Ou FORA BOLSONARO ou o fim do Brasil, por Rogério Maestri

A destruição da mata Amazônica parece ser a cereja do bolo da destruição de qualquer ideia de um povo com a mínima condição de se governar.

Foto O Globo

Ou FORA BOLSONARO ou o fim do Brasil, por Rogério Maestri

Não podemos imaginar que as queimadas sejam os únicos motivos para o G7 se reunir, temos um presidente que tem um coeficiente de inteligência de quase um primata, cercado por outros do mesmo naipe que conseguiu transformar o Brasil, um país com um soft power notável num lixo da humanidade, pois a destruição da mata Amazônica parece ser a cereja do bolo da destruição de qualquer ideia de um povo com a mínima condição de se governar.

Todos sabemos que este energúmeno que ocupa a cadeira da presidência está cercado de celerados e alucinados que sobre a batuta de um adepto da teoria da conspiração que se acha filósofo, mas não passa de um astrólogo de maus bofes, estão levando o país a ruína.

[O GGN prepara uma série no YouTube que vai mostrar a interferência dos EUA na Lava Jato. Quer apoiar o projeto pelo interesse público? Clique aqui]

O aliado internacional que ele possui, tem uma base de grandes agricultores no seu país, prontos para assumir a posição na venda de commodities agrícolas e resolver parte do seu problema nas eleições que se aproximam. Se este aliado não assumir uma posição razoável junto ao G7 ele comprometerá suas eleições, logo certamente este aliado deixará as coisas rolarem e quem comandará as ações contra o país serão os europeus, europeus estes que um ministro das relações exteriores foi humilhado para que o presidente fizesse seu corte de cabelo “a Adolf Hitler” e uma primeira ministra da maior economia do continente europeu que foi conclamada em colocar o seu dinheiro que seria dado à proteção da Amazônia onde bem ela quisesse.

Leia também:  Lula é culpado?, por Vitor Souza

Não podemos esquecer a Guerra das Malvinas, onde uma junta militar argentina, acreditou que teria apoio do grande irmão do norte, mas foram rifados em nome da solidariedade dos países do norte, e com uma tropa pequena, por um motivo também pequeno, a junta militar perdeu a guerra e também foram para a cadeia por seus crimes contra o povo argentino.

Por que coloco estes argumentos que parecem desconexos? Simplesmente para lembrar que um país fragilizado em todos os sentidos pode sofrer represálias que podem começar com represálias simplesmente comerciais e terminar com secessão do nosso país alimentado por outros países que se acham mais ajuizados (e até certo ponto o são).

Vou lembrar aqui algo que a imensa maioria dos brasileiros ignora, o país que faz a maior fronteira com a França é exatamente o Brasil, e nada melhor para dar força a um presidente desgastado como Macron do que uma intervenção militar, ecológica e proteção as minorias étnicas no “pulmão da Terra”.

Não podemos esquecer que o que garante neste momento a manutenção da direita tradicional europeia é a seu apoio dos Verdes europeus.

Há somente uma solução possível para evitar o pior para o nosso país, é simplesmente em vista da fraude eleitoral que levou a horda de celerados ao poder, nós mesmos atuarmos na direção do FORA BOLSONARO e seus celerados, se não agirmos com presteza e rapidez não serão as nossas forças desarmadas (que nem dinheiro para manter seus soldados tem) que defenderão nossas fronteiras, elas são muito boas para dar oitenta tiros num carro que passou pela frente de um quartel sem nenhuma provocação ao mesmo, porém não temos as mínimas condições de defendermos de qualquer aliança atlântica que venha com o pé no freio.

Leia também:  A recessão virtuosa de Chicago, por Andre Motta Araujo

A ideia é simples, porque, como diz o ditado, não matarmos dois coelhos com uma porretada só, derrubar um governo que não merecermos e colocar de novo em prática a política que desde o Barão do Rio Branco tivemos com o mundo e que permitiu que um país em que as forças desarmadas, que só servem para perseguir os nacionais continuassem décadas deitadas eternamente em berço esplêndido só interferindo na política nacional.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora