Uma reunião escatológica, um governo militarizado e um Estado acovardado, por Francisco Celso Calmon

Vinte e cinco membros de um governo sem empatia com o povo deram demonstração de que seus desígnios passam ao largo da proteção à vida dos brasileiros

Foto: Reprodução

Uma reunião escatológica, um governo militarizado e um Estado acovardado.

Por Francisco Celso Calmon

Vinte e cinco membros de um governo sem empatia com o povo brasileiro, sem qualquer sentimento de compaixão e preocupação com a pandemia que dilacera corpos e ceifa vidas, deram demonstração de que seus desígnios passam ao largo da proteção à vida dos brasileiros.

Um presidente desequilibrado e com mania de perseguição mostrou ao Brasil que está preocupado com a segurança sua, de seus familiares e amigos, e não com a situação do povo.

Horas infrutíferas de uma reunião de todo o escalão superior do governo federal, na qual a pandemia não mereceu qualquer preocupação, e sim o como aproveitar a tragédia para burlar o princípio da transparência.

Ricardo Salles: “presidente, vamos aproveitar que a imprensa tá de olho no covid pra fazer as mudanças na legislação e avançar na questão da Amazônia”.

Guedes, o ministro mais pernicioso ao patrimônio nacional, continua com a sua obsessão em privatizar tudo, na contramão do mundo e da realidade que mostrou que o mercado não resolve nenhum tipo de crise, e sim um estado forte.

A ministra Damares precisa ser recolhida imediatamente para tratamento psiquiátrico, pelas suas taras, o quanto antes, e aproveitar para estudar um pouco de direito, para não fazer ameaças vãs a governadores e prefeitos.

O ministro da educação deveria ter saído preso da reunião ao declarar ódio aos povos indígenas, contrariando mandamento constitucional, e chamar a todos que contrariam o governo de vagabundos e que mereciam estar presos a começar pelo STF (disse ele: eu por mim colocava todos esses vagabundos na cadeia, começando pelo STF). Esse ministro ignóbil praticou, com poucas frases, pois mais não disse, crimes de injuria e de preconceito e discriminação racial. Por que o Moro não lhe deu voz de prisão?

Leia também:  O que se sabe sobre a conta na Suíça atribuída à filha de José Serra

Não foi uma sexta feira 13, mas pareceu um filme de horrores o que assistimos do vídeo da reunião ministerial ocorrida há um mês atrás. Palavrões e ofensas a governadores, prefeitos e ameaças inclusive de armar seus correligionários, a quem o sociopata do planalto chama de seu povo.

A reunião mostrou que não há unidade programática e nem comportamental do ministério, entre si e com o presidente.

Foi uma reunião na qual o PR demostrou estar se sentindo pressionado, acuado, encurralado e sozinho, pelas críticas que recebe e quer reação uníssona do seu ministério. Só faltou usar o brado do Collor: não me abandonem…não me deixem só.

Paulo Guedes está em escaramuça às claras com o chefe da casa civil e pressionando o presidente do Banco do Brasil para a privatização do banco o quanto antes. E como o presidente o coloca como um superministro, acaba por todos temerem e evitam discordar dele. Um governo onde só há duas vozes: a do Bolsonaro e a do Guedes.

Como prova da acusação do Moro, não achei substantiva, por derivação, por ilação, sim. Mas a reunião foi prenhe de infrações administrativas e delitos à honra.

A Vazajato fez revelações mais graves e o resultado foi pequeno diante das denúncias dos ilícitos praticados pela Lava Jato. Mas a Globo não dava cobertura jornalística e, no caso atual, a Globo está fazendo de cada vírgula um ponto na busca de fortalecer o Moro. E pode se perder – por isso, se focar no modo de ser do presidente e do bolsonarismo irá contribuir para que, de uma forma ou outra, legítima e legal, Bolsonaro seja defenestrado da presidência do Brasil.

Leia também:  Documentos revelam vaivém no gabinete de Jair Bolsonaro na Câmara

A Câmara federal é o poder que representa a população brasileira. Todos os deputados são representantes do povo, e devem legislar e fiscalizar o Executivo e, em nome dos seus eleitores, devem proteger os interesses do povo. Não foram eleitos para cumprir um programa de governo, como foram o presidente e o vice, os governadores e os prefeitos: cabe aos deputados estarem sintonizados com os anseios da população.

Os anseios populares, numa curva ascensional, são pelo Fora Bolsonaro. O presidente da Câmara não pode virar as costas a essa demanda.

Rodrigo Maia se continuar a não acolher alentados pedidos de impeachment, ficará para a história como cúmplice número um de todas as tragédias, sanitária, econômica e política, que o governo tem infligido ao povo brasileiro.

A pandemia da Covid-19 mostrou o pandemônio que virou o país. O vídeo envergonhará o Brasil no exterior e desmotivará turistas e investidores.

 

* Francisco Celso Calmon é Administrador, Advogado, Coordenador do Fórum Memória, Verdade e Justiça do ES; autor dos livros Sequestro Moral E o PT como isso?(1997) e Combates pela Democracia (2012), e autor de artigos nos livros A Resistência ao Golpe de 2016 (2016) e Comentários a uma Sentença Anunciada: O Processo Lula (2017).

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

7 comentários

  1. Essa reunião deu fim a qualquer futura possibilidade de recuperação da economia…
    porque os bons investidores não investem em pesadelos, apenas em sonhos e competência

  2. Quanto ao penúltimo parágrafo do texto acima, repito, sintetizando, o que já comentei num outro texto: se neste ano Rodrigo Maia aceitasse iniciar um processo de impeachment, assumiria Mourão; mas se aceitar somente em 2021 aí já será o terceiro ano de mandato e o congresso poderá eleger o próprio Maia numa eleição indireta. Alguma dúvida de que conseguiria eleger-se numa espécie de parlamentarismo, sem risco de PT na disputa? Portanto, o pior a lamentar (e por isso precisarmos lutar) é quanto à covardia do TSE em julgar as fake news contra Haddad e financiadas por empresas, que levaria à cassação da chapa dos fraudadores eleitorais. Mas lamentável mesmo é ministro que pede vista num assunto desse e fica com o bundão em cima para que bandidos continuem desgovernando esse país, não é mesmo seo Fachin…nora?

  3. Nassif: o texto tá redondo, apesar de acadêmico. Mas essa de “escatologia” foi demais. Fala pro Francisco maneirar. Covardia popular (“do Estado”), vá lá. A povalha só se arrisca quando acaba a merda. E, segundo GuéGué, ainda tem um pouco pra ela. Seguindo o plano traçado nas AgulhasNegras, vão até recrutar jovens, por R$300,00/mês-bruto (descontarão IR e previdência), cancelar a “LeiÁurea” e recuperar a economia. A burguesia só se mete quando mexer no seu bolso. E a Elite ri, atualmente, à bandeiras despregadas. Dona dos meios financeiros, de produção e distribuição, só espera passar a mortandade prá voltar aos negócios. Mas essa dos milicosverdes, é preocupante. Leu o “PanfletoManifesto” dos caras? Uma espécie de MeinKampfTupiniquim, com requintes de subdesenvolvimento ideológico e político, ricos nos chavões “kummunistas” e “esquerdopatas”? Parece pretenderem fundir a DemocraciaDaBala com a DemocraciaDaBaioneta, sob a denominação RepúblicaDosCoroneis. Têm aval da PraiaVermelha e da QuerênciaDeCruzAlta. Isso só por causa de um “celular”. Imagine quando disserem “impeachment”. COVID-19 já era…

  4. Oi pessoal,
    Estou passando só para, diante de afirmações as mais díspares e maldosas possíveis, propor uma ajuda para um entendimento mais exato do porque não se falou, ou se falou quase nada(1), o que dá no mesmo, da pandemia na reunião ministerial:
    1) Porque sim;
    2) Porque não:
    3) Porque é f…;
    4) Porque é uma p….;
    5) Tudo acima;
    6) Sai de baixo.(2)

    (1) A presença do ministro Lexoteich é uma discussão a parte;

    (2) a sexta opção é uma inovação inovadora recente e determinante para prevenir distorções nos escores e nos cortes e costuras do resultado, que, segundo o Inepto, melhorará consideravel mente a qualidade da avaliação do Enem, também colocará o vex…, digo, exame atualizado com as mais recentes e modernas formas de trocar 5 por meia-dúzia, que se resume à técnica conhecida como prova dos noves fora -1, o que comprova estar totalmente compatível com a platitude de nossa terra brasílis e com o planeta Planisfério, cujo plano reside no algoritmo do cálculo do azimuth da integral puro malte que é definida pela questão contida no verbete: SEXTOU?.

    Um abraço,

    Sexta-feira, 22 desmaios de 2020 (1 mês depois da verdadeira descoberta do Brasil ou o que antes acabava em samba e pizza acabou em reunião ordinária.)

    • “Dona Leopoldina virou trem e DonPedro I é uma estação também. Oô, oô, oô. o trem tá atrasado ou já passou.” — Stanislaw Ponte Preta, (1966).

      Tadeu: me amarrei nesse teu “samba do crioulo doido”. Supimpa…

  5. Texto joga luzes e transforma em palavras o que intuímos e sentimos. Ajustando o destinatário do palavrório erudito e cortês de Bozonero, resta-nos concluir que estamos mesmo f…….; mas nao a família dele, e sim o povo brasileiro.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome