Revista GGN

Assine
imagem de Cafezá

CONTEÚDOS DO USUÁRIO

Postagens

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

- U plano ié ucêis ir atráisi daquelis qui ucêis fizéru contatu i priguntá preles quem foi qui eiles falaru adispois qui ucêis falaru cum eiles. Indaí, ucêis vão inditráizi desses i faízi a mesma prigunta, i vão inditraizi di quem eiles falarem. I vão fazendo uisso inté chegá nos úrtimo qui foru contatados.

- Ispéra um poco, Jarirí. Dexa ieu vê si ieu tô intendenu. Um dos qui ieu cunquistei foi o Heitô. Entoncis ieu procuro eile i prigunto quem foi qui eile conquistô. Eile mi fala quais foru ieu procuro eisses i faço a mesma prigunta. I vou fazendo uilsso inté chegá naquelis qui pur último passaru pro nuósso lado.

- Uilsso memo, Zeca. Ié uma pirâmide di cabeça pra baxô, ucêis vão tê di subí pur éila inté incontrá os úrtimos.

- Ah, sim. Agóra ieu clariei mia cabeça. Maisi i adispois? U qui ieu vo falá pra os úrtimo?

- Ucê vai convencê eiles a conquistarem mais jienti, purque foi cum eiles qui a pirâmide parô di crescê.

- Cérto. Agóra ieu intendí u óbjetivo du plano.  

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Cuando eiles chegaru na casa de Zé Roxo, tudos eiles já tavam lá. Zé Roxo tinha feito um café réfórçadu cum dois bolo di mio i uma baciada di biscoito di pulvilho. 

- Éissas tuas gulóseimas tão muito boas memo, Zé Roxo. Ucê ié um cuzinero di mão cheia.

- Brigado, Tuxo. Ieu tenhu éissa fama memo. Mia falicida muié, qui faleceu cum dezoito anos, foi quem mi insinô a mi virá na cuzina. Éla sim éira uma boa cuzinera.

- Bão, jienti. A cunversa tá muito boa, maisi a jienti tem di intrá nus assuntos qui fizéru nóis vir aqui. Nósis matutamu muito pá chégá nilsso qui ieu vo falá pucêis. Nósis temo di cunquistá u córação i a mente di maisi péssoas. Muita jienti já tá du nuósso lado, u qui ié muito bão, maisi nósis num pudemos dexá a pitéca caí. Nósis vivemo numa ciudadi muito póbri, a quar sempre isteve dibaxo das bóta dus poderosus i pur uilsso éila é tão póbri. É chégada a hóra da jienti se libértá i cunquistá una vida cum dignidadi.

- Ié vérdadi, Jarirí. Çajienti ficá anssim du jeito qui nós tamo, feito boi nu pasto, jamais a jienti irá si libértá du jugo dus pudérosus, aquelis lá das casa grandi.

- Sim, Maurinho. Aquelis lá das casa grandi. Leia mais »

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

- Entoncis, Jarirí, ieu conteio tudinho pucêis. Pelo menus, ié um assassino a menus pá pérseguí a jienti. Otro dia, eiles cumessaru a tirá u sarro di mim, pur ieu sê albino, maisi branco du qui pulvilho. Um deiles mi priguntô se eu já tinha visto largatixa transparente. Mi deu vontadi didá uma réspósta inviezada prele, dizê qui ieu já tinha visto a mãe deile, maisi ieu sigureio as palavra qui ficaru intalada na mia garganta. Um otro deu rizada i mi priguntô si ieu já tinha visto fióti di urubú, qui é branquinhu, ieu, maisi uma veiz, ingulí seco. Deuso mi livre didá réspósta preles. 

- Ucê pricisa tumá cuidado, Zeca. Ié mélhór ucê colocá otro pá ispioná eiles, ucê num tem travas na língua. Agóra, a jiente tem di ir incontrá os nuóssos cumpanheiros. 

- Sim, Jarirí. Vamu pra casa di Zé Roxo. Berto, Cacique, Maurinho i Pelé já tão lá isperanu ucêis chegá.

- Vamu lógo, in antis qui chova. Nós temos muito u qui cunversá cum eiles.

- Vamu virá a premera isquina à isquerda, pá jienti num passá pérto du bar.

- Avante, jienti!

 

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Indaí, u silêncio, qui in antis dus tirus já éra grandi, fico énórme i impedrificado. U isquisitu é qui tudo uilsso acunteceu in quéstão di poucos sigundos, maisi ficô parecenu qui foi um acuntecimento di hóras. Tião Malafé foi quem quebrô acuéla quiétudi istranha. Pôs u révórvi na cintura i si benzeu in nome du pai + du fio + i du ispritu santo +, amém jésuis, i foi saínu du bar divagarim cumu si tivéssi ça alevantadu sonolento da cama deile. I foi dérrépenti qui um assassinu pur nome di Sanfronho sortô um risadão muito alto i falô anssim:  - Ieu gosteio di tudo uilsso. Éissa ié a vida dajienti. Matá ou morrê ié quéstã di um tiquim.  Entoncis, arguém falô cum firmeza qui eiles pricisava chamá a puliça i avisá u patrão pá sabê u qui eile ia falá. Maisi otro disse qui num tinha póbrema não, qui u patrão arrésórveria tudo purqui é amigão das ótoridades. Ieu vi cuando Aselmo pegô u télefone i avisô a puliça, qui chegô rapidim. Três guardinha desceru du carro i entraru cum um sorrizim amarélo, móstranu qui eiles tavam si caganu di medo. 

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

- Ucêis tá préstanu atenssão nu qui ieu tô falanu? Tão intendenu qui u assassinato acunteceu pur um tiquinho di nada?

- Sim, Zeca. Cuntinua contanu, quar foi u dêsfêcho?

- Entoncis, Bento ficô vremeio feito uma brasa i, cumu eile tava muito bébadu, u pavio da discórdia se acendeu rapidinhu. I eile arréspondeu anssim:

- Agóra, ucê vai tê di dizdizê u qui disse, sinão ieu vo picá ucê na bala. Leia mais »

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Adispois di se abraçarem, Jarirí priguntô:

- Cumu ié qui tá as cousas, Zeca?

- Ieu tenhu uma nóvidadi nóvinha pá contá pú ceis.

- Conte lógo homi.

- Ieu tava no bar do Aselmo agórinha memo, ispionanu us assassinus cuandu si deu u acunticido. Um assassinu pur nome di Tião Malafé matô um otro assassinu di nome Bento Pandero. Eiles tavam tómanu cachaça i cumeno carni seca. Tião Malafé tava co copo di cachaça passadu a régua cuandu Bento Pandero trocô os cópo sem querê, pegô u copo di Tião nu no lugá do dele, qui tava quase acabanu. Cuandu u TIão foi pégá u copo, deu pur falta da cachaça i falô brincanu:

- Eh, Bento! Ucê robô a mia cachacinha i mi dexô u seu copo quasi vazio.

- Inheu, ciucê mi pérmite, acho qui ninguém dévil di chamá uma péssoa di ladrona nem pur brincadera. Ieu seio zélá pela mia hónéstidadi. 

- Ué, nósis semo assassinu, cousa bem piór du qui ladrão, i ucê mi invém cum éissa fréscura. Se ieu vejo qui pósso róbá, além di matá ieu tumém roubo, u qui ié um crime bem ménor du qui tirá um filho di deus di cima da térra i po eile embaixo déila a sete palmo di fundo. Leia mais »

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

I eiles foru avuanu i plananu inté chégá na marjem da mata du lado da ciudadi. 

- Uóia, Jarirí! Nósis num cansamu nada, a natureza cuidô di tudo pá nósis.

- Sim, i nósis vinhemu dipréssa, cheguemo na hóra cajienti tinha di chegá. I ieu só num seio cumu ixpricá uilsso qui acunteceu. Didadondi inveio eisse vento qui nos trochi inté aqui. Contanu, ninguém acriditará, a num sê a nuóssa jienti. As gata tão tudo ouriçadas, éilas gostaru di avuá. Ieu vo falá cum éilas:

- Ucêis já pódi vortá pá casa du mestre, preles sabê qui nósis cheguemo bem.

Éilas ficaru oianu pá Jarirí, cumu si quisésem priguntá arguma cousa. Adispóis déru meia-vórta i cumessaru a andá bem divagá. Eiles ficaru oianu éilas entranu nu mei da iscuridão. Indispois, sô Jair falô:

- Tem arguém naquéla rua ali, paréci qui ié um dos nóssos. 

- Ié verdadi. Pela brancura da péssoa, paréce sê Zeca Albino. Vamo nos aprochimá bem divagá.

Cuandu eiles foru chéganu maisi pérto, Jarirí gritô:

- IÉ UCÊ, ZECA ALBINO?

- IÉ IEU MEMO, SE ACHEGUEM.

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

E a comitiva cuntinuô andanu naquéla iscuridão. Indaí, cumessô um vento tão fórti qui os cabelo deiles, assoprados, pariciam qui iam vuá da cabessa.

- Éissa ventania tá vindo fóra di hóra, a noite num tá preparada pá chuvê, num tem nuvem nu céu. Será qui éissa ventania tá quérenu dizê arguma cousa pá nóis?

- Pódi sê qui sim, seu Jair. É néssas hóra cajienti sente a falta de mestre Bódim, qui sabe disvendá a vóz da natureza. 

- Iè verdadi. Èissa fòrti ventania tà batenu nas nòssas còstas, serà qui èila tá querenu ajudà a jienti a andà maisi diprèssa. Serà qui è eisse u desìgneo dèila?

- Pòdi sê qui sim. Uuuuu vento tá tão intenso qui ieu tô sintinu qui meus pés não istão tocando u chão. Paréci qui ieu tô vuandu.

- A vèrdadi è qui nòis tamu vuando mesmo, meus pés istão a trinta centìmetro du chão. 

- Os meus tumèm tão, Vardì. Ieu nunca vi cousa mais isquisita du qui èissa. Iè uma ispècie di milagri da natureza.

Média: 5 (1 voto)

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Cuandu as gata terminaram di cumê o lanchinho, Jarirí, muito preocupado, falô:

- Nóis tamo muitu atrasado, jienti. Já perdemu mais de meia-hóra aqui.

- Sim, se a jienti quisé chegá na hóra certa, nósis vamo tê di apertá u passo nessa iscuridão.

Entoncis, eiles cumessaru a andá maisi dipréssa, maisi sô Jair i Vardí, qui invinha sigurano nu braço du pai, num cunsiguiam andá na vélocidadi dos otros. Indaí, Jarirí falô pra Tuxo:

- Ieu acho mélhor ucê ir na frienti, chegá lá premero pá avisá eiles qui nósis tamo atrasado, sinão eiles pódérão pensá qui a jienti si isquecemo deiles.

- Ié vérdadi. Ieu vo deitá o cabelo, chego lá antis i seguro eiles inté ucêis chégarem.

- Léva Cascatim cum ucê, pá sê teu farejadô e teu guia. Ieu seio u caminho daqui in diante.

- Boa ideia. Vamo imbóra Cascatim, a nóssa missão vai sê chegá lá na hóra cérta. 

Entoncis, Tuxo i Cascatim apertaru u passo i si desligaram da comitiva.

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

I foi indaí qui Jarirí cunsiguiu alumiá o lugá dadondi as gata invinham.

- Óia, jienti! Jano tá trazenu um cuórpo na boca. Paréci qui eilas pegaru um assassinu. Coitadinho.

- Vixi, qui ié memo! Eile foi estraçanhadu pur éilas, ié só parti du cuórpo qui tá invinu.

- Ieu num quéro nem olhá. Qui cena macabra!

Maisi, incuantu as gata si aprochimava, i eiles mais ólhavam, qui si deu um revértériu nu qui eiles tavam pensanu. Tuxo, entoncis, falô:

- Ieu seio qui us assassinus contratadus são animar burro chucro, maisi ieu num sabia qui eiles tinham quatro pérnas. Uóia direito, tem umas patas saino da carni.

- Ié vérdadi, falô sô Jair, não ié jienti não, ié um animar qui éilas pégaru na margi du rio.

- Sim! Agóra ieu tô inxérganu dereito, ié uma capivara grandi. 

- Ié memo. Foi uilsso qui éilas foru fazê nu rio. Éilas tavam atraizi di um lanchinho.

Entoncis, éilas acabaru di chegá. Jano largô a carni nu chão, i éilas cumeçaru a desfrutá du lanchinho, qui divia di tá muito bão, porqui éilas cumessaru a cumê aquéla carni cum muito gosto.

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Adéspois duma meia-hóra eiles ãinda tavam ispéranu as gata vortá. Tinham si sentadu nu chão, i o negror da mata naquéla hóra éira quebrado pelos vagalumes qui cumessaru a vuá in tudas as diréssão. A luz deiles naquéla iscuridão ficava maisi fórti, arguns deiles piscava a luz i otros não. Paricia qui tavam dançanu uma dança insaiada há muitu tiempo, bailarinos da alumiação. 

- U qui ucê tá iscuitano agóra, Vardí?

- Paréci, Jarirí, um som di arrastá, achu qui as gata tão arrastanu arguma cousa pra cá. Éilas tão vortanu na nuóssa diréssão.

- U qui sérá qui éilas tão trazenu? Será qui éilas pegaru us capanga assassinus? 

- Agóra ieu tumém tô muitu curioso - falô Tuxo. Éilas dévi di tá trazenu pédaçus di córpus.

- Vamu alumiá coás lantérna, éilas dévi di tá apontanu pérto daqui. 

Entoncis, Jarirí i Tuxo cumessaru a lumiá cum a lantérna, tentanu alumiá as gata chéganu, maisi num aparicia nada. U qui será qui tá acuntecenu? Agóra ieu tumém tô iscuitanu u som déilas arrastanu arguma cousa inté aqui. 

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Entoncis, acunteceu uma cousa qui eiles num ispéravam, as trêis gata deram um rugido i correru in diréssão ao rio, o qui feiz eiles ficarem muito préucupados. U qui siria aquilu? Será qui éilas sintiram u chero du pirigo? Farejaram arguém di tocaia?

Indaí, Jarirí falô:

- Uilsso num é nada bão, éilas só pódi tê ido atacá arguma cousa. Ieu to achanu qui são us capanga inditraizi das moita. 

- Se for uilsso, Jarirí, lógo lógo a jienti vai iscuitá tiros i gritos vindo na diréssão du rio.

- Sim, ié vérdadi Tuxo. U qui a jienti faizi? Vamo isperá as gata, ir inditraizi déilas ou vamo cuntinuá a viaje?

- Ieu achu mió a jienti isperá aqui, falo sô Jair. Num démóra, a jienti vai iscuitá barulhos chéganu cá. U qui ucê acha, Vardí?

- Ué, ucêis num tão iscuitanu a buraiada? Faizi tempo qui ieu to iscuitano.

- A jienti num tem os zuvido qui ucê tem, Vardí. Conta lógo u qui ucê tá ouvino.

- Paréci uma correria nu mei du mato, as gata tão ruginu bastante, parecenu qui tão muitu brabas.

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Adispois di si dispidirem di todos, Jarirí, Tuxo, sô Jair, Vardí, Cascatim, Jurema, Véia Dita i Jano tomaro u rumo deiles. Mestre Bódim parô di tocá um poco, i eiles tudos ficaru óbservanu eiles sumirem nu mei da mata. 

Anssim qui entraru na iscuridão, Jarirí i Tuxo acenderu as lanternas, qui criaru uns boião intenso di luz pur adondi eiles alumiavam. Os zói das gata brilhavam feito diamantes cum o réflexo da luz i inté davam medo purque paricia qui só ixistiam os olhos déilas e mais nada. Vardí, qui invinha siguranu no braço du pai, falô anssim:

- Ucêis tão sintinu um poco da iscuridão qui eu sinto, ieu daria tudo pá inxergá a luz das lanternas. Cumo ieu num pósso, fico sintinu u aroma das arves i da térra. Sintam u quanto tá dilicioso.

- Ié vérdadi, Vardí. Tá parecenu um ópio qui faizi a jiente vuá. 

- Pois ié, Jarirí. I tem tumém os som dos pássaru nóturnos, as curuja num param di gritá u pio déilas.

- Sim. I tumém tem u baruio du vento agitanu as arves, isfréganu os gai uns nos otros. Ié um forferéu muitu gotoso di si iscuitá.

- Ié mesmu, paréci qui os vestido das arves tão si arrastanu nu chão. 

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Maisi sô Jair lembrô da hóra, a turma qui invinha pá ciudadi tinha di pô pé na mata pá atravéssá éila. Naquela noite sem lua, a viajem éxijia cuidadu. Muitas cóbras, muitos descaminhos. Tuxo discordo entoncis: - Carma, sô Jair. In ninhum otro lugá du mundo, vai tê jienti aventurera atravéssanu uma mata cum a sigurança cajiente vai tê. Cascatim i treis gata vão cum nózis, num tem ninhum pirigo, éissa turma fareja tudo in vórta, ié maisi piriguento atravéçá uma rua di ciudadi grandi. A música i as dança tão muito boa, tá a cousa mió du mundu, num dá pá a jienti ficá maisi uma meia-hóra? Leia mais »

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana, por Cafezá

Festa Junina, de Constancia Nery

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana, por Cafezá

Entoncis, incuanto eiles oiavam pu céu istrelado, pensanu in tudo acuílo dito pur mestre Bódim, Néja chegô sorridenti:

- O de comer tá prontinho, ucêis já pódi si refestelar, principarmienti aquelis qui vão cair na noite pá chégá inté a ciudadi, adondi eiles têm comprómisso co povo. 

I foi una fésta inesquicível. A cumida tava diliciosa, cum gosto di quéro mais. Os légume cozidos i temperado cum érvas i doçura di um salgadu maravilhosu. I cumessô um vento fórti cum jeito di "será chuva", maisi nonce, éira um refresco da noite si alembranu du Sol. I u vento tumém troche os aroma di muitas arves em floris, tão diliciosos qui dava vontadi di enche u peito i nunca maisi esvasiar. I Nicanor gritô:

- Afe! Qui uilsso ié cousa doutros mundo! U aroma da cumida di Néja troche os aroma da mata pá tórná tudo maisi trancendenti. Óia cumu tudu tá dilicioso!

Leia mais »

Média: 5 (1 voto)

Fotos

Colocando na balança

Vídeos

Extra

Bach

Bach

Documentos

Sem colaborações até o momento.

Áudio

Sem colaborações até o momento.