A reforma da Previdência é neutra para o crescimento, por André Araujo

O objetivo da reforma da Previdência não é o crescimento, é dar garantia aos credores da dívida pública de que seu principal e juros serão pagos

A reforma da Previdência é neutra para o crescimento

por André Araujo

Os últimos dados do PNAD indicaram aquilo que qualquer brasileiro de mediana inteligência sabe e percebe, o Pais está estagnado, a economia não cresce e nada indica que crescerá. Em 2018 um crescimento pífio de 1,1%, nada indica coisa muito melhor para 2019, um País congelado na pobreza.

Ao fundo, os “economistas de mercado” que dirigem a economia propagam que a reforma da Previdência, e só ela, fará o Brasil crescer. A grande mídia entrevista economistas de mercado, executivos de bancos de investimento, corretores da bolsa, ninguém da produção, muito menos da média e pequena empresa, tampouco economistas acadêmicos de uma linha progressista, só neoliberais. A reforma não fará o País crescer.

Não fará, porque o objetivo da reforma da Previdência não é o crescimento, é dar garantia aos credores da dívida pública de que seu principal e juros serão pagos. A reforma da Previdência é necessária por várias razões, mas gerar o crescimento não é nem o objetivo e nem a consequência, embora seja apregoado que o crescimento virá como resultado da reforma.

Quais os fundamentos para essa avaliação?

1. A reforma da previdência sob o ponto de vista de renda disponível para os beneficiários vai diminuir o poder de compra da ponta recebedora e não vai aumentar a renda disponível da ponta pagadora. O potencial ganho para o Estado em um futuro a longo prazo não é tão grande, quando aprovada a reforma politicamente possível e não a de Paulo Guedes. Uma economia desejada (não a verdadeira) de R$1,1 trilhão se dará quando a dívida federal deverá estar em R$8 a 9 trilhões, se mais. Todas essas projeções são exercícios ficcionais porque não se conhecem as condições da economia nacional ou mundial daqui a 10 anos, tampouco pode-se fixar tendências a prazo tão longo, nada disso tem algo a ver com investimentos a curto ou médio prazo.

Leia também:  Vacina, Política e Ideologia, por Edmundo de Moraes

Em um período de quinze anos, quando a reforma estiver operando, o PIB acumulado do Brasil, se o crescimento for zero, terá sido de R$102 trilhões (PIB de 2018 R$6,8 trilhões), nesse montante uma economia na hipótese máxima de R$1,1 trilhão não refresca.

2. A ideia de que virão investimentos por causa da reforma é esdruxula, uma variável não tem relação com a outra, nenhum empresário vai construir nova fábrica ou shopping porque foi aprovada uma reforma da previdência. Quando os propagandistas da reforma alegam que virão muitos investidores após a aprovação da reforma, eles se referem a investidores financeiros, desses que entram e saem de mercados, que são o mundo desses economistas e pensam sempre no “mercado”, bolsa, juros e câmbio, mas também essa crença é discutível, investidor especulativo não é tão seletivo com países e mercados onde operam, dá para ganhar dinheiro mesmo em países problemáticos e em crise, depende de como se entra e como se sai. George Soros montou sua fortuna de US$25 bilhões entrando e saindo de países problemáticos.

3. O investidor na economia produtiva, aquele que cria empregos e faz o PIB crescer depende de outros fatores, o mais importante dos quais é a existência de mercado para seus produtos e isso é só muito remotamente ligado à reforma da previdência. O Brasil criou milhões de empregos bons na economia produtiva em tempos de alta e persistente inflação, déficits públicos, moratórias cambiais, o fator central é a existência de demanda para os produtos que a empresa que investe na produção tem a oferecer, tendo mercado ela sabe manejar os demais fatores.

Leia também:  Quintas-Feiras Brancas, por Fernando Nogueira da Costa

4. Nenhum grupo de gestores responsáveis de economia baseia seu plano em um só fator, especialmente em uma economia grande e complexa como a brasileira, que precisa desesperadamente crescer pela demanda que hoje inexiste na população pobre, incluindo novos consumidores, como a Índia.

5. A Reforma da Previdência é uma bandeira única de uma equipe medíocre, sem grandeza e que não enxerga um grande Pais em crescimento por políticas avançadas e não de mãos de tesoura como única ferramenta. Cortar, cortar e cortar e nada mais que cortar, que pobreza de espírito!

AA

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

18 comentários

  1. Mais uma aula do André Araújo. Fico pensando quais acrobacias Roberto Campos (neoliberal árduo defensor da reforma da previdência) faria para rebater os argumentos do André. A propósito André, você e Roberto Campos alguma vez debateram sobre este assunto? Abraço.

    • Roberto Campos avô tinha interesse em muito mais assuntos que economia. Ele foi consul geral em Los Angeles durante a Segunda Guerra e eu dei a ele um livro que ele adorou ” Os Judeus que Fizeram Hollywood” (em inglês), ele dizia, “conheci todos esses donos de estudios, eram todos baixinhos, da Europa do Leste” e contava casos dessas figuras> Ele seria sim a favor de uma reforma da previdencia mas jamais diria que isso seria suficiente para o Brasil crescer, não era homem de um tema só.

      • E preparemo-nos todos, Roberto Campos Neto será um dos maiores cabeções a já ter passado pelo BC, estilo Ilan e Meirelles. Uma pena que ela não tenha saído ao avô, que realmente não era pessoa de um tema só. Infelizmente o neto de Roberto Campos manterá esses juros escorchantes, manterá o aperto da liquidez (o André Araújo já explicou esse tema várias vezes, sabemos que a base monetária brasileira é baixíssima, poderíamos estar crescendo a uns 3% se não fosse essa barbeiragem continuada do BC brasileiro). Eu fico imaginando as conversas do André Araújo e Roberto Campos avô, com ideias e visões de mundo totalmente opostas.

    • André Araújo fala que essa reforma é para pagar o principal e os juros da dívida pública. KKKKKK

      Simplesmente impossível se pagar o principal, e os juros, cada vez menores pois estão já falando em selic a 4,5% no final do ano, da dívida pública são incorporados ao principal, o que significa que também não serão pagos.

      O raciocínio do AA é caótico. Ora ele fala que a dívida pública é impagável, no que eu concordo, agora fala que o governo vai pagar os juros e o principal.
      André, decida-se.

      Agora será que essa reforma não é para se evitar que se emita dívida pública para pagar as despesas correntes com a aposentadoria, até se chegar ao limite de não sobrar um único tostão para mais nada a não ser salários e aposentadorias?

  2. Completando o meu comentário, não é verdade que a reforma seja neutra em relação ao crescimento, ela vai provocar uma recessão profunda, visto que a reforma na verdade enxugará não sei quantas centenas de bilhões da economia produtiva, é um assombro o que esses cabeções querem fazer com o Brasil, tudo com o intuito de garantia de pagamento de juros aos bancos (aí o André Araújo tem razão).

  3. Mas nem as grandes boutiques de investimentos classe mundial sofrem de um obsessão doentia e exclusiva sobre ganhos especulativos de juros e de títulos. Abaixo, explanação cristalina de economistas e analistas britânicos e japoneses da holding Nomura acerca do impactos futuros do BREXIT sobre a economia britânica.

    https://www.youtube.com/watch?v=veg0oo4oOss

    Quais os FUNDAMENTOS de um cenário não tão tenebroso? Confiança das Famílias, Pessoas com Emprego e Bons níveis de salário, ou seja ECONOMIA REAL, e não somente juros. Economistas de mercados, a maioria forjados em escolas como Oxford, Cambridge, Waseda e Keio (quintessências de universidade japonesa), mas com uma visão da economia holística e abrangente, e não essa turba da Faria Lima de Tecos, Amorins, CBN e relatório Focus. Aqui, com raríssimas exceções, o nível é perturbador

  4. Temo que não seja neutro mas negativo o efeito da reforma da Previdência para o crescimento econômico. Na maioria dos municípios brasileiros (menores e mais pobres) predomina as aposentadorias por tempo de idade, enquanto nos munícipios maiores e mais ricos a aposentadoria por tempo de serviço. Nos munícipios com menos de 500.000 habitantes o número de aposentados por idade é de 8.548.193 enquanto os aposentados por tempo de serviço é de 3.465.176, já nos municípios com mais de 500.000 habitantes o número de aposentados por tempo de idade é de 1.923.145 enquanto os aposentados por tempo de serviço é de 2.577.735. Além disso o valor das aposentadorias por idade são em média inferiores as das por tempo de serviço. Só para se ter uma idéia, conforme nos informa o Relatório do Senado da CPI da Previdência, cerca de 70% municípios brasileiros o montante repassado aos aposentados e demais beneficiários do Regime Geral de Previdência Social (RGPS) é superior ao valor do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e em mais de 80% desses municípios a verba originária da Previdência Social é superior à própria arrecadação municipal. Portanto, o objetivo declarado de aumentar o tempo de idade e de serviço colocados pela proposta de reforma da Previdência do últimos dois Governos (ilegítimos) vai representar uma redução no número de beneficiários do sistema previdênciário o que acabará tendo um duplo efeito depressivo sobre a economia: um primeiro efeito direto pela diminuição da renda e consequente no consumo das famílias e um segundo resultante dessa redução uma perda na arrecadação tributária. Isto quer dizer que essa proposta de reforma da Previdência não se sustenta mesmo considerando seus proprios e incorretos pressupostos de misturar e mesclar num mesmo saco problemas fiscais do Estado com o problema da Previdência Social.

  5. Explique Sr AA como Portugal saiu da crise e está crescendo a taxas muito boas. Será que é por causa disso aqui:
    13 – Que cortes ainda existem nas pensões?
    Este ano ficou marcado pelo fim da Contribuição Extraordinária de Solidariedade para pensões superiores a €1 000. No entanto, a CES ainda existe para as reformas mais altas. As pensões entre €4.611 e €7.126 sofrem um corte de 15% sobre o valor que excede os €4.611; e as pensões acima de €7.126 estão sujeitas a um corte de 15% sobre €2.515 e a um corte de 40% sobre o valor que excede os €7.126.

  6. Dos mesmos autores de “A Reforma Trabalhista Vai Gerar Milhões de Empregos”, vem aí “A Reforma da Previdência Fará o Brasil Crescer”. Em breve, em um cinema perto de você.

  7. Parabéns, novamente, pela lucidez do pensamento.

    Essa turma toda sabe que o que faz a economia brasileira crescer é o consumo das famílias.

    O problema é que a cartilha diz que precisa cortar. Logo, a esquizofrenia neoliberal até tem um diagnóstico correto, porém propõe o contrário, tirar dinheiro das famílias…

    O desastre da Dilma II na economia não serviu de alerta do que não fazer, mas essa turma até hoje acha que o erro foi não ter feito mais…

    Acho que está na hora de lançar o movimento Economia Sem Partido, pois o neoliberalismo cultural que os economistas recebem dos professores nas universidades está acabando com o país! O cortismo está acabando com a família brasileira!

  8. Não possuo o conhecimento histórico do André, mas essa reforma salvadora do Brasil – assim lemos e ouvimos na mídia – me faz lembrar das manchetes que o país quebraria por ocasião da implantação da CLT. Como diz o André, interesses sobrepõem análises.

  9. Eu endosso a sua análise, Araújo. Como você corretamente colocou o que faz um empresário aumentar os seus investimentos e contratar mais é DEMANDA, não é a aprovação de “reformas” (lembrando que na verdade é um desmanche da previdência).

    E não se cria mais demanda com medidas que visam esmagar o poder de compra da população.

  10. Portugal que e um exemplo muito citado de um país que saiu da crise e está crescendo de forma consistente fez uma reforma da previdência muito profunda inclusive passando por cima do “direito adquirido” impondo cortes ao recebimento de aposentadorias e pensões.
    Devemos deixar tudo como esta? Ou seguir o exemplo de Portugal?

    • Gosto da sua lógica.
      Quando se tira dos privilegiados para dar lucro aos bancos é “reforma profunda” e deve-se ignorar até mesmo o direito adquirido.
      Quando se tira dos privilegiados para redistribuir ao povo é ” comunismo “, o pânico da classe média.
      Que tal seguir o exemplo de Portugal indo morar lá com a sua aposentadoria nivelada por baixo?

  11. Um Elemento afirmou:

    “Se a reforma da previdência social FOSSE aprovada, todos teriam as mesmas regras de aposentadoria. Políticos e altos funcionários se aposentariam aos 65 ANOS e passariam a contribuir e receber de aposentadoria tendo como base o teto do INSS de R$ 5.839,00. Na iniciativa privada já é assim: não importa quanto a pessoa ganha de salário, quando ela se aposenta recebe no máximo R$ 5.839,00. Imagina o dinheiro que seria poupado!”

    Quem seria o destinatário desse dinheiro poupado?
    Bem. Se fosse a própria população, não teria lógica poupar algo da população para devolver à própria população. Portanto, o destinatário desse dinheiro poupado não são os que mais precisam, mas os bancos e ricaços.

  12. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome