Algumas verdades escondidas pelos acadêmicos europeus e norte-americanos, por Rogério Maestri

Há uma verdadeira cortina de fumaça que acadêmicos europeus e norte-americanos jogam sobre a história política e econômica do mundo, e que não são conhecidas por grande parte da humanidade

Algumas verdades escondidas pelos acadêmicos europeus e norte-americanos

por Rogério Maestri

 

Há uma verdadeira cortina de fumaça que acadêmicos europeus e norte-americanos jogam sobre a história política e econômica do mundo que não são conhecidas por grande parte da humanidade, e o estudo do professor Inglês Angus Maddison (falecido em 2010), com apoio do Banco Mundial, traz às nossas mãos uma forma dinâmica e fácil de entender sobre a História da Economia.

Talvez alguém tenha se deparado com um pequeno vídeo altamente revelador no YouTube, que pode mostrar quanta mentira tem sido contada no mundo acadêmico em geral, que simplesmente encurtam as bases de dados e ficamos sem entender como foi o mundo nos últimos dois ou mais séculos.

O vídeo As Vinte Maiores Economias Mundiais (1800-2040) — História e Projeção é um dos mais chocantes das dezenas de vídeos elaborados pela Universidade de Groningen (Países Baixos), por Angus Maddison e pela equipe que o sucede.

Muitos ficam surpresos nos dias de hoje com o crescimento Chinês, porém o Professor Maddison mostra claramente que até mais ou menos o fim do século XIX a maior economia do mundo era a chinesa e o mais surpreendente – e somente por esta época – é que a Inglaterra consegue ultrapassar a economia Indiana. Também é de se destacar que, até o meio do século XIX, a Índia e a China possuíam 50% do PIB (PPP) do mundo.

Talvez o que se deva se perguntar quando Trump fala em fazer os USA voltar ao passado, é talvez ele esteja se referindo ao ano de 1850, quando aquele país era a quarta economia, pois se ele voltar mais 50 anos era a 12º economia do mundo, muito próximo a Bangladesh e Indonésia (que eram economias mais fortes do que os USA) ou o Paquistão, que estava um pouco abaixo.

Também é de se destacar que países como a Índia e a China perderam seu vigor mais por problemas de possuírem monarquias atrasadas, que foram simplesmente pilhadas pela Europa.

Olhando com muito cuidado, se vê que o que permite ou não um país se manter rico e poderoso é um governo forte sobre o ponto de vista de soberania nacional, e não de puxa-sacos que ficam fazendo lives olhando o discurso a nação daqueles que querem nos pilhar.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora