newsletter

Assinar

Grampos revelam que ordens da máfia da merenda saíram do Palácio dos Bandeirantes

Da esq. para a dir.: A secretária Elaine Vogel, o prefeito Jamil Ono, Luiz Roberto dos Santos e o vereador Cristiano durante reunião no Palácio dos Bandeirantes em dezembro de 2015.

Jornal GGN - De acordo com as investigações da Operação Alba Branca, Luiz Roberto dos Santos - conhecida como "Moita" - então braço direito do secretário-chefe da Casa Civil do governo Alckmin, operava para a máfia da merenda de sua sal no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, 

Segundo relatório policial, o 'Moita' mantinha contatos, de seu próprio gabinete, com suspeitos de fraudar licitações e superfaturar produtos agrícolas destinados à merenda escolar. Um dia antes da deflagração da operação, Luiz Roberto foi demitido do cargo de confiança e voltou para sua função de origem, na Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). 

Os grampos mostram Luiz Roberto dos Santos orientando o lobista Marcelo Ferreira Júlio, que é apontado como operador das propinas da organização que fraudava as licitações.

Do Estadão

 
POR FAUSTO MACEDO E PEDRO VENCESLAU
 
Luiz Roberto dos Santos, ex-chefe de gabinete da Casa Civil de Alckmin, caiu na interceptação telefônica da Operação Alba Branca orientando parceiros sobre contratos

A Operação Alba Branca revela que Luiz Roberto dos Santos, o “Moita”, então braço direito do secretário-chefe da Casa Civil do governo Geraldo Alckmin, operava para a quadrilha da merenda escolar de sua sala no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista. “Moita” caiu no grampo da Polícia Civil várias vezes dizendo a interlocutores “tô no Palácio”.

Relatório policial mostra que ele mantinha sucessivos contatos ao celular, de seu próprio gabinete, com integrantes da organização sob suspeita de fraudar licitações e superfaturar produtos agrícolas e suco de laranja destinados à merenda.

Um dia antes da deflagração da Alba Branca, “Moita” foi demitido do cargo de confiança que ocupava. O secretário Edson Aparecido o devolveu à função de origem na Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

Boa parte dos grampos pega “Moita” orientando o lobista Marcel Ferreira Júlio, apontado como operador de propinas da organização que se infiltrou em pelo menos 22 prefeituras paulistas e mirava em contratos da Secretaria da Educação do Estado. “Moita” fala sempre de um número de celular e diz que está “no Palácio”.

O dossiê Alba Branca indica o campo de ação de “Moita”. Ele age diretamente para atender aos interesses da Coaf (Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar), apontada como carro-chefe da fraude.

O presidente da Coaf, Cássio Chebabi, confessou à polícia e ao Ministério Público como era o trabalho de “cooptação” de gestores municipais e que as propinas pagas eram equivalentes a 10% sobre o valor dos contratos. Segundo ele, “quando a Coaf atrasava (as comissões), devido a dificuldades financeiras, eram feitas retaliações e ameaças”.

“As apurações demonstraram que Marcel trabalhou em duas frentes para a Coaf. A primeira, num contrato firmado com a Secretaria de Educação do Estado, onde aparentemente se deu a participação de “Moita” e, a segunda, “em contratos firmados com Prefeituras”, diz o relatório policial.

A atuação de “Moita” é incisiva, atestam os investigadores. Uma interceptação pegou o então assessor de Edson Aparecido sugerindo ao lobista Marcel Ferreira Júlio que pedisse reequilíbrio financeiro de contrato de merenda, e não aditamento. “Moita” contou que tinha falado antes com Fernando Padula, na época chefe de gabinete da Educação, de quem disse ter recebido a orientação.

Documento

“As interceptações trouxeram a lume a participação no esquema dos indivíduos apontados como ‘Moita’ e Alex”, destaca o inquérito. “Marcel menciona mais de uma vez que Alex, que seria da Executiva do PMDB, iria fazer o primeiro contato com prefeitos para depois a prefeitura ser visitada pelos vendedores da Coaf. A partir daí, o órgão público é visitado, já com a proposta da comissão, negociada de acordo com o valor do contrato pactuado.”

O relatório assinala que “os valores enviados em espécie para Marcel pelo vendedor César (Bertholino) se deu em razão do contrato firmado entre a Coaf e a Secretaria de Educação”.

O documento, de 7 de janeiro, é subscrito pelos delegados de polícia Mário José Gonçalves, presidente do inquérito, Paulo Roberto Montelli e João Vitor Silvério.

“Sobre este tema o investigado Marcel se refere diretamente ao indivíduo apontado como ‘Moita’ e conversa com ele sobre o assunto. As informações trazidas por eles mesmos nas conversas se trata de Luiz Roberto dos Santos, atual chefe de Gabinete da Casa Civil de São Paulo, conhecido também por ‘Luiz Moita’, o qual demonstra nas conversas interceptadas saber e interferir nos assuntos de interesse da Coaf e que estaria agindo diretamente num contrato da cooperativa com o Estado, cujo reajuste de preço deveria ser tratado como ‘reequilíbrio financeiro’.”

Segundo a Polícia, os grampos “demonstram que ‘Moita’ mostra claramente estar íntimo de César e que se imiscui, profundamente, nos assuntos da Coaf”.

No dia 4 de dezembro de 2015, às 12h34, “Moita” liga para Marcel.

“Moita”: Eu tava enrolado com esse negócio de escola prá cima e prá baixo, não dá nem prá eu pensar nas minhas coisas, mil e duzentos, mil e trezentos, mil e quatrocentos, mil e quinhentos o mínimo.

Marcel: Ah, então não é melhor eu te mandar isso aí prá segunda, você tá hoje trabalhando?

“Moita”: Eu tô no Palácio.

Marcel: Até que horas você fica?

“Moita”: Até as 6, eu não saio antes.

Marcel: Fica tranquilo, pelo menos a gente já matamos os dois, e o da Coaf. Eles estão chegando na terça-feira aqui com o freezer da Coaf e eu já te cobro também.

“Moita”: Tá bom, valeu.

No mesmo dia, às 15h09, “Moita” informa o lobista sobre a queda do então secretário da Educação, Herman Voorwald – na ocasião, o governo Alckmin vivia uma etapa de grande tensão com os estudantes que ocupavam dezenas de escolas em protesto contra projeto de reorganização do ensino.

Na conversa, “Moita” citou o nome de Fernando Padula, então chefe de gabinete da Educação.

Os dois falam sobre um contrato da Coaf com a pasta.

“Moita”: Tudo bem graças a Deus acabei de falar com o Padula.

Marcel: Opa.

“Moita”: E ele entende, assim como eu, que não é aditivo tá, é reequilíbrio financeiro.

Marcel: Ah, então tem que pedir por reequilíbrio né.

“Moita”: É, não põe aditivo porque você não tá mantendo o preço. Cê tá pedindo a atualização monetária de dólar, aquelas coisas entendeu. Então, tem que tirar aditivo lá, ele falou que vai mandar pro departamento, tá, ele não garantia porque também tá pendurado lá agora, você sabe né.

Marcel: Eu sei isso.

“Moita”: Caiu o Herman, viu.

Marcel: Não sabia, não sabia.

“Moita”: Então, ele é o cara que tava na frente com isso, eu nem sei se continua, então protocola logo.

O ex-chefe de gabinete da Casa Civil do governo Alckmin Luiz Roberto dos Santos “Moita” não respondeu aos contatos da reportagem.

 

Média: 4.6 (22 votos)
22 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".

RINDO DE QUÊ? SEI LÁ. DE BOBEIRA…

>> https://gustavohorta.wordpress.com/ RINDO DE QUÊ? SEI LÁ. DE BOBEIRA… Que tal lembrar da lista de viagens improbas em aviões do povo de MG feitas pelo governador? E as viagens da primeira dama nos aviões de SP, improbas?Um pulo ali em Paris, na avenida Foch ou em algum banco na Suíça? Uma olhadela na lista de Furnas? Passar os olhos na operação Zelotes? Uma visitinha ao processo do HSBC? Que tal…É o bacanal com apenas nosso ânus na jogada! Isto sim é pornografia, isto sim é virulento! Pobre de nosso ânus, esculachado, esculhambado, arregaçado orgia de impunidade.

Seu voto: Nenhum
imagem de Cunha
Cunha

O Moita vai continuar na

O Moita vai continuar na moita.

Seu voto: Nenhum
imagem de MARCOS F.L.
MARCOS F.L.

A Globo vai tratar de

A Globo vai tratar de esconder isso.

Seu voto: Nenhum
imagem de Luciano GM
Luciano GM

Merenda no trem.

O Moita foi devolvido à CPTM um dia antes da Operação Merendinha. O Moita ajeitava as coisas nas licitações de merenda, e chegava a cobrar 25% do contrato, segundo apurado. O Moita era assessor do Gabinete Civil de SP.  O Moita passeava de trem e depois comia merenda. O Moita está solto, e as provas?

O método Moro só opera contra petistas.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

A propósito

Alguém viu o Bonna por aqui?

Essas coisas ele finge que não vê...

Seu voto: Nenhum (3 votos)

No Brasil a única proposta política da oposição é o golpe.

Quando a Justiça só pune de um lado, os bandidos já sabem qual lado escolher.

aviso a todos os santos tucanos...

a nova casa de deus nos livre e guarde é o Palácio dos Bandeirantes

Seu voto: Nenhum (2 votos)

A impunidade do psdb,

A impunidade do psdb, principalmente o paulista, atrairá para suas fileiras gente da pior espécie...

Seu voto: Nenhum (2 votos)

"As notícias do PIG são cheias de: vírus, malwares, worms e spywares - você tem que ter muito cuidado para NÃO SER CONTAMINADO!"

"Os dois mais importantes dias em sua vida são o dia em que você nasceu e o dia em que você descobrir o porquê... - M

imagem de Jotage
Jotage

Comida das crianças.

Este partido rouba até a comida das crianças, mas, ninguém será condenado.

Agora, se alguém disser que ouviu dizer que alguém do PT comeu uma cebolinha (ou tapioca) do pacote que ia para as crianças, o Moro prende na hora.

Aí os coxinhas vão dizer: "Não adianta comentar o passado, pois um erro não justifica o outro".

Seu voto: Nenhum
imagem de alramiro souza
alramiro souza

aí exclamou o tucano que

aí exclamou o tucano

que descobriu quem abiscoita:

gente muito afoita

e que sai da moita

a gente  acoita,

põe na cptm e apoiita

 

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de altamiro souza
altamiro souza

a última palavra deste texto

a última palavra deste texto aí é apoita, do verbo apoitar,

o pescador senta e e espera descansadamente...

Seu voto: Nenhum

Tucanos não roubam!

Tucanos fazem "reequilíbrio financeiro" !

Que maravilha! O juiz Moro adorou mais esta prova de inocência.

Agora que não vêm ao caso mesmo!

Seu voto: Nenhum (4 votos)
imagem de veranis
veranis

Só prá constar: Deus

Só prá constar: Deus envolvido nas trambicagens. Graças a Deus, a trambicagem estava dando certo. Que lástima esse mundo!

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de veranis
veranis

Tempos atrás havia um parente

Tempos atrás havia um parente do alckmin, se não me engano cunhado envolvido com isso. Mas sabe como é, cunhado não é parente e ficou tudo por isso mesmo. Agora está dentro do palácio dos bandeirantes, pelo domínio do fato, impeachment no alckmin, que ninguém é de ferro.

Seu voto: Nenhum (5 votos)

De tempos em tempos, surge um

De tempos em tempos, surge um caso envolvendo a merenda das crianças. É uma prática recorrente meter a mão no dinheiro destinado à merenda. Resta saber se as sentenças condenatórias levam em conta essa agravante.

Seu voto: Nenhum (5 votos)

Santa coincidência, Batman...

"Um dia antes da deflagração da operação, Luiz Roberto foi demitido do cargo de confiança e voltou para sua função de origem, na Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

Um dia antes o cara é demitido do cargo de confiança. Será que alguém deu um "toque" para tirar o carinha do palácio?

 

Seu voto: Nenhum (5 votos)
imagem de Fernando Moreno
Fernando Moreno

Quer apostar?

Aposto que daqui uns dias vão colocar o PT e o ex-presidente Lula no meio da confusão. É questão de tempo.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Será que tem mais gente

Será que tem mais gente graúda atrás da moita?

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de jcordeiro
jcordeiro

Abre-te, Sezamo!

Nassif: sempre desconfiamos que o governo do Bandeirantes estava na “Moita” (com o Moita e pelo Moita).  Alias, “moitas” é o que não falta ali, por todo Estado. E o governador ainda se acha na moral de dizer que “no PT só tem ladrão”. O “trensalão” ficou por isto mesmo. “NÃO VEM AO CASO”, diria (e continua dizendo)  o Judiciário federal da República do Paraná. O  epsódio só mostra que a coligação PSDB/DEM/PPS e o PT são farinha do mesmo saco, com uma população de ladrões de fazer inveja a Ali Babá

Seu voto: Nenhum (2 votos)

E Moita volta para onde? Para cuidar da CPTM!

Nossa, estou vendo ja algum procurador do MP/SP dando entrevistas, dizendo que se gente de alta patente do governo estadual paulista estava no conluio, logo, pelo dominio do fato, Alckmin também e que vão encaminhar as investigações e intimar o governador etc.

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de Ivan de Union
Ivan de Union

E apezar dos grampos e da

E apezar dos grampos e da evidencia...  ta todo mundo solto, nao eh?

Seu voto: Nenhum (4 votos)
imagem de Judson Silva
Judson Silva

....todo mundo solto....as

....todo mundo solto....as Peruas do Cunha tbm...kd o MPERJ? Manda buscar e leva os carros importados tbm....

 

Seu voto: Nenhum

Crônica de uma inocência anunciada...

Não vai acontecer nada. Não será condenado. Se for, vai prescrever enquanto aguarda em liberdade o julgamento do recurso.

Tucanos são seres que já nascem com habeas-corpus eternos grudados em seus genes...

Seu voto: Nenhum (6 votos)

No Brasil a única proposta política da oposição é o golpe.

Quando a Justiça só pune de um lado, os bandidos já sabem qual lado escolher.

imagem de Alessandroaf
Alessandroaf

Perda de tempo

É tucano?

Não acontecerá nada. NInguém será preso.

Nem  com a ajuda do MP da Suíça acontecerá alguma coisa.

Agora vcs viram o isopor que o Lula carregava? Aquilo é importado hein?

Sinais exteriores de riqueza. Comprova como? Em nome de quem tava o isopor?

Alô, alô Veja. Alô, alô Veja 2.0. Alô, alô O Globo e FSP.

Invicto, contando e aceitando apostas.

2.

Se tiverem achando ruim e quiserem alguma vantagem pra apostar,

dou Furnas, Merenda das crianças e Trensalão. QQ condenação vc ganha.

Mas, no estilo das facas Ginsu, eu digo: não, não é só isso.

Incluo a fazenda do FH, as privatizações e até o Gregório Marín.

A chance de vcs é grande, viu? Passa de 0,5%.

Agora só tem uma coisa: se num vier ao caso, perdeu, playboy.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.