Sobre morangos, lichias e as delícias de ganhar carta escrita, por Mariana Nassif

Sobre morangos, lichias e as delícias de ganhar carta escrita

por Mariana Nassif

Escritas à mão são das minhas coisas favoritas. Acho lindo quem investe tempo, capricho, rascunha e depois entrega, essas delicadezas potentes. Há tempos não escrevia assim, cursivamente, mas eis que o amor bateu por aqui e, inspirada por uma única folha, despejei tinta no papel a valer. 

Arrumando minha casa e separando o joio do trigo – costumo fazer limpezas poderosas em época de aniversário, e o meu está chegando, viva! – encontrei a carta de um amigo antigo, dos tempos AC (antes da Clara, ahahahahaha!) e escrevo aqui porque sim: eu gosto, e quando eu gosto quero compartilhar com o mundo que é pra todo mundo ver como é bom (e ir cultivar  o que gosta também, dividindo com a gente aquilo que faz bem). 

Ele escreveu, e eu sorrio largo toda vez que releio:

Você devia ser lichia, não morango.

Lichia tem em dezembro, mês do seu aniversário. E eu acho que lichia passa o ano todo tudo bem e chega dezembro e tudo acontece na vida da lichia. Foco na lichia! Lichia fica mais no centro até que o Natal – o que é um Natal sem lichia, ô meu pai?

Lichia tem aquela casca grossa por fora que, apesar de rosada, deixa na metade da gente uma questão de o que tem aí dentro esse mix curioso e na outra metade da gente um perguntar de será que eu devo abrir nessa batedeira de medo. Daí pluc. Numa atitude que pode ser da metade qualquer da gente – que a atitude tem que ser da gente, que a lichia fica toda lá, quase voluptuosa, já nasceu com atitude essa lichia. Heim? Então, numa atitude que pode ser de qualquer das metades, a gente abre a lichia. Já viu o cuidado que a gente abre a lichia? A casquinha perece dura, mas é meio macia, mole, não sei.

Depois da metade que a gente usou pra descascar a lichia olha só: dá um negócio esquisito na gente. Uma gastura. Coisa boa e suspeita. A lichia é macia, mas faz barulho na boca. Conheço um monte de gente que só experimenta lichia de olho fechado. Dizem que é pra amenizar o aspecto visual. Daí sente o prazer de uma lichia doce, que eu nunca vi lichia azeda. E não sou dos mais sortudos, não. A lichia é docinha. E até a casquinha rosada da lichia que ficou ali do lado fica ainda mais bonitinha por causa do docinho da lichia. E as pessoas começam a falar no diminutivo por causa da lichia. Gracinha de lichia essa!

Tem mais, pensa que acabou? A lichia tem um caroço. Um caroço rígido que é pra mostrar que a lichia é consistente. Pode ver a lichia: tem casca pra proteger, mas que assusta. Quando passa a casca tem um fruto maciozinho, docinhozinho, branquinho que dá gosto. E quando você acha que a lichia tá no papo tem o caroço pra mostrar que a lichia é consitente, tem história.

Mariana não é morango. É lichia.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora