A campanha Lula Livre não produz resultados, por Aldo Fornazieri

A campanha “Lula Livre” não consegue explicar de forma didática para amplas parcelas da população as injustiças e manipulações incursas na condenação do ex-presidente.

A campanha ‘Lula Livre’ não produz resultados

por Aldo Fornazieri

A pesquisa do Datafolha acerca da conduta de Sérgio Moro na Lava Jato mostra que 58% dos entrevistados julgam que ela foi grave e inapropriada e 59% avaliam que suas decisões devem ser revistas. Já, 30% acreditam que sua conduta é adequada. Contudo, 55%  avaliam que ele não deve deixar o cargo de ministro, contra 38% que gostariam de vê-lo fora do Ministério. Sua avaliação no Ministério caiu de 59% em abril para 52% em julho.

Caro leitor do GGN, estamos em campanha solidária para financiar um documentário sobre as consequências da capitalização da Previdência na vida do povo, tomando o Chile como exemplo. Com apenas R$ 10, você ajuda a tirar esse projeto de jornalismo independente do papel. Participe: www.catarse.me/oexemplodochile

Diante desses números da pesquisa o que se pode dizer é o seguinte: o desgaste que Moro sofreu é significativo até agora por conta das revelações de sua conduta manipuladora como juiz, principalmente no que se refere à condenação de Lula. Os números, porém, não autorizam a conclusão de que Moro está morto politicamente, definitivamente derrotado, como sugerem algumas análises.

Em política não é conveniente decretar a morte de um ator vivo biologicamente. Exemplo disso é o próprio Lula: perdeu três eleições para vencer na quarta. Para que Moro sofra um abalo político maior, duas coisas precisam acontecer: 1) revelações ainda mais contundentes de suas maquinações e de seus crimes; 2) uma campanha mais intensa e mais esclarecedora e didática junto à opinião pública acerca das suas manipulações e violação das leis e da Constituição.

Se a pesquisa traz notícias ruins para Moro também não traz notícias boas para Lula, para o PT e para a esquerda em geral. Ela mostra que, apesar das manipulações de Moro, 54% dos entrevistados julgam que a condenação de Lula é justa – mesmo número de abril. Ou seja, as revelações do The Intercept não interferiram na opinião dos que consideram que Lula merece a condenação. Em contrapartida, a avaliação dos que consideram que Lula foi condenado injustamente oscilou de 40% para 42%, dentro da margem de erro. Essa oscilação positiva veio daqueles que não se posicionavam sobre a condenação de Lula.

Estes números mostram a inefetividade da campanha “Lula Livre”, liderada pelo PT, com a participação de outros partidos e movimentos sociais. A rigor, os números que Lula tem a seu favor são dele mesmo e não devem ser considerados como efeito da campanha. Prova disso é que nas pesquisas eleitorais, na pré-campanha de 2018, Lula, já condenado, chegou a alcançar 39% das intenções de voto, número praticamente igual aos que o consideram injustamente condenado.

Leia também:  Implosão do PSL protagonizada por Bolsonaro faz com que siglas expressivas se afastem

Qual é o problema da campanha “Lula Livre”? Trata-se de uma campanha que prega para convertidos, não conseguiu se traduzir numa campanha de massas e os atos que promoveu foram basicamente de militantes. Os números do Datafolha e a debilidade das mobilizações deixam os tribunais superiores confortáveis para não rever a condenação de Lula e para mantê-lo preso. Outra condenação em segunda instância poderá ocorrer antes que Lula alcance a liberdade. Os próprios generais e Bolsonaro se sentem à vontade para pressionar pela manutenção da prisão de Lula.

A campanha “Lula Livre” não consegue explicar de forma didática para amplas parcelas da população as injustiças e manipulações incursas na condenação do ex-presidente. Se Lula tem uma posição confortável no Nordeste, convém considerar que no cômputo geral da pesquisa apenas 51% dos mais pobres consideram sua condenação injusta, contra 49% que a consideram justa. Lula e o PT enfrentam resistências significativas no Centro e Sul do Brasil e há sinais evidentes de que o PT não conseguiu enfrentar até agora o problema da pecha de partido corrupto que pesa sobre seus ombros.

Alegar falta de recursos para fazer a campanha pró-Lula livre não procede. Essa campanha de esclarecimento e convencimento poderia ser feita pelas várias redes sociais disponíveis. Na verdade, o que falta é empenho, capacidade explicativa e didatismo. Uma campanha não se viabiliza apenas com a proclamação de palavras de ordem. Ela precisa também de conteúdo e de capacidade persuasiva pela evidência dos argumentos. Existe uma fartura de materiais e de evidências de que Lula foi condenado injustamente e que Moro e a Lava Jato agiram politicamente, de forma criminosa.

A inefetividade da campanha “Lula Livre” se vincula a um problema mais geral, que é o problema da ausência de uma estratégia do PT e, também, da oposição como um todo. A oposição caminha para colher uma derrota na reforma da previdência. Política não se faz apenas por negação, mas principalmente com afirmação de alternativas. Não é a fúria exasperada da negação que proporciona engajamentos de setores sociais e sim propostas efetivas que vislumbrem uma vida melhor, um futuro melhor. Tal como na campanha “Lula Livre”, na reforma da previdência também está faltando esclarecimento eficiente e didático para a sociedade. Falta explicar quem perde e quanto perde e falta mostrar que privilégios de determinados setores estão sendo mantidos à custa da penalização dos mais pobres.

Leia também:  Xadrez do auto-impeachment de Bolsonaro, por Luis Nassif

Além de faltar estratégias, faltam líderes, porta-vozes da oposição. Desta forma, as políticas da oposição aparecem de forma pontual, fragmentada, sem indicar um rumo, um caminho, sem apresentar uma direção. Com a falta de lideranças, de proposições e de instrumentos organizativos, as lutas sociais também aparecem de forma fragmentada e dispersa.

O campo progressista está deixando passar um momento que lhe é favorável, caracterizado pela perda de popularidade do governo e pela defensiva moral de Sérgio Moro e de outros integrantes da Lava Jato. O que o governo, Bolsonaro e Moro perdem não se traduz em ganhos para o campo progressista. O momento é favorável para se travar uma luta pela mudança da correlação de forças que existe na sociedade. Mas para isto é preciso ter uma estratégia que aglutine as várias lutas dispersas e que confira um sentido geral para estas lutas.

O sociólogo Emir Sader lançou uma boa pista do que poderia vir a ser uma estratégia do campo progressista ao propor formulação da “reconstrução do Brasil”. Talvez uma consigna mais acurada, capaz de conferir unidade e sentido às várias lutas, pudesse ser sintetizada na seguinte fórmula: “Pela reconstrução democrática e social do Brasil”. Esta fórmula poderia abarcar tanto as lutas que são travadas no campo social e popular, quanto aquelas que são travadas no campo institucional; aglutinaria tanto as lutas por reivindicações, quanto a luta por reformas progressistas; poderia fazer frente aos desmandos e desmanches do governo, quanto mobilizaria em favor da manutenção e conquistas de direitos; defenderia o meio ambiente, os povos indígenas, os quilombolas e apresentaria um programa de desenvolvimento econômico e social; lutaria pela soberania nacional e apresentaria uma estratégia integração global e continental do Brasil.

Leia também:  Calma lá! Nosso povo nada tem de passivo, por Gilberto Maringoni

Aldo Fornazieri – Professor da Escola de Sociologia e Política (FESPSP).

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Muito correto, bato nessa tecla entre amigos a tempos essa falta de norte do PT descaracterizou sua atuação histórica de muita mobilização de forma aguerrida. Não creio que Lula saia e com lideranças fracas que hoje dispõe creio que o PT vá desaparecer. Sempre foi dependente de Lula pra tudo. Se não começar a pensar nas eleições municipais agora será o início do fim, como já vimos com o psdb hoje em frangalhos

Wanderley sobreiro

Embora os números fundamentem as análises, as próprias análises, em muitos casos, não saem do lugar-comum, do óbvio. Estou dizendo que o artigo é ruim? Não, absolutamente! Quantas vezes foi escrito que há a necessidade de trabalho de base? Pra fazer trabalho de base é preciso ser didático! Olhem o texto do Aldo, não é o óbvio? De fato, entre o justo e o injusto da condenação, aos olhos da opinião pública, depende das informações e esclarecimento público (nessa hora, não aparecem os autênticos republicanos e liberais, justamente parte da composição de Centro). O que sinto, infelizmente, é que dizer, por si só, que a pena foi justa ou injusta ainda depende de outros dados, de outras informações, para que tenhamos o aspecto qualitativo do juízo do pesquisado. Sinceramente, a esquerda, no geral , comete erros crassos: valorização das eleições majoritárias em detrimento das proporcionais (base parlamentar); distanciamento de base, o que acarreta capacidade de mobilização diminuída (concordo com o Aldo, a esquerda só consegue chamar quem está convencido de antemão, é a "tautologia prática" da esquerda); incapacidade (parcial) em colocar situações micropolítcas (que são contraditórias entre si, parciais e descontínuas) em análise macro (a análise macro teria, em tese, também descontínuos, contradições, o "negativo"). Ontem, o Bolsonaro caiu sozinho. Vc pode rir, mas não há muito o que comemorar.

Não é o Militante

40 comentários

  1. Temos que saber unir as forças progressistas no Basil para contrapor as investidas reaccionárias da extrema-direita sob o lema: “Unamo-nos por um Brasil melhor”.

    9
    5
  2. A esquerda perdeu o poder por muito falar do concorrente, então, aproveitemos esse momento em que eles se auto prejudicam e criemos um projeto de um Brasil moderno e melhor,sem estar falando a todo momento dessa direita retrógrada, ridícula,o mal não merece comentários.

    8
    2
  3. Por que não utilizam o espaço na TV, no programa do partido para esclarecer. Ocupar espaços nas rádios, notas ou entrevistas em jornais impressos e na mídia eletrônica?

    4
    1
  4. Eu votei no Lula na Dilma, mas pra e esquerda nunca mais, e como explicar o inexplicável, lugar de corrupto é na cadeia..

    1
    17
    • Depende… depois do golpe lugar de corrupto está sendo no governo. Ou – lembrei de Aécio, Temer, Serra, Aloysio, FHC etc. – confortavelmente em casa, prá ficar só no Executivo, hein?

      14
    • Dou razão ao Professor: dá para manter a “Lula Livre” mas sem esquecer de resistir ao golpe oferecendo informação e propostas à pessoa comum. “Lula Livre” é uma coisa, retomar a Democracia, outra. Claro que retomada a Democracia, a prisão de Lula estará anulada. Mas libertar Lula não vai construir um novo estado, de justiça, soberania nacional, prosperidade e democracia. Libertar Lula, nessa altura do campeonato, é algo apenas simbólico.

      7
      1
    • Então o que o Moro tá fazendo no governo? E pq aqueles que meteram a mão em 2,5 bilhões da Petrobras – que era vítima dos ladrões – estão como os heróis da nação?

      (Janot acusou o PT de desviar 1,4 bilhão em 13 anos de governo. Repare que isso é quase o dobro e em quantos anos de Lava Jato foi preciso para isso?)

    • Pois é, o problema maior do Brasil não é a corrupção……somos um narco-estado, com milicias e crime que organizado justamente nos lugares em que se acredita estar ocupados por cidadãos respeitados e impolutos…..
      Lula e Dilma? Passam longe do que pensam ser o entrave do pais……

  5. Mas quem acredita nas pesquisas da data Folha, aliás porque só esse jornal se preocupa em avaliar a aceitação do presidente eleito…

    • O PT já fez alianças com a bancada evangélica, até mesmo com a IURD e Marco Feliciano se tornou presidente da comissão de Direitos Humanos na era PT.

      2
      1
    • O governo PT fez aliança com a bancada evangélica, até mesmo com a IURD e Marco Feliciano se tornou presidente da comissão de Direitos Humanos na era PT.

  6. Muito correto, bato nessa tecla entre amigos a tempos essa falta de norte do PT descaracterizou sua atuação histórica de muita mobilização de forma aguerrida. Não creio que Lula saia e com lideranças fracas que hoje dispõe creio que o PT vá desaparecer. Sempre foi dependente de Lula pra tudo. Se não começar a pensar nas eleições municipais agora será o início do fim, como já vimos com o psdb hoje em frangalhos

    4
    2
  7. Só falta um detalhe professor. Houve fraude na campanha de 2014. Não houve apuração. Terminou muito antes da hora. Houvecrecurso. Sem entender a fraude que foi abafada o resto não faz sentido. Vi os números e trabalhei anos em eleições. Não basta analisecpolitica mas dos bastidores do processo eleitoral.A prisão favoreceu mas não foi injusta

    1
    9
  8. por que não olham para os crimes cometidos pela esquerda, e procuram se redimir prometendo mudanças na forma de fazer a política, combatendo a corrupcao

    3
    11
    • o povo não quer saber de política, ele quer é aumento de salário e renda, oportunidade de trabalho e serviços públicos de qualidade. Repare que a discussão sobre reforma política nem existe.

      4
      1
  9. Querem reconstruir o país que destruíram durante os governos de dilma e do presidiário? O pt já causou muito mal. Agora deixem os outros trabalharem em paz!!!

    4
    11
    • Como o governo Lula destruiu o país em? Vocês lêem o que escrevem?
      Então era com FHC que o país era uma maravilha, vc se lembra como Lula pegou o Brasil para governar em 2003?
      Mesmo a Dilma, é questionável os erros, já que ela governou o país por uns 6 meses e não terminou o mandato. Claro, tem o Dilma I, mas uns 90% que fala mal da Dilma não sabe o que foi feito e o que foi tentando pelo governo dela, inclusive o combate à corrupção na Petrobras – antes mesmo da Polícia Federal e Ministério Público do Parana.

      6
      2
  10. A MÍDIA QUE ALCANÇA AS MASSAS ESTÃO CORROMPIDAS COM O DINHEIRO DA DIREITA, E O POVO ESTÁ COM O SABOR DO ÓDIO E APATIA COM A ELITE MESMO SOFRENDO A DOR DA RECESSÃO CAUSANDO DESEMPREGO E A ESTAGNAÇÃO, DA ECONOMIA.

  11. Embora os números fundamentem as análises, as próprias análises, em muitos casos, não saem do lugar-comum, do óbvio.
    Estou dizendo que o artigo é ruim? Não, absolutamente!
    Quantas vezes foi escrito que há a necessidade de trabalho de base? Pra fazer trabalho de base é preciso ser didático! Olhem o texto do Aldo, não é o óbvio?
    De fato, entre o justo e o injusto da condenação, aos olhos da opinião pública, depende das informações e esclarecimento público (nessa hora, não aparecem os autênticos republicanos e liberais, justamente parte da composição de Centro).
    O que sinto, infelizmente, é que dizer, por si só, que a pena foi justa ou injusta ainda depende de outros dados, de outras informações, para que tenhamos o aspecto qualitativo do juízo do pesquisado.
    Sinceramente, a esquerda, no geral , comete erros crassos: valorização das eleições majoritárias em detrimento das proporcionais (base parlamentar); distanciamento de base, o que acarreta capacidade de mobilização diminuída (concordo com o Aldo, a esquerda só consegue chamar quem está convencido de antemão, é a “tautologia prática” da esquerda); incapacidade (parcial) em colocar situações micropolítcas (que são contraditórias entre si, parciais e descontínuas) em análise macro (a análise macro teria, em tese, também descontínuos, contradições, o “negativo”).
    Ontem, o Bolsonaro caiu sozinho. Vc pode rir, mas não há muito o que comemorar.

    3
    1
  12. O problema da esquerda é que não reconhecem os erros – o povo espera palavras de humildade das lideranças do PT e o que se vê são bravatas e muita presunção, lideranças desgastadas pelas acusações de corrupção. Desse jeito as lideranças não conseguem cooptar novos simpatizantes, continuam sempre os mesmos, os mais pobres, os menos escolarizados. Sempre que se manifestam os lideres não falam, vociferam – o brasileiro cansou dessa estratégia e quer mudanças. Só a esquerda parece que não entendeu – se não mudar será um grande abraço dos afogados. .

    2
    5
  13. Sinto claramente que ¨Lula livre” não diz nada para a massa. Mesmo que o ¨não vai ter golpe”…
    Vejo como uma primeira medida efetiva para alcançar o povão mudar o chavão para “Lula preso político”.
    Não haverá melhor momento. Agora é a hora.

    7
    1
  14. Artigo focado no efeito e não na causa. Para ficar num só caso: o movimento Lula Livre não ė inefetivo e sim está sitiado.Se o consórcio que elegeu a turma da banca, da qual Bolsonaro é um mero preposto, resolver defenestrá-lo ele cai amanhã. Quer ver? Se uma simples reportagem do Intercept secundados por uns arroubos de jornalismo verdadeiro por partes da velha mídia mais uma capinha da Veja produziu um pequeno abalo em alguns sustentáculos do poder, imagine o que aconteceria se esse mesmo consórcio fizesse um bate estaca diuturno,e por todos os meios, contra o presidente como fez contra a Dilma!

  15. Está na hora de mudar para ¨Lula preso político”. Não haverá melhor momento que este. Lula livre não diz nada para a massa.

    1
    1
  16. O Brasil de antes não existe mais…
    Não existe uma força que possa comandar o pais de forma virtuosa, como aconteceu da era LULA!
    O germe da inveja, da miséria intelectual e humana se uniram de tal forma que qualquer coisa que venha a ser terá sempre a marca ou da usurpação e antinacionalismo ou da plantada pela globo e seus amigos!
    Nem se a globo cair ou tentar reverter seus pecado – isso nunca acontecerá devido ao seu ódio ao LULA e PT, ficarão os evangélicos e seus pastores lobos, os frágeis generais de alta patente e baixa envergadura intelectual, um judiciário indigente moralmente.
    O Brasil está fadado a ser um corredor manco, um atirador caolho, um casal que briga todos os dias!
    A menos que sejamos invadidos por outras nações que poderão oxigenar o nosso ambiente, mas ai já será mais o Brasil…

  17. O Brasil de antes não existe mais…
    Não existe uma força que possa comandar o pais de forma virtuosa, como aconteceu durante a era LULA!
    O germe da inveja, da miséria intelectual e humana se uniram de tal forma que qualquer coisa que venha a ser terá sempre a marca ou da usurpação e antinacionalismo (direita golpista) ou da plantada pela globo e seus amigos(esquerda golpeada)!
    Nem se a globo cair ou tentar reverter seus pecado – isso nunca acontecerá devido ao seu ódio ao LULA e ao PT, pois ficarão os evangélicos e seus pastores lobos, os frágeis generais de alta patente e baixa envergadura intelectual, um judiciário indigente moralmente.
    O Brasil está fadado a ser um corredor manco, um atirador caolho, um casal que briga todos os dias!
    A menos que sejamos invadidos por outras nações que poderão oxigenar o nosso ambiente, mas ai já não será mais o Brasil…

  18. Como Aldo, Sader e outros “intelectuais” que se apresentam, o grande erro da esquerda foi e é falar para si mesma e desprezar as manifestações do cidadão comum. Sou socialista e me cansei de palestras nas quais a vaidade toma maior vulto do que o conteúdo. Aldo, Sader e outros “intelectuais” repetem um conteúdo, há anos, como se falassem uma verdade nova. Parece não acreditarem na verdade do cidadão comum, tido, por eles, como um incapaz de pensar, de sentir, de formular idéias e de ser possuidor de sabedoria. O tratamento que dispensam a eles é de um coitado, quase idiota que deve ser tangido. E, assim, continuamos perdendo as batalhas para os fascistas. Infelizmente.

  19. “Lula está morto!”, fazendo uma injustiça desproporcional à obra de Nietzsche; os homens enterrando a ética (Deus) assim como a corrupção no Brasil vem enterrando os discursos das nossas lideranças políticas. É a vez do PT fanatizado, intoxicado, moribundo e mimado pelas lideranças enlutadas em seus privilégios e incapazes de recomeçar. Choramingam o fantasma do passado sem encarar a realidade… E me fazem lembrar aquele antigo jargão: “Virou um PTB!”.

    1
    1
  20. O partido (PT) não conseguirá mudar esta visão sobre a condenação do ex-presidente. A mídia, quase que total, comprou a versão do ex-juiz Moro e sua turma do MPF, Deltan Dallagnol etc, de que Lula é sim, culpado. Mudar essa visão, de pessoas que só acompanham a grande mídia, não é tarefa fácil. A mídia e quem mais não deseja ver Lula inocentado, nunca vai apontar os erros do processo. Mesmo apontando os erros do ex-juiz Moro, continua batendo na tecla de que Lula já foi condenado em outras instâncias, por outros juízes. Quem acredita que é fácil mudar essa narrativa é muito inocente.

    2
    1
  21. Concordo que o tema “Pela reconstrução democrática e social do Brasil” ajudaria o país. A campanha Lula Livre é parte da reconstruçao, mas nao a reconstruçao em si. Essa pauta mais ampla aglutinaria diversos partidos de esquerda e de centro. É uma pauta positiva, propositiva e ajudaria muito ja nas eleicoes municipais.

  22. A Física explica muitas coisas que deveriam ser entendidas pelos ditos cientistas sociais.
    .
    Quando uma massa de ar ou de água se desloca no sentido norte-sul ou no sentido contrário, utiliza-se o conceito de aceleração de Coriolis para explicar o fenômeno do giro dessas massas de ar ou de água no sentido horário ou anti-horário dessas massas ao longo de seu deslocamento explicando desta forma os ciclones e os anticiclones que ocorrem um em cada hemisfério. Porém na realidade esta aceleração de Coriolis é simplesmente um artifício matemático para podermos entender este movimento a partir de um observador na superfície da Terra. Se olharmos de um referencial externo, fixo a estrelas, veremos que não são as massas de ar e de água que estão girando, mas sim a Terra que gira e estas massas tendem a seguir um movimento inercial e linear.
    .
    Pois bem, o que ensina a Física é que a interpretação dos fatos depende do referencial que se toma, e o que os nossos bem intelectualizados cientistas sociais não deveriam esquecer disto quando observam o comportamento das massas humanas. Se considerarmos a visão de um intelectual de ciências humanas sobre a liberdade de Lula ele tomará como padrão o seu ponto de vista, o ponto de vista de um intelectual que sabedor das nuances jurídicas do país, sabe que a polícia e a justiça fazem parte da superestrutura criada para manter a dominação do capitalismo sobre o povo. Já o homem do povo sabe por práxis que conforme a polícia se aproxima dele é mais conveniente sair na corrida ou ficar parado, por outro lado ele sabe que se for envolvido num processo judicial contra um “poderoso”, que não seja o da justiça trabalhista do passado ele já considera perdida a sua causa.
    .
    Estamos na presença de dois pontos de vista, de um elemento da pequena burguesia intelectualizada, que conhece os meandros do poder por suas leis e seus direitos e de um elemento do povo que apreendeu por prática como funciona a justiça.
    .
    A campanha Lula Livre, que é levada por elementos burgueses propõe que se coloque como palavra de ordem a “reconstrução democrática e social do Brasil”, ou seja, vai dizer alguém do povo que os seus direitos democráticos e sociais que ele nunca teve devem ser reconstruídos para garantir os mesmos direitos para quem já os teve e estão sendo retirados, a pequena burguesia.
    .
    Se falares para um elemento do povo que foi armado um golpe contra Lula por ele ser mais próximo aos pobres do que dos ricos, qualquer um entende, pois nas quebradas da vida já foram para a “parede” foram humilhados e maltratados por policiais simplesmente por estarem em local errado na hora errada segundo a noção dos policiais.
    .
    O discurso Lula Livre não carece de maiores explicações sobre os direitos do cidadãos, ou seja, não necessita de maiores explicações à DIREITA do que ele está sendo feito, pois na realidade o que está fazendo a cúpula dos ditos partidos de “esquerda” estão mais discursando nos plenários em que eles tem acesso ou nas redes sociais ou jornais que eles escrevem. O que precisamos é maior mobilidade e maior simplicidade no discurso à ESQUERDA, pois é isto que o povo entende, todos as ruas.

  23. -> Talvez uma consigna mais acurada, capaz de conferir unidade e sentido às várias lutas, pudesse ser sintetizada na seguinte fórmula: “Pela reconstrução democrática e social do Brasil”.

    não haverá nenhuma “reconstrução democrática” do Brasil.

    primeiro, por não se poder reconstruir algo que jamais existiu no Brasil. nossa burguesia nunca almejou ser democrática e já nasce dependente e com ódio visceral ao popular.

    depois, porque a Democracia Liberal Representativa já não atende, em âmbito global, aos interesses do Capital, quanto mais às demandas dos oprimidos e explorados.

    enquanto a Direita BolsoNazi se assume como tal, como Direita e como Nazi, a Ex-querda prossegue se esquivando de dizer em claro, alto e bom som o seu nome.

    enquanto Bolsonaro não perde uma oportunidade sequer em denunciar a falência do sistema político, defendendo um regime policial, a Ex-querda insiste em ressuscitar o cadáver da Nova Repúiblica.

    a Ex-querda não sabe o que fazer. além de apenas contemplar passivamente o caos, enquanto sonha a ilusão de retornar ao paraíso perdido do Presidencialismo de Coalizão e das políticas sociais compensatórias.

    precisamos de uma vanguarda política que aponte com determinação não mais haver qualquer saída dentro da atual moldura institucional.

    só o Poder Popular pode derrubar a Bastilha e inaugurar um novo ciclo emancipatório.

    p.s.:

    após a mala com os 40-1 kg de cocaína no avião da comitiva BolsoNazi rumo ao G20, agora o The Intercept Brasil publica extensa matéria correlata:

    Dossiês inéditos da ditadura mostram que militares sabiam que políticos traficavam armas e drogas na fronteira

    link: https://theintercept.com/2019/07/07/dossies-politicos-trafico-ditadura-ms/

    um lance de sorte? apenas coincidência? justo quando circulam boatos terroristas sobre prisões na #VazaJato?

    em sua mais perigosa encruzilhada, os Generais estão paradoxalmente parindo o seu pior pesadelo: o momento Chávez.
    .

  24. -> Ela mostra que, apesar das manipulações de Moro, 54% dos entrevistados julgam que a condenação de Lula é justa

    se as pesquisas são um dado a ser considerado, longinquamente estão de constarem entre os mais importantes para qualquer análise de conjuntura sob uma perspectiva de Esquerda.

    pesquisas são como estatísticas: números convenientemente manipulados para produzir um resultado encomendado.

    este é um dos motivos de até hoje a maior parte da Esquerda ainda não ter compreendido Junho de 2013.

    então muitas das pesquisas indicavam um glorioso céu azul, sem detectar que do qual estava prestes a descer uma chuva definitiva de raios.

    uma Esquerda enraizada nas bases e fundada no Poder Popular dispensa pesquisas, pois afere cotidianamente o pulso e os humores das massas.

    -> A inefetividade da campanha “Lula Livre” se vincula a um problema mais geral, que é o problema da ausência de uma estratégia do PT e, também, da oposição como um todo.

    “Lula Livre” para o quê?

    qual a proposta? vencer eleições? recompor um sistema de poder com data de validade há muito já expirada?

    enquanto a proposta emanada da atuais condições não pode ser outra: Abaixo a Ditadura!

    e aí sim, expressar esta palavra de ordem de modo acessível para todos:

    – Abaixo a Ditadura onde 6 brasileiros tem metade da renda!
    – Abaixo a Ditadura onde um Judiciário mantém milhares de pessoas presas sem julgamento!
    – Abaixo a Ditadura onde uma mala com 40-1kg de cocaína viaja na comitiva presidencial!
    – Abaixo a Ditadura que esconde Queiroz!
    – Abaixo a Ditadura que acabou com os empregos e jogou milhares no meio da ruas!
    .

  25. Não Renato, lugar de corrupto é na cadeia mesmo, independente de tendência ideológica ou partido.
    Acho incrivel que alguém peça a soltura de um condenado porque há outro “culpado” solto.
    Todos deveria unir forças para que todos fossem processados, condenados e presos.

  26. Muito boa reflexão. Me ocorre que o alcance das campanhas em mídias sociais e imprensa geral está escrito nas formas chulas de fake news e robôs além dos canais clássicos como JN e Facebook. É uma revelação numérica do nível de senso comum que temos até aqui. O analfabetismo funcional a escola básica em frangalhos evasão do ensino médio. Estes são reveladores dos dados.

  27. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome