O Pacote Guedes e a caixa vazia, por Andre Motta Araujo

Na execução de política econômica não há nada, não há decisão, não há correção, não há ideias ou projetos de aplicação e operação, é um caos completo de gestão.

Agência Brasil

O Pacote Guedes e a caixa vazia

por Andre Motta Araujo

Na campanha eleitoral de Jair Bolsonaro o fator Paulo Guedes foi fundamental para dar um verniz técnico à futura política econômica. Não era real, mas era o percebido pelos eleitores, pela classe média alta, pelo núcleo da agricultura, pelos atores econômicos, pela mídia conservadora e pelo círculo fechado dos jornalistas comentaristas, especialmente os ligados aos “mercados”.

Sem conhecer Bolsonaro e seu histórico currículo de independência absoluta de comandos externos, sem saber nada da personalidade política do candidato, esses eleitores olhavam Guedes pensando em um perfil Delfim ou Malan, os chamados “czares” da economia no conceito americano de grande comando.

Nos governos anteriores a 1988 e no governo FHC, Delfim e Malan tinham a completa confiança do Presidente de turno e DELEGAÇÃO de cada um desses Presidentes para dirigir a política econômica, mas não toda a economia. Áreas importantes ficavam fora do comando desses super Ministros, áreas como Minas e Energia, Trabalho e Previdência, Indústria e Comércio, PETROBRAS, BNDES, Banco do Brasil, a delegação era exclusivamente para política monetária, cambial, de crédito e relações econômicas internacionais, o que já ERA muito. A enorme complexidade da economia brasileira, com zonas de alto consumo, zonas de enorme carência, parte industrial, parte agronegócio, parte serviços, é um mundo.

Mas era uma delegação de verdade, para valer, de modo que o Ministro falava pelo Governo com completa autoridade e sua palavra era AVAL de uma política econômica que ele comandava com poder incontestado. Nada disso, absolutamente NADA, aconteceria com Guedes. Bolsonaro NUNCA delegaria poder a um Ministro, da Economia ou de qualquer área, não é de sua índole e personalidade, ele não conhece o conceito de delegação ou carta branca para nada, esse o primeiro erro com relação a Guedes.

Esse foi o primeiro erro de avaliação dos eleitores e especialmente dos “mercados” e de seu alto falante cativo e acrítico, a mídia econômica meio cega e mais surda que o mercado.

Leia também:  Repórteres Sem Fronteiras denuncia censuras indiretas do governo Bolsonaro e cita caso GGN

O PAPEL DE GUEDES

O perfil padrão que o mercado tentou ver em Guedes era o perfil Delfim-Malan, onde os Ministros eram FORMULADORES de política econômica e EXECUTORES dessa política.

Guedes nunca foi ou poderia ser nenhuma das duas coisas. Não tem treinamento ou currículo de formulador, seus projetos são toscos e imprestáveis, como as reformas Tributária e Administrativa, mal concebidas, mal estruturadas, incompletas, sem mecanismos de aplicação, meras intenções e mesmo assim mal formuladas, não servem para nada e nem para serem aprovadas na forma que foram apresentadas. Reforma Tributária em pedaços? Isso não existe ou é um todo completo ou não é nada. A Administrativa nem toca nos mega e indefensáveis privilégios, penduricalhos, aposentadorias inigualáveis em qualquer País do mundo, mordomias, carros com motorista que não existem em países super ricos. Essa Reforma nem cogita cortar aquilo que é possível por mera decisão administrativa, auxílios, seguros, diárias indefensáveis, mas quer enxugar o baixo clero do funcionalismo sem tocar no alto clero. Mesmo assim é reforma muito mal apresentada, na forma, no conteúdo, na aplicabilidade, no conceito de equidistância e justiça entre áreas.

Na execução de política econômica não há nada, não há decisão, não há correção, não há ideias ou projetos de aplicação e operação, é um caos completo de gestão.

A ideia absurda COMPRADA pelo mercado de fundir 4 Ministérios que têm funções especificas e de contrabalanço um com outro, tanto que essa separação é universal, em nenhum País do mundo Ministério do Trabalho opera sob comando da Economia porque são funções de contrapeso, é preciso haver a contraposição para o debate de interesses contrários entre o capital e o trabalho. O Departamento do Trabalho nos EUA é imenso e de vasto orçamento, lá na pátria do “mercado” avalia-se que o Trabalho NÃO pode ser uma dependência do Tesouro, como aqui se coloca Trabalho e Previdência, incluindo INSS sob o manto de Guedes? Não pode dar certo como não está dando, vê-se pelo desmanche do INSS com filas imensas de pobres aguardando perícia médica e simples pedidos de aposentadoria, tudo meio paralisado por óbvia desorganização, mas é tudo sob o mesmo guarda-chuva de Guedes, que sequer dá conta do que seria o antigo Ministério da Fazenda, já imenso e complexo e quis ter mais Ministérios, só não teve Minas e Energia porque houve resistência militar. Megalomania pura, nem Delfim, o grande gestor, pediu mais Ministérios, como se isso fosse brincadeira de joguinho “banco imobiliário”, juntar tudo para ter mais poder, mas e a administração desse imenso conjunto, quem dá conta?

Leia também:  O que representa Bolsonaro no mundo capitalista, por Michel Aires de Souza Dias

O TETO DE GASTOS

Uma camisa de força criada para um mundo irreal, o conceito legal de TETO DE GASTOS é uma imensa insanidade de mentes primitivas de economia, o futuro é imprevisível, como TRAVAR o orçamento futuro de um grande País? Que loucura é essa? Não há essa trava em outros países, será que são burros? O orçamento é um instrumento de organização de finanças do Estado, mas não pode ser uma estátua de pedra, as circunstâncias mudam com ou sem pandemia, as necessidades, os ciclos, as situações e contextos internacionais se alteram velozmente, como MOLDAR EM PEDRA o orçamento? No entanto o “mercado” aplaudiu essa tolice como salvação, impedindo a flexibilidade indispensável à gestão de finanças públicas.

Imagine-se se em 1933 Roosevelt tivesse um ” teto de gastos”, não poderia fazer o NEW DEAL e salvar a economia americana. Teto de gastos é um conceito primitivo de orçamento, o do mesmo campo de ideias que equipara  as finanças de um Estado ao de uma casa de família, bobagem que muitos comentaristas econômicos de grandes veículos ainda hoje exibem, para deixar claro sua ignorância de economia, teto de gastos faz parte do mesmo mostruário de aparências de um falso saber econômico.

Mas para derrubar do TETO DE GASTOS é preciso um Ministro com alta credibilidade e liderança, Guedes não tem esses atributos e, para mais complicar, o Governo Bolsonaro NÃO tem controle ou base no Congresso, tem algum acordo precário com blocos eventuais do Centrão, o que não é uma maioria sólida e consensual de ideias e programas.

Leia também:  Estranhezas da segunda onda, por Gustavo Gollo

A ECONOMIA NUMA ENCRUZILHADA

Sem uma política econômica, qualquer uma, sem projeto claro de crescimento, sem uma política monetária e cambial, que deve ser LIDERADA pelo Governo, qual a política de crédito? Qual a política de abastecimento? Qual a política de preços de combustíveis? Não há nada, é um deserto, o tema central do debate econômico hoje é algum tipo de auxílio para ajudar na reeleição do Presidente, só isso, não há nenhuma ideia para crescimento, de operação do BNDES, de grandes planos de moradia e saneamento, de infraestrutura, não há uma meta de crescimento com suas bases de financiamento, não existe projeto de Pais ou de inserção internacional.

Vai continuar a ser uma operação da política por sustos diários, lives, espantos, surpresas, não tem roteiro. O mercado comprou Guedes, que se arranje com ele.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. Os eleitores fundamentalistas por profunda burrice nunca vão abandonar o eleito, mas a fauna mencionada como “a classe média alta, o núcleo da agricultura, os atores econômicos, a mídia conservadora e o círculo fechado dos jornalistas comentaristas, especialmente os ligados aos “mercados”, vão abandonar o barco quando a destruição for irreversível e já em ato, ou por simples instinto de sobrevivência nada mais tenham que depredar?
    Qual será o momento da ruptura que seguramente acontecerá?

    9
    1
    • Concordo em grande parte com a visão do sr. André Motta Araújo nesta Matéria. Também concordo que Guedes parece sem projetos bem definidos e estruturados para derrubar antigos cancros dentro do Estado e Economia Brasileiros. Só que estes ‘cancros’ estão dentro do Estado Brasileiro há 90 anos. 90 anos Ditatoriais. Aqueles que passaram pelo Governo, fracassaram. O Estado Brasileiro é um projeto para a falência e decadência da Sociedade Civil Brasileira. E isto foi sendo repetido por todas estas décadas. Tentativas de mudanças que esbarraram na permanência deste Projeto Fascisto-Esquerdopata. Este sim um Projeto vitorioso como podemos analisar e constatar nas Elites que se mantiveram por quase 1 século. OAB, UNE, USP, Justiça do Trabalho, Legislação Trabalhista e Código Civil oriundos das Legislações Fascistas de Mussolini. Malan, Fraga, Kandir, Parente, Mendonça de Barros entre tantos replicando as mesmas mediocridades e imbecilidades de Eugênio Gudin e PUC/RJ, desde os mesmos miseráveis ‘Anos de Chumbo Fascistas da Ditadura Vargas’, replicados por seus Familiares nestes anos todos. Jango, Brizola, Tancredo que Nos traz de 1930 até 2020 na figura e influência de seu neto Aécio Neves e Neoliberalismo dos Governos Tucanos, imitado por Governos Petistas. Bem ou Mal, agora este Governo tenta de alguma forma exterminar tão Medíocre Projeto que já dura 90 anos. Os erros expostos não são originários do Governo atual. E não será fácil tirar todo este lixo acumulado por tantas décadas. Mas finalmente alguma coisa está sendo feita. Esta é a grande diferença.

      12
  2. Não se mencionou a reforma da previdência, que descaradamente poupou os que mais ganham.Pra mim, a única reforma que seria ao mesmo tempo útil e não injusta seria a partir desse ano impor pra todo trabalhador, até os deuses que habitam aquele Olimpo Kitsch conhecido como STF, um teto de 6.000 de aposentadoria (raros são os casos de gente da carteira assassinada que passa disso) No caso dos militares, foi um escárnio: tiraram com uma mão uma lasquinha e deram com outra mão um reajuste gordo (eis preço pra que, quando o caos social estourar, os militares entrem em cena e impeçam que Bolsonaro seja varrido do poder via impeachment. Como ensinou o camarada Mao “O poder nasce da ponta de um rifle” ). Pra variar sobrou pro andar de baixo. E vejo isso na prática com a prima da minha namorada. Pelo fator idade mínima (60 anos para mulher), ela poderia estar aposentada desde maio, mas aí ela vai ter que esperar mais 6 meses, quase no final do ano, para dar entrada. Ela contava com esse dinheiro.Quando deu entrada e descobriu isso, ela chorou até não poder mais. Mora junto com a mãe e tem que tomar conta dela integral, pois a mãe, já idosa e com problemas de saúde, mal saí da cama.A única renda fixa das duas é a pensão da mãe. E pra ferrar de vez, a esquerdanêmica nossa fica ressuscitando Stalin ( que a dona zefinha, moradora da periferia, pensa que é coisa de comer ) e dando ênfases a pautas identitárias num povo que é conservador em sua grande maioria. Discussões econômicas como essa são pouco enfatizadas.

    obs: Feliz por ver o André de novo por aqui. Nesses tempos, a ausência sempre causa apreensão.

    • Desde 2003 a maioria do funcionalismo tem a aposentadoria pelo teto da previdência, reforma fruta por Lula…..a do tchut huka, fruta em cima de mentiras, foi apenas par inviabilizar que qualquer trabalhador se aposente, ou que se aposentar usufrua por pouco tempo….sim, porque um aposentado, como minha irmã, que se aposentar com dois salários, se não morrer logo, passará a receber um salário e passará aperto, como minha irmã, é um país onde o governo e políticos são um bando de pilantras, vagabundos, canalhas, safados ignorantes, larápios, espertalhões e fdp’s de toda ordem…

  3. Resumindo…
    sendo um organismo vivo, que se faz no dia a dia, não há economia que resista às falhas e imperfeições humanas, principalmente se a que mais se destacar for a teimosia dos que acreditam que é possível interferir no futuro com uma ciência mutável e fortemente influenciada pelos acontecimentos no presente

    em sendo assim, toda previsão futura real será de um desastre econômico sem igual em nosso país

  4. Prezado André

    1 – É um prazer voltar a ler seus posts

    2 – Este deserto de idéias, essa fossa séptica econômica custas diárias, viagens, salários (de caras que fazem nada, a não ser propor idéias estúpidas e imbecis); e custa o tempo desperdiçado (este não tem volta), porque estes caras não têm a menor idéia do que fazer – a não ser encher seus bolsos.

    Como um país tão grande pôde descer tanto, virar uma comédia mundial?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome