Revista GGN

Assine

O "crime" de Genoíno

Sugiro que se dê início à construção de  campos de concentração para colocar lá os que vierem a cometer "crimes" como esse praticado por Genoíno. O comentário abaixo é de Motta Araújo:

 "Um trem não abordado: As operações bancárias do PT com o Banco Rural, as promissórias assinadas pelo então presidente do partido Jose Genoíno, os créditos na conta corrente, a renovação das promissórias e a liquidação final foram consideradas na AP 470 operações simuladas quando NUNCA foram, todos os créditos dos descontos de promissórias foram lançados em conta, as operações foram regulares, os empréstimos lançados e  contabilizados, mas  na Ação foram consideradas fraudulentas porque? Em que sentido? Genoíno não cometeu crime algum nessas operações, elas tem começo, meio e fim absolutamente normal, em que ponto são fraudulentas? Todo esse conjunto de operações na parte bancária foram legais, registradas, contabilizadas e liquidadas, a pecha de fraudulento é que é uma fraude. Se essas operações fossem analisadas por um auditor internacional tipo Price, KPMG, Deloitte, teriam atestado de operações regulares. Achei incrível os Ministros votarem com o Relator nesse ponto, um empréstimo assinado por quem tem poderes, creditado em conta e ao final liquidado por quem tomou  emprestado não é por nenhum critério operação fraudulenta. Se o dinheiro foi mal aplicado, esse é um OUTRO delito mas a operação bancária em si foi regular."

Média: 5 (1 voto)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.