Pandemia, segregação racial e as vidas que não importam, por Alexandre Filordi

O tempo do racismo não é cronológico. O tempo do racismo é lógico e psicológico, ou seja, transfunde a cronologia histórica. É dessa maneira que o racismo se mantém na estrutura da sociedade.

(29 de Março, 1968, Memphis – USA. Bettmman Collection/Getty Images)

Pandemia, segregação racial e as vidas que não importam

por Alexandre Filordi

O tempo do racismo não é cronológico. O tempo do racismo é lógico e psicológico, ou seja, transfunde a cronologia histórica. É dessa maneira que o racismo se mantém na estrutura da sociedade. Entra ano e sai ano, no caso que aqui me interessa, os negros precisam provar que são humanos, gente com sangue, dor, padecimentos, sentimentos, inteligência, beleza. Eles precisam provar que não são menos e que as mesmas mazelas da finitude humana não lhes são diferentes das de ninguém.

Os jornais franceses denunciam, escandalizados, a cena dantesca em que dois pesquisadores do Inserm (Instituto Nacional da Saúde e da Pesquisa Médica, França) – homens brancos – invocam a possibilidade de testar vacinas contra o corona vírus no continente africano (Veja aqui: https://francais.rt.com/france/73573-covid-19-sequence-sur-test-vaccin-afrique-polemique). Educadores de Angola nos fazem chegar que tal cenário se encontra bem próximo a eles, fazendo da insinuação presunção consumada.

O lema do Inserm é: “A ciência para a saúde”. Faltou apenas deixar explícito: para a saúde dos colonialistas brancos. Daí o fato de se considerar os africanos como cobaias humanas. Se tudo der errado com o teste? A quem importa?

Albert Memmi dizia que o racismo é a melhor expressão do fato colonial e um dos traços mais significativos do colonialista. Claro está, saímos historicamente da colônia, mas a colônia não saiu da sociedade e de nós. Ela se mantém com sua lógica opressora de capturas emocionais, identitárias, maliciosas e valores biunívocos racistas. “Do ponto de vista do racismo, não existe exterior, não existem as pessoas de fora. Só existem pessoas que deveriam ser como nós, e cujo crime é não o serem”, argumentaram Deleuze e Guattari em Mil Platôs.

Quando um negro ou uma negra precisam provar que são humanos, homem e mulher, como no caso dos grevistas da área de limpeza de Memphis, em 1968, nos USA, carregando os dizeres: Eu sou um homem – reparem que o indivíduo branco não carrega o cartaz na fila dos manifestantes – , é porque estão se defrontando com os senhores colonialistas, com a violência e a animalidade neles presentes. Há de se ressalvar, contudo, que aqueles trabalhadores continuam sendo os mesmos negros e as mesmas negras do precariado de hoje. “Sinais que indicam esses retornos do colonialismo ou sua reprodução e sua repetição nas práticas contemporâneas”, nos termos de Mbembe em Crítica da razão negra.

Em 7 de abril, o New York Times, dentre vários outros jornais americanos, destacou a incidência alarmante de mortes por Cov-Sars-2 entre os africanos estadunidenses (Confira aqui: https://www.nytimes.com/2020/04/07/us/coronavirus-race.html). A denúncia vai ao coração da estrutura racista de nossa sociedade: os povos africanos colonizados mantêm a força de trabalho que não tem o privilégio do home office. Pior ainda, eles compõem o tecido social mais vulnerável; estão destituídos de uma rede eficiente de tratamento de saúde e de proteção à vida. O cenário não é diferente no Brasil. Essa mesma fatia do tecido social é dependente dos transportes públicos massificados. Eles também vivem em regiões segregadas racialmente nas cidades – vide o exemplo de nossas comunidades e periferias.

Tudo isso, contudo, não passa da sombra desumana do racismo social e de classe revitalizados e em evidência com a pandemia vigente.

Leia também:  Brasil mantém liderança mundial da média diária das notificações de Covid-19

No Brasil, já tivemos casos em que os senhores da casa-grande obrigaram seus trabalhadores a frequentar seus casarões, ainda que eles estivessem contaminados pelo coronavírus. Houve inclusive casos de morte (Veja aqui: https://exame.abril.com.br/brasil/1a-vitima-do-coronavirus-no-rio-era-domestica-e-foi-contaminada-no-leblon/). Alguns mencionam que a quarentena vai quebrar o Brasil. Não será, porém, por que eles continuarão protegidos, fora dos circuitos de convivência massificada?

Além disso, não podemos desprezar que os EUA possuem a maior população carcerária do planeta e o Brasil a terceira. Em ambos os casos, a maioria dos presos é composta por negros e que, mui breve, morrerão sem misericórdia. Trata-se de um retrato três por quatro da nova segregação social, assim como também é o caso de toda extensão social do precariado moderno, que se vê obrigado a aceitar condições desumanas para tentar sobreviver. Mas são vidas que não importam ao sistema econômico racista; são homens e mulheres pobres, reduzidos às “formas contemporâneas que subjugam a vida ao poder da morte – a necropolítica”, nos termos de Mbembe.

A pandemia está aí, dando contornos hiperbólicos ao incansável racismo. Este se atualiza na captura dos corpos que padecem com as emboscadas dos capitães-do-mato contemporâneo, os representantes de uma sociedade que não expurgou de seus navios negreiros o seu modo de atuar, de explorar e de continuar a segregar.

Aimé Césaire dizia que o negro nunca existiu. O que existia era o humano. O negro só passou a existir como anteparo da estrutura opressora do colonizador e do colonialista brancos. Desgraçadamente, ainda nos circunscrevemos aí e toda denúncia é pouca. Seja como for, Césaire, em O discurso sobre o colonialismo continua correto: “Chegou a hora do bárbaro. Do bárbaro moderno. A hora estadunidense. Violência, desmesura, desperdício, mercantilismo, exagero, gregarismo, a estupidez, a vulgaridade, a desordem”.

Leia também:  Porque não sou “70%”, “juntos” ou qualquer coisa parecida, por Fernando Horta

Será que não aprenderemos com a pandemia que é de outra forma social que necessitamos para viver e conviver? Será que não superaremos a exploração humana cada vez mais evidente e gritante nos dias atuais? Será que todas as mortes, as limitações sociais impostas, as dívidas contraídas, os medos disseminados, nada disso nos farão caminhar para fora dos circuitos viciados desse sistema doentio e explorador? Também não aprenderemos que toda vida importa? Será que não aprenderemos que todo “colonialismo é uma variação do fascismo”, como sustentou Albert Memmi?

Alexandre Filordi (EFLCH/UNIFESP)

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Novo Aeon
    (Raul Seixas)

    O sol da noite agora está nascendo
    Alguma coisa está acontecendo
    Não dá no rádio nem está
    Nas bancas de jornais

    Em cada dia ou em qualquer lugar
    Um larga a fábrica (desemprego estrutural e conjuntural)
    O outro sai do lar (fura a quarentena)
    E até as mulheres ditas escravas
    Já não querem servir mais

    Ao som da flauta
    Da mãe serpente
    No páreo inferno
    De Adão na gente
    Dança o bebê
    Uma dança bem diferente

    O vento voa e varre as velhas ruas
    Capim silvestre racha as pedras nuas
    Encobre asfaltos que guardavam
    Histórias terríveis

    Já não há mais culpado
    nem inocente
    Cada pessoa ou coisa é diferente
    Já que assim, baseado em que
    Você pune quem não é você?

    Ao som da flauta
    Da mãe serpente
    No páreo inferno
    De Adão na gente
    Dança o bebê
    Uma dança bem diferente

    Querer o meu
    Não é roubar o seu
    Pois o que eu quero
    É só função de eu

    Sociedade alternativa
    Sociedade novo aeon
    É um sapato em cada pé
    É direito de ser ateu
    Ou de ter fé
    Ter prato entupido de comida
    Que você mais gosta
    É ser carregado, ou carregar
    Gente nas costas
    Direito de ter riso e de prazer
    E até direito de deixar
    Jesus sofrer

  2. Assim como você também me pergunto se seremos capazes de conduzir nossa existência para fora desse modelo de relações internacionais e nacionais parasitário, sangue suga. O que me consola nesse momento é que o sistema, o seu modus operandi não comporta mais nenhum tipo de cinismo. A segregação “étnico-social” foi mais que nunca escancarada.
    “A pandemia está aí, dando contornos hiperbólicos ao incansável racismo”.
    Mais uma vez parabéns por nos ajudar a enxergar as fissuras do sistema.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome