Primeira semana do ano: mídia abre kit semiótico de manipulação e PsyOp militar entra em ação, por Wilson Ferreira

Também foi ativado o jornalismo metonímico para criar uma bomba semiótica, milimetricamente tardia, em torno do artigo de Guido Mantega na “Folha” e o anúncio da “revogação da reforma trabalhista” pelo PT.

Primeira semana do ano: mídia abre kit semiótico de manipulação e PsyOp militar entra em ação

por Wilson Ferreira

Bastou a primeira semana do ano para aparecerem os primeiros movimentos de uma guerra semiótica que promete ser pesada nesse ano eleitoral. E a grande mídia já apresenta as primeiras armas do seu kit semiótico de manipulação: diante da ação policial de busca e apreensão contra o ex-governador Márcio França, entra em ação o empirismo grosseiro da estratégia do “não-há-nada-para-se-ver-aqui!”. Também foi ativado o jornalismo metonímico para criar uma bomba semiótica, milimetricamente tardia, em torno do artigo de Guido Mantega na “Folha” e o anúncio da “revogação da reforma trabalhista” pelo PT. E a psyOp militar de dissonância cognitiva em torno da “operação padrão” do ministro da Saúde Marcelo Queiroga, os ataques de Bolsonaro à vacinação de crianças e a suposta tensão entre o chefe do Executivo e o Comando do Exército que orientou os militares a tomar medidas contra a pandemia e não espalhar fake news.   

“A ação não tem cunho político, mas tem desdobramentos políticos”. Esse comentário do apresentador Cesar Tralli no canal fechado de notícias Globo News é um sinal do que podemos esperar sobre o papel da grande mídia nesse ano eleitoral: uma guerra semiótica sem fronteiras.

Junto com Fernando Gabeira (que só continua no canal pelos seus bons serviços prestados na guerra híbrida 2013-16 – chegando a subir em palanque no Rio de Janeiro para atiçar as massas trajando verde e amarelo) comentavam a operação da Polícia Civil em São Paulo com cerca de 34 mandados de busca e apreensão cujo alvo foi o ex-governador Márcio França (PSB), pré-candidato a governador do Estado. E um dos principais articuladores da chapa que teria o ex-governador Geraldo Alckmin como vice do ex-presidente Lula.

“Minhas fontes na Polícia Civil garantiram que a ação não era política”, afirmou ao vivo César Tralli. Provavelmente entras suas fontes estava o coelhinho da Páscoa, porque em seguida admitiu os “desdobramentos políticos” das tradicionais imagens de meganhagem que celebrizaram a Lava Jato: policiais reluzentes, fortemente armados, desembarcando nos alvos das buscas como uma espécie de invasão da Normandia.

  “Um desdobramento da Operação Raio X, iniciada em 2020”, procurou isentar a ação… um desdobramento que ocorre dois anos depois, justamente na abertura do ano eleitoral…

Essa é a cínica estratégia semiótica do “não-há-nada-para-se-ver-aqui!”, lembrando aquela impagável cena do filme Corra Que a Polícia Vem Aí (The Naked Gun, 1988) com o investigador policial Leslie Nielsen mandando as pessoas dispersarem porque “não há nada para se ver” enquanto atrás dele há gritos e explosões em série.

Tralli estoicamente tenta manter em suspensão os signos contraditórios através de um empirismo grosseiro – se é apenas uma notícia, por que precisa ser comentada? 

A bomba semiótica tardia

Também outra arma do arsenal semiótica entrou em ação essa semana, mostrando que a grande mídia quer sim voltar a ser o grande protagonista político, como foi nos anos de jornalismo de guerra da guerra híbrida brasileira: colocou em ação a estratégia do jornalismo metonímico.

O artigo do ex-ministro do Planejamento de Lula, Guido Mantega, no jornal Folha de São Paulo intitulado “Bolsonarismo levou o Brasil à crise, e retomada virá com o seu fim” (é impressionante o fetiche da intelectualidade petista de emplacar artigos no veículo que foi um dos principais articuladores do golpe de 2016…) ao lado do elogio do ex-presidente e Gleise Hoffmann ao elogio do governo espanhol por ter revogado as reformas trabalhistas na Espanha, serviram de munição para uma tardia bomba semiótica.

Publicado na Folha no dia 04, ato reflexo, no dia seguinte os candidatos Ciro Gomes e Sergio Moro e o deputado federal licenciado Rodrigo Maia atacaram violentamente o artigo e as intenções de revogação da reforma trabalhista (afinal, foi para isso que foi dado o golpe de 2016). 

Estranhamente a grande mídia passou 48 horas em silêncio. Para na sexta-feira disparar a bomba semiótica metonímica: ao mesmo tempo em que o Governador João Dória (o demiurgo por trás da ação “não-há-nada-para-se-ver-aqui” da Polícia Civil) divulgava uma carta intitulada “O Atrasão do PT”, em reposta as intenções do PT em revogar a reforma trabalhista, a grande mídia repercutia o balanço do fechamento da semana econômica: “Ibovespa cai e dólar sobe na primeira semana do ano”, dispara o alarme tanto o canal Globo News como a CNN.

Estratégia de contaminação semiótica: os canais colocaram essas duas notícias em sequência ou, pelo menos, no mesmo bloco informativo. Para criar o efeito de contaminação semiótica e levantar, mais uma vez, os velhos maus augúrios do “risco Lula” para os mercados financeiros.

Observe-se que essa estratégia semiótica se destina unicamente aos líderes de opinião, público-alvo dos canais fechados de notícias – no mesmo dia, o JN, o telejornal de rede da Globo para o distinto público, veio com uma massiva pauta sobre Covid, imunização de crianças, desmatamento do cerrado e a morte do ator Sidney Poitier, o primeiro ato negro a ganhar o Oscar. Pauta anódina com as costumeiras pauladas no “meu malvado favorito” Bolsonaro.

Como sempre, esse é o “esquenta” de um ano eleitoral: primeiro, alarmar os líderes de opinião para, em seguida, tocar o terror na patuléia – que aliás, lentamente já começa, aqui e ali, em telejornais locais com pautas do tipo: “como proteger o seu dinheiro num ano eleitoral de instabilidades econômicas…”.

Aguardem o “risco Lula” ganhar a pauta dos telejornais de rede.

Continue lendo no Cinegnose.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador