O Brasil entre o poço e o pendulo, por Fábio de Oliveira Ribeiro

O Brasil entre o poço e o pendulo, por Fábio de Oliveira Ribeiro

O ritmo dos acontecimentos no Brasil lembram muito um dos meus contos prediletos de Edgar Allan Poe.

Após a eleição o país foi sendo progressivamente dividido entre os vencedores e aqueles que não aceitavam a vitória do PT. Vi isto ocorrer em minha própria vida cotidiana. No primeiro dia útil após a divulgação da derrota de Aécio Neves fui interpelado por uma médica que frequentava o mesmo café que eu. Satisfeito com a vitória não a provoquei, pois sabia que ela era uma tucana irritante. Irritada ela disse:

– Agora vamos para o Impeachment!

– Se vocês querem incendiar o país, as casas de vocês também serão incendiadas. – respondi calmamente.

Em pouco tempo o otimismo começou a ser incinerado sob a pressão da crise política iniciada por Aécio Neves. O derrotado tentou impedir a posse de Dilma Rousseff e continuou insistindo em virar o jogo num terceiro tempo que lhe foi publicamente negado pelo presidente do TSE. Quando os primeiros sinais do insucesso fiscal/financeiro comprovaram o sucesso da crise econômica politicamente criada pelo PSDB o terrível mecanismo que destruiria o mandato de Dilma Rousseff foi acionado.

A presidenta eleita pelos brasileiros foi imobilizada pela imprensa. Os acertos dela se tornaram erros imperdoáveis. O erro que ela cometeu para agradar a mídia (a nomeação de um economista neoliberal) foi aplaudido pelos jornalistas como sendo um acerto. Em alguns meses Joaquim Levy fez a economia ir de mal a pior, mas a imprensa despejou os erros do seu preferido nas costas de Dilma Rousseff.  

Pouco depois ela seria definitivamente amordaçada pelo Judiciário, que a impediu de nomear Lula. E então o Brasil começou a oscilar nas ruas como se fosse um pêndulo móvel cuja lâmina mortal haveria de inevitavelmente romper os limites da legalidade.

“Descia… cada vez descia mais a lâmina. Sentia um prazer frenético ao comparar sua velocidade de cima para baixo com a sua velocidade lateral. Para a direita… para a esquerda… num amplo oscilar… com o grito agudo de uma alma penada; para o meu coração, com o passo furtivo de um tigre! Eu ora ria, ora uivava, quando esta ou aquela idéia se tornava predominante.” (Histórias Extraordinárias, Edgar Allan Poe, editor Victor Civita, São Paulo, Brasil, 1981 – O poço e o pêndulo -, p. 273/274)

O mecanismo de tortura foi cuidadosamente operado pelo STF. O Tribunal poderia ter afastado o presidente da Câmara do cargo, mas  permitiu que ele iniciasse e comandasse a pantomima macabra celebrada pela imprensa como uma forma legítima de restaurar a democracia. Rasgados pelos Deputados (que votaram “sim” por meu pai, por minha esposa, por meu filho, por minha mãe, etc…) os 54,5 milhões de votos atribuídos a Dilma Rousseff foram sendo solenemente esquecidos como se não tivessem mais valor do que os votos de um punhado de Deputados vigaristas e de Senadores mafiosos, muitos dos quais réus em processos criminais.

“Sempre para baixo… certa e inevitavelmente! Movia-se, agora, a três polegadas do meu peito! Eu lutava violentamente, furiosamente, para livrar o braço esquerdo. Este estava livre apenas desde o cotovelo até a mão. Podia mover a mão, com grande esforço, apenas desde o prato, que haviam colocado a meu lado, até a boca. Nada mais. Se houvesse podido romper as ligaduras acima do cotovelo, teria apanhado o pêndulo e tentado detê-lo. Mas isso seria o mesmo que tentar deter uma avalancha!” (Histórias Extraordinárias, Edgar Allan Poe, editor Victor Civita, São Paulo, Brasil, 1981 – O poço e o pêndulo -, p. 273/274)

A deterioração política, econômica. judiciária e jornalística do país seguiu seu curso. Empossado, o usurpador Michel Temer começou rapidamente a revogar os direitos sociais, trabalhistas e previdenciários dos brasileiros e a dar rios de dinheiro para a imprensa. A leve recessão combatida por Dilma Rousseff foi transformada numa verdadeira depressão econômica para a felicidade geral dos banqueiros, os únicos beneficiários do golpe de 2016. O sucesso financeiro dos Bancos privados (alimentado com dinheiro público de um Estado que arrecada cada vez menos impostos) continuou produzindo o desemprego, o desespero e a desilusão que alimentam o crescimento da esperança de um retorno triunfal de Lula.

“Sempre mais baixo, incessantemente, inevitavelmente mais baixo! Arquejava e me debatia a cada vibração. Encolhia-me convulsivamente a cada oscilação. Meus olhos seguiam as subidas e descidas da lâmina com a ansiedade do mais completo desespero; fechavam-se espasmodicamente a cada descida, como se a morte houvesse sido um alívio… oh, que alívio indizível! Não obstante, todos os meus nervos tremiam à idéia de que bastaria que a máquina descesse um pouco mais para que aquele machado afiado e reluzente se precipitasse sobre o meu peito. Era a esperança – a esperança que triunfa mesmo sobre o suplício -, a que sussurrava aos ouvidos dos condenados à morte, mesmo nos calabouços da Inquisição.” (Histórias Extraordinárias, Edgar Allan Poe, editor Victor Civita, São Paulo, Brasil, 1981 – O poço e o pêndulo -, p. 273/274)

Mas Lula não é o Dom Sebastião muito desejado pela imprensa. Muito pelo contrário.  O líder petista foi excomungado pelos banqueiros, é odiado pelos políticos que derrubaram Dilma Rousseff e, ao que tudo indica, será enforcado na Lei da Ficha Limpa pelos juízes. A caçada ao Lula enche as ruas e esvazia os sonhos de uma restauração permanente do neoliberalismo. E o pêndulo, que já despedaçou as roupas do Brasil (e a imagem do país no exterior) ameaça sangrar a nação e despedaçar seu território.

No conto de Edgar Allan Poe, contra todas as expectativas negativas que vão sendo construídas ao longo da narrativa, o personagem consegue sobreviver porque “O exército francês entrara em Toledo”. A salvação dele se torna o suplício daqueles que o haviam submetido à tortura “A Inquisição estava nas mãos de seus inimigos”. Todavia, a tortura eventualmente imposta aos novos derrotados não deve despertar qualquer simpatia. Ao contrário do personagem, os inquisidores caíram num poço (o fim na narração pode ser considerada uma metáfora construída pelo autor).

A história narrada por Edgar Allan Poe é interrompida, mas não tem um fim. E a nossa está apenas começando. O futuro do Brasil oscila entre o Paraguai (ontem o Parlamento daquele país foi incendiado pelo povo) e a Síria (despedaçada por uma guerra civil). Nem todos os brasileiros serão salvos e muitos ainda serão inevitavelmente torturados pela crise econômica, política, jornalística, judiciária e, em breve, militar.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora