Sommelier de vacina é resultado do ‘Efeito Dunning-Kruger’ e ‘Efeito Heisenberg’ midiático, por Wilson Ferreira

O episódio dos chamados “sommeliers de vacina” é apenas a ponta do iceberg de um fenômeno (des)informacional mais amplo: o da “pós-verdade”, fenômeno-pânico em que as bases deontológicas da verdade desapareceram pela suposta democratização da informação.

Sommelier de vacina é resultado do ‘Efeito Dunning-Kruger’ e ‘Efeito Heisenberg’ midiático

por Wilson Ferreira

Memes, fake news, boatos são formas parasitárias de um ecossistema de informação que por si só já cria desinformação. Em 1998 o filósofo francês Paul Virilio foi profético ao antever para esse século o fenômeno da “desinformação virtual” criado pela informação on line e em tempo real. Fenômeno confirmado pelo chamado “Efeito Dunning-Krueger” (a ignorância que ganha confiança na Internet) e o “Efeito Heisenberg” (a mídia que mostra nada mais do que os efeitos que sua própria cobertura provoca na sociedade). O episódio dos chamados “sommeliers de vacina” é apenas a ponta do iceberg de um fenômeno (des)informacional mais amplo: o da “pós-verdade”, fenômeno-pânico em que as bases deontológicas da verdade desapareceram pela suposta democratização da informação.

Lá nos anos 1950, já no final da sua vida, em entrevista Albert Einstein afirmou que no século XX três bombas explodiram no mundo: a primeira bomba teria sido a demográfica; a segunda, a nuclear; e a terceira bomba a das telecomunicações. Ele estava certo: essa última foi uma das mais impactantes do último século ao criar a revolução temporal do “ao vivo” e, mais tarde, com a revolução cibernética das telecomunicações, o “tempo real” e dos serviços “on line”.

 O urbanista e filósofo francês Paul Virilio talvez seja o pensador que melhor entendeu esse diagnóstico de Einstein. Autor de numerosos livros e ensaios sobre tecnologia, guerra, logística e estética (mas principalmente como esses conceitos historicamente se inter-relacionam), na sua obra “A Bomba Informática” de 1998, Virilio foi profético em relação aos efeitos “radiativos” dessa bomba. Efeitos que testemunhamos no século XXI, com a ameaça da Democracia e da Política pelo tempo real cibernético global:

Com efeito, com a globalização em tempo real das telecomunicações, cujo modelo selvagem é a Internet, a revolução da informação revela-se como uma delação sistemática que provoca um fenômeno-pânico de boatos, suspeitas, o qual está prestes a minar as bases deontológicas da “verdade”, e, portanto, da liberdade de imprensa como todos puderam testemunhar no caso Clinton/Lewinsky: dúvidas sobre a veracidade dos fatos enunciados/denunciados, manipulação descontrolada das fontes e, portanto, da própria opinião pública, que constituem outras tantas mostras de que a revolução da informação real é igualmente a da desinformação virtual e, pois, da história que está sendo escrita.

Radioatividade dos elementos da matéria, interatividade dos componentes da informação , os danos da radiação são discretos e múltiplos até a contaminação geral. (VIRILIO, Paul. “A Bomba Informática”, São Paulo: Estação Liberdade, 1999, p.106).

Para Virilio todo progresso tecnológico produz um novo tipo de acidente: se o trem produziu o descarrilamento e o avião o acidente aéreo, as tecnologias da informação em tempo real produzem a desinformação virtual nas suas mais diversas manifestações “radioativas”. Lá em 1998, boatos, efeito-pânico dos crashs financeiros. E aqui nesse século, o negacionismo, fake news, pós-verdades etc. 

Porém, Virilio foi visionário ao vislumbrar a possibilidade da contaminação mais geral da crise das “bases deontológicas da verdade”, isto é, a crise do princípio lógico da sequência de atos ou meios que asseguram a verdade dos enunciados a fim de descobrir de evitar erros. Hoje, a contaminação generalizada que está levando à morte da verdade (científica, filosófica, semiótica etc.) dos enunciados, discursos e narrativas através do relativismo como arma de desconstrução como arma principalmente política do extremismo de direita alt-right.

Como a informação real produz o acidente da desinformação virtual? Um pequeno exemplo estamos acompanhando com o fenômeno dos chamados “sommeliers de vacina”, versão light do negacionismo hardcore – aqueles que querem escolher qual imunizante tomar contra a Covid-19. Com álibis dos mais variados: do pragmático (necessidade de viagem para o Exterior), ideológicos (vacinas “comunistas”) a conspiratórios (reação magnética após a dose).

Esse humilde blogueiro acompanhou as mais diversas campanhas de vacinação, desde a meningite nos anos 1970 (que a ditadura militar tentou encobrir até não mais conseguir pela gravidade da explosão de casos) e nunca testemunhou tal tipo de comportamento… vacina é vacina! Sempre se pensou dessa forma e a humanidade reagiu a prosperou diante de epidemias e pandemias.

Paul Virilio

Hoje, com a globalização midiática e a circulação interativa das informações em tempo real, seria impossível esconder uma catástrofe sanitária. O mundo vem acompanhando, passo a passo, as informações do crescimento da pandemia COVID-19 desde o seu surgimento no início. “Politização das vacinas” é apenas a ponta do iceberg de uma questão mais profunda que Virilio define como efeito de “delação sistemática” produzida pela informação on line e em tempo real que pode ser explicada por dois efeitos: o Dunning-Kruger e o Heisenberg.

Efeito Dunning-Kruger

Indivíduos com pouco conhecimento sobre um assunto acreditam saber mais do que especialistas por estarem constantemente abastecidos midiaticamente por clichês, sofismas e frases prontas. O que reforça ainda mais a ignorância, ao ponto de se tornar incapaz em reconhecer o próprio erro, como demonstraram pesquisas na Universidade de Cornell em 1999. Esse é o chamado Efeito Dunning-Kruger – clique aqui.

É um mecanismo da ilusão de superioridade no qual paradoxalmente a ignorância gera confiança com mais frequência do que o conhecimento.

As informações disponíveis on line e em tempo real geraram uma distorção na relação informação-conhecimento. Enquanto no passado o conhecimento era produzido pela acumulação de informações numa linha euclidiana para produzir o conhecimento, hoje com a revolução das comunicações as informações circulam em movimento helicoidal – movem-se numa sobreposição circular em movimento helicoide onde essas frases feitas e sofismas repetem-se, mas ainda assim se movimentam no tempo. Criando a ilusão de acumulação de conhecimento.

Continue lendo no Cinegnose.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador