Mulher do general Belham, acusado pela morte de Rubens Paiva, foi assessora de Bolsonaro

Ex-chefe do Destacamento de Operações de Informação (DOI) responde por homicídio doloso qualificado, ocultação de cadáver, quadrilha armada e fraude processual

Maria de Fátima Campos Belham e o marido, o general reformado José Antônio Nogueira Belham. Foto: Reprodução/Facebook

Jornal GGN – No dia 20 de janeiro de 1971 o deputado federal Rubens Paiva (PTB) foi detido em casa por agentes do Centro de Informação de Segurança da Aeronáutica (Cisa) e entregue ao DOI-Codi (Destacamento de Operações de Informação — Centro de Operações de Defesa Interna), no Rio de Janeiro, chefiado naquela época pelo general José Antônio Nogueira Belham.

Relatos de subordinados de Belham contaram em depoimento à Comissão Nacional da Verdade, em 2014, que o deputado foi torturado até a morte no mesmo dia em que foi detido. Uma reportagem da revista Época, divulgada nesta quinta-feira (1º) mostra que a mulher de Belham, Maria de Fátima Campos Belham, foi nomeada pelo então deputado federal, Jair Bolsonaro, para trabalhar no seu gabinete na Câmara, em 2003.

“Segundo a Câmara, Maria de Fátima foi cedida pelo Ministério da Defesa ao gabinete do então deputado federal. Procurada, ela disse que não tinha ‘nada a declarar'”, escrevem Juliana Dal Piva e Juliana Castro, que assinam a matéria.

Em 2014, o Ministério Público Federal abriu um processo contra Belham e os militares Rubens Paim Sampaio, Raymundo Ronaldo Campos, Jurandyr Ochsendorf e Souza e Jacy Ochsendorf e Souza, pelo envolvimento na morte de Rubens Paiva. O processo se tornou o primeiro caso de homicídio no Judiciário do país contra militares por crimes cometidos na ditadura.

A denúncia contra Belham e os demais militares foi aceita em primeira e segunda instância. Ao chegar o Supremo Tribunal Federal (STF), em setembro de 2014, os réus entraram com um pedido de suspensão do processo, alegando que as decisões nas instâncias anteriores afrontam a Lei da Anistia. O MPF rebate afirmando que o desaparecimento forçado é um crime de lesa-humanidade, não passível de anistia.

Leia também:  Agora no PSDB, Bebianno critica Bolsonaro: "é fábrica de problemas"

O caso foi trancado, na época, pelo ministro Teori Zavascki. Com a sua mortes, em janeiro de 2017, o inquérito foi arquivado por engano. Em janeiro de 2018, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, identificou o erro e pediu para que o caso voltasse a tramitar na Corte. Atualmente, o inquérito aguarda análise do ministro Alexandre de Moraes, que herdou os processos de Zavascki.

A reportagem da Época conta que, quando Belham foi convocado para depor na Comissão Nacional da Verdade, ainda em 2014, Bolsonaro defendeu o general. “O apelo que faço é para que o general possa falar o que ele bem entender e não fique preso só ao Rubens Paiva”, disse em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo.

O neto do deputado, Chico Paiva, conta que, naquele mesmo ano, durante a inauguração de um busto do avô na Câmara dos Deputados, Bolsonaro esbravejou contra à família: “Rubens Paiva teve o que mereceu, comunista desgraçado, vagabundo!.” Em seguida, Bolsonaro cuspiu no busto.

Um dos relatos que incriminam Belham é do coronel da reserva Armando Avólio Filho que, na época da morte de Paiva, fazia parte do Pelotão de Investigações Criminais da Polícia do Exército (PIC-PE).

“Ao dirigir-me para fechá-la (a porta), deparei com um interrogador do DOI, de nome Hughes (…), em seu interior, utilizando-se de empurrões, gritos e ameaças contra um homem que aparentava já ter uma certa idade. Reparei, na fisionomia desta pessoa, um ar de profundo esgotamento físico”, relatou dizendo que, em seguida, decidiu comunicar Belham.

Leia também:  Gilmar derruba própria liminar e autoriza seguimento do caso Queiroz

“Eu disse, major, é bom o senhor dar uma chegada lá na sala de interrogatório porque aquilo lá não vai terminar bem. Ele ficou olhando para mim… é o Hughes que está lá”, completou.

*Clique aqui para ler a reportagem da Época na íntegra. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

8 comentários

  1. Não foi o CODI DOI da Barão de Mesquita quem matou a pancadas o deputado Ruben de Paiva. Foi o comandante do CISA que o prendeu, Brigadeiro João Paulo Burnier (o mesmo do caso PARASAR), o mesmo que torturou e matou o filho de Zuzu Angel no Galeão. O deputado foi torturado até ficar moribundo no hoje III COMAR na Praça XV quando foi “desovado” no CODI DOI – Comando da Defesa Interna Departamento de Operações de Investigações. Ruben de Paiva era o tesoureiro do Partido Comunista recebia dinheiro via Uruguai e outros meios enviados pela extinta União Soviética. Eles queriam o dinheiro não era para entregar ao Tesouro Brasileiro. Esse psicopata impotente covarde torturou muita gente psicológica e fisicamente. Ele, o Ministro da Aeronáutica Márcio de Souza Mello foram exonerados no governo Medici eu sei como e porque.

    6
    3
  2. Bem, o idiota do Bolsonaro, com suas bravatas, está provocando o retorno do passado negro do exército brasileiro.
    Passado que, por razões óbvias, os militares preferiam q se mantivesse “esquecido”. Bem feito pra esse imbecil.

  3. Segundo alguém que serviu ao Burnier e ao comandante americano do Galeão, existiu uma sala de tortura sobre trilhos. Mesmo trem que transportava jovens estudantes para Barbacena, transportou muitos torturados entregues visivelmente sem qualquer sinal de vida

    este alguém, meu sogro, faleceu em 98 no HFAG

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome