Revista GGN

Assine

Deputado ligado a Serra articulou denúncias contra Petrobras

Em 2012, o deputado baiano Antônio Imbassahy – estreitamente ligado a José Serra - foi autor de quase vinte requerimentos de pedidos de informações à Petrobras.

Recebeu informações inéditas sobre as refinarias Pasadena, Okinawa, Abreu de Lima e SBM Offshore, contratos para encomendas de navios e plataformas pelo estaleiro Atlântico Sul, e também sobre reformas de refinarias, como a Repar, do Paraná.

Os documentos foram preservados, aguardando o período eleitoral.

Jutahi Magalhaes, José Serra e Imbassahy

Foram justamente esses documentos – secretos – que serviram de base para as reportagens  dos últimos dias que deram pretexto para a criação da CPI.

Informações reservadas, fornecidas pela Petrobras ao Congresso, estão sendo utilizadas eleitoralmente, expondo a companhia à execração pública.

Ontem, a Folha publicou a matéria “Documento sobre Pasadena enviado ao Congresso foi violado” (clique aqui)

Dizia que documento reservado encaminhado em dezembro de 2012 pela Petrobras – com informações sobre a compra da refinaria Pasadena – teria chegado violado ao seu destino.

A denúncia partiu do próprio deputado Imbassahy em 18 de dezembro daquele ano. Ontem – segundo o jornal – Imbassahy foi procurado, confirmou o episódio “mas não quis dar detalhes”.

 

Média: 4.3 (11 votos)
96 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Márcio Arnaldo Borges
Márcio Arnaldo Borges

Falha do Ministério

Os documentos chegaram à Câmara descaracterizados da sua condição de sigilosos. O tratamento que receberam em seguida foi a que se dá a documentos comuns. PONTO!

Seu voto: Nenhum

Para os bens intencionados e também par aos trolls de plantão

 

  ARGUMENTOS PARA DEFENDER A PETROBRAS

A Globo vai convocar o Fabio Barbosa, o Gerdau e o Claudio Haddad para depor ?

 

 

O Conversa Afiada reproduz importantes argumentos para o PT – será que o PT tem senadores do sexo masculino ? – usar na CPI do Fim do Mundo – II.

(Clique aqui para ver como o PT pode enfrentar a CPI da Petrobras.)


REFINARIA DE PASADENA














 

ARGUMENTOS PARA RELACIONAMENTO NAS REDES E DEBATES PÚBLICOS

10 VERDADES QUE NINGUÉM DIZ…

1 – A Petrobras pagou pela refinaria de Pasadena um preço bem menor se comparado com outros negócios fechados também em 2006;

2 – A refinaria custou, ao todo, US$ 486 milhões e não US$ 1,18 bilhão como afirmam. O preço final equivale a US$ 4.860 por capacidade de barril processado por dia. A média do preço de compra e venda de refinaria naquele ano nos EUA foi de US$ 9.734 por barril. Pasadena custou, portanto, menos da metade do valor pago por outras refinarias.

3 – A decisão de comprar a refinaria atendia ao planejamento estratégico da companhia, definido ainda no governo Fernando Henrique, que previa investir em refino no exterior para lucrar com a venda de derivados de petróleo sobretudo no mercado americano.

4 – A proposta foi aprovada pelo Conselho de Administração porque era vantajosa para a companhia e atendia ao planejamento estratégico. Uma instituição financeira contratada apenas para avaliar o negócio recomendou a compra. Empresários que participavam do Conselho e não pertenciam ao governo foram favoráveis à compra porque entenderam que o negócio era bom e o preço, justo;

5 – A cláusula de ‘put option’ não é motivo para polêmica alguma. A opção de a Astra Oil vender sua parte à Petrobras só existiu porque a estatal brasileira tinha direito à palavra final sobre os rumos e os investimentos futuros na refinaria. Se a Astra não estivesse de acordo, teria a opção de vender e a Petrobras, que como já se viu tinha o interesse em ficar à frente do negócio, teria a opção de comprar. 

6 – O mesmo vale para a cláusula Marlim: a Petrobras levaria a Pasadena 70 mil barris/dia produzidos no campo de Marlim, porém só tinha comprado 50% da refinaria, ou seja, uma cota de refino de 50 mil barris/dia. Para processar os 20 mil barris/dia excedentes, a Petrobras pagaria 6,9% de rentabilidade para “alugar” parte da capacidade que pertencia aos belgas.

7 – A refinaria está operando e dando lucro para a Petrobras;

8 – Somente depois de 2006, quando se descobriu o Pré-Sal e a demanda no mercado brasileiro aumentou, o Conselho de Administração da Petrobras mudou o planejamento estratégico. O foco passou a ser a exploração do Pré-Sal e a construção de refinarias no Brasil.

9 – A crise financeira mundial, a partir de 2008, esfriou o mercado de derivados de petróleo nos Estados Unidos e, por tabela, o preço das refinarias instaladas naquele país.

10 – A decisão de vender a refinaria de Pasadena faz parte do plano de desinvestimento, anunciado pela companhia em 2011, para concentrar investimentos na exploração do pré-sal e nas novas refinarias no Brasil. Mas a empresa não pretende vender no período de baixa. No último ano, no entanto, o mercado norte-americano já dá sinais de novo aquecimento por refinaria com o perfil de Pasadena.



1) POR QUE COMPRAR UMA REFINARIA NOS EUA EM 2006?

A decisão de investir em refino fora do Brasil estava alinhada ao planejamento estratégico da companhia, definido ainda no governo Fernando Henrique, e é anterior a dois fatores que mudaram o cenário após 2006: a descoberta do Pré-Sal e a crise financeira mundial de 2008.

Desde 1998, o planejamento estratégico da Petrobras já previa expandir sua capacidade de refino adquirindo refinaria no exterior. Na época, o consumo de derivados no Brasil estava estagnado e a companhia decidiu investir em refino fora do país, facilitando a exportação para mercados mais aquecidos.


Conselho dá aval para busca por refinaria

Em 2004, o Conselho de Administração aprovou a identificação de oportunidades de processamento no exterior. O cenário era de margens de refino positivas, demanda crescente e excedente de petróleo pesado. Era o boom da ‘Época de Ouro’ do refino de derivados nos Estados Unidos.

Como estava ‘sobrando’ (excesso de oferta) óleo pesado no mundo – como o brasileiro, o venezuelano e o mexicano – e seguia crescente a demanda por derivados leves, sobretudo nos Estados Unidos, a Petrobras seguiu a mesma estratégia de outros grandes produtores globais de óleo pesado à época: pagar mais barato por uma refinaria de óleo leve nos Estados Unidos e adaptá-la para processar óleo pesado. 


2) POR QUE PASADENA ERA UM BOM NEGÓCIO?

Naquele cenário pré-2006, a refinaria de Pasadena era uma oportunidade para bom investimento por duas razões:

1) o preço, que estava abaixo da média para refinarias do mesmo padrão;

2) a localização, em Houston, no Texas, era estratégica: além de facilitar a exportação dos derivados para o mercado norte-americano, é próxima ao Golfo do México, região que passou a ser foco da Petrobras para exploração e produção.


Compra é aprovada pelo Conselho em 2006

A compra foi aprovada pelo Conselho de Administração da Petrobras porque atendia ao planejamento da companhia e a proposta era vantajosa, segundo estudo contratado para avaliar a viabilidade do negócio. 

Eis o que membros do Conselho à época afirmam sobre a operação:

Cláudio Haddad, presidente do Insper e acionista da Ambev, afirma: “Havia a opinião do Citibank dizendo que o preço era condizente e a operação se justificava estrategicamente”. 

Fábio Barbosa, presidente da Abril e ex-presidente da Febraban, diz: “A proposta de compra de Pasadena submetida ao Conselho em fevereiro de 2006, da qual eu fazia parte, estava inteiramente alinhada com o plano estratégico vigente para a empresa, e o valor da operação estava dentro dos parâmetros do mercado, conforme atestou então um grande banco americano, contratado para esse fim.  A operação foi aprovada naquela reunião nos termos do relatório executivo apresentado.” 

Jorge Gerdau, presidente do Grupo Gerdau, diz: o negócio foi decidido com base em “avaliações técnicas de consultorias com reconhecida experiência internacional, cujos pareceres apontavam para a validade e a oportunidade do negócio.” 



3) O PREÇO DE PASADENA ERA CARO OU BARATO?

O crescimento da demanda de derivados nos EUA (especialmente de 2004 a 2007) levaram a um aumento médio e progressivo no preço das refinarias. Mesmo assim, o preço pago por Pasadena foi bem inferior à média das transações em 2006.

A referência para saber se o preço de uma refinaria é “barato ou caro” é o custo em dólar por barril processado por dia. Exemplo: uma refinaria que processa 100 mil barris por dia e custa US$ 500 milhões de dólares tem um índice de US$/bbl 5.000,00. É assim que se valora e se compara aquisições de refinarias que têm características similares de produção.

Em 2006, a Petrobras pagou por 50% da refinaria de Pasadena US$ 3.800 por barril de capacidade de processamento/dia.

O valor médio das aquisições em 2006 foi de US$ 9.734 por barril.


 

4) QUANTO CUSTOU, DE FATO, A REFINARIA DE PASADENA?

Foi noticiado que a refinaria de Pasadena teria custado US$ 1,18 bilhão de dólares para a Petrobras. Na verdade, a refinaria custou cerca de 40% desse valor. Vejamos:

US$ 190 milhões, em 2006, para a compra de 50% da refinaria, que tem capacidade para refinar 100 mil barris de petróleo por dia. Portanto, a Petrobras adquiriu a capacidade de refinar 50 mil barris/dia.

US$ 296 milhões, em 2009, para a compra dos 50% restantes que pertencia à Astra, da Bélgica, valor estipulado pela arbitragem internacional.

Portanto, a Petrobras pagou US$ 486 milhões à Astra para comprar 100% da refinaria. Nada mais. Este é o preço real do negócio. Um índice de 4.860 dólares por barril de capacidadede processamento/dia. 

Ao fechar o negócio, em 2006, a Petrobras também comprou por US$ 170 milhões metade do estoque de petróleo que a refinaria possuía. O óleo, no entanto, é matéria-prima, foi processado e vendido como derivado, gerando receita e lucro para a companhia.

Ao comprar os 50% restantes da refinaria, a Petrobras também adquiriu novo estoque de petróleo, que pertencia à Astra, também no valor de US$ 170 milhões. Novamente, o óleo foi processado e vendido.

Portanto, são US$ 340 milhões que foram gastos para comprar matéria-prima. Não tem relação com o investimento em si na refinaria.

A Petrobras pagou também US$ 156 milhões em garantias bancárias ao BNP. É importante que fique claro que tais garantias não se referem à compra da refinaria, mas sim um recurso necessário para sua atividade operacional regular. Arcar com garantias bancárias faz parte da operação de qualquer refinaria. Não é custo para compra nem investimento. Não faz parte do preço.

A Petrobras só pagou todo o valor das garantias bancárias de uma só vez, em 2012, porque os contratos estavam em nome da Astra e, durante a fase de litígio, a estatal não poderia pagar diretamente ao BNP. Concluído o acordo, acertou o pagamento devido.

As despesas geradas pelo litígio com a Astra somaram US$ 5 milhões em honorários de advogados e US$ 150 milhões em juros. A disputa judicial, no entanto, como afirmamos, foi uma decisão para garantir que a Petrobras pudesse investir na ampliação da capacidade de refino e ser a única dona da refinaria, pagando o preço que julgava o correto e não o valor pedido pela Astra.

Por último, foram gastos cerca de US$ 44 milhões nos ajustes finais para o rompimento da sociedade.


5) O QUE PREVIA O CONTRATO? POR QUE A SOCIEDADE NÃO DEU CERTO? 

O contrato assinado com a Astra, ao adquirir os 50% de Pasadena por US$ 190 milhões, em 2006, previa a necessidade de investimento para capacitar a refinaria a processar óleo pesado.

O contrato também previa a criação do Comitê de Proprietários, formado um representante de cada sócio, que seria responsável pelas decisões estratégicas para operação e investimentos na refinaria. Esta é uma solução comum quando se trata de empresas com vários sócios e ainda mais comum quando as participações são iguais (caso de Pasadena).

A cláusula de ‘put option’

Caberia ao Comitê de Proprietários a palavra final nas decisões, desde que os dois sócios estivessem de acordo. Em caso de impasse, a Petrobras poderia decidir sozinha.

O acordo, portanto, previa à Petrobras à prerrogativa e decidir as estratégias e os rumos da companhia. Em contrapartida, o contrato previu a cláusula do ‘put option’, que dava o direito à Astra de exigir que a estatal brasileira comprasse sua participação caso não estivesse de acordo com as decisões tomadas pela sócia. Este tipo de cláusula de opção de venda é comum em sociedade entre empresas. 

A cláusula Marlim

Pelo acordo assinado em 2006, 70% do óleo processado na refinaria seria brasileiro, procedente do campo Marlim. Ou seja, a Petrobras estava comprando 50% da refinaria, portanto uma capacidade de refinar 50 mil barris/dia, porém o óleo de Marlim demandaria uma capacidade de refino de 70 mil barris/dia.

Na prática, a Petrobras excederia sua cota em 20 mil barris/dia e teria de usar parte da cota da Astra. Seria preciso pagar uma espécie de “aluguel” à empresa belga. Para isso, o contrato previu a chamada cláusula Marlim: a garantia de remuneração de 6,9% à Astra pelos 20 mil barris/dia que excediam à capacidade comprada pela Petrobras inicialmente.

Cláusula sem efeito

Mas essa garantia só teria valor e o pagamento seria feito se o investimento na reforma da refinaria para processamento de petróleo pesado fosse realizado em conjunto pelos sócios. Como isso não aconteceu, a cláusula não teve qualquer validade, como ratificou a Justiça americana ao final do processo litigioso.

Início do litígio –  Astra se recusa a ampliar a capacidade de refinaria

Estudos de viabilidade econômica mostraram, no entanto, que a refinaria seria mais rentável no longo prazo se sua capacidade de refino fosse expandida para 200 mil barris/dia. 

A Petrobras defendeu o duplo investimento: adaptação ao óleo pesado e o aumento da capacidade de processamento. A Astra se negou a investir e abandonou a empresa. Começa aí o litígio.

Recursos à arbitragem, que estabelece valor pelos 50% da Astra

A Petrobras recorreu primeiramente à Câmara de Arbitragem, em junho de 2008, e posteriormente à Justiça dos Estados Unidos porque a Astra se negou a fazer o investimento inicialmente previsto em contrato, isto é, a adaptação para processamento de óleo pesado e também de ampliar a capacidade de refino.

A Astra, por sua vez, como não concordou com a decisão da Petrobras de ampliar os investimentos, recorreu diretamente à Justiça para fazer valer a cláusula de ‘opção de venda’. 

O trâmite foi longo, mas ao fim do processo judicial chegou-se ao montante de US$ 296 milhões pelos 50% restantes da refinaria. A Petrobras também comprou da Astra, por US$ 170 milhões sua parte nos estoques de petróleo.


6 – A CARTA DE INTENÇÕES PARA ENCERRAR A DISPUTA

Antes da decisão final da Justiça, no entanto, a Diretoria Internacional da Petrobras preparou uma ‘carta de intenções’, elaborada por Nestor Cerveró, para tentar antecipar um acordo amigável. 

O documento também previa que qualquer proposta só teria valor na mesa de negociação mediante aprovação da Diretoria Executiva e do Conselho de Administração da Petrobras. Só depois deste aval é que poderia ser entendida como uma proposta oficial da Petrobras. A carta não foi analisada pelo Conselho e, portanto, nunca teve valor de contrato – como a própria Justiça americana ratificou ao final do processo.


7 – A NOMEAÇÃO DO ‘PRIMO’ DE GABRIELLI PARA A PETROBRAS AMÉRICA 

José Orlando é engenheiro, sempre trabalhou na área de exploração e produção e está na Petrobras há quase 40 anos. Ele não teve qualquer envolvimento na compra da refinaria de Pasadena. Passou a comandar a Petrobras América (PAI) em outubro de 2008, portanto mais de dois anos após a Petrobras assumir a operação de Pasadena e já na fase de litígio com a Astra. A gestão de Pasadena sempre esteve aos cuidados das diretorias Internacional e de Abastecimento, ambas sediadas no Rio de Janeiro.

Importante ressaltar também que o foco da Petrobras América, dirigida por ele, é a atuação em E&P no Golfo do México.


8 – CENÁRIO MUDA COM PRÉ-SAL E CRISE FINANCEIRA MUNDIAL

O cenário para investimento em Pasadena é anterior à descoberta do Pré-Sal pela Petrobras. Outro dado que muda a partir de 2006 é o crescimento do consumo de derivados no Brasil.

Diante desses dois cenários, a Petrobras decide em reunião do Conselho de Administração concentrar seus investimentos pós-2006 na exploração e produção do Pré-Sal e na ampliação do parque de refino no Brasil. 

Investimento em refino sobe 12 vezes a partir de 2006

Entre 1998 e 2005, a Petrobras investia internamente US$ 200 milhões por ano em refino.  De 2006 a 2011, a empresa passou a investir US$ 200 milhões por mês – US$ 2,4 bilhões por ano -, 12 vezes mais que o período anterior.

Crise de 2008 provoca queda brutal das margens do refino nos EUA

Enquanto a demanda crescia internamente, o cenário externo mudou radicalmente após a crise financeira de 2008. O consumo de derivados de petróleo nos Estados Unidos foi fortemente afetado pela crise, encerrando-se o ciclo da ‘Época de Ouro’ do refino no país. 

As margens para venda de derivados de petróleo caíram sensivelmente, afetando o preço  das refinarias instaladas no país.


9 – O PLANO DE DESINVESTIMENTO E A OFERTA DA VALERO

Em 2011, com a mudança de cenário do mercado externo após a crise financeira de 2008, e diante da necessidade de investir em pesquisa e tecnologia para manter o cronograma de exploração e produção do Pré-Sal, a Petrobras decidiu vender ativos no exterior para fazer US$ 14,5 bilhões em caixa.

É importante prestar atenção em um ponto: por ser uma decisão estratégica e planejada, foram mapeados os ativos fora do Brasil que poderiam ser negociados, porém sem pressa e procurando encontrar o melhor preço possível na venda.

A refinaria de Pasadena é um dos ativos mapeados no exterior, porém não pode ter pressa para fazer qualquer negociação. As condições do mercado em 2012 não favoreceriam um bom preço, uma vez que as margens de rentabilidade do refino nos Estados Unidos caíram sensivelmente após a crise de 2008.

Podemos dizer que em 2012, quando a Valero fez a oferta de US$ 180 milhões, vivíamos um momento de baixa, portanto não atraente para o negócio.

Entretanto, o mercado de derivados de petróleo nos Estados Unidos começou a se aquecer agora em 2013, o que, com certeza, elevará o valor de revenda da refinaria.
 

 ARTIGOS RELACIONADOSNassif: Cerra é 
o “pai” da CPI
(89)Conheça os que querem 
afundar a Petrobras
(124)A eleição é a Petrobras. 
A Globo erra mais
(108)CPI vai ferrar o Governo ? 
Parece que o Governo quer
(95)O neovendilhão Dudu 
e os velhos entreguistas
(27)

     

     

    Seu voto: Nenhum

     

    ...spin

     

     

    imagem de Zanchetta
    Zanchetta

    Gosto destes títulos de post

    Gosto destes títulos de post "Deputado ligado a Serra..." através de uma fotografia

    Que tal esse:

    Assassino Almir Gabriel ligado a Lula e Dilma...

    Seu voto: Nenhum (6 votos)

    E vai ficar por isso mesmo?

    A se confirmar a suspeita, onde um deputado federal desvia documentos ESTRATÉGICOS de uma empresa (a maior da país) que causa sérios danos à sua imagem e não acontece nada???

     

    Mas que &%$# de país é esse? O MP não pode fazer uma denúncia contra o deputado quinta-coluna?

    Seu voto: Nenhum
    imagem de luiz valentim
    luiz valentim

    A Oposição, sem propostas, jogou a toalha e vai pro tudo ou na

    .

    nada.  O bom de tudo isso é que essa estratégia uniu a corja toda e não fingem mais.

    Nada de pose de mocinha puritana e de candidatos da mudança.

    são sim candidatos da velha e porca política burguesa entreguista rascista e anti-povo.  

    Seu voto: Nenhum

    Imbassahy, Serra, a oposição

    Imbassahy, Serra, a oposição toda e os donos da imprensa não têm o que fazer, então têm tempo de maquinar, conspirar, enredar, trapacear, inventar mil maneiras de como dar uma rasteira no governo. Eles não têm que pensar o Brasil, não têm que imaginar soluções para os problemas do país. Não têm porque não querem, porque são incapazes de trabalhar em cima de soluções para os nossos problemas, isso eles deveriam fazer mas não fazem. Pensam que ser oposição é apenas obstruir as propostas para o bem do povo, criticar o governo, se fossem críticas construtivas seriam vem vindas. Eles têm tempo para construir armadilhas com perfeição como essa que esse inútil do Imbassahy e sua thurma igualmente inúteis colocaram em prática. Solicitam os documentos à Petrobras, sabiam de antemão que seriam secretos, o detalhe de que receberam e denunciaram que os documentos vieram sem o lacre também foi premeditado e os guardaram até agora para fazer molecagem. Tudo de caso pensado. E nós só pagando esses inúteis para fazer nada além de malandragens.

    Seu voto: Nenhum

    PSDB é uma quadrilha. Crime

    PSDB é uma quadrilha. Crime organizado.

    Seu voto: Nenhum (3 votos)

    zanuja

    Amigos do PCC.

    Amigos do PCC.

    Seu voto: Nenhum

    lenita

    imagem de Calvin
    Calvin

    Meu Deus! Um político fazendo

    Meu Deus! Um político fazendo política e, pior, sendo da oposição, ainda tenta se opor!!!

    Aonde chegaremos????

    Seu voto: Nenhum (4 votos)

    Imbassahy

    Ora, não embaça aí, Imbassahy!!!

    Seu voto: Nenhum (1 voto)
    imagem de anarquista sério
    anarquista sério

      Este blog pinta o Serra

     

    Este blog pinta o Serra como um Maquiavel- antes fosse.

      Mas não é. Eeste blog dá muita notoriedade pra quem se tornou um Zé Mané,

       E com adendo: Ele prefere a Dilma ou o diabo pra presidente do que Aecio;

       Então ,não justifica essa ''sabedoria'' toda de Serra na ''hora certa''.

       É muito confete e serpentina pra quem merece ,apenas,bolinha na cabeça.

          Como todos nós,o tempo dele tbm passou.

          Esquece o cara,Nassa.

    Seu voto: Nenhum (3 votos)

    Valeu Nassif. Obrigado por

    Valeu Nassif. Obrigado por trazer este fato a tona. Muitos me acham maluco, mas não sabem que tudo que vem acontecendo foi arquitetado desde o termino das eleições de 2010, é um plano complexo para desmoralizar o Governo e o PT. Eles não descartam tentar um golpe se perderem a eleição de outubro.

    Isto é muito mais que um jogo de cena para tirar proveito nas eleições de outubro. Envolve também as alianças dentro da UNASUL, BRICS e o protagonismo do Brasil nas relações internacionais.

    A China está de olho em tudo, ela tem muito interesse no destino do BRICS e UNASUL. Comprou soja dos Argentinos cancelando contratos com o Brasil para ajudar na crise de dólares que a Argentina enfrenta, elevou a nota do Brasil a "A-" contrariando a Standard & Poors.

    Este grupo defende o afastamento politico e comercial do Brics, do Mercosul, UNASUL, e um realinhamento politico e comercial EUA e Inglaterra (Zona do Euro).

    As peças no xadrez global se mechem ardilosamente para um retorno das ditaduras das décadas de 60 e 70 para conter o avanço progressista dos emergentes. Nada que vem acontecendo no mundo nos últimos 5 anos são casos isolados, tudo faz parte de um grande projeto mundial.

    O capitalismo está em cheque, saída, golpes e recessão mundial. A guerra fria não acabou com a queda dos muros de Berlim. A pauta é a mesma, controle sobre recursos naturais para poder dominar o mundo.

    O Brasil é peça chave neste contexto e todo mundo está de olho no Brasil. O Brasil cresceu por mudar sua postura internacional e suas relações comerciais. Esta mudança tem que continuar e se ampliar, não podemos aceitar o papel de coadjuvante na humanidade, todo mundo está de olho nos nossos recursos.

     

     

     

    Seu voto: Nenhum

    Tudo por um país melhor!

    um só tucano de olho na Petrobrás...

    prejudica mais que catástrofe natural................................................segunda vez

    Seu voto: Nenhum (1 voto)
    imagem de Marcelo S T
    Marcelo S T

    Argumentos para defender a Petrobrás

    http://www.conversaafiada.com.br/economia/2014/03/28/argumentos-para-defender-a-petrobras/

    Seu voto: Nenhum (2 votos)

    mais "triste Bahia"

    para minha tristeza mais um exemplo ruim que vem da minha querida terrinha, agora com uma ex comunista que bandeou..

    CPI: SENADORA DO PSB NEGA VIÉS POLÍTICO EM ASSINATURA:

     

    Pré-candidata ao governo da Bahia pelo PSB, senadora Lídice da Mata foi a única dos três representantes do estado na Casa a assinar pedido de criação de CPI para investigar a Petrobras possíveis irregularidades na compra da refinaria de Pasadena, nos EUA; ela garante que posição de seu partido não teve motivação eleitoral por orientação do presidenciável Eduardo Campos; "Nosso comportamento é claro. Sabemos da importância da Petrobras para os brasileiros e não podemos tolerar irregularidades"

     

    28 DE MARÇO DE 2014 ÀS 12:00

     

    Bahia 247 - Pré-candidata ao governo da Bahia pelo PSB, a senadora Lídice da Mata foi a única dos três representantes do estado na Casa a assinar pedido de criação de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar possíveis irregularidades na Petrobras sobre compra da refinaria de Pasadena, nos EUA, que teria dado prejuízo de mais de R$ 1 bilhão à estatal.

    Mas apesar de sua postura, a senadora garante que sua assinatura no documento não teve motivação eleitoral. "Foi uma decisão da executiva nacional do PSB, acatada por todos os membros da bancada. Houve debate, obviamente. Mas é uma atitude do partido", disse a senadora em entrevista ao site Bahia Notícias.

    Essencial para número mínimo de assinaturas para CPI, o PSB garante que o racha com o PT não é plano para atrapalhar a presidente Dilma Rousseff nas eleições de outubro próximo. "Nosso comportamento é claro. Sabemos da importância da Petrobras para os brasileiros e não podemos tolerar irregularidades".

     

    Seu voto: Nenhum
    imagem de Dijalma
    Dijalma

    Uma pena, a minha ex-admirada

    Uma pena, a minha ex-admirada Lídice foi juntar-se a Imbasshay!!!!

    Seu voto: Nenhum
    imagem de Antonio Lyra
    Antonio Lyra

    Lidice, o Brasil todo

    Lidice, o Brasil todo acredita em você.

    Quem já usou o PT para fazer degrau na política é capaz de tudo.

    Seu voto: Nenhum (1 voto)
    imagem de Fulvia
    Fulvia

    Toda a bancada do coroné

    Toda a bancada do coroné Esmeraldas ex aliado e agora inimigo também votou a favor da cpi, mas o tiro pode sair pela culatra, há fortes indícios de grandes mamatas na Abreu Lima e o capo já se antecipou ele não sabe de nada.

    Seu voto: Nenhum

    ao se confirmar o significado...

    Serra pode ser a constante contra a Petrobrás

    Seu voto: Nenhum (1 voto)
    imagem de Aleandro chavez
    Aleandro chavez

    As denúncias não são contra a

    As denúncias não são contra a Petrobrás. São contra os malfeitos e a favor da Petrobrás. Quanto menos forem os malfeitos, melhor pra petrobrás.

    Seu voto: Nenhum (1 voto)
    imagem de aliancaliberal
    aliancaliberal

    E vc acha que o PT vai

    E vc acha que o PT vai defender o que?

    Seu voto: Nenhum

    como também...

    para doleiros e especuladores

    Seu voto: Nenhum (1 voto)

    Moleque de recados...

    O Imbassahy era "moleque de recados" do Antônio Carlos Magalhães. Não sabia que com a morte do ACM, ele tinha sido adotado pelo José Serra.

    Seu voto: Nenhum (2 votos)
    imagem de agincourt
    agincourt

    mais uma

     Vem aí mais uma: os convites VIPs da Petrobrás para privilegiados assistirem  o GP do Brasil de Fórmula 1.

    [http://blogs.estadao.com.br/radar-politico/]

    Desta vez parece que não foi obra traiçoeira do Imbassahy...

     

    Seu voto: Nenhum
    imagem de Claudio Martinez
    Claudio Martinez

    Mas isso não é o pior! Como é

    Mas isso não é o pior! Como é que ninguém fala nada dessa terrorista petralha ter invadido o Palácio da Alvorada?!?!?!? Tá lá, comendo e bebendo do bom e do melhor às custas dos altíssimos impostos pagos pelos homens de benz desse país! Quem ela pensa que é? Presidente da República???? É por isso que esse país não vai pra frente...

    Seu voto: Nenhum (2 votos)

    Tinha que ser!!!

    Tinha que ser o CHAVES de novo!!!

     

    Seu voto: Nenhum (2 votos)

    Goabriel

    Rs..esse ai nem "alho acaba,

    Rs..esse ai nem "alho acaba, se liga Aécio !

    Seu voto: Nenhum (1 voto)

    Siga o dinheiro

    Quem meteu a mão nesta grana é suspeito.

    Seu voto: Nenhum (1 voto)

    Follow the money, follow the power.

    Rs..O efeito colateral não

    Rs..

    O efeito colateral não tarda, a tucanada vai levantar vôo mais depenada que nunca

    até a foia de Sun Paulu" já esta tirando o pé. Mais um golpe errado., e o PT se

    fazendo de morto...interessante que nem a "veja" entrou com a capa, tá na cara

    que algum insubordinado do Pig/oposição atuou em  desespero, FHC avisou!

    Mas entrou.

    Seu voto: Nenhum (3 votos)

    Esses dois fenomenos são

    Esses dois fenomenos são inacredtáveis. A CPI é claramente eleitoreira e um ataque especulativo à Petrobtás e a pesquisa do Globope é falcatrua (uma das duas).

    Cadê o governo, o PT, para defender a Petrbrás? Cadê o PT e o governo para entrar com pedido de esclarecimentos ao Montenegro? Aposto que ele foi um dos que especularam na bolsa.

    Assim fica dificil. Não sei porque eu não desisto. 

    Seu voto: Nenhum (3 votos)

    Juliano Santos

    PETROBRÁS, PESQUISAS E ANGU COM CAROÇO

    O IBOPE RUIM E O IBOPE BOM: TEM CAROÇO NESSE ANGU:

     

    Entrevistas de campo da pesquisa Ibope divulgada ontem, que apontou queda de sete pontos percentuais na popularidade do governo Dilma Rousseff, foram feitas entre 14 e 17 de março; mas pesquisa Ibope mostrada na semana passada, que indicou 43% de intenções de voto para a presidente, projetando vitória em primeiro turno, teve seu campo realizado entre os dias 13 e 20 de março; quer dizer, durante a realização de entrevistas que davam resultado favorável à Dilma, instituto de Carlos Augusto Montenegro iniciou outra rodada de perguntas que chegou a resultado negativo para a presidente; repare: levantamento de campo sobre intenção de voto (em que Dilma se saiu bem) foi aberto um dia antes e fechado três dias depois da pesquisa de popularidade do governo (na qual a presidente se saiu mal); apuração é do site Tijolaço; qual a justificativa para essa manobra, Montenegro?

     

    28 DE MARÇO DE 2014 ÀS 10:57

     

    247 – Famoso por ser dono de um instituto de pesquisas de nome forte e resultados polêmicos, Carlos Augusto Montenegro tem agora mais uma contradição para explicar. E que contradição!

    Apresentadas ao público com um intervalo de seis dias entre a primeira e a segunda, as duas pesquisas Ibope divulgadas na sexta-feira 21 e na quinta-feira 27 contêm resultados absolutamente díspares, sem que se encontre um explicação plausível para tanto. O problema maior, porém, nem é esse.

    O fato que assombra é o de que a pesquisa de intenções de voto que apontou a presidente Dilma Rousseff com 43% de índice – suficiente para dar a ela vitória folgada em primeiro turno – teve seu campo de entrevistas iniciado antes e fechado depois da pesquisa Ibope que indicou uma queda de popularidade no governo dela de seis pontos percentuais.

    Para chegar à conclusão de que Dilma tem 43% de intenções, o Ibope colocou seus pesquisadores em campo entre os dias 13 e 20 de março.

    Mas – atenção – para estabelecer que o governo Dilma perdeu seis pontos percentuais de popularidade, o que alvoroçou o mercado financeiro e a oposição, naturalmente, o mesmo Ibope fez pesquisa de campo entre os dias 14 e 17 de março.

    Isso mesmo: a pesquisa que pode ser considerada boa para Dilma começou antes e terminou depois que a pesquisa vista como ruim para ela.

    Como pode Dilma ter 43% de intenções de voto numa das pesquisas e, na outra, seu governo perder nada menos que 7 pontos percentuais de popularidade? E tudo isso com aferição no mesmo período?

    Será que, de posse dos primeiros números favoráveis a Dilma, apurados nas entrevistas do dia 13 de março, Montenegro não gostou e, por isso, já no dia seguinte mandou que outro levantamento -- o da popularidade do governo - fosse feito?

    Como o presidente do Ibope explica essa manobra?

    A apuração das datas, com verificação nos registros do Tribunal Superior Eleitoral, foi feita pelo site O Tijolaço, que publica a informação abaixo.

    Confira e tire suas conclusões:

    Por dados do Ibope, Dilma não perdeu popularidade. Pesquisa de hoje é mais antiga que a dos 43%. Aliás, estava pronta quando esta foi publicada

    Primeiro, semana passada, o boato de que a pesquisa Ibope traria uma queda – que não houve – da intenção de voto em Dilma Rousseff.

    Seis dias depois, uma "outra" pesquisa do Ibope, estranhamente, capta uma súbita mudança de estado de espírito da população e Dilma (que tinha 43% das intenções de voto na tal pesquisa eleitoral) e registra uma perda de sete pontos percentuais em sua aprovação: curiosamente dos mesmos 43% para 37%...

    Puxa, como foi rápida a queda, em apenas seis dias, quase um por cento por dia...

    É, meus amigos e amigas, é mais suspeito do que isso.

    A pesquisa de intenção de voto, divulgada na sexta-feira, foi registrada no TSE no 14 de março, sob o protocolo BR-00031/2014 , com realização das entrevistas entre os dia 13 e 20/03/14.

    Já a de popularidade recebeu o protocolo BR-00053, no dia 21 passado,mas quando já se encontrava concluída, com entrevistas entre os dias 14 e 17.

    Reparou?

    Quinta feira à tarde, dia 20, uma intensa boataria toma conta do mercado de capitais, dizendo que Dilma perderia pontos numa pesquisa Ibope a ser divulgada no Jornal Nacional.

    O estranho é que ninguém tinha contratado, isto é , ninguém pagou por essa pesquisa. Em tese, é claro.

    A pesquisa é divulgada sem nenhuma novidade.

    Mas, naquele momento, o Ibope já tinha outra (outra, mesmo?) pesquisa, terminada três dias antes e certamente já tabulada.

    Vamos acreditar que o Ibope fez duas pesquisas diferentes, com a mesma base amostral e 2002 entrevistas exatamente cada uma...

    O boato, portanto, não saiu do nada.

    No mínimo veio de dentro do Ibope, que tinha nas mãos duas pesquisas totalmente contraditórias.

    Uma, "sem dono", que dizia que Dilma continuava nadando de braçada.

    Outra, encomendada pela CNI de Clésio Andrade, um dos senadores signatários da CPI da Petrobras, apontando uma queda de sete pontos em sua popularidade.

    Mas a gente acredita em institutos de pesquisas, não é?

    O Ibope teve nas mãos duas pesquisas com a mesma base, realizadas praticamente nos mesmos dias, com resultados totalmente diferentes entre si?

    Se o PT não fosse um poço de covardia estaria exigindo, como está na lei, os questionários das "duas" pesquisas.

    Aliás, nem devia ser ele, mas o Ministério Público Eleitoral, quem deveria exigir explicações públicas do Ibope, diante destes indícios gravíssimos de – vou ser muito suave, para evitar um processo - inconsistência estatística.

    Ainda mais porque muito dinheiro mudou de mãos na quinta-feira e hoje, com a especulação na Bolsa.
    Mas não vão fazer: esta é uma nação acoelhada diante das estruturas suspeitíssimas dos institutos de pesquisa.

     

    Seu voto: Nenhum (1 voto)
    imagem de Ivan de Union
    Ivan de Union

    Ate prova em contrario, foi

    Ate prova em contrario, foi manipulacao de estoques.  E foi MESMO.

    Seu voto: Nenhum (2 votos)
    imagem de Ivan de Union
    Ivan de Union

    Gente, em um caso, no da

    Gente, em um caso, no da checagem do governo, as paginas estavam faltando, so isso.

    No outro, tava em emvelope errado, nao lacrado, sem carimbos, e faltando paginas.  So faltava um cartaz escrito em vermelho:  TEM ALGUMA COISA ERRADA AQUI.

    So que o segundo caso foi exatamente quando do requerimento DA OPOSICAO.

    Entenderam agora?

    Eh armacao desde 2006.

    BANDEIRA FALSA.

    Seu voto: Nenhum (1 voto)
    imagem de CB
    CB

    De um jeito ou de outro

    De um jeito ou de outro aquela velha fábrica de dossiês opera... Daí o esquema todo funciona do mesmo jeito: informações vão parar nas mãos da mídia golpista que transforma o assunto em escândalo em ano eleitoral. Quando será que a Petrobrás e o governo vão parar de financiar esta baixaria cortando os gastos em propaganda? A oposição-política é cachorro morto, não adianta chutar. O playboyzinho-2014 não vai a lugar algum sem a mídia-golpista. O inimigo é a oposição-mídia.

    Seu voto: Nenhum (3 votos)

    Olha aqui a máfia rezando

    Santo sofre

    Seu voto: Nenhum (2 votos)

     

    ...spin

     

     

    imagem de aliancaliberal
    aliancaliberal

    (Sem título)

    Seu voto: Nenhum (6 votos)

    (Sem título)

    Seu voto: Nenhum (3 votos)
    imagem de JorgeLuis
    JorgeLuis

    Humm. Já sei. Os envelopes

    Humm. Já sei. Os envelopes estavam trajados com roupas curtas e sensuais e foram transportados no metrô de SP, por isso foram "violados".

    Seu voto: Nenhum (1 voto)
    imagem de aliancaliberal
    aliancaliberal

    Eu sabia, o Serra é o culpado

    Eu sabia, o Serra é o culpado pela compra da refinaria de Passadena. 

    Seu voto: Nenhum (9 votos)
    imagem de Álvaro Noites
    Álvaro Noites

    Quem sabe ele não atinja a

    Quem sabe ele não atinja a redenção liberal e dê a Petrobrás à Chevron.

    Seu voto: Nenhum (5 votos)
    imagem de aliancaliberal
    aliancaliberal

    diminuindo o preço dos

    diminuindo o preço dos combustiveis pode vender para o zè da esquina.

    Seu voto: Nenhum

    Não, não. É culpado de

    Não, não. É culpado de negócios com a Serasa Experian. 

    Seu voto: Nenhum (7 votos)

    Acabei de comprar um

    Acabei de comprar um certificado digital da serasa! Será que fiz um bom negócio?

    Seu voto: Nenhum (1 voto)
    imagem de aliancaliberal
    aliancaliberal

    Putz, ate tu condenando sem

    Putz, ate tu condenando sem processo.

    Seu voto: Nenhum (8 votos)

    Especulação

    Me faz cogitar sobre o que se "SABE" mas não se têm como provar, mas que é do domínio público e de gente rancorosa.

    Se bobear, vai faltar cadeia KKKKKKK!!!!!!

    Seu voto: Nenhum (1 voto)

    Follow the money, follow the power.

    imagem de aliancaliberal
    aliancaliberal

    As coisas estão mudando

    As coisas estão mudando invertendo valores e leis, mas ate onde eu sei ainda, e talvez o PT já mudou este principio, todos são inocentes ate que se prove o contrário, e cabe a quem acusa o ônus da prova.

     

    Seu voto: Nenhum
    imagem de JorgeLuis
    JorgeLuis

    Então não serve pra julgar

    Então não serve pra julgar petista no STF.

    Seu voto: Nenhum
    imagem de Ivan de Union
    Ivan de Union

    Ninguem esta achando

    Ninguem esta achando coincidencia em excesso que em 2006 as paginas da clausula estavam faltando na "vistoria" que o governo tinha que fazer dessa compra, e em um requerimento de 2012 as paginas subitamente...  estavam faltando tambem, com o envelope nao selado e sem carimbo de "confidencial" ou "secreto"?

    Ta com cara de armacao.

    Eh Bandeira Falsa.

    Seu voto: Nenhum (3 votos)

    E a Policia Federal do

    E a Policia Federal do governo Dilma não consegue achar uma provazinha do dinheirama que esses tucanos levaram nos trens em São Paulo e na privataria tucana. O jornalista que denunciou a lista de Frunas está preso em Minas. Os tucanos não sofrerão o desgaste de ver o seu mensaleiro julgado em Brasília. A Petrobrás patrocina amplamente toda a mídia brasileira e a atual direção não tem um contato sequer para que a empresa apenas passe os seus motivos da compra da refinaria. O Jornal Nacional ontem achou um pequeno acionista da Petrobrás para expor o descalabro da empresa  que valia não sei quanto e agora vale menos e em nenhum momento explicou que a Petrobrás ajuda a manter a inflação baixa subsidiando os combustíveis e que é uma empresa determinante para o futuro do país.

    Enfim, vamos afundar novamente no neo liberalismo. Os ricos brasileiros ficarão mais ricos, os pobres cada vez mais pobres e os jornalistas medalhados continuarão a receber altos salários bancados pela Secom e Petrobrás para nos dizer como nós, brasileiros, somos uma sub raça preguiçosa e incompetente. 

    Quer saber, estou cansada do republicanismo e covardia deste governo.

     

    Seu voto: Nenhum (1 voto)

    Vera Lucia Venturini

    PF

    Você está coberta de razão, Vera Lúcia.  Mas uma Polícia Federal que invade um escritório da Presidência da República sem que a Presidenta saiba com antecedência está sendo republicana ou partidária? E o Ministro da Justiça, a que a PF é subordinada, continuar, depois disso, no cargo é o quê?


    Acho que  Dilma é a grande responsável por tudo o que lhe está acontecendo. Não no que tange à sua  honestidade, mas por sua indiscutível falta de traquejo político. Para mim, inclusive, toda essa "gritaria" de hoje, da parte da oposição e seu maior partido, a "grande" mídia, é consequência da nota infeliz e para lá de precipitada da Presidenta, em resposta a uma matéria do Estadão. Tal matéria poderia ter sido, se não ignorada, respondida pela própria Petrobrás. 


    E, depois de ter a Presidenta dado o "ponta pé inicial" na ressurreição do "escândalo", ela e sua representante na Petrobrás, Graça Foster partem do princípio, ao menos perante o público, de que a compra de Pasadena foi irregular, desnecessária, um absurdo enfim. Deixam até o povo pensar que a refinaria não está funcionando, produzinho e gerando receita. Melhor não poderia ser para a oposição. Parece até que a SECOM lhe pertence.

    Seu voto: Nenhum (1 voto)

    Comentar

    O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
    CAPTCHA
    Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.