O vergonhoso Ministro Kássio Nunes, por Luis Nassif

Em uma casa que, nas últimas décadas, foi chacoalhada por manobras oportunistas de toda espécie, por assomos de vaidade, por fraquezas inconcebíveis a Ministros da Suprema Corte, nada se compara ao gesto do Ministro bolsonarista Kássio Nunes. É o fundo do poço.

Que ela queira representar o pensamento bolsonarista na Corte, entende-se. Afinal, ele foi indicado por Bolsonaro. Mas a manobra realizada é desabonadora para sua biografia e o transforma na pior figura da Suprema Corte, pelo menos desde a redemocratização.

Para apoiar pastores preocupados com o dízimo, seu primeiro passo foi identificar uma ação proposta indevidamente por uma associação de juristas evangélicos. Foi a maneira encontrada para se apossar de um caso que já estava sendo analisado pelo Ministro Gilmar Mendes.

Não bastou. Autorizou a abertura de templos passando por cima de uma decisão do colegiado da corte, de respeitar a autonomia de estados e municípios na decretação de estratégias contra a Covid – partindo do princípio de que são os entes federativos que estão atuando na ponta.

E fez isso no pior momento de uma pandemia que está matando quase 3 mil brasileiros por dia.

Com seu gesto, Kássio Nunes se transforma, sem competidores, em uma vergonha do Judiciário. A única diferença entre ele e o capitão defensor da tortura e dos atentados terroristas são os métodos. Ambos se merecem 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora