EUA x Rússia e China: a destruição do poder pela força

Por Fábio de Oliveira Ribeiro

Fomos surpreendidos hoje por notícias preocupantes: http://russia-insider.com/en/politics/disturbing-reason-navys-trident-missile-test/ri11063.

Ao meditar sobre este evento lembrei as palavras sábias de Hannah Arendt:

“O domínio pela pura violência entra em jogo quando o poder está sendo perdido…”

“…em termos de política, não basta dizer que violência e poder não são a mesma coisa. Poder e violência se opõe; onde um deles domina totalmente o outro está ausente. A violência aparece onde o poder está em perigo, mas se a permitirem seguir seus próprios caminhos, resulta no desaparecimento do poder. Isto implica em não ser correto pensar no oposto da violência como sendo a não violência; falar em poder não-violento é uma redundância. A violência pode destruir o poder, mas é totalmente incapaz de criá-lo.” (Crises da República, Hannah Arendt, editora Perspectiva, 3ª edição, 2013, São Paulo, p. 130-132).

Esta demonstração de força dos EUA pode ser considerada, portanto, como uma demonstração do enfraquecimento do poder dos EUA. Não só isto. Em um outro parágrafo memorável Arendt afirma que:

“Em consequencia da enorme eficiência do trabalho de equipe nas ciências, o que talvez seja mais notável contribuição americana à ciência moderna, podemos controlar os processos mais complicados com tal precisão que faz uma viagem à lua menos perigosa que um simples passeio de fim de semana; no entanto a chamada ‘maior potência da terra’ está desamparada para terminar uma guerra claramente desastrosa para todos os envolvidos, num dos menores países da Terra [o Vietnan]. É como se estivéssemos sob algum encantamento, que nos permitisse realizar o impossível com a condição de não podermos mais fazer o possível, para realizarmos proezas fantasticamente extraordinárias com a condição de não sermos mais capazes de satisfazer nossas mais banais necessidades diárias.”  (Crises da República, Hannah Arendt, editora Perspectiva, 3ª edição, 2013, São Paulo, p. 155).

Desde que a grande pensadora escrever estas palavras em 1969 os EUA realizou proezas ainda maiores do que mandar o homem a Lua. A NASA colocou telescópios em órbita, mandou sondas móveis a Marte, fotografou as luas de Júpiter e até fez testes em asteróides e cometas. Apesar disto (ou por causa disto) 13 milhões de crianças norte-americanas não fazem três refeições decentes por dia. Dezenas de milhões perderam suas casas e seus empregos. Desde 2008 o sonho americano foi transformado num pesadelo.

Ao invés de solucionar estes problemas sociais (ou cuidar do que é possível), o governo dos EUA preferiu fazer uma demonstração pirotécnica para ameaçar os russos e chineses como se pudesse vencer uma guerra termonuclear (em que todos irão morrer, inclusive os norte-americanos). Estamos no limiar da destruição do poder pela força: é apenas isto que esta demonstração balística dos EUA sugere.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora