É preciso dialogar com a Suécia e Dinamarca paulistana, diz Boulos sobre desigualdades

"Combater a desigualdade em São Paulo não é necessário apenas para os mais pobres, embora essa seja a prioridade, mas é bom para toda a cidade"

Jornal GGN – “As nossas cidades estão separadas por muros”, disse Guilherme Boulos, em entrevista ao vivo para a TV GGN, na série Refundação, desta quarta (05). Ao se referir à segregação e desigualdade escancarada nas regiões metropolitanas do país, usando como exemplo São Paulo, disse que é preciso, contudo, dialogar com a “Suécia” e “Dinamarca” paulistana.

“As nossas cidades estão separadas por muros. O IDH dos Jardins ou Higienópolis é equivalente ao da Suécia. A expectativa de vida dos Jardins é igual ao da Dinamarca. Você anda 25 km, vai para o extremo leste, Tiradentes, ou extremo sul e Jardim Ângela, a expectativa de vida é do Zimbabue, o IDH é abaixo do Paraguai. Isso é escandaloso”, afirmou o coordenador do MTST e candidato este ano à Prefeitura de São Paulo pelo PSOL, em chapa com Luiza Erundina.

Para a liderança do movimento social, contudo, é preciso dialogar com a “Suécia” e “Dinamarca” paulistana. Afora um pequeno porcentual da elite brasileira, que assimila “o discurso da Bia Dória com a Val Marchiori”, que em sua opinião “não tem jeito” porque “é uma turma que tem povofobia, que regulamenta a segregação como modo de vida natural por excelência”.

“Combater a desigualdade na cidade de São Paulo não é bom e necessário apenas para os mais pobres que precisam ser incluídos, embora essa seja a prioridade, mas é bom para toda a cidade”, expressou.

Fazendo referência a frase de Josué de Castro – “Metade da humanidade não come; e a outra metade não dorme, com medo da que não come” -, Boulos disse que “dar condições melhores de vida e combater a segregação dessa metade ou mais da metade que simbolicamente não come, que não tem acesso aos direitos básicos, aos serviços públicos, que o Orçamento público não chega lá, também vai permitir que a outra parte que não dorme possa conviver com a cidade.”

Leia também:  PM do Policiais Antifascismo é preso sob alegação de desespeitar superior no Maranhão

Assista à entrevista completa:

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. “É preciso dialogar com a Suécia e a Dinamarca”. Sinceramente, não sei se isso é um excesso de ingenuidade (o que vindo de uma figura que deveria ser de combate e mobilização, mais do que uma ingenuidade, é uma idiotia) ou já uma tentativa de acomodação ao jogo de status quo entre as forças de situação e de oposição no país.

  2. “É preciso dialogar com a Suécia e a Dinamarca”. Kkkk… Agora é que eu fui entender que foi uma piada da parte dele. Tente dialogar sim, meu filho! Você não vai chegar nem no portão de entrada, vai ficar retido na cancela, à espera da polícia.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome