Luciano Hortencio
Música e literatura fazem parte do meu dia a dia.
[email protected]

Pré-Carnaval em Fortaleza

O fortalezense, em sua grande maioria, foge do carnaval. Vai curtir uma de nossas lindas praias ou mesmo para as cidades interioranas, muitas delas com animado carnaval. Muita gente também viaja para curtir o carnaval em Recife, Salvador e Rio de Janeiro.

A cidade, no período momino, fica calma e tranquila. Trânsito calmo e pouco movimento nas ruas e avenidas. O pessoal aproveita para descansar e curtir as praias, tomando uma cervejinha e comendo caranguejos e outras delícias da nossa culinária. Há desfile de blocos, cordões e maracatus na avenida Domingos Olímpio, porém não se pode dizer que seja um verdadeiro mega espetáculo. O pessoal se esforça e faz o que pode, com pouco apoio oficial.

O interessante é que, ao contrário do que se passa no carnaval, o fortalezense adora o período pré-carnavalesco. Há blocos e cordões na cidade toda, desde a Praça do Ferreira, Benfica, Praia de Iracema, até os bairros mais afastados. Todo mundo faz sua festa durante todos os sábados do mês de fevereiro, até o sábado magro. Vale a pena participar de um encontro desses.

Vai aqui uma pequena amostra do pré-carnaval de 22 de fevereiro, no Bar da Mocinha – Praia de Iracema.

Luciano Hortencio

Música e literatura fazem parte do meu dia a dia.

11 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. prestação de desserviço ao carnaval de rua do povo fortalezense

    noticia ótima do carnaval fortalezense, porém, presta um desserviço ao folião fortalezense e a cidade alforriada pelo espírito de momo.

    o que parece ser, na notícia fonte primária, um autêntico carnaval popular de rua sem muito apoio da tutela oficial dos irmãos gomes & empreendimentos políticos culturais cartoriais ltda., sem muito merchan invasivo de cervejas e quetais, sem invasão vândala da burguesia turística aloprada “sem noção sem tradição”, infelizmente, com essa divulgação em rede propagadora nas nuvens, pode haver um foco epidêmico do mercado, da política paroquial, da burguesia iletrada em que, todos eles, quererem conhecer e participar e lucrar e se dar bem com um autêntico diferente carnaval popular de rua… e aí, dançou a folia e a alegria cearense nascida do espírito carnavalesco original espontâneo gutural lúdico do povo fortalezense.

    tem que ficar quieto na moita segredo de estado…

    [que nem seu nassif que somente depois que descolou na faixa nobre ingressos para show do gil com banda esqueci o nome no sesc pompeia, então, aí sim, divulgou o evento aos quatro ventos para a burguesia plebe rude do blog ggn se acotovelar e invadir como vândalos zumbis o sistem S à cata de ingressos já é tarde demais, pois que, já então nas mãos tercerizadas quarterizadas de cambistas do sistema $].

     

  2. Mas quem é você?

    Pré-carnaval, rua ou salão, fico aqui ouvindo os velhos standards do carnaval e do samba. E um saudade de outros tempos. De Chico e Elis. De Chico e Nara… 

    Que o carnaval venha nos unir um pouco e nos lembrar da nossa alegria de viver!

     

    [video:http://youtu.be/fgaKvFqD2CU align:left]

     

     

     

    1. Dei um aperto de saudade no meu tamborim

      Lucinao, sofre com a amiga aqui, hein ! De minha parte é que no fim de semana, ouvimos sambas, marchas, Choro, alguns discos antigos de Chico cantando com Nara, Elis, toda a nata da MPB, e me deu àquela nostalgia dos anos 60/70/80.  Lembrança dos meus que ja se foram, dos que ficaram e, de repente, quando me dei conta, parece que envelhceram. Enfim.

      E “Noite dos Mascarados” me lembra outros carnavais, bons tempos. Coisas de Maria Luisa, diria meu pai!

       

       

      1. Maria Luisa, Amiga minha!

        De ti eu entendi tudim! O que não entendi, ou não quis entender, é vir uma pessoa que não me conhece e talvez nem conheça Fortaleza, ter o desplante de dizer que eu prestei um desserviço a Fortaleza simplesmente por admitir que nós fortalezenses não passamos o período momino na cidade e que nosso carnaval não é tão tradicional quanto o de Recife, Salvador ou Rio. Acho que a gente pode e deve falar franca e responsavelmente, sem que com isso esteja prestando um desserviço. Ao contrário, prestaria desserviço se falasse aleivosias ou inventasse maravilhas meramente ilusórias. Isso seria faltar com a verdade e isso não faço. Enfim…

         

        [video:http://www.youtube.com/watch?v=2TC9TZMIxJg%5D

        1. Liga não,Luciano. O jc.pompeu

          Liga não,Luciano. O jc.pompeu faz uns comentários tipo  “esfinge”(“me decifra senão te devoro”). Acho que ele quis ser apenas irônico com essa estória de “desserviço”, ou seja, a divulgação de um carnaval ainda simples, de rua, infenso aos interesses políticos-comerciais, sua divulgação e seu sucesso poderia atrair os olhos dos interesses aludidos. 

          Realmente, está se consolidando como um diferencial essa temporada pré-carnavalesca aqui em Fortaleza.Muito boa a tua lembrança;

          1. Amigo J.B.Costa!

            Obrigado pelo comentário. Em realidade, não é a primeira vez que o jc é agressivo comigo em seus comentários. Aliás, agressivo e confuso. Não se sabe bem o que ele quer dizer… Fala em políticos que nada têm a ver com o apoio a que me referi.  Vi no perfil que ele é poeta. Tomara que não seja tão confuso na poesia, quanto o é na prosa.

            Tenho o maior respeito pelos nossos Blocos e Cordões. Adoro nosso Maracatu, com sua cadência bem marcada e totalmente diferenciada do maracatu pernambucano. Acho um espetáculo belíssimo. Só que temos que ter os pés no chão e admitir que, em realidade, Fortaleza já não é mais uma cidade carnavalesca. Já o foi e muito. Sou mais velho que você e tenho excelentes recordações do nosso carnaval na rua Senador Pompeu, na Avenida Dom Manuel, dos carros alegóricos com as “moçoilas” das boites da rua Senador Pompeu, etc. Nada disso existe mais. A ditadura conseguiu acabar com nosso carnaval de rua. Tudo foi proibido, o uso de máscaras, o corso de carros da Dom Manuel, etc. Só ficou a saudade. Se assim não fora não haveria tentativas e tentativas de reincentivar e manter o folião na capital. O Maestro Poty e o Cassundé fizeram até uma marchinha nesse sentido: “QUEM É DE BEM FICA”.

            Apesar de sermos de bem, não ficamos. Todo mudo se manda e Fortaleza fica à disposição dos turistas que aqui chegam buscando exatamente a tranquilidade e as delícias da nossa culinária, tendo ainda direito de assistir aos maracatus na Avenida Domingos Olímpio e dar uns pulinhos lá no Bar da Mocinha, que irá funcionar no período momino. Acho até que vai haver shos patrocinados pelo poder público, porém, digo e repito, não temos tradição carnavalesca como Recife, Salvador e Bahia. Somos o que somos e temos de saber reconhecer nossa realidade.

            Receba um abraço agradecido e fraterno do luciano.

            P.S.: Vou mandar pra você o DIABO SEM RABO. Espero que dê boas gargalhadas…

            [video:http://www.youtube.com/watch?v=hLk-ZpoSryQ%5D

          2. Ah, Luciano, tu não és mais

            Ah, Luciano, tu não és mais “velho”.Talvez experiente. 

            Minha mãe sempre se reportava aos velhos carnavais na forma que bem lembrastes. Quando o corso ainda era na Senador Pompeu.

            Recebi e agradeço o vídeo no meu mural. Realmente muito engraçado. Continue com esse seu belíssimo trabalho de divulgação do melhor da música nacional. Sou inscrito no teu canal e sempre o estou recomendando para amigos.

            Um abraço.

    1. Matinê

      Lulu, o curumim esta viajando de férias com os avos ( e eu de férias total esta semana, eba!). Mas pode deixar, assim que o rapazinho – que é pequeno no tamanho, mas grande pessoa ja – voltar, eu mostro pra ele. Alias, logo ele ira ao Baile das Serpentinas, onde colocaremos muitas marchinhas para a criançada. 

      Abraço.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador