Retórica antimuçulmana de Trump radicaliza juventude americana, diz Obama

Jornal GGN – “Ladainha”, disse Obama sobre a retórica antimuçulmana do candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, Donald Trump. Para o presidente, fomentar o ressentimento contra toda uma religião pode levar a juventude americana ao extremismo.

Trump tem uma proposta de vetar a entrada de muçulmanos nos Estados Unidos. Apresentada em dezembro, depois que simpatizantes do Estado Islâmico mataram 14 pessoas na Califórnia, o projeto volta a ganhar força com o massacre da boate Pulse, em Orlando.

Obama acredita que o controle de armas é uma política pública mais eficaz. Muitos republicanos na Câmara discordam de Trump e dizem que os muçulmanos são amigos dos Estados Unidos.

Da Folha de S. Paulo

Discurso de Trump sobre islã e terror é perigoso, critica Obama

Por Anna Virginia Balloussier

O presidente Barack Obama passou nesta terça (14) seu mais duro recado contra Donald Trump e o que chama de “ladainha” do virtual presidenciável republicano.

Em discurso, Obama criticou a retórica antimuçulmana de “políticos que tuítam e aparecem em programas de TV a cabo”, em clara alusão ao ex-apresentador do reality show “O Aprendiz”.

Os dois maiores partidos do país travavam uma batalha política três dias após um filho de afegãos matar 49 pessoas e ferir outras 53 numa boate gay em Orlando, “em nome do Estado Islâmico”.

O republicano reforçou a proposta de vetar muçulmanos nos EUA. Apresentada em dezembro após um casal simpatizante do EI matar 14 pessoas na Califórnia, a ideia coincidiu com a subida nas pesquisas de Trump.

Em comício nesta terça, o magnata disse que ninguém entendeu nada do discurso de Obama a não ser que ele “odeia mesmo Trump”.

No lado democrata, o presidente e sua candidata, Hillary Clinton, pedem controle de armas para conter o extremismo doméstico.

Na véspera, Trump insinuou que Obama teria “outra coisa em mente” ao não citar as palavras “islã radical”. “Se alguém pensa que estamos confusos sobre quem são inimigos, seria uma surpresa para os terroristas que eliminamos”, rebateu o presidente.

O atual governo, do qual Hillary foi secretária de Estado de 2009 a 2013, diz ter matado mais terroristas (Osama Bin Laden incluso) do que o antecessor republicano, George W. Bush. Como efeito colateral (em ataques com drones), mais civis também.

PROPAGANDA

Segundo Obama, Trump fomenta o ressentimento dos muçulmanos, o que pode empurrar sua juventude ao extremismo. Para ele, “não há mágica na frase ‘islã radical'”. Não a cita porque:

1) não quer “cair na armadilha” de “insinuar que estamos em guerra contra uma religião inteira”;

2) evita ceder à narrativa do Estado Islâmico, que se vê como líder de uma guerra sagrada entre islã e Ocidente. “Estaríamos fazendo o trabalho dos terroristas por eles.”

Em 2011, o empresário sugeriu que o presidente não nascera no país, alimentando teorias conspiratórias de que seria um muçulmano de fora (Obama é cristão).

Também nesta terça, Hillary evocou essa memória em tom de galhofa: “Acho que Trump precisa ser lembrado de que o Havaí [Estado natal de Obama] fica nos EUA”.

Ela voltou a defender controle de armas –o terrorista de Orlando comprou duas legalmente para o ataque.

“Chegamos ao ponto em que as pessoas não embarcam no avião com frascos de xampu.” Mas essas medidas de segurança não bastam, segundo Hillary, “se não conseguimos impedir [o atirador] de comprar uma arma poderosa e trucidar americanos”.

Hillary e Obama questionaram se líderes republicanos concordam com Trump.

Muitos disseram que não. O presidente da Câmara, Paul Ryan, chamou os muçulmanos de “parceiros”. E o líder da maioria na Casa, Kevin McCarthy minimizou a chance de o Congresso vetar islâmicos. “Não se bane alguém por raça ou fé.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

José Eduardo de Camargo

- 2016-06-15 20:25:03

Ao que parece cada país tem o

Ao que parece cada país tem o seu Cunha e o Trump é o Cunha deles!

davidoliveira_

- 2016-06-15 18:12:37

o  extremismo está por todos

o  extremismo está por todos os lados. esse Trump é Dumb e representa os midiotas dos Estados Unidos. Ele pode ter dinheiro e arrogância mas não passa de um boçal. 

O Dumb-Trump correu de um debate com Obama. Seria como colocar Boslonaro para debater com Lula ou uma formiga para brigar com um elefante. Por não aguentarem um tete-a-tete com os Caras, eles apelam para a manipulação midiota. 

A verdade vencerá a mentira senhores candidatos, o universo não vai parar de evoluir para a Luz, independente de suas contas bancárias.

Paz na terra

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador