O surgimento do neofascismo em escala global: Steve Bannon e a necrofilosofia, por Roberto Bueno

Ele é o personagem que, chegando ao fundo da ideologia neoconservadora, forneceu-lhe uma nova direção, estabelecendo uma base autoritária muito fértil.

Da Gazeta (Guatemala)

O surgimento do neofascismo em escala global: Steve Bannon e a necrofilosofia

por Roberto Bueno

O surgimento do neofascismo em escala global e a restauração do que proponho qualificar como necrofilosofia, que vive em seu núcleo duro, podem ser analisados ​​sob diferentes ângulos, e neste texto proponho fazê-lo através de Stephen Kevin Bannon (1953-), uma figura cuja a relevância ainda não foi adequadamente enfatizada. Conhecido mundialmente simplesmente como Steve Bannon, ele é o personagem que, chegando ao fundo da ideologia neoconservadora, forneceu-lhe uma nova direção, estabelecendo uma base autoritária muito fértil, que vem ganhando espaço em todo o mundo, ao mesmo tempo. que apoia a proliferação de regimes políticos semelhantes, com o violento ataque aos direitos humanos e, principalmente, ao direito à vida, algo especialmente notável em tempos de proliferação pandêmica.

Sob a ideologia neofascista do viés neoconservador, coordenada por Bannon e apoiada por bilionários e grandes financiadores, as condições culturais mais favoráveis ​​floresceram para a reconfiguração dos partidos políticos que alimentam a revolução necrofilosofica que estabelece a necropolítica (plano interno) e a política de aquecimento (plano). internacional), devidamente mascarado em uma falsa aparência neoliberal-capitalista, uma vez que, como o nazismo em seu momento histórico, não pode ser apresentado em sua grosseria para os propósitos da cooperação eleitoral. É esse o significado dos eventos políticos atuais, especialmente no Ocidente, tanto na América quanto na Europa, embora com intensidades diferentes, com o objetivo de articular os interesses do império americano e de seus parceiros capitalistas, cuja crise é evidente diante do notável avanço do colosso imparável: China.

A carreira de Bannon pode ajudar a entender o caminho político finalmente tomado. De uma família católica irlandesa que simpatizava com os democratas, Bannon seguiu o caminho oposto ao de seu núcleo familiar e, depois de terminar seus estudos, mesmo antes dos 30 anos de idade, na década de 1980, começou a trabalhar no mercado financeiro, sob o efeitos intensos do neoconservadorismo neoliberal de Ronald Reagan, quando ele foi recrutado pelo então bem-sucedido Goldman Sachs (NY) (1984-1990), pouco antes de se mudar para Los Angeles (LA). Ele deixou Los Angeles em 1990, com colegas da Goldman, para fundar a empresa Bannon & Co., cujo objetivo declarado era fazer investimentos na mídia, operações que o aproximavam de homens e instituições que em breve seriam extremamente úteis para suas futuras ocupações e opções políticas.

Na cidade de Los Angeles, Bannon trabalhou em vários setores, do setor bancário à produção de filmes, mas principalmente como executivo de mídia, o que seria extremamente importante para os próximos passos. Bannon desenvolveu habilidades manipulativas relevantes à publicidade política, como sensibilidade para compor e espalhar notícias falsas nas mídias sociais. Uma parte expressiva dessas habilidades foi construída a partir de uma “falsa cidadania”, isto é, uma montagem digital de alta tensão, com uma densa capacidade de interferir e moldar a percepção pública dos eventos políticos, econômicos e culturais de um grupo humano específico, no qual se pretende intervir para definir suas direções. Até então, a carreira de Bannon tinha o perfil de um homem em evolução, passando da Marinha para um agente financeiro da Goldman Sachs, de um produtor de Hollywood que logo se tornaria rei da mídia de direita nos Estados Unidos. Unidos.

Na arena da mídia, Bannon trabalhou por muitos anos na frente do conhecido Breitbart News, uma organização de mídia americana de “direito alternativo” de capital privado, quando o sucesso do site já era notável, como Ele recebeu 17 milhões de visitantes. Antes de Donald Trump aparecer em cena e ganhar a vitória eleitoral, o Breitbart News foi usado para realizar um ataque contra o então presidente Obama e o establishment, concentrando-se criticamente em questões como comércio, globalismo e imigração, que ocorreram predominantemente mesmo antes de 2015, uma vez que logo se tornou uma máquina de propaganda bem articulada para beneficiar Donald Trump, levando seus detratores a não hesitarem em chamá-lo de “Trumpbart News”.

Antes disso, mesmo em 2012, Bannon assumiu o controle da direção executiva do site Breitbart News, e sua marca ideológica era a emissão de opiniões e comentários no tom da extrema direita que expressava admiração de fascistas, ditadores. , teocratas e fanáticos de todos os tipos, todos acusados ​​de convicções antiglobalistas, com o objetivo de alcançar uma transformação radical em escala mundial através da articulação de grupos nacionalistas neofascistas de extrema direita. O nacionalismo incorporado por Bannon e sua área de influência é muito difícil de justificar (se for considerado viável) em relação aos interesses da economia e à soberania dos países com economias periféricas sobre os quais desejam exercer influência.

As habilidades de Bannon continuaram sendo desafiadas até alguns anos depois, quando ele foi removido de seu emprego na Breitbart e passou a trabalhar como consultor político de Trump. Durante a campanha eleitoral, ele atuou como diretor executivo de agosto de 2016, até alguns meses antes de fevereiro de 2017, quando mereceu a capa da revista Time, que o reconheceu como o verdadeiro cérebro pensante do Trump obtuso, alguém que logo demonstraria grandes habilidades para publicidade e manipulação. Obviamente, não sem o apoio de um modelo de mídia que ainda não seja suficientemente conhecido e com alta capacidade de interferência no sistema eleitoral, bem como uma densa capacidade de inviabilizar o modelo de democracia representativa praticada no mundo ocidental, já em profunda crise antes de suas várias disfuncionalidades.

Bannon foi membro do Conselho da Cambridge Analytica, uma empresa criada em 2014 pelo bilionário americano Robert Mercer, tão importante em termos das responsabilidades do atual estágio crítico das democracias representativas quanto (compreensivelmente) pouco citado pela mídia corporativa, com o objetivo de ajudar o espectro ideológico conservador. Uma vez que as eleições foram vencidas e Trump assumiu o cargo, e tendo anunciado sua partida final de Breitbart em 9 de janeiro de 2017, Bannon foi um dos primeiros compromissos no novo governo, a quem ele atuaria como estrategista-chefe da Casa Branca. . Embora tenha servido por um curto período, até agosto de 2017, foi o suficiente para se revelar um intenso construtor de falsidades, com a difusão de notícias cruzadas, ampliando propositadamente conflitos enquanto tomava decisões imersas em uma forte dose de desorientação que se aproxima do caos.

Bannon promoveu grande parte das estratégias da mídia com as questões que Trump negou publicamente como sua verdadeira opção político-ideológica, a saber, racismo, defesa da supremacia, sexismo e também com o conjunto de idéias distantes do valores geralmente associados aos da democracia plural e tolerante, promovidos e praticados na mídia liberal ilustrada. Nesse sentido, David Duke (Tulsa, 1950) tornou público que Bannon estava criando o espectro ideológico no qual os Estados Unidos seriam guiados em um futuro próximo, que acreditamos estar cheios de grandes perigos, ainda mais quando se sabe que Duke era para o momento não menos que o “grande líder” da Ku Klux Klan.

Com essa liderança ideológica, Bannon pode ser considerado o primeiro americano de extrema direita desde meados da década de 1930, cujas ideias começaram a ser efetivas no palco público, mesmo internacional, flertando abertamente com os princípios típicos do fascismo. A partir da experiência nacional-socialista, essa ideologia extremista não havia encontrado tal espaço em países onde a democracia era classificada como o valor central das instituições, como base para um acordo geral para outras ações e decisões políticas, apesar das atividades plutocráticas dedicadas e corrosivas. constantemente tentando minar e capturá-la.

O conteúdo ideológico com o qual Bannon contamina suas ações e permeia seus contatos é estimulado por uma personalidade excepcionalmente compatível com o propósito belicoso que não se importa com os meios para alcançar os fins da dominação global proposta. Outros apontam o quão intenso é o compromisso com o caráter racista que prioriza os supostos valores “judaico-cristãos” propagados por Bannon, combinando-os em uma composição étnica caucasiana com conteúdo sexista e xenofóbico, com foco no islamismo (outro) como inimigo, além de, mais recentemente, tendo também o Vaticano e o papa entre seus inimigos. Bannon também é um promotor de estratégias destinadas a minar as estruturas estatais, assumindo um falso anarquismo que só pode ser benéfico para as grandes plutocracias neofascistas que operam em escala planetária.

Com o plano ideológico de Bannon garantido, era essencial encontrar maneiras seguras e eficientes de obter sucesso nas eleições fora dos Estados Unidos e, para esse fim, a Cambridge Analytica, tão perto de Bannon, teria um papel central e, portanto, em breve Veríamos como ele interveio para obter dados ilegalmente do Facebook, algo que logo foi tornado público de uma maneira chocante em março de 2018.

A Cambridge Analytica foi fundamental no processamento de dados obtidos ilegalmente do Facebook, supostamente através da quebra de códigos de acesso digital, permitindo a manipulação decisiva do eleitorado, que foi eficiente em causar danos políticos aos processos eleitorais em vários países.

Esse acesso permitiu obter informações sobre aproximadamente 30 milhões de contas individuais, descobrir dados privados e suas últimas pesquisas na Internet, o que facilitou a criação de um perfil psicológico individual sofisticado, muito útil para influenciar bastante, por exemplo, as eleições presidenciais.

Após o processo eleitoral nos EUA EUA Concluído, a articulação da América do Norte para continuar a crescente influência no Brasil foi declarada abertamente por Bannon em um jantar com o autoproclamado intelectual Olavo de Carvalho, morando em Washington, EUA. EUA Com uma péssima educação formal, mas promovida por um segmento da conservadora mídia corporativa brasileira. Na ocasião, Bannon deixou claro que o Brasil ocupa uma posição geopolítica fundamental para os Estados Unidos combaterem o poder da China, algo que ele já havia dito mais de uma vez.

É justamente nesse sentido que os Estados Unidos precisam, mais uma vez, de um líder em relação ao Poder Executivo, sem hesitar em promover os golpes de Estado típicos ou arranjos eleitorais para que, como Bolsonaro, ele controle os destinos dos países da América Central, Caribe e América do Sul, sobre seus reais interesses soberanos.

A campanha de difamação do Partido dos Trabalhadores (PT) no Brasil faz parte inexoravelmente da estratégia de destruir a grande capital político-eleitoral do campo popular e progressista, evitando assim a intervenção militar direta. Nesse sentido, as articulações entre EE. EUA e seus associados no Brasil, incluindo armas, passam a refletir os interesses do “Movimento” de Bannon na América Latina, com o qual os filhos de Bolsonaro foram identificados pública e sucessivamente, associando o Brasil e sua política externa aos interesses da vergonhoso, quase umbilical e desenfreado, tornando o país, na prática, um mero apêndice do império, se não um protetorado.

A atual estratégia de poder da América do Norte é realizada pelo atual governo Trump, em consonância com as diretrizes típicas projetadas por Bannon, cujo objetivo é dispor livremente não apenas do Brasil para extrair os recursos e riquezas necessários para realizar sua execução. política de confronto com a China, mas também em toda a América Latina. Para esse fim, movimentos políticos de desestabilização foram realizados e continuam sendo realizados em um amplo espectro, passando de momentos de promoção da queda dos governos populares para outros nos quais eles precisam manter seus líderes em uma situação de fraqueza para extrair riqueza a um preço baixo, como os casos da Argentina (sob os Kirchners e, mais tarde, sob Macri e, posteriormente, sob Fernández), na Bolívia (sob Evo e, posteriormente, sob o governo golpista de Jeanine Áñez) e no Equador , onde a estratégia consistia em mover peças para substituir o progressista Rafael Correa por Lenin Moreno, traidor virtual do projeto político popular e progressista. Certamente, hoje em dia, como em nenhum outro país, os movimentos de desestabilização também são extremamente notáveis ​​na Venezuela, um país que está sob ameaça militar, um passo que também começa a ser experimentado no Brasil, aplicando a concepção geopolítica que o inspira. isto é, o do «Movimento», proposto e desenvolvido por Bannon.

Bannon é uma figura de destaque na organização global de extrema direita que articula, em nível empírico, os interesses incertos das finanças transnacionais neofascistas. Esse grupo, por mais restrito que seja poderoso, vem ocupando espaços e agindo muito além da esfera governamental americana, embora em defesa aberta de seus interesses, em detrimento dos das vastas populações dos diferentes países do mundo. Paradoxalmente, no nível retórico, o extremismo ideológico de Bannon defende o “nacionalismo econômico”, mas isso não deve ser confundido com o neoliberalismo ou o globalismo, que essencialmente o contradiz. O nacionalismo econômico extremista do “direito alternativo” conceitualmente não pode atravessar as fronteiras do império, exceto como uma simples retórica, uma vez que é incompatível com as políticas econômicas que realmente promovem o desenvolvimento econômico e social de qualquer outro estado que não o faça, eventualmente, e somente nessa condição, naquelas em que suas respectivas matrizes são encontradas.

A ideologia de direita extremista, a alt-right americana, colide com qualquer outro “nacionalismo”, mas, em particular, com os de países localizados na periferia econômica, uma vez que é deles que o nacionalismo americano extraiu historicamente a riqueza e, portanto, proibindo as melhores possibilidades de realizar o conceito de soberania, constituindo, assim, no nível prático, nada mais que um neoprotegido, no qual a soberania permanece apenas em seu estado puramente formal e nada mais. Para atingir seu objetivo, o nacionalismo de alt-right americano coopta figuras deprimentes e deprimentes, dispostas a exercer falsamente o papel de “nacionalistas da terra natal de outrem”, porque traem seus estados nacionais sob o patrocínio do império. Poucos países foram um exemplo melhor disso do que o Brasil, que hoje enfrenta não apenas o inimigo externo para recuperar sua soberania, mas um volume expressivo de traidores de alto nível, de cujas condições eles nem se desviam, e não ficam mais corados ou eles temem as possíveis consequências de sua condição, a ponto de Bannon ser o definidor de importantes segmentos da administração brasileira por meio de agentes interpostos, exercendo publicamente o papel reconhecido de influenciar a família Bolsonaro na nomeação de figuras obtusas para posições chave na administração do estado.

A ideologia neofascista de extrema direita de Bannon baseia-se na insatisfação devidamente estimulada por esse segmento elitista com políticos e políticos, mas, sobretudo, com seus representantes, cuja origem é popular e democrática, sob a qual as mais diversas acusações pesam , ao qual se acrescenta o discurso de que são as elites que devem ocupar o poder. A ideologia extremista de direita alia-se a projetos que são apresentados publicamente em oposição à corrupção, como se seus oponentes políticos (apresentados como inimigos que mereciam ser exterminados) tivessem o monopólio da prática da corrupção, também visando ataques ao Estado e Em nenhum caso, eles fazem isso com a extensa corrupção presente no setor privado.

Para o extremismo degenerado de Bannon, os pobres não têm lugar diante da odiosa estrutura na qual a distribuição da riqueza é organizada, reservando acesso aos meios de produção para o grupo restrito que já os possui, permitindo assim um processo ininterrupto acumulação que praticamente contribui para o aprofundamento da deslegitimização das democracias ocidentais, uma avaliação incompatível com a “lei alternativa” que apoia esse processo. Pelo contrário, o extremismo de direita culpa os pobres por sua condição e, paradoxalmente, e sem reconhecê-lo abertamente, isso se deve à estrutura terrível e injusta do sistema econômico criado pela elite. O extremismo de direita culpa as intervenções corretivas do Estado no mercado livre pela condição dos pobres e também por supostamente não dedicar o esforço necessário para melhorar suas possibilidades e, novamente, um círculo que está se fechando, tendo em vista o fato de que que os recursos que deveriam estar disponíveis para a massa de homens e mulheres estão nas mãos do “estado corrupto”, que os desperdiça entre aplicações em programas sociais e na corrupção.

A retórica extremista quer convencer que seu objetivo político é impedir a elite (global) de usar a máquina estatal para satisfazer seus interesses, e aparece no horizonte como uma promessa populista virtuosa com potencial para mobilização em massa. Na pior das hipóteses, intui-se que essa gramática política ofereça apenas destruição e desgraça em sua forma mais pura e, no limite, a realização da morte, como é possível observar quando os valores que envolvem a vida humana são mesmo, opor-se aos interesses da capital.

Bannon já descreveu no Breitbart News, sem hesitação ou hesitação, como a alt-right se via: “Nós nos vemos como virulentamente ‘anti-establishment’, particularmente contra ‘uma classe política permanente'”. O fascismo e suas versões contemporâneas mantêm a característica da vontade intermitente de atacar e destruir a mediação política e apresentá-la como uma virtude, a virtude da “anti-política”. Eles realizam seu objetivo por meio de uma marcha sucessiva em direção ao desarmamento das formas de diálogo e de qualquer tipo de mediação da representação coletiva e, nesse sentido, é necessário destruir todas as pontes disponíveis, tanto em termos da disponibilidade de grupos quanto de coletivos. mediação dialógica, bem como a destruição de instituições, e logo, portanto, sua substituição por uma força política emergente resumida em um único caráter mítico. É o DNA do fascismo que ressurge na forma contemporânea do neofascismo, cuja compreensão ainda não foi adequadamente disseminada.

Para Bannon, “a ideologia de Breitbart era uma mistura que incorporava libertários, sionistas, membros conservadores da comunidade gay, oponentes do casamento entre pessoas do mesmo sexo, partidários do nacionalismo econômico, populistas e partidários da extrema direita”. É uma descrição falsa em sua totalidade, mas o que Bannon supõe é que o populismo será o futuro da política, embora ele não termine indicando claramente quais serão todos os elementos desse modelo de populismo de direita, muito menos quais serão suas consequências. pelo contrário, ao contrário, uma vez que sugere que o extremismo se concentra na classe trabalhadora e na classe média, que é uma falsificação do real como proteção de seus interesses, uma vez que os do “direito alternativo” são incompatíveis com o trabalhadores, porque eles só operam dentro do Estado em favor da oligarquia. O que realmente pode ser visto em suas propostas é que é um horizonte neofascista extremamente sombrio.

Nesse sentido, a intensa negação dos supremacistas brasileiros que tanto desprezam seu povo é consistente. Um exemplo disso é a família Bolsonaro, que explicou publicamente e repetidamente toda a extensão de seu profundo desprezo, por exemplo, por negros e povos indígenas e, talvez não sem razão, traduzindo, embora obliquamente, o desprezo por seu lugar no mundo em si. Ou seja, por suas próprias origens, por sua cultura e raça e, portanto, pela totalidade do que eles representam antes de sua psique. No final, essa é a contradição inerente aos traidores do país, que não têm elementos para afirmar sua condição pessoal e nacional.

Não era segredo para a vida política brasileira e para os analistas, mesmo para aqueles com informações mais modestas, que Bannon estava por trás de muitas das estratégias adotadas nas eleições presidenciais brasileiras, desde a coleta e gerenciamento de informações até a análise ações digitais e de dados, incluindo a captação de recursos para que este negócio seja bem-sucedido, combinando gravações e métodos não republicanos de agentes e autoridades líderes para mudar decisões em momentos-chave da vida política nacional. Esses movimentos, juntamente com a reunião do mundo da capital, foram o que levou Bolsonaro à vitória nas eleições presidenciais de 2018, o que era inicialmente improvável. Eduardo Bolsonaro, seu filho, continuou declarando que Bannon havia ajudado no processo “sem demonstrar interesse em compensação financeira”, isto é, para o leitor médio em assuntos políticos, foi explicado, inversamente, o interesse de Bannon em tudo o processo.

Esse “desinteresse” certamente não é algo deste mundo, especialmente em termos de relações internacionais. O preço em questão, para que um candidato que não estivesse entre os que tivessem chance de vitória nas eleições pudesse ser elevado à posição vitoriosa, era extremamente alto e amargo para a população brasileira. O valor foi maior e teve que ser pago imediatamente. Portanto, houve uma virada completa na política externa brasileira, não apenas em relação à adotada pelos governos do Partido dos Trabalhadores (PT), mas em toda a tradição brasileira. Houve também uma mudança de política para explorar as vastas reservas de petróleo na camada do pré-sal e, paralelamente, a adoção de um alinhamento automático com os Estados Unidos. A adoção de tal posição pelo governo Bolsonaro implicou em desistir de aproximadamente US $ 6 bilhões que o comércio agrícola com a China contribui para os cofres brasileiros, desde que o país importador começou a comprar produtos agrícolas americanos (não por acaso) para substituir o Brasileiros. Por fim, um último e importante aspecto dos interesses coordenados por Bannon foi a adoção de uma política econômica para concluir a privatização irrestrita das empresas brasileiras, bem como a entrega de parte do território nacional de maneira velada, ou não tanto, quanto a Caso da base de lançamento de foguetes de Alcântara, localizada no estado do Maranhão.

Exemplos das convicções filosóficas e ideológicas e políticas da extrema direita neofascista de Bannon inspiram as ações de Trump e Bolsonaro são as práticas e declarações aparentemente sem sentido até chegar às decisões de bombardeio. Direitos humanos e privilégio do capital, mesmo quando está em jogo a vida de dezenas de milhares de pessoas, cidadãos americanos ou não, algo que ficou evidente nas políticas de saúde adotadas durante a crise da pandemia do COVID-19.

Para esse tipo de política, o trabalho de Bannon provou ser essencial, pois, a partir de um profundo entendimento das estratégias de propaganda de massa nazista, ele se tornou mais denso, dada sua capacidade em seu trabalho na mídia tradicional. O próximo passo foi conceber como associar e multiplicar dividendos políticos, com base na manipulação da mídia, articulando-os com os novos instrumentos oferecidos pela mídia digital de uma nova maneira, transformando-os para os propósitos de que a nova direita neofascista precisa. Uma das faces da articulação de Bannon é a manipulação das supostas críticas do establishment realizadas pelo neofascismo, cuja essência é pertencer ao pequeno grupo que coordena esse aparato. Nessa dimensão, articulou-se a estratégia para apresentar a retórica neofascista e neoconservadora como se fosse populista, como se fosse um aglutinador de interesses populares e, assim, abordasse sua diatribe para atacar mortalmente o conservadorismo liberal moderado, tanto no campo político quanto na mídia. , legal e judicial, garantindo projetos opostos que evitam a perda da soberania nacional, algo observável tanto na versão neofascista brasileira por meio do governo Bolsonaro quanto em sua matriz ideológica norte-americana.

Para Bannon, a mídia estabelecida é uma expressão de uma bolha de poder que sintetiza tudo o que é ruim nos Estados Unidos. EUA e que favorece apenas um grupo de pessoas, uma estratégia de ação política que logo se espalharia para outras latitudes onde seu grupo neofascista disputaria o poder. Bannon ainda está certo, pois a mídia é realmente controlada por um grupo de plutocratas globais, mas o que ele está escondendo é que seu projeto simplesmente reclama e trapaceia quando anuncia o ataque à mídia, porque os grupos que financiam seu projeto não o fazem. eles estão em uma posição de inevitável antinomia para os barões da mídia global. Ambos os grupos atendem aos mesmos interesses, embora possam diferir em termos de rotas, porque, embora o grupo neofascista esteja agora equipando recursos e meios capazes de mobilizar importante cobertura popular, por outro lado, os democratas liberais pareciam ter perdido pelo menos parcialmente essa capacidade. , assim como aqueles que, nos Estados Unidos, se identificam com a tradição conservadora do republicanismo em sua versão clássica, identificada com o establishment econômico, o único responsável pela radicalização da crise econômica de 2008, mas não com a violência aberta proposta por neofascismo emergente.

Em termos de política doméstica americana, Bannon aproveitou a oportunidade para derrotar Hillary Clinton e os democratas com o slogan de pessoas do establishment que não estavam interessadas no destino popular, que em momentos críticos da crise de 2008 haviam apoiado a imposição de seus custos para as pessoas, mantendo os CEOs responsáveis ​​pela organização do desastre impunes. Os democratas, portanto, deveriam se apresentar como aqueles que mereciam a rejeição da classe trabalhadora por pertencer ao que Bannon chamou de “partido de Davos”, que para ele nada mais eram do que uma elite científico-financeira, confiantes de que podiam manipular o mundo. Mas quem são os financiadores do “Movimento” de Bannon, senão esses grandes barões do mundo das finanças, que apenas enviam seus representantes a Davos?

Bannon compreendeu alguns aspectos centrais para a propagação bem-sucedida da política que apoia a expropriação da riqueza e a continuação desse processo de concentração em um número cada vez mais restrito de mãos, resultando em extrema centralização, equivalente ao poder político em escala. planetário com apoio inconsciente, mas objetivo, da massa de destinatários de suas mensagens. Um dos aspectos centrais bem entendidos por Bannon para alcançar esse projeto de poder planetário refere-se à nova configuração do mundo da informação em sua interface com a política que, em uma época em que as massas podem ser acessadas através de a mídia digital (e sem seu próprio conhecimento) configura o escopo de um espaço notável para a manipulação da informação e a expressão da vontade política popular. Na prática, Bannon redesenhou o uso da propaganda política em uma dimensão que combinava manipulação e inescrupulosidade em uma escala de aplicação global. Foi em 2012 quando Bannon criou o GAI (Government Accountability Institute) para esses fins. Era uma organização sem fins lucrativos declarada, cujo objetivo seria expor as doenças do chamado “capitalismo amigável”, bem como o “uso indevido do dinheiro dos contribuintes”, propósitos dotados de fácil capilaridade política, bem como a exposição pública de sua animosidade. em direção a outras fontes de suposta corrupção ou ações ilegais do Estado em detrimento dos contribuintes, colocando em perspectiva e subliminarmente a implementação de um programa abrangente para desacreditar o papel do Estado e sua autoridade, mas também desgastando os possíveis instrumentos disponíveis no futuro para atacar a revolução necrofilosofica e a ampla gama do projeto neofascista.

Acabar com os instrumentos de reação do Estado e da comunidade popular constitui uma obsessão genuína e declarada à extrema direita incorporada por Bannon, uma vez que isso priva a população de seu melhor e talvez único instrumento de defesa contra a oligarquia neofascista. da direita. No entanto, esse ataque às agências estatais não inclui sua redução ao ponto de extinguir os órgãos essenciais que operam em favor dessas oligarquias, que precisam deles para financiar seus propósitos, operando em escala global baseada na violência pura, bem como em momentos críticos em que ninguém, exceto o Estado, pode agir para ajudar. Um exemplo disso é o governo Trump, que desde os primeiros dias emitiu intensamente decretos até o momento em que atacou freneticamente a imprensa, como se fosse um partido da oposição bem estabelecido, como faria, na época, à sua maneira e nas próprias circunstâncias, com a estratégia de Bolsonaro no Brasil. Foi também um exemplo disso diante da crise econômica de 2008 e da atual crise global da saúde, na qual o Estado, e não a iniciativa privada, intervém para tentar estabilizar o cenário caótico.

O que Bannon e a extrema direita neo-fascista propõem é uma ruptura institucional com o estágio da civilização dos direitos humanos, políticos e sociais, substituindo a noção de soberania do Estado e supremacia popular como fonte de legitimidade política por outra fonte de poder neofascista e plutocrata. O projeto possui ambições planetárias, cuja primeira etapa ocorre no hemisfério ocidental e, neste momento, com especial intensidade, na América Latina. Em cada um dos cenários de dominação em que o neofascismo se apresenta como um competidor de poder, desordem e o estabelecimento de confusão pelo desprezo pelos acordos básicos da civilização, está a nota, bem como os mecanismos de diálogo e transação. política. A destruição desses instrumentos de mediação, estruturas dialógicas e, sobretudo, o vocabulário e a gramática política e ética, provoca uma profunda apreensão por parte da comunidade, que, portanto, perde sua referência mediadora pela antonomasia, isto é, a linguagem.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora