Membro da Agência Europeia de Medicamentos diz que há conexão entre AstraZeneca e casos de trombose

Por precaução, vários países decidiram deixar de administrar a vacina abaixo de certa idade, como França, Alemanha e Canadá. A Noruega e a Dinamarca suspenderam totalmente o uso desse inoculante por enquanto

Sputnik Brasil

Um funcionário da Agência Europeia de Medicamentos (EMA) confirmou a existência de um “vínculo” entre a vacina contra a COVID-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford, Reino Unido, em parceria com o laboratório AstraZeneca e os casos de trombose observados após a sua administração, em entrevista ao jornal italiano Il Messaggero publicada esta terça-feira (6).

Agora podemos dizer, é claro que há uma ligação com a vacina [da Oxford/AstraZeneca]”, afirmou Marco Cavaleri, chefe de estratégia de vacinas do EMA, citado pela agência AFP. Cavaleri acrescentou que ainda não se sabe exatamente o que causa essa reação: “Ainda temos que entender como isso acontece”.

Durante várias semanas, surgiram suspeitas sobre possíveis efeitos colaterais graves, mas raros, de casos de trombose atípica em pessoas vacinadas com o inoculante da Oxford/AstraZeneca.

Já foram identificados dezenas de casos, vários dos quais resultaram em mortes. No Reino Unido, houve 30 casos e sete mortes de um total de 18,1 milhões de doses administradas até 24 de março.

Em 18 de março, a diretor da EMA, Emer Cooke, havia afirmado que, de acordo com uma “conclusão científica clara”, a vacina da Oxford/AstraZeneca é “segura e eficaz” contra a COVID-19 e que “o comitê também concluiu que a vacina não está associada a um aumento no risco geral de eventos tromboembólicos ou coágulos sanguíneos”.

Por precaução, vários países decidiram deixar de administrar a vacina abaixo de certa idade, como França, Alemanha e Canadá. A Noruega e a Dinamarca suspenderam totalmente o uso desse inoculante por enquanto.

Por sua vez, a farmacêutica AstraZeneca garantiu em março que não havia “indícios de risco agravado”, e assegurou no sábado (3) que a “segurança do paciente” era sua “principal prioridade”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora