Marighella é um maldito

         Quando comecei o projeto em quadrinhos sobre Marighella fui alertado a tomar cuidado. Tocar em seu nome poderia me colocar em risco. E foi soltar o projeto para financiamento, em poucas horas, já havia mais de 600 reações, de comentários. Algumas pessoas enaltecendo, outras manifestando desinteresse, mas muitas com ofensas furiosas à Marighella e a mim. Fui chamado de mau-caráter, bandido, idiota, câncer, terrorista, me mandaram se f#der, pra PQP…

     

     

         Sinto que isso tenha sido só o começo.

     

         O que pra mim mais é sintomático não só do momento, mas do país em que vivemos, são os ataques querendo me impedir de fazer o projeto. Não são uma crítica a Marighella ou à revista em quadrinhos pronta. A ideia era me intimidar, me silenciar. É uma espécie de censura prévia. Eu não poderia sequer falar sobre isso.

     

         Ainda que se entenda Marighella como um criminoso, retratar assassinos em série, genocidas, sociopatas, em qualquer mídia, não causa essa mesma comoção nas pessoas.

     

         Por que o comunista morto há 50 anos gera tanto ódio nas pessoas? Por que comemoram o filme sobre ele ter sido impedido de estrear no Brasil? A imensa maioria dos detratores sequer tinha nascido quando ele morreu.

     

         Esse ódio foi deliberadamente implantado nessas pessoas, por seus verdadeiros inimigos, aqueles que detêm o poder. Marighella representa uma ideia. Uma ideia de insubordinação. Capaz de fazer o cidadão se levantar e se revoltar contra o estado atual das coisas. Por isso ele é perigoso.

     

         Ele assusta tanto que hoje nós mesmos nos proibimos de tocar em seu nome.

     

         Próximo a se completar seu cinquentenário de morte, é essencial que nós puxemos o debate sobre Carlos Marighella. É papel da esquerda, dos progressistas, dos democratas fazer isso. É por isso que essa história em quadrinhos torna-se pra mim e para o desenhista Ricardo Sousa algo tão importante. É nossa contribuição para esse cenário. Aí torna-se fundamental o seu apoio à campanha de financiamento no Catarse, para que a obra chegue a você, a mais pessoas.

     

         Vamos deixar Marighella incomunicável em sua solitária por mais 50 anos?

         Marighella #LIVRE.

         Link do projeto: catarse.me/marighella