“Cada vez que abre a boca, Guedes exala o mau hálito da Casa-Grande”, diz colunista

Guedes é exemplo extremo de "aporofobia", expressão cunhada pela filósofa espanhola Adela Cortina para definir a aversão aos pobres e que se manifesta de diversas formas no mundo contemporâneo

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – Enquanto nos Estados Unidos o governo do democrata Joe Biden caminha para reformas de caráter progressista, no Brasil, o ministro da Economia, Paulo Guedes, continua expondo sua subordinação ao mercado e aversão aos pobres. A análise é da colunista Cristina Serra, na Folha de São Paulo. 

“Biden quer criar empregos para a classe média e trabalhadores com menor qualificação, aumentar o valor do salário mínimo, ampliar a educação pública e melhorar o acesso à saúde, que, segundo ele, deve ser um direito, não um privilégio”, escreveu Serra. 

“A questão é saber quem vai pagar a conta dos investimentos do Estado. Biden quer elevar a carga tributária das empresas e daqueles que ocupam, digamos, o topo da cadeia alimentar e que engordaram suas fortunas ainda mais durante a pandemia. Ele enunciou seu argumento de forma até singela: “É hora de pagarem a sua parte justa”, explicou. 

Já aqui no Brasil, a população foi surpreendida – mais uma vez – pelas falas de Guedes. Em reunião do Conselho de Saúde Complementar nesta semana, o ministro afirmou que o Fies, programa federal para estudantes de baixa renda financiarem mensalidades do ensino superior, é “bolsa para todo mundo” e “um desastre”, ao contar que “o filho do porteiro do prédio” tirou zero em todas as provas e conseguiu financiamento.

Segundo Serra, “Guedes é exemplo extremo de “aporofobia”, expressão cunhada pela filósofa espanhola Adela Cortina para definir a aversão aos pobres e que se manifesta de diversas formas no mundo contemporâneo. A palavra vem do grego áporos (pobre) e fobéo (rejeitar)”.

“Guedes não cansa de demonstrar ódio de classe: empregadas domésticas não podem viajar e filhos de porteiros não merecem estudar. Cada vez que abre a boca, Guedes exala o mau hálito da Casa-Grande’, completou.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora