Coluna Econômica: Bolsonaro rifa Guedes e abre espaço para a era Rogério Marinho

Mas, por trás desse novo Bolsonaro, o verdadeiro Bolsonaro continua firme como uma rocha, esperando reunir condições para tentar o ataque final contra as instituições

Vamos tentar estimar o cenário econômico sob Jair Bolsonaro.

O primeiro passo é o diagnóstico sobre o comportamento da indústria regional, de acordo com os dados de junho divulgados na Pesquisa Mensal da Indústria do IBGE, Os resultados são ilusoriamente otimistas.

Em relação ao mês anterior, celebrou-se o crescimento  em 13 estados e queda em apenas 1 – Mato Grosso. Porém, se comparar o nível de junho com janeiro, haverá 13 estados em queda e apenas 1 em alta – Goiás. E se a comparação for com 12 meses atrás, também apenas Goiás mostrou aumento.

Repare que as menores quedas, desde janeiro. ocorrem em estados com preponderância da indústria extrativa, como Goiás (+3,2%), Mato Grosso (-1%), Pernambuco (-1,3%), Pará (-2,7%) e Minas Gerais (-4,7%).

Nos indicadores nacionais, fica nítida a queda da indústria de transformação e a resistência da indústria extrativa, beneficiada pelo aumento das importações chinesas.

A indústria extrativa tem pouco impacto na economia como um todo, por dispor de uma rede de fornecedores extremamente restrita. Além disso, gera pouco emprego.

O segundo ponto são os efeitos da renda básica sobre a economia e sobre a popularidade de Bolsonaro. Embora a decisão de R$ 600,00 tenha sido da Câmara, Bolsonaro está colhendo os frutos. À renda básica está sendo atribuído o mérito de ter impedido uma queda maior na economia; e uma queda maior na popularidade de Bolsonaro.

Nas discussões internas do governo, o dogmatismo cego de Paulo Guedes matava qualquer tentativa de mobilização econômica. Prova disso foi a reunião ministerial do dia 22 de abril, com Guedes humilhando os generais de Bolsonaro pela tentativa de lançar o plano Pró Brasil.

Leia também:  Embraer é ecossistema de tecnologia e de defesa, analisa Renata Belzunces

Agora, a Câmara quebrou o dogmatismo cego de Guedes e reforçou enormemente os argumentos de Rogério Marinho, do Desenvolvimento Regional, ao lado de Tarcísio de Freitas, da Infraestrutura, um sopro de racionalidade no jardim zoológico do Ministério de Bolsonaro.

Ontem, a demissão do Ministro da Privatização, Salim Mattar, e de Paulo Uebel, responsável pelos estudos de reforma administrativa, pediram demissão, sinalizando a debandada da equipe de Paulo Guedes. Antes deles, já havia saído Mansueto de Almeida, que seguiu para o Banco Pactual para administrar a carteira de créditos que o Banco do Brasil transferiu para lá, com inacreditáveis 90% de deságio.

Completa-se, assim, o aggiornamento de Bolsonaro, ao custo de 100 mil mortes pelo Covid-19.

Do desenho inicial, abriu mão do falso discurso moralista de Sérgio Moro, está se afastando cada vez mais dos olavistas, aproximou-se do Centrão, atraindo, agora, Michel Temer, abriu mão do discurso anti-ambientalista, está rifando Paulo Guedes e até se solidarizou com um motoboy negro agredido pela polícia.

Mas, por trás desse novo Bolsonaro, o verdadeiro Bolsonaro continua firme como uma rocha, ampliando a radicalização das polícias, através do WhatsApp, ampliando o armamento da população e esperando reunir condições para tentar o ataque final contra as instituições.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

11 comentários

  1. Quanto as cem mil vitimas da covid, são paulo bate recordes de mortalidade e a rede golpe dá a noticia como estivesse noticiando o aumento do pãozinho…..ninguem cobra o governador botox e seu menino de recados que atende por prefeito, esses dois são tão responsaveis pela tragédia quanto o idiota da presidencia…..

    17
    2
    • Em termos de taxas de mortalidade São Paulo tem as mesmas que o resto do Brasil. É óbvio que o estado tem muitas mortes: é o mais populoso do país.

  2. Política é conjuntura.O sujeito que ocupa a presidência da república sabe disso porque sem isso não teria sido presidente.
    Muito se tem dito sobre o auxílio emergencial ter sido uma conquista da oposição. Em parte isso é verdade já que o desgoverno propunha somente R$200,00 e a câmara,com uma ação ostensiva da oposição,conseguiu aprovar R$500,00 e o sujeito,espertamente,aumentou para R$600,00.
    Não dá para negar o mérito dele.Aliás,seria muito bom se sempre fosse assim,ou se já tivesse sido,como na reforma da previdência,por exemplo.
    Agora,ficamos tão preocupados em brigar pelo crédito que nem discutimos a pilantragem que tem sido o pagamento deste benefício,fazendo com que o valor MENSAL seja bem menor do que o valor de face já que,o calendário de pagamentos ,não tem sua periodicidade mensal,fazendo com que em mais ou menos 3 meses sejam pagos 2 meses entre postergações de datas e liberação efetiva dos recursos pela caixa ou,ainda,”oscilações” do sistema,fazendo com que o valor real mensal caia para algo muito próximo de R$400,00,portanto inferior ao que foi aprovado na câmara. Uma verdadeira pedalada em cima daqueles que necessitaram se utilizar desses recursos.
    Agora,é preciso ter cuidado com as análises para que não caiamos na vala comum de que olhar para quem mais precisa é uma coisa ruim. Ontem,tive a infelicidade de assistir um comentário daquele ex-quase tudo,hoje empregado na emissora noticiosa da emissora golpista, Gabeira.
    Em menos de um minuto esse sujeito foi capaz de sintetizar todo o pensamento preconceituoso da emissora golpista.
    Disse o infeliz que o sujeito que ocupa a presidência da república está mudando de pele,que está abandonando o discurso anti-corrupção,que para ele não é surpresa nenhuma já que havia visto Collor dizer dos marajás e que o presidente Lula iria implantar a ética na política. Veja que o sujeito “esqueceu” do mais bicudo dos emplumados e do golpista entreguista. Também,em sua pérola analítica, disse os ex-quase tudo,que, entre as mudanças que estariam ocorrendo seria na base do eleitorado,mudando da classe média,segundo sua análise absurda,menos tolerante com a corrupção,por uma classe menos favorecida que estaria sendo beneficiada pelo auxílio emergencial,ou seja, para ele ,os pobres são a causa da corrupção.
    Também a análise feita em cima das polícias precisa ser mais cautelosa. A polícia sempre foi o que é e sempre será muito difícil mudá-la já que seus problemas são endêmicos e mesmo que começasse do zero o resultado não seria muito diferente do que é hoje se as mesmas estruturas sociais fossem mantidas. Estão aí as mais diversas guardas municipais,criadas do zero,para comprovar.
    Os policiais fechados com esse sujeito,segundo pesquisa mais recente,estão próximos aos 40%,nada diferente do restante da população .
    Quanto ao hoje ministro da economia parece evidente que ele já caiu mas não sabe disso.
    Caiu porque,assim como o camisa preta do Paraná,quis,sem votos, ter mais poder que quem teve os votos e isso não seria admissível para nenhum presidente,muito menos para essa figura.
    Talvez ele ainda tenha tempo de arruma alguma carteirinha de bilhãozinho para passar para algum banquinho amigo. Caixa? BNDES?
    De certo é que o sujeito não mudou e não mudará. Quem muda é a conjuntura.
    Assim,não vejo golpe no futuro. ele já é resultado de um golpe. Já vivemos em uma ditadura.Hoje,cada conquista,por menor que seja,tem que ser comemorada como vencendo a final da copa do mundo e ir arregimentando forças para que a mudança de conjuntura possibilite em um futuro a retomada democrática do poder.

    18
  3. Vou insistir: Bozo é um câncer, mas não é um ET. Não caiu de pára-quedas do nada. E este câncer é nosso e irá nos corroer até que uma resposta à altura seja dada. E esta resposta não virá de autoridades que usam das instituições como trampolins para benefício próprio e politicagem. A resposta virá com a força necessária apenas da mobilização popular. A esquerda parece lavar as mãos quanto à isso, parece esperar o fundo de poço do qual ninguém sabe o quão difícil será sair, o que se sabe é que nós , como nação, o merecemos.

    11
    • “parece esperar o fundo de poço do qual ninguém sabe o quão difícil será sair, o que se sabe é que nós , como nação, o merecemos.”

      Concordo especialmente com esta parte.
      NÓS TEMOS O QUE MERECEMOS PELA NOSSA COVARDIA E PUSILÂNIMIDADE COMO POVO.
      Ontem, foi divulgada pesquisa em que o Brasil ficou em quinquagésimo primeiro lugar entre 63 paises no quesito EMPATIA.
      Isto explica de maneira MUITO CLARA a indiferença da grande maioria frente a covid-19.
      Inclusive os meios de comunicação que falam em platô a uns dois meses enquanto continuamos a bater recordes de infecção e mortes.

      De novo, TEMOS O QUE MERECEMOS.

    • O botafogo já deu a sua bicuda e se arrogando dono do congresso e cão de guarda do rentismo podre já disse que irá defender o maldito teto dos gastos que faz a alegria do bolsa banqueiro…..aliás, ainda quero saber onde está o dinheiro e quanto o total até agora economizado? Ninguem mais quer saber? Só do SUS, que a rede golpe finge gostar foram mais de 20 bi surrupiados….

  4. Bolsonaro está pra chutar um pênalti com o gol vazio ( o goleiro seria a esquerda que, pra variar, está dividida e perdida ). Se der uma bica em Guedes e colocar dinheiro público pra fazer obras (seja acabando com a lei do teto ou emitindo moeda ) e com uma base de crescimento tão baixa, haverá um crescimento econômico que praticamente lhe garantirá a reeleição. Se der um pico de crescimento econômico, Bolsonaro não vai ter que usa cabo e soldado pra fechar nada: ele muda o que quiser via congresso – como, por exemplo, fim de limite pra reeleição e, com um pouco mais de habilidade, consegue fazer um STF moldado totalmente aos seus desejos. Se ele não fosse a besta que é, saberia que o fez o nazismo dominar a Alemanha totalmente, assim que Hitler foi eleito, não foi a força bruta. Hitler foi eleito com minoria no parlamento. O que fez o nazismo ser aceito até pelos que não o apoiavam até então foi um crescimento econômico absurdo, acabando com o flagelo do desemprego, capitaneado por Hjalmar Schacht, o único economista do século XX com a mesma estatura de Keynes. A Fortuna sorri pra Bolsonaro nesse momento, infelizmente.

  5. NÃO, a era não era do Guedes, como não será do Marinho, pois a lógica ainda respeita a interesses MUITO MAIORES do que os dos bolsominions.
    Pra entender melhor PARTE DO GOLPE de 2016 e os interesses envolvidos que, a cada dia, se tornam mais evidentes, escandalosos.
    Ainda em 2016 (esta em dvs artigos) o BANCO MUNDIAL, sem mais nem porque dizia publicamente que NÃO DAVA PRO BRASIL ter salário de US$ 400 por mês. Muitos se perguntaram porque, mas a maioria nem percebeu o aviso, principalmente analistas econômicos e políticos entretidos com o microcosmo de Brasília.
    Após o golpe o desmonte dos direitos trabalhistas e a precarização do trabalho veio com toda força, e não cobrou só do BRASIL, mas de toda a A.Latina, por exemplo.
    Semana passada E.Muski falou do “poder imperial” que os EUA se pretende manter, e hoje a APPLE declarou que “a era da CHINA como fabrica mundial pros seus produtos, acabou”.
    Entendeu ou não ?
    O GOLPE vem de longe, é geopolítico e há havia muito mais interesses envolvidos cujo principal interessado, o POVO, nunca foi informado, e sequer será ouvido.
    nt – pra muitos, S.M. de menos de US$ 200 pode fazer do BRASIL um tigre ..PQP !!!!!! ..e tem gente que ainda acredita que a DESVALORIZAÇÃO cambial, pura e simples, corrige tudo

  6. Mas não muitas alternativas nas disputas eleitorais, se correr o PT pega, se ficar o PT come.

    É uma caminho difícil, mas não alternativas.
    Primeiro demonstra que não há um apoio dos militares para fechar o regime, como já foi dito quem tem apoio dos militares não precisa de mais nada, muito menos do apoio do eleitorado, principalmente dos mais pobres.

    A maior dificuldade é que este campo está ocupado pelo PT,o que torna necessário uma intensa disputa política de consequências imprevisíveis, principalmente considerando as centenas de milhares mortes pela covid-19.
    Outro fator é que mudança vai provocar uma enorme perda do eleitora conservador, que não seja compensada por eventuais ganhos entre os eleitores mais pobres.

    O episódio do processo dos site de notícias falsa no STF demonstra que mesmo setores fechado com o presidente eleito em 2018 podem recuar ou não avançar, os militares e policiais podem ser expulsos de suas corporações, e os membros das milicias podem ser presos.

    Além o avanço das reformas trabalhistas dificultará uma expansão da demanda via crédito destinado ao consumo, já que empregados sem garantias trabalhistas terão pouco acesso ao crédito, princialmente as linhas com juros mais baixos.
    Além de ampliar o Bolsa Família, e conceder aumentos reais ao salário mínimo, é possível utilizar o sistema financeiro de habitação para estimular a demanda interna.

    Basta aumentar o prazo de financiamento dos contratos em andamentos, e permitir que por período de 1 0u 2 anos de pausa nos pagamentos das prestações, o que aumentaria significativamente a capacidade de consumo destas famílias.

    No mais precisamos lembrar que o PSDB já fez um movimento da centro esquerda para a direita, mas o campo da direita não havia partidos de expressão nacional.

    Além do campo da esquerda estar ocupado pelo PT, ainda temos a questão da pandemia, que deixará marcas por décadas no eleitorado.

    Mas não muitas alternativas nas disputas eleitorais, se correr o PT pega, se ficar o PT come.

  7. Caros,
    Uma águia fascista precisa de duas asas para voar: a política, de guerra cultura; e a econômica, de feição keynesiana.

    Bolsonaro se mostrou exímio em agitar suas hordas milicianas e cristofascistas com uma bem sucedida guerra cultural alimentada como ódio e rancor, via redes sociais. Mas se equivocou ao bancar Paula Guedes e seu autericídio ainda mais canhestro que o de Joaquim Levy.

    Agora ele parece acordar, com a ajuda de seus generais fascistóides. Se ele implementa uma renda bśica razoável, chuta o pau da barraca do teto de gastos e investe em infraestrutura o Brasil pode se recuperar um pouco economicamente, o suficiente para amealhar mais apoio popular e, como diz Nassif, aplicar o golpe.

    E creio que ele teria muito apoio popular. As massas (classes C e D) fascistaram, se desiludiram do sistema político e querem o sangue dos supostos culpados morais pelos males do mundo: bandidos (leia-se negros), gays, macumbeiros etc. Bolsonaro tem uma massa ávida por fascismo. E uma caneta na mão que ele não sabia como usar como afirmei em outro artigo:
    https://jornalggn.com.br/artigos/guerra-total-o-que-faria-bolsonaro-cair-e-o-que-o-fortaleceria-por-wilton-cardoso/

    Se ele aprender a governar um pouquinho que seja de forma keynesiana, estaremaos na boca do jaceré fascista. E que os deuses nos protejam da barbárie que virá.

  8. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome