Bolsonaro: interdição, impeachment e luta política, por Tania Maria de Oliveira

Enquanto o impeachment tem tramitação lenta, obedecendo a etapas sucessivas, a interdição pode ocorrer com considerável velocidade.

Bolsonaro: interdição, impeachment e luta política

por Tania Maria de Oliveira

Jair Bolsonaro tem, desde o início de seu governo, se esmerado em desvios de conduta. Sua relação com larga parte da imprensa é a pior possível. Trata a oposição como um grupo de inimigos, em uma guerra constante, em que usa o ressentimento e a disposição verbal para a violência como métodos de estímulo aos seus seguidores nas redes sociais.

Em dias recentes, multiplicaram-se pelas redes sociais pedidos de sua interdição. A tag #InterdiçãoJá ganhou força no Twitter, após Bolsonaro assumir uma postura de relativizar e subestimar os riscos e efeitos da pandemia do vírus Covid-19 no Brasil, chegando ao limite de sair à rua para cumprimentar aliados, enquanto estava de quarentena, sob suspeita de contágio.

Ato contínuo, houve vários artigos publicados por juristas e intelectuais nesse sentido, e um pedido formal de um coletivo jurídico para que o Ministério Público Federal o obrigue a se submeter a um exame psiquiátrico. Pedido semelhante já fora feito pelo advogado e professor de Direito, Antônio Carlos Fernandes, em ação popular, em setembro de 2019, arquivada monocraticamente pelo juiz federal da 21ª Vara em Brasília.

É de duas ordens o debate que se coloca quando se intenta sugerir que Bolsonaro possa ser afastado por um processo de interdição. O primeiro é que todos reconhecem que ele já cometeu crimes de responsabilidade em mais de uma ocasião, passíveis de afastamento legal. O pedido de interdição, desse modo, além de objetivar desgastar o governante, indica ser uma forma de evitar o impeachment, por ter um procedimento lento e de difícil previsão.

Então, na política, seria encurtar o caminho para afastar Bolsonaro da presidência da República, evitando toda a problemática que envolve o julgamento no Congresso Nacional, sobremaneira nos tempos que vivemos, de paralisação. Enquanto o impeachment tem tramitação lenta, obedecendo a etapas sucessivas, a interdição pode ocorrer com considerável velocidade.

O segundo, que decorre desse, é mais complicado.

De fato, é tentador acreditar que Bolsonaro possa habitar um mundo etéreo, onde não domine suas faculdades mentais. E que os desatinos por ele cometidos, em atos e palavras, decorra de transtornos de personalidade. Tentador e perigoso.

Leia também:  Bolsonaro exclui EUA da lista de países restringidos nos aeroportos brasileiros

O grande paradoxo é que, os que pedem para que Bolsonaro seja submetido compulsoriamente a exames, o tratam como doente e, portanto, não responsável por seus atos. Terminam, mesmo que não seja essa a intenção, por redimi-lo. Isso porque, sendo mentalmente doente, seu autoritarismo, sua misógina e racismo, seriam problemas de saúde, não de caráter.

O Estatuto da Pessoa com Deficiência, aprovado durante o governo de Dilma Rousseff, que regulamentou a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, considera pessoas com deficiência as que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação com diversas barreiras, podem obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdades de condições com as demais pessoas.

Nesse sentido, o próprio debate sobre interdição requer um maior aprofundamento, sob pena de, indevidamente utilizado para outros fins, comprometer o acúmulo conquistado pelos movimentos sociais militantes dessa pauta.

Por outro lado, como o comportamento público de Jair Bolsonaro é o mesmo desde que ele está na política, basta lembrar de suas entrevistas defendendo a tortura e afirmando que se virasse presidente daria um golpe “no mesmo dia”, de exaltação de torturadores, de ameaças infindas e agressões nunca compatíveis com o cargo que exercia, seria, então, de se reconhecer que seu transtorno metal é de caráter crônico e persistente, e que o impedimento para o exercício do cargo de presidente são válidos desde muito antes, o que tornaria todas as ações e procedimentos contra ele – inclusive a condenação por ter agredido verbalmente a deputada Maria do Rosário – anuláveis.

Não. Bolsonaro não é doente mental no sentido clínico. Ele é um indivíduo profundamente autoritário, autocentrado e ignorante. Não tem maturidade nem capacidade intelectual ou emocional para estar no cargo que ocupa. E, principalmente, sente-se fora do alcance de qualquer punição, por isso pratica crimes de responsabilidade como quem diz “boa tarde!”. Não tem apreço nenhum à democracia, por isso desrespeita as instituições e verbaliza acusações sem nexo, afirmando que vai provar uma acusação de crime e depois finge que nunca disse. Relativiza uma pandemia porque entende que isso iria garantir estabilidade ao seu governo, ludibriando a população e escondendo os riscos reais. E tudo isso faz usando as piores e mais grotescas palavras.

Leia também:  À deriva em mar revolto, por Orlando Silva

Bolsonaro não sabe usar argumentos. Muitas vezes porque eles não existem mesmo, mas também porque a ele não interessa responder o que lhe é questionado. É um indivíduo que faz suas escolhas de acordo com os valores morais que professa, e que seu livre arbítrio permite. No caminho, sua perversidade e bizarrices se chocam com princípios de direitos humanos e de democracia, e é quando gesta, em muitos de nós, a tentação de imputar-lhe a pecha de doente.

Erramos quando pedimos interdição de Bolsonaro. E não apenas porque, mais uma vez, jogamos a decisão politica para o Poder Judiciário, o que já é um erro em si mesmo, renitentemente reiterado por muitos que se colocam no campo democrático. Também não só porque tratamos um debate de saúde pública de forma pouco refletida. Mas também, e sobretudo, porque retiramos dele a responsabilidade consciente por seus erros e crimes. E afastamos da sociedade o direito de imputar-lhe responsabilidade por todos os seus atos e falas altamente censuráveis.

Os pedidos de impeachment, por sua vez, apresentados por duas deputadas e um deputado do Psol e pelo deputado Alexandre Frota, embora possuam embasamento legal formal, deram entrada sem qualquer aglutinação de forças de fora para dentro, capazes de lhe proporcionar qualquer impulso.  Feito em momento que não há olhos da sociedade para um tema tão denso, sobretudo quando o parlamento sequer está em funcionamento normal. Como consequência, não houve qualquer repercussão da solicitação e, com isso, o risco de banalizar o instrumento, enfraquecendo-o para que fosse oferecido em momento propício, após discussão com o conjunto da sociedade, entidades e partidos, está dado.

Leia também:  Como funciona o estado de sítio, medida extrema estudada por Bolsonaro

Se quisermos ter a chance de mudar o rumo das coisas, temos que cultivar os ensinamentos de acumular forças, discutir com os coletivos, alimentar as condições que, ao que tudo indica, estão sendo criadas. A popularidade do presidente boçal despenca, em qualquer pesquisa que se faça, diante do óbvio que ele não tem condições de dirigir a nação.

Sermos atuantes é observarmos como se move a sociedade neste momento, ao mesmo tempo em que discutimos, elaboramos e oferecemos saídas e alternativas para atravessar a tormenta e para depois dela, em que, definitivamente, o país e o mundo não serão os mesmos.

Cultivar e estimular o espírito de solidariedade entre as pessoas, como antítese do ódio que vem predominando os últimos tempos; acompanhar, passo a passo, as ações do Estado, fiscalizando, criticando e indicando rumos. Essa me parece a tarefa do agora.

A queda de Bolsonaro caminha lado a lado com isso e será consequência da percepção sobre sua incapacidade de condução do país em todas as áreas da vida social. O crescimento da rejeição ao “mito” tende a crescer de forma proporcional ao Covid-19.

Ao invés de nos precipitarmos, precisamos construir as condições objetivas para que ele seja apeado do poder. Inclusive nos preparando para a reação que pode vir, tendo em conta que, um indivíduo com a personalidade dele, quando acuado, tende a ficar ainda mais perigoso para a democracia.

Tania Maria de Oliveira é da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Impeachment e interdição, ambos são uma discussão da direita. É dessas coisas que se discute tranquilamente nas páginas da Folha de S. Paulo ou do Estadão.

    Pro povo, temos que nos organizar em conselhos populares para derrubar o regime golpista. Evitar um golpe de estado fascista e o genocídio associado. Organizar a luta popular pela própria vida. Lutar pela vida, nesse momento, é lutar pelo poder.

    A hora é de mobilização e luta política total. A guerra não é só contra o coronavírus. A guerra é para definir qual será o produto, o resultado da crise.

    Podemos derrubar o regime golpista, ou podemos acabar com uma ditadura e um genocídio.

    A hora é dos que têm visão política, visão histórica. Os que são pusilânimes, covardes ou infantis, fiquem em suas casas assistindo pela internet.

  2. Tania Maria de Oliveira é da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia. Juristas pela Democracia? Poder Judiciário Brasileiro pela Democracia? É gozação?!! Pertencendo à OAB? Instituição primogênita do Golpe Civil Militar Ditador Absolutista Caudilhista Assassino Esquerdopata Fascista. Já existe Democracia na OAB? Eleições diretas e facultativas para todos Cargos de Comando da Instituição? E transparência na estrutura de poder e contas da Instituição? Existe democracia? Somos a Pátria da Surrealidade. Pobre país rico. Mas de muito fácil explicação.

  3. Jean-Paul Sartre dizia “nunca fomos tão livres quanto durante a Ocupação”.
    Ele se referia ao fato de ter uma França prostrada com a ocupação dos nazistas e o regime colaboracionista de Vichy. Pétain, o herói nacional francês na Batalha de Verdun, torna-se chefe de Estado. Com a queda do regime, condenado como traidor à pena de morte, depois comutada para a prisão perpétua, morrendo na prisão.
    Tratou-se de uma situação-limite, de penúria, de tortura e morte, de luta nas ruas.
    Por outro lado, tudo era possível.
    Por isso, da condição de liberdade.
    Essa angústia, meu caro colega, minha colega, é a condição da própria liberdade.
    Falo da liberdade, não da felicidade. Nem sempre este cálculo é concordante e possível, esta relação entre ambas.
    Não é momento para sermos complacentes com essa escória nojenta. Já passou até mesmo do inaceitável.

  4. O problema é que esse idiota acredita que a Terra é plana, e portanto, não acredita na ciência.
    Ele não acredita na epidemia. Não vai sair um milímetro da sua cartilha neoliberal e de defesa do capital
    Lamentavelmente, o povo vai descobrir da pior forma possível o que é neoliberalismo.
    Pergunta que não se cala: os pastores que foram aqueles que induziram os evangélicos a colocarem esse traste no poder vao agora pegar o dízimo que eles surrupiam deles para ajuda-los? A confirmar.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome