Revista GGN

Assine

O Trem do Pantanal de Almir Sater

Enviado por jns

Com a viola nos trilhos

O Viola Minha Viola comemorou 30 anos bem vividos de divulgação da cultura brasileira em 2010.

Trem Pantanal Express faz um passeio contemplativo entre Campo Grande (MS) e Miranda (MS)

"O caipira quando chega no lugar que não conhece ninguém... fica na dele." - Almir Sater

Média: 5 (1 voto)
8 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".

Para o meu comandante!

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

lucianohortencio

Jóias mt preciosas escondidas

Jóias mt preciosas escondidas no Pantanal. Esse nosso Brasil é uma verdadeira riqueza, tão mal conduzida por tanto tempo. OBRIGADO por me mostrar mais músicas e o autor  Geraldo . Agora, conhecendo a história da música vou gostar cada vez mais dela.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

lenita

imagem de jns
jns

Hêêê... Brasilzão!

The Pantanal during dry season

Arroz de carreteiro pantaneiro

Arroz de Carreteiro Pantaneiro

Ingredientes

. 2 bananas-da-terra picadas em cubos 
. 1 linguiça calabresa em cubos 
. 2 colheres (sopa) de banha de porco ou óleo 
. 4 dentes de alho picados 
. 1 cebola média bem picada 
. 500 g de carne de sol dessalgada 
. 2 xícaras (chá) de arroz lavado e escorrido 
. Suco de 1 laranja 
. 4 xícaras (chá) de água quente 
. Sal, pimenta, cheiro-verde picado a gosto 
. 100 g de uvas-passas  
. 100 g de castanha de caju

Preparação

Frite, em frigideiras separadas, as bananas e a calabresa. Reserve. Em outra panela, aqueça a banha e frite o alho e a cebola. Junte a carne e frite mais um pouco. Ponha o arroz e refogue por cinco minutos. Adicione o suco e mexa. Ponha a água quente e deixe levantar fervura. Tempere com sal e pimenta. Abaixe o fogo e cozinhe até quase secar. Junte, então, a banana e a calabresa reservadas, as passas e a castanha. Deixe secar um pouco e sirva polvilhado com o cheiro-verde.

Se o arroz ficar um pouco mais úmido o sabor se torna ainda melhor.

Receita: http://mdemulher.abril.com.br/culinaria/receitas/receita-de-arroz-carret...

Seu voto: Nenhum
imagem de jns
jns

sem miséria

VIOLA E VIOLEIROS

"A maioria das nossa músicas foram feitas com chuva"

"Acho que foi a Dona Helena Meireles quem conheci de violeiro, aqui no Pantanal" - Almir Sater

"Acho que alma pantaneira deve ser o espírito pantaneiro. Povo de Paz. Muita Paz. Povo muito gentil. Lugar onde não existe fome. Quando não existe fome, todo mundo se torna generoso. Não tem miséria. As pessoas recebem bem os viajantes. Não tem estresse. Tem muito pouca gente. Quando chega gente na sua casa é um acontecimento. Voltam aqueles valores de séculos atrás... assim... passar um viajante - que você nunca conheceu - você receber na sua casa; você alimentar e dar abrigo" – Almir Sater

"O violeiro realiza o trânsito entre o sagrado e o profano: toca na festas de folia, nas igrejas, faz o pacto com o capeta e, nem por isso, é banido do lugar" – Ivan Vilela

Zé Mulato & Cassiano se apresentam no 13º Encontro de Folia de Reis de Brasília  (Tina Coelho/Esp. CB/D.A Press)

"Se oceis num gostá di nóis, num tem portância, nóis é fã di nóis dimais da conta"

Cassiano (à direita) da dupla Zé Mulato e Cassiano

Seu voto: Nenhum
imagem de jns
jns

No Pantanal Palestino

A maravilhosa Rona Kenan se queimou na movediça areia israelense.

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de jns
jns

Prá Lenita Pantaneira

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de jns
jns

Cigana Bonita

Geraldo Roca e Paulo Simões são os andarilhos 'sobre todos os trilhos da Terra'

Geraldo revelou que o ‘Trem do Pantanal’ não é uma canção ecológica. ‘Tem muita gente que admira a música como uma elegia ao Pantanal. Mas Trem do Pantanal não é nada disso. É uma canção de um proscrito, que está fugindo de uma ditadura. Não tem ninguém olhando para as estrelas’, explica.

Márcio Rahal

Roca em 2004 no Festival de Bonito em uma de suas raras aparições ao vivo

Geraldo Roca é autor de Trem do Pantanal. A música composta em 1975 em parceria com Paulo Simões foi eleita a mais representativa do Mato Grosso do Sul, virou praticamente o hino não-oficial do Estado e há mais de uma década é o hit do repertório do violeiro Almir Sater. Mas Roca é muito mais do que simplesmente o autor desta canção que fala do famoso trem que partia de Bauru, em São Paulo, passava por Campo Grande, chegava até Corumbá, na fronteira de Mato Grosso do Sul com a Bolívia, e rumava para o ponto final Santa Cruz de La Sierra. O compositor é dono de uma das obras mais inspiradas da música feita na região Centro-Oeste. A quem diga que seja do país. ‘Se fosse escolher um compositor para dar de presente ao povo brasileiro, este compositor seria Geraldo Roca’, revela Renato Teixeira, grande apreciador da música produzida em MS e com quem Roca gravou, tocando viola de 10 cordas, o LP Garapa ainda na década de 80. 

Seu voto: Nenhum

Eta música bonita, sô ! Ainda

Eta música bonita, sô ! Ainda mais na bela voz do Almir.

JNS quem é o autor desta música? Sempre imaginei ser do Almir e Renato Teixeira, pois é a "cara" dos dois.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

lenita

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.