“Coitado do homem que cai, no canto de Ossanha traidor”

 

Enviado por Vânia

da CartaCapital

Elza Soares contra os homens

no Farofafá, por Pedro Alexandre Sanches

Os versos são de Vinicius de Moraes, o poetinha ex-diplomata que nunca chegou a ser o mais progressista dos brasileiros. A música é de Baden Powell, que no final da vida extirpou a palavra “saravá” de suas canções e substituiu os antigos cantos de candomblé pela religião evangélica. Transtornado por Elza Soares, o “Canto de Ossanha” (1966) de Baden e Vinicius constituiu-se, para boas entendedoras, no grande momento político da cerimônia planetária de abertura das tristes Olimpíadas do Rio de Janeiro.

https://www.youtube.com/watch?v=v2Hvt6D1Edg]

Foi um recado explícito, cortante e 100% feminino ao “macho” traidor Michel Temer, a grande estrela negativa da noite universal. “Coitado do homem que cai no canto de Ossanha traidor“, cantou Elza em meio ao espetáculo de despolitização transnacional, com ênfase aberta, indignada, às sílabas do (des)qualificativo traidor. Obra de gênio, de gênia.

O homem que diz “sou” não é. Porque quem é mesmo é “não sou”.

O homem que diz “tô” não tá. Porque ninguém tá quando quer.

Para filtrar tais versos e trazê-los a 2016 é necessário apenas ser boa entendedora, bom entendedor. É necessário apenas não ser robô.

Brasileiras devotas da democracia assistimos atarantadas à escalada de repressão testada nas Olimpíadas do Brasil. Tropas de choque avançam sobre o Rio de Janeiro e São Paulo para calar o “fora Temer“. A lei dos homens olímpicos faz de tudo para escorraçar a política das arenas esportivas. Policiais militares transgridem ínfimas leis para oprimir professoras que desejam se manifestar em arena contra o golpe de estado em curso.

Leia também:  Presidente da Fundação Palmares é o porta-voz dos supremacistas brancos e do inquilino que habita a presidência, por Ricardo Mezavila

A cerimônia transcorre apática, dirigida à política do anódino, obediente à blitzkrieg endoidecida para preservar a “integridade” do golpe. Fracos diante da máquina de moer sonhos, esportistas e artistas se movem como o grande rebanho big brother aboiado pela Rede Globo aqui no país tropical abençoado pelo golpe. Até que Elza adentra a arena, já bastante machucada pelo tempo e pela violência cotidiana disparada preferencialmente contra as carnes mais baratas do mercado branco.

Sentada impávida rodeada por três jovens mulheres de carne negra e cabelos black power, Elza não faz nada mais, nada menos que ressuscitar o “Canto de Ossanha” de 1966, ano 2 da ditadura civil-militar de 1964.

Irmã preta da “Maria Moita” (1964) de Nara Leão (e Vinicius e Carlos Lyra), Elza devolve a voz à voz feminina que foi suprimida da “grande” “festa” dos “homens” “atléticos”: Dilma Rousseff.

“Amigo sinhô, saravá, Xangô me mandou lhe dizer/ se é canto de Ossanha não vá, que muito vai se arrepender/ pergunte pro seu Orixá, o amor só é bom se doer”, avisa Elza, a mandinga feminina resplandescente contra as ditaduras masculinas onde tudo o mais ensaia se calar.

O preço da traição será enorme para todos os pactuares do corte, adverte a mandingueira soberana. O semblante de Temer, sombrio por inúmeros motivos, é a prova viva de que a melhor de todas as cartas abertas chegou a seu destinatário. Nem precisávamos mais das vaias.

(p.s.: Todas nós, brasileiras que precisamos de democracia, temos um grito uníssono de celebração para acalentar o triste início dos Jogos da Exclusão e da Vergonha: viva Elza Soares!)

***

Leia também:  O Xadrez das chagas do sistema judicial com o caso André do Rap

[video:https://www.youtube.com/watch?v=l3lyASPbcow

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

18 comentários

  1. Attento a chi si lascia incantare dal canto di Ossanha traditore

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=Imu_9iCg3yQ][video:https://www.youtube.com/watch?v=cV8gyn-Rdhs]

    Chi dice non da

    Un uomo che dice che dà
    è un uomo che invece non dà,
    un uomo che dice che va
    è un uomo che invece non va,
    Chi dice di dare non dà,
    chi dice di fare non fa,
    attenta ad un uomo che sa
    parlare soltanto di sé,
    attenta ad un uomo che va
    seguendo illusioni d’amore.
    Vai, vai, vai, vai,
    vai, vai, vai, vai,
    vai, vai, vai, vai,
    vai, vai, vai, vai.
    Io no
    tanto non risolverei
    in parole gli direi
    la tristezza di un amore che passò.
    No, sola m’allontanerei
    verso l’alba di un amor
    dove ricomincerei.
    Mi ha detto il silenzio che sa
    e parla nel buio con me
    che quando all’amore non dai
    non lascia mai niente per te
    se ami ne soffri, se no
    amore davvero non è.

  2. Chant d’Ossanha, Marie Laforêt et Egberto Gismonti.

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=VqS39vmcwfU%5D

    Sauve, Xangô, mon Roi Seigneur
    Sauve, mon dieu
    Ton cœur a sept cœurs
    Sept jour pour que l’on aime

    L’homme qui dit “je donne” ne donne pas
    Car celui qui donne ne le dit pas
    L’homme qui dit “je vais” ne va pas
    Car quand il est parti il ne le voulait plus
    L’homme qui dit “je suis” n’est pas
    Car celui qui est est aussi “je ne suis pas”
    L’homme qui dit “je suis là” n’est pas là
    Car personne n’est là quand il veut
    Pauvre homme que celui qui tombe
    Dans le chant d’Ossanha, traitre
    Pauvre homme que celui qui va
    De l’autre côté de la magie de l’amour

    Va, va, va, va, je n’y vais pas
    Va, va, va, va, je n’y vais pas
    Va, va, va, va, je n’y vais pas
    Va, va, va, va, je n’y vais pas
    Va, va, va, va, je n’y vais pas
    Je n’y vais pas
    Je n’y vais pas

  3. Difícil saber quem canta

    Difícil saber quem canta melhor o Canto de Ossanha, mas acho que Virgínia Rodrigues se supera. Que voz maravilhosa tem essa senhora. 

    Desses vídeos, pensei em Johnn Mathis. Esse cantor adorava o Brasil e vivia entre nós. Ainda não sei o que foi feito dele. Vou pesquisar no Google. 

    Tem gente que não devia morrer. E agora estou pensando em Ivo Pitanguy. Por mim, ele permaneceria na Terra indefinidamente. 

    Adorei todos os vídeos. Cada um melhor que o outro.

  4. Com os autores e o Quarteto em Cy.

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=Ooo7oDWaTAc%5D

    Outro arranjo.

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=JgS16Ipnr2E%5D

    A dupla ao vivo, Vinícius com o inseparável copo.

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=I7SGgf5vaNc%5D

    Vinicius, Jobim, Toquinho e Miúcha – Milão, 1978.

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=OGd9mneMPHU%5D

    Baden, voz e violão.

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=WVQ3Hg9d19M][video:https://www.youtube.com/watch?v=Ln4LYYA9Dng]

    • Foi isso que eu pensei, as

      Foi isso que eu pensei, as vozes e harmonias delas sao inconfundiveis!  Elas deviam ser meninas em 66!

  5. O homeme que diz dou, não da!

    Não vi a abertura dos jogos olimpicos no Rio e nem li grande coisa a respeito, então essa é uma boa noticia que a Vânia traz! Elza Soares, a menina que se em sua infância tivesse havido Bolsa Familia poderia ter se benefeciado para poder estudar, entra na “arena” e da o seu racado. Viva as mulheres guerreiras!

  6. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome