Bolsonaro tem noção, por Ricardo Cappelli

O Capitão vota no Congresso? Os generais votam? O MPF vota? De quem é o dever constitucional de aprovar leis? O executivo encaminha a proposta, mas quem vota?

Bolsonaro tem noção

por Ricardo Cappelli

Analistas políticos passaram os últimos dias dizendo que Bolsonaro é “louco”, “inepto”, um “sem noção”. Será? Vamos analisar os fatos com frieza.
Rodrigo Maia convida Bolsonaro para um almoço com Toffoli e Alcolumbre. O presidente aceita o convite, mas leva com ele 14 ministros.
É uma prática manjada em Brasília. Quando você não quer conversar, mas não quer ser deselegante, você enche a sala de pessoas. Se o principal projeto é a reforma da previdência, faz sentido implodir uma reunião com os comandantes do processo?
Vamos seguir os sinais. Moro fica irritado com a decisão de Maia de adiar a análise de seu pacote anticrime. Faz cobranças. O presidente da Câmara reage chamando o ex-juiz de “funcionário de Bolsonaro” e desqualificando o “copia e cola” do ministro da Justiça.
O que faz Moro? Solta uma nota e dobra o ataque ao Congresso: ”Talvez alguns entendam que o combate ao crime pode ser adiado indefinidamente, mas o povo brasileiro não agüenta mais.” Carlos Bolsonaro sai na defesa do ex-juiz e ataca Maia nas redes.
Nos EUA, o “guru” Olavo de Carvalho chama Mourão – que vinha sinalizando moderação e entendimento – de idiota. Bolsonaro leva Olavo e Bannon para reuniões na terra do Tio Sam.
Temer é preso. Segundo Bolsonaro, “acordos políticos feitos em nome da governabilidade” levaram Michel e Moreira para o xilindró.
A prisão do ex-presidente é acompanhada de uma ofensiva nas redes contra o STF. Ela foi uma evidente reação – novamente arbitrária e ilegal – da Lava Jato às suas derrotas recentes na Suprema Corte. A República de Curitiba resolveu mostrar quem manda.
Acompanhando Bolsonaro no exterior, Felipe Martins, assessor da presidência da República, é claro e direto. Defende nas redes a união da ala “anti-establishment” do governo, a mobilização popular, a “quebra da velha política” e a Lava Jato.
Surgem sinais preocupantes na caserna. Circula a informação que o ministro da Defesa, tido como moderado, resolveu condecorar o “Torquemada” Deltan Dallagnol.
A proposta de reforma da previdência dos militares é uma peça de ficção. A economia de 1 bilhão por ano é irrisória. A proposta é acompanhada de uma reorganização das carreiras, privilegiando os mais graduados.  Descuido? Trapalhada?
O mercado fica apavorado com a briga de rua entre Bolsonaro e Rodrigo Maia. O “Botafogo” foi chamado de namoradinha de beicinho pelo Capitão. A crise escala. Demonizaram a política e desestabilizaram a democracia. Esperavam o quê?
O Capitão vota no Congresso? Os generais votam? O MPF vota? De quem é o dever constitucional de aprovar leis? O executivo encaminha a proposta, mas quem vota?
A derrota na previdência e o caos financeiro podem ser o “pretexto final”. Bolsonaro já disse que não gostaria de fazer a reforma. Os militares são contra. As corporações da Lava jato, elite do funcionalismo público, idem.
Que tal o desemprego subindo, a miséria aumentando e a culpa do caos ser dos políticos que só pensam nos seus próprios interesses e de ministros do STF que “vivem de soltar corruptos”?
A aliança entre a turma Olavo-Bannon, militares e Lava Jato está emparedando o STF e o Congresso. Rodrigo Maia parece iludido. Ainda não percebeu que ele e seus amigos do Centrão são os inimigos, os próximos na fila do Dr. Bretas.
Se a reforma não passar, a aliança entre o mercado e os grandes grupos de mídia vai tentar derrubar Bolsonaro.  O Capitão vai reagir. Pode até cair descartado como excesso indesejável, mas nenhum país resiste a tanta instabilidade.
Ficando ou caindo, diante do caos, as condições para um fechamento democrático estarão dadas.
Quem empurrou o Brasil para esta situação talvez não tivesse noção do que fazia. Bolsonaro está sendo coerente. Tem noção do que faz. Veio para destruir um sistema político definido como “velho e podre” por Merval Pereira e sua trupe..
A gravidade do momento exige que liberais e socialistas, democratas e ativistas de todas as matizes sentem e conversem. A democracia está derretendo no Brasil.

5 comentários

  1. Não sei se ainda existem “liberais” para a gente conversar com eles.

    Mas tirando isso, o artigo está corretíssimo. Bolsonaro não é um idiota. É um fascista. Para quem não é fascista, a “lógica” interna do fascismo parece simplesmente loucura. Mas, louca ou não louca, ela funciona. E uma das peças fundamentais do seu funcionamento é o fato de todos os outros agentes políticos – conservadores, liberais, socialistas, social-democratas, comunistas – terem muita dificuldade de entender esse funcionamento, e, exatamente, tenderem a reduzi-lo à loucura, ou à estupidez – ou “falta de noção”.

    Tembém Hitler era um “palhaço”. Também Mussolini era um “palhaço”. A questão fundamental é: o “mercado”, ou seja, o capital, agora exige, com urgência, a transformação do caixa da previdência em capital. Essa imensidade de dinheiro circulando como simples fundo de consumo é inaceitável para o capital, para o qual todo dinheiro deve gerar mais dinheiro. Por outro lado, não há maneira de fazer essa transformação com o beneplácito da maioria da população, a qual percebe perfeitamente (ou imperfeitamente, o que, para efeitos práticos, dá no mesmo). A democracia, assim, se transformou num óbice para o capital. Ela precisa ser removida. O capitão é um instrumento para isso. A “ala sensata” do seu governo, também. E, pior, a briga entre as duas alas é o instrumento central para a destruição da democracia. Estamos sendo convidados a apoiar uma ditadura militar para impedir a vitória do fascismo; estamos sendo convidados a apoiar o fascismo a fim de impedir uma ditadura militar. Para nós, é um jogo de perde-perde.

  2. Mais um… Esse é o roteiro da lava jato, da globo e do mercado desde a segunda página, ir derrubando quem entra na frente, um por um, o PT, PT, PT, associados, e quem mais vier. Os tais “liberais” e conservadores se comprometeram com o golpismo desde o inicio do plano, só a “esquerda textao” nao viu, e fica sonhando com “acordo pela democracia…”

    Fechar o Congresso já está “precificado” pra essa turma. Entendam de uma vez por todas, sao “liberais” que jamais moveram uma palha pra eefender os DHs, nao têm o menor escrúpulo de abusar do poder e partir pro autoritarismo pra impor a agenda propria.

  3. O bando da República de Curitiba é aliada de Bolsonaro. Estes dois grupos estão neste momento agindo em conjunto para assumir o controle do Supremo Tribunal Federal. Por isso, os parlamentares da extrema-direita estão pedindo o impeachment de Gilmar Mendes. Falta apenas um ministro para o controle do Supremo.
    Gilmar Mendes é hoje o mais feroz adversário da República de Curitiba. Precisa ser defendido por todos os democratas ou o fascismo assumirá o controle dos três poderes.

  4. A pergunta maliciosa do começo do artigo – “será Bolsonaro um idiota?” – pode ser tratada com o estabelecimento do seguinte: um idiota não é necessariamente inofensivo. Bolsonaro, como sua biografia prova, é uma pessoa incapaz de construir qualquer coisa que seja, seja um projeto de política pública, uma ideia, um consenso, uma base parlamentar. Sua essência é a idiotice histriônica, a boçalidade típica dos histéricos de extrema direita.

    Portanto, Bolsonaro é um idiota, mas causa um imenso estrago. Alguém que chega ao poder e faz de tudo para ser derrubado em 6 meses não é exatamente o que eu chamaria de um “estrategista político”. Bolsonaro acha que pode anular todos os opositores com intimidação, exposição no Twitter, subversão institucional. Esquecem os assustados analistas que o povo brasileiro empobrece diariamente, ao contrário do que alguns pensam, tem cultura própria, e não está interessado em um Reich tropical em troca de mais miséria. Só os mais fanáticos direitistas apoiam o nonsense neofascista até as últimas consequências.

    É sempre bom lembrar que o povo brasileiro elegeu Lula duas vezes seguidas, o aprovou em 80%, e elegeu Dilma em 2010 e em 2014! Isto é, o povo brasileiro não é boçal, e não apoia Bolsonaro. A eleição desse sujeito não foi democrática, sendo fruto de uma grotesca manobra eleitoral.

    Bolsonaro, por isso mesmo, não dá as cartas. Ele é um improviso da burguesia brasileira, um improviso que deu errado. Entre Bolsonaro desestabilizar toda a institucionalidade burguesa e provocar uma reação popular fulminante, e ser derrubado, fatalmente isto é que acontecerá. Eu inclusive aposto que neste momento a burguesia brasileira está quebrando a cabeça para desenvolver uma estratégia para derrubar Bolsonaro sem explodir de vez o país. Talvez o parlamentarismo… Talvez um impeachment… Talvez matá-lo… Não sei. Só sei que a crise só vai se agravar, independentemente da solução.

    Em um país onde juízes não respeitam as leis e a constituição; onde qualquer reivindicação popular é tratada com bala e porrada; onde jornalistas são perseguidos, processados e censurados; onde o favorito é impedido de concorrer eleições; onde uma presidente eleita legitimamente é derrubada por gente que homenageia a tortura; enfim, em um país governado por Bolsonaro, olavetes, lavajateiros e militares, onde é que alguns conseguem ver democracia? Todo dia alguém escreve que a democracia está em crise, que a democracia corre perigo. Eu, pasmo, me pergunto: que democracia?

  5. Quem me dera acabasse essa palhaçada de democracia mesmo, já se passaram mais de 30 anos e nada de dar frutos, talvez até funcione em outros países mas o povo aqui é muito burro e supersticioso. Nós estamos regredindo cada vez mais, voltando a ser o monte de selvagens que éramos antes da chegada dos Portugueses e da Igreja. Não acho o Bolsonaro um bom chefe de estado, mas pessoas como ele Lula e Dilma são o que se pode esperar da democracia em uma nação como essa. Se ele se instaurar como ditador porém, as dinâmicas do país podem mudar bastante e quem sabe ai não teríamos algum governo que preste. Não que eu ache que isso vá acontecer tão cedo mas sonhar não custa nada.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome