América anti-comércio? Por Kenneth Rogoff

Propostas de Trump e Sanders abrem precedente perigoso

Jornal GGN – O processo de ascensão do populismo anti-comércio na campanha eleitoral dos Estados Unidos indica um recuo do papel norte-americano nos assuntos globais. Em nome da redução da desigualdade dos Estados Unidos, os candidatos presidenciais comprometeriam as aspirações de centenas de milhões de pessoas no mundo em desenvolvimento para se juntar a classe média.

“Se o apelo político das políticas anti-comércio prova durável, ele vai marcar um ponto de virada histórico em assuntos econômicos globais, que é um mau presságio para o futuro da liderança norte-americana”, diz Kenneth Rogoff, professor de economia e políticas públicas na universidade de Harvard, em artigo publicado no site Project Syndicate.

O candidato presidencial republicano Donald Trump propôs um aumento de 45% sobre as importações chinesas para os Estados Unidos, um plano que pode agradar muitos cidadãos que acreditam que a China está ficando rica devido a práticas comerciais desleais. Mas, apesar de todo seu sucesso nas últimas décadas, a China continua sendo um país em desenvolvimento, onde uma parte significativa da população vive em um nível de pobreza que seria inimaginável para os padrões ocidentais.

Já o candidato democrata Bernie Sanders é um indivíduo muito mais atraente do Trump, mas sua retórica anti-comercial é quase tão perigosa. Seguindo os economistas de esquerda proeminentes, Sanders trilhou contra a nova proposta de Trans-Pacific Partnership (TPP), mesmo com todas as vantagens para o mundo em desenvolvimento – por exemplo, através da abertura de mercado do Japão às importações latino-americanos.

Sanders ainda atinge sua adversária Hillary Clinton por seu apoio de acordos comerciais anteriores, como o Acordo de 1992 na América do Norte Livre Comércio (NAFTA). No entanto, esse acordo forçou o México a reduzir suas tarifas sobre os bens norte-americanos muito mais do que forçou os EUA a reduzir as suas já reduzidas tarifas sobre bens mexicanos. “Infelizmente, o sucesso retumbante da retórica anti-comercial da de Sanders e Trump tem puxado Clinton longe de sua posição mais centrista, e pode ter o mesmo efeito sobre muitos membros da Câmara e do Senado. Esta é uma receita para o desastre.”

De acordo com Rogoff, o TPP tem suas falhas, particularmente na sua superação em matéria de proteção dos direitos de propriedade intelectual, mas a ideia de que o plano será um matador de empregos nos Estados Unidos “é altamente discutível, e algo que precisa ser feito para facilitar as vendas de produtos de alta tecnologia para o mundo em desenvolvimento, incluindo China, sem medo de que essas mercadorias sejam imediatamente clonadas. A não ratificação do TPP quase certamente condenar dezenas de milhões de pessoas no mundo em desenvolvimento para uma pobreza contínua”.

Segundo o articulista, o remédio mais adequado para reduzir a desigualdade dentro dos Estados Unidos não é de se afastar do livre comércio, mas a introdução de um sistema fiscal melhor, que seja simples e progressivo. “Idealmente, haveria uma mudança da tributação de renda a um imposto sobre o consumo progressivo (o exemplo mais simples de ser um imposto fixo com uma isenção elevada). Os EUA também precisa desesperadamente de uma reforma estrutural profunda do seu sistema de ensino, limpando os obstáculos à introdução de tecnologia e competição”.

Com efeito, as novas tecnologias oferecem a possibilidade de facilitar o treinamento e preparação de trabalhadores de todas as idades. “Aqueles que defendem a redistribuição executando maiores déficits orçamentários do governo estão sendo míopes. Dada a demografia adversa no mundo avançado, diminuindo a produtividade e aumento das obrigações de pensão, é muito difícil saber o que seria o fim do jogo com o aumento da dívida”, reitera Rogoff.

5 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Luís Henrique Donadio

- 2016-04-09 18:09:19

Ora essa...

Esse texto peca pela total falta de compreensão do papel das fronteiras na ordem econômica e política internacional. Elas servem para criar ambientes econômicos e jurídicos diferents, que permitem ao capital aumentar seus lucros de ambos os lados dela.

A ideia de que os acordos de livre comércio rebaixam o nível de emprego, e, consequentemente, os salários, nos países centrais, é verdadeira mas muito incompleta. Tais acordos exportam o trabalho manual, a mais-valia absoluta, dos países centrais para a periferia do sistema, mas o seu efeito geral é benéfico para a economia dos países do centro imperialista: eles aumentam a disparidade na produtividade entre centro e periferia. O eixo desses acordos é concentrar a produção de alta tecnologia, e em consequência os empregos de alta tecnologia, nos países centrais, e exportar as atividades intensivas em trabalho para a periferia. Assim, os acordos de livre comércio podem ser ruins para uma parte da classe trabalhadora americana - os trabalhadores manuais menos qualificados, os famosos blue collars. Mas eles são infinitamente piores para a classe trabalhadora na periferia do sistema.

Portanto, a ideia de que os trabalhadores americanos estão sendo "egoístas" ao se oporem aos acordos de livre comércio, os quais tenderiam a diminuir a desigualdade a nível global, é falsa: os acordos de livre comércio são instrumentos brutais para concentrar renda nos países centrais às custas de seus parceiros comerciais. Não há nada de "altruísta" em apoiar tais acordos. Não se opor a eles significa apoiar os ataques do capital contra os trabalhadores dos dois lados das fronteiras, e o ataque do imperialismo, especialmente do imperialismo americano, contra os Estados nacionais mais frágeis. É absolutamente falso que acordos de livre comércio vão resultar em aumento de salários no Sul Global; ao contrário, esses acordos são projetados na intenção de aumentar a exploração dos trabalhadores no terceiro mundo. Eles não são instrumentos do México ou da China para beneficiar suas classes trabalhadoras locais às custas da classe trabalhadora americana; eles são instrumentos da burguesia norte-americana para se beneficiar às custas dos trabalhadores chineses e mexicanos.

Romulo de Andrade Lima

- 2016-04-09 01:51:38

Argh, Argh,Argh,... que

Argh, Argh,Argh,... que baboseira imperialista, não tem algo melhor para divulgar ?

Romulo de Andrade Lima

- 2016-04-09 01:48:21

Nossa TPP como ajuda aoas

Nossa TPP como ajuda aoas pobres do mundo só podia sair de Harvard, o think thank d dominação americana. Quer dizer que processar governos por nao respeitar patentes vai solucionar o subdesenvolvimento chega a ser um discurso facista, para nao dizer imperialista...

Julio Ferrer

- 2016-04-08 19:51:40

Os deuses norte-americanos falam, os mortais devem ouvir.

Esse senhor fala como se os americanos estivessem fazendo um favor ao comprar produtos fabricados por escravos chineses, latinos etc. Mas agora, após décadas sendo os deuses provedores do mundo, os EUA decidiram parar de dar esmolas aos seres inferiores. Que ridículo.

Cada tênis, vestimenta e telefone exportado aos EUA foi feito com sangue, suor e lágrimas de um povo em outro país. Cada produto importado comprado pelos americanos saiu mais barato porque existe um ser humano em estado de miséria, do outro lado do mundo, que aceitou trabalhar 12 horas por dia e receber a fração de um salário justo só pra não morrer de fome .

Tom

- 2016-04-08 16:26:25

Falacia do comercio livre como arma contra a miséria...

"A não ratificação do TPP quase certamente condenar dezenas de milhões de pessoas no mundo em desenvolvimento para uma pobreza contínua".

 

Fiquei até emocionado com tamanha preocupação do Rogoff com os pobres da America Latina...

Que obviamente foram os grandes vencedores com o NAFTA no México, tanto que nem precisam mais imigrar para os EUA, segundo a imaginação do economista.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador