Bolsonaro fala em “canetada” na próxima semana para obrigar fim da quarentena

Nova teoria: Bolsonaro diz que desempregados ficam "mais debilitados" e irão contrair mais o coronavírus, que "terá uma letalidade até maior"

Foto: Carolina Antunes/PR

Jornal GGN – O presidente Jair Bolsonaro ameaçou tomar uma medida para acabar com a quarentena e que, mesmo sob riscos de contágios por coronavírus, os brasileiros voltem a trabalhar. Em declaração, Bolsonaro disse que se na semana que vem “não começar a voltar o emprego, vou ter de tomar uma decisão”.

A declaração do mandatário foi dada à rádio Jovem Pan, nesta quinta (02), quando falou em “canetada” para obrigar os brasileiros a voltarem a trabalhar. Seu discurso vai contra todas as recomendações feitas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e até de países como os Estados Unidos, que a princípio evitavam a quarentena, mas decidiram aplicar por ser a única forma eficaz de diminuir o contágio e a pandemia.

E apontou uma tese oposta a todas as comprovações científicas até hoje no mundo, dizendo que os desempregados ficarão com o organismo “mais debilitado”, tendo baixa imunidade e “mais propensos a contrair um vírus – esse próprio aí, o coronavírus”, e que segundo ele, assim, “terá uma letalidade até maior”.

Sob críticas dos brasileiros e também mundo afora, com editoriais estampando a semana no Washington Post e The New York Times, The Guardian e Financial Times, Bolsonaro insiste na sua lógica. Sendo o país com mais casos de coronavírus na América Latina, chegando hoje a 8.076 casos confirmados e 327 mortos, o mandatário brasileiro acredita que a produção econômica é mais importante.

Usa, para isso, uma suposta defesa aos trabalhadores informais e aqueles que ou perderam seus empregos com a medida, ou tiveram redução salarial e de jornada de trabalho, que segundo ele “levaram uma paulada no meio da testa com as medidas tomadas por alguns governadores”.

Leia também:  A “Nova Economia do Projetamento” e a resistência chinesa à pandemia, por Elias Jabbour

“Eu tenho um projeto de decreto pronto para ser assinado, se for preciso, que considera como atividade essencial toda aquela indispensável para levar o pão para casa todo dia”, disse.

E mostrou ser autoritário em sua decisão: “Enquanto o Supremo ou o Legislativo não suspender os efeitos do meu decreto, o comércio vai ser aberto. É assim que funciona.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. Nao, f*** é um sujeito qua vagabundeou por décadas no exercito e na Câmara querer obrigar que as pessoas trabalhem mesmo sob risco de morte por doença.

  2. Eu acho apenas que tem muito urubu aí torcendo para que ele edite esta MP mesmo!
    Aí sim, ele estará dando a munição final que estão aguardando para removê-lo do poder. e não será através de impeachment!!!

  3. Bolsonaro: reconheça sua condição de um grande bosta e cale sua fétida boca depravada. Você não manda mais nada. Acabou ! Duvido que você dê uma canetada. Duvido porque sei que você é um bosta covarde.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome