Após ouvir empresários, Temer decide sancionar terceirização

 
Jornal GGN – O presidente Michel Temer recuou de aguardar a aprovação, a toque de caixa, de um segundo projeto de lei sobre terceirização, pelo Senado, e vai sancionar o que foi aprovado pela Câmara na semana passada, atendendo a um pedido de empresários que querem “segurança jurídica”.
 
A terceirização que está no Senado foi encampada por Eduardo Cunha quando o deputado cassado era presidente da Câmara. Já o projeto que foi aprovado recentemente consegue ser ainda mais duro para o trabalhador.
 
Por isso, a ideia de aguardar o PL que está Senado era uma tentativa de amenizar as críticas em relação à terceirização ampla que a Câmara ao resgatar um texto dos anos FHC.
 
Mas, depois de encontro com empresários, na noite da sexta-feira passada, Temer recuou. 
 
A promessa, agora, é sancionar a terceirização já aprovada e criar “salvaguardas” numa eventual reforma trabalhista, que o governo está elaborando.
 
O governo também tem medo de que, por conta dos protestos e crítivas de movimentos sindicais, a terceirização que está no Senado possa ser alterada para amenizar os efeitos da que já foi aprovada.
 
Temer tem até 15 dias para sancionar a proposta.
 
 
Leia mais: Terceirização da Câmara é pior para o trabalhador que a proposta de Cunha

7 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Alan hunt

- 2017-03-27 21:16:59

A questão é quem tem emprego

A questão é quem tem emprego ou aposentado que fala mal da terceirização.

Se tem 60% na economia informal e outros tantos milhões de desempregados a CLT não tem sentido.

O ideal é acabar com a CLT, 

Marcos K

- 2017-03-27 17:19:59

Empresários? São uma raça em

Empresários? São uma raça em extinção. Quero só ver como essa gente vai fazer o milagre de vender para um povo sem renda.

Deus não gosta de idiotas.

João de Paiva

- 2017-03-27 16:25:35

A Lei é da terceirização é INCONSTITUCIONAL

Camaradas,

Todas nas ruas no próximo dia 31, sexta-feira. Temos de partir para cima e impedir que essa quadrilha revogue, na prática, a CLT. Quem puder, entre com advogados e com membros do MPT, para ajuizar ações de ADIN no STF. Se dois milhões forem às ruas, a camarilha do "MT" pensará duas vezes; aí  o mordomo pode piscar.

Marcio Valentim

- 2017-03-27 16:20:56

Tem que mostrar a carinha

Tem que mostrar a carinha desses parlamentares em praça pública! Em todos os lugares de maior movimento!

Maria Luisa

- 2017-03-27 16:08:21

Ja que terceirizaram até a presidência...

Como funciona o inseguro Michel Temer. Vai ao bispo saber se acende a vela a Deus ou ao diabo. No caso, acende à Fiesp e o povo que pague o pato. Mais uma vez.

Antonio C.

- 2017-03-27 15:44:13

Pois é.

Eu disse que não dava pra esperar até dia 31.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador