Revista GGN

Assine

Não tenham medo dos jovens. Apenas os escutem.

Jornal GGN - Era um oceano de jovens. No meio, os não jovens sumiram – estavam lá como lembrança de ontem, com suas convicções democráticas intocáveis, indignados com a violência policial da semana anterior, com o conservadorismo político e com a pesada herança do passado autoritário que estava por trás de cada bomba de efeito moral e cada bala de borracha atirada pela polícia contra um jovem. Mas aquele não era o lugar para pessoas maduras. As ruas de São Paulo foram o endereço dos jovens na última segunda-feira – e naquele palco, o recado que deram em cada pedaço de papel empunhado como cartaz, cada um como parte de um mosaico caótico de miríades de reivindicações e protestos, é que o sistema político está velho. Estava velho antes. Envelheceu ainda mais, com maior velocidade, nas últimas semanas em que os jovens ocuparam as ruas.

As ruas tornaram-se espaço para cada um manifestar desconfortos particulares, grandes incômodos: contra o aumento das passagens, a educação ruim, a corrupção, a polícia de Geraldo Alckmin, a política – “nenhum partido me representa”, diziam vários desses cartazes-recados, tolerados pela multidão que impediu os partidos de empunharem suas bandeiras nas manifestações. Daí, no entanto, a atribuir ao movimento a negação da política, vai uma grande distância. O Movimento pelo Passe Livre foi o estopim de uma coisa maior: quando catalisou insatisfações, expôs uma enorme fragilidade da atual democracia.

A reclamação implícita em cada palavra de ordem é que a democracia não incorporou os jovens no jogo político porque está ultrapassada. Os políticos fizeram partidos na abertura política, forjaram novas lideranças e elas se consolidaram nas estruturas de poder sem que abrissem espaço para ingresso dos que chegavam à vida adulta. As estruturas partidárias não renovaram ideias, bandeiras, ideologias. O sistema, que obriga a formação de grandes coalizões e a grandes concessões em bandeiras que envolvem temas “morais” (como aborto, união de homossexuais etc), não é inteligível por essa faixa da população. Cada avanço social que ocorreu nos últimos dez anos teve como correspondência – na melhor das opções – uma estagnação na agenda de diretos de minorias, rechaçada por aliados conservadores ou bancadas religiosas. Cada vez que um programa social como o Bolsa Família produz a autonomia da família miserável em relação ao chefe político local, o poder do coronel é reforçado pela aliança que une, na esfera federal, o PT e os partidos de esquerda ao PDS, PMDB, PP, PR ou qualquer que seja.

O Partido dos Trabalhadores sofreu grandes transformações desde a sua fundação, em 1979. Passou pelo pragmatismo necessário para chegar ao poder pelo voto. Uma vez no poder, teve que usar de pragmatismo para formar maiorias. Os últimos dez anos consolidaram grandes conquistas sociais e econômicas que não teriam acontecido sem o apoio militante do partido aos presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Todavia, quatro anos de enquadramento definitivo das bases partidárias à realidade eleitoral – de 1994 a 1998 – e dez anos no governo consolidaram o domínio de uma aliança interna que se tornou amplamente majoritária, tem o controle das decisões partidárias e é o elo de ligação da máquina petista com o governo. As velhas lideranças também firmaram suas posições dentro do partido e no governo por meio de mandatos eletivos - e hoje, conseguem esses mandatos, salvo honrosas exceções, com a mais prosaica política eleitoral. O sistema político tradicional engoliu a única estrutura partidária que, em sua origem, foi criada como partido de massas. Não existe possibilidade de ingresso e ascensão dentro da máquina para os novos.

Os pequenos partidos que se formaram como dissidências do PT à esquerda, como o PSTU e o PSOL, mantém-se com pouquíssimo apelo a uma massa jovem que está à procura de portas de entrada para a militância política. As organizações são feitas ainda à imagem e semelhança de velhos partidos de esquerda. A linguagem deles não corresponde a de uma geração que quer fazer política, mas não leu Marx, nem Lênin, nem entende a razão de precisar de um manual de política para ser contra o aumento do ônibus e a favor da descriminalização do aborto; contra os projetos homofóbicos da bancada evangélica e a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo; contra os políticos, mas a favor da democracia.  O maior partido de oposição, o PSDB, trilhou um caminho do elitismo quase sem volta, quando entendeu como único caminho para a disputa pelo poder nas urnas a via da direita. Sempre esteve longe de ser um partido de massas - e cada vez mais se distancia léguas dessa possibilidade. 

Nenhum dos partidos em funcionamento se antecipou à onda de participação dessa geração das redes sociais, de jovens que se comunicam muito fácil entre si, mas têm dificuldades de ser escutados pelos outros.

Os partidos, nem do governo, nem da oposição, devem ter medo desses jovens. Devem apenas escutar o que eles dizem.

Média: 4.8 (5 votos)
7 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Daniel Carvalho
Daniel Carvalho

Ótima Leitura

Perfeita leitura dos acontecimentos, e por incrível que pareça muita gente aqui no Rio ainda acha que é possivel rotular o movimento como centro, direita ou esquerda. Não há manual, nem filosofia, só uma vontade de participar do cenário político e exigir respeito.

Seu voto: Nenhum
imagem de Luiz Carlos S Moreira
Luiz Carlos S Moreira

Não tenham medo dos jovens

Os resquícios da ditadura ainda assombram todos os brasileiros. A base dos protestos atuais, pelo que entendo, é exatamente libertar o país desse lixo que ainda atravanca toda a caminhada para a democracia. Para isso é preciso que esses jovens consigam espaço na política. Na maioria dos Estados da Federação o grupo que domina a política é o mesmo da época da ditadura. Como exemplo cito o Estado onde moro, Rio grande do Norte, onde continuam mandando os Alves e Maias. O Zé Agripino, como bem disse o Brizola, é filhote da ditadura. O Henrique Alves é político profissional (nunca fez outra coisa em toda sua existência). É preciso que os jovens se articulem, leiam, estudem, debatam e renovem a política brasileira, mantendo as valiosas conquistas do governo trabalhistas, ampliando-as sempre em direção a POVO que deve ser a base de sustentação da democracia.  

Seu voto: Nenhum

Este é o momento!

Maria Inês, este é o momento de superar, definitivamente, a ditadura, foi o que nos disseram os militantes do Movimento Passe Livre, no Roda Viva do dia 17/6.

É também o que parecem nos dizer esses meninos - a todo momento.

É preciso resgatar o movimento social, criminalizado pela mídia e pelos conservadores na última década, senão vamos ser engolidos pelos Felicianos da vida.

Enfim, esta crise precisa ser encarada com mais ousadia e abertura pelos que estão no poder - se é que há (à esquerda) um mínimo de sensibilidade dos que estão hoje governando o País!

Será que devemos arquivar os "clássicos" da política ou, ao contrário, tentar recuperá-los - através do verdadeiro debate público?

 

Seu voto: Nenhum

Eliane Na

imagem de Helcio dias de sa
Helcio dias de sa

Caras Pintadas.

Enquanto isso o psicopata Feliciano vem com sua cura gay,depois vem cura virgem,cura padre,cura pastores,queremos o cura  ignorancia e o cura cartel midiatico.Precisamos de informaçao e nao DES-informaçao.O partido do saco cheio saiu as ruas monitorado pela internet ainda livre ,que vai formar a geraçao mais inteligente da humanidade,creio que Deus vai retornar jesus com uma palavra no peito:DEMORÔ.Cazuza dizia: Vejo um museu com grandes novidades,foi assim com os caras pintadas,espero que a internet nao deixe essa manifestaçao como combustivel para o cartel midiatico,panfleto politico,imoral,demagogico,corrupto.que retornem os caras pintadas e os computadores coloridos,atuantes ,e a internet livre,leve solta,fazendo parte do nosso show.

Seu voto: Nenhum
imagem de Anônimo
Anônimo

Sabe o que relamente

Sabe o que relamente incomoda? Esse silêncio dos que hoje são poder e não fizeram a lição de casa...

Seu voto: Nenhum
imagem de Carla Antonia
Carla Antonia

Não tenham medo dos jovens

Ótima Maria Inês, como sempre.

Seu voto: Nenhum
imagem de Fabio de Oliveira Ribeiro
Fabio de Oliveira Ribeiro

Medo mesmo só inspiram os

Medo mesmo só inspiram os canalhas da midia, que distorcem o que está ocorrendo, que culpam Dilma porque Alckimin é um orangotango que manda a PM meter bala em cidadãos, que falam do Mensalão do PT e esquecem o do PSDB, que não vem os jovens pedindo o impedimento de Alckimin ou indo questionar a Rede Globo na sua sede.

Seu voto: Nenhum

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.