracia racial será possível quando mais homens e mulheres negros forem seus próprios representantes nas bancadas legislativas e no executivo para que, de maneira homogênea e progressista lutem contra o sistema de desigualdades.

Leia também:  O “pobre de direita” e a esquerda perplexa: um esclarecimento, por Marcos Verlaine

O racismo no Brasil existe, não foi importado, a pessoa negra é vista como suspeita e invisibilizada como cidadã. Não à toa os casos de racismo acontecem com maior incidência em locais de consumo, que é o templo simbólico dos nordicistas que se consideram pertencentes a um grupo etnicamente superior.

Transcrição de alguns anúncios publicados nos jornais no século XIX, que são a raiz do racismo que vem sendo replantada pela sociedade brasileira desde sempre:

“Compro um escravo de 20 a 30 annos de idade, que seja fiel e entenda alguma cousa de cozinha”;

 “Manoel Gonçalves Ferreira, embarca para o Rio de Janeiro o escravo Marciano, por ordem de seu Snr. o Dr. Antonio Cezar de Berredo”;

“Compra-se um escravo que seja de bons costumes, e que entenda de cozinha, quem o tiver e quizer vender, falle nesta Typographia”;

“Preciso alugar uma escrava que saiba engoumar bem e fazer algum serviço de casa, como também uma ama de leite sem cria”.

Muito mais do que reparos sociais, o brasileiro e brasileira negros precisam da própria voz para quebrar o racismo institucional, afastar a pobreza, violência e a discriminação que são um reflexo direto de um país que normalizou o preconceito.

Ricardo Mezavila

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora