O protecionismo americano

Não tem jeito. Quanto estouram crises globais não há como resistir às pressões internas por protecionismo.
Matéria do Ricardo Balthazar, do Valor em Washington, mencionando o protecionismo introduzido pelo Congresso norte-americano no pacote de estímulo econômico proposto por Barack Obama (clique aqui).

Haverá preferência para empresas americanas na contratação de obras e serviços públicos financiados pelo plano, que irá a votação hoje na Câmara dos Deputados.

“Uma das emendas prevê que apenas aço produzido no país seja usado em pontes, estradas e prédios públicos construídos com dinheiro do pacote. Outra emenda assegura privilégio semelhante para programas de computador e aparelhos desenvolvidos nos EUA para hospitais e clínicas médicas”.

“É possível que essas mudanças sejam revistas quando chegar a vez de o Senado de analisar o pacote. Mesmo assim, a iniciativa da Câmara gerou protestos de grupos multinacionais, preocupados com o avanço do protecionismo no Congresso americano e com o risco de que outros países criem barreiras semelhantes se o pacote for aprovado desse jeito”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Maia dispara criticas contra Salles: não satisfeito em destruir o meio ambiente, resolveu destruir o próprio governo

19 comentários

  1. Se todos os paises começam a
    Se todos os paises começam a impor barreiras protencionistas isso não significa que a crise só vai-se agravar? Ou há país nesse mundo de meu Deus que consiga sobreviver fechado ao resto do mundo?

  2. Já disse aqui ha alguns dias
    Já disse aqui ha alguns dias que o governo Obama tinha viés protecionista… desde que Geithner falou contra o cambio chines.

    Agora este tipo de medida, claramente deve ser apoiada por Obama, e assim a economia que demoraria muito pra se recuperar, vai demorar ainda mais, com o protecionismo aumentando no mundo todo, incluindo nsso querido Brasil.

  3. Nassif, acredito que essa
    Nassif, acredito que essa tendência protecionista, neste momento de crise, é mundial. Ontem no Valor saiu uma lista de paises, que como o Brasil, também adotaram ou subsídios ou impostos a importações. Não julgo se é correto, mas acontece e é uma tendência histórica.

    econoideias.blogspot.com
    Abraço!

  4. Após a aprovação dêsse
    Após a aprovação dêsse pacote,eu vou ficar esperando os empregados de banco e “consultores de mercado”(Ai !!!),irem dizer nas TVs para jornalistas tipo Mirian Leitão e assemelhados,que tem que abrir tudo,não interessa se a empresa é nacional ou estrangeira,o mundo é uma coisa só,etc.,etc.,etc…

  5. O governo americano quer
    O governo americano quer aprovar um pacote de estímulo a economia americana e esperavam o que? Comprar material chinês? Não trata-se somente de novos investimentos,mas,de recuperação de uma economia que encontra-se em frangalhos. Isto não é protecionismo,é investimento do povo americano nele mesmo.
    Assim como no Brasil a CUT pretende que o dinheiro do FAT,que é o Fundo de Amparo ao Trabalhador,seja utilizado para tal fim e não como os eternos Demos insistem,ou seja ,financiar os empresários sem a devida contrapartida,tranformando o tal fundo em fundo de DESAMPARO ao trabalhador.
    Está correto o governo americano.

  6. O setor do aço nos EUA, como
    O setor do aço nos EUA, como vimos no início do governo Bush, é um dos mais protegidos e, por isso mesmo, um dos menos competitivos. Portanto produz um aço mais caro que o aço do resto do mundo. Portanto, se o governo Obama for refazer a infraestrutura do país só usando aço americano, vai fazer menos pontes, menos escolas, menos rodovias do que faria se comprasse aço mais barato produzido fora dos EUA.
    Portanto vai gerar menos empregos. Mas a idéia não é justamente gerar mais empregos? He he, tem algo errado aí.

  7. Acredito que as
    Acredito que as multinacionais estejam certas, o Brasil por exemplo vem aplicando a lei da reciprocidade ultimamente. No caso de turistas barrados em aeroportos e agora protegendo bandidos, digo, assassino. No caso do assassino eles devem ter pensado: Ah, um a mais um a menos não vai fazer diferença alguma, se ele aprontar de novo os contribuintes pagam um lugar na cela para ele. Quem protege assassinos pode muito bem proteger suas empresas, onde seria correto e justo usar a lei da reciprocidade, desta forma estariam defendendo os direitos de nossa Pátria.
    Como o Nassif comentou no fora de pauta, seria correr atras do prejuízo.

  8. A imprensa brasileira vendida
    A imprensa brasileira vendida ao capital americano não divulgou nenhuma mísera linha sobre estes fatos. No entanto, sobre a licença prévia determinada pelo governo e absolutamente dentro das normas da OMC vocifera como se estivéssemos cometendo um atentado ao livre comércio. Miriam Leitoa, desculpe-me, Leitão chega a babar……

  9. Mais uma vez fica evidente
    Mais uma vez fica evidente que o pensamento do livre mercado só é uma “verdade absoluta” quando é conveniente as economias mais desenvolvidas e ao chamado grande capital.

  10. Caro Nassif,

    Telegraph-
    Caro Nassif,

    Telegraph- Reino Unido
    Na linha de Roubini: Recessão global e colapso de capital para investimento,. Vídeo de 1:40
    Warning over collapse in capital flows
    The world economy will shrink this year for the first time since the Second World War, warns the gloomiest forecast yet delivered by a major international institutional.
    http://www.telegraph.co.uk/finance/economics/4361570/Warning-over-collapse-in-capital-flows.html

    Sds,

  11. Nassif, não é o caso de o
    Nassif, não é o caso de o Brasil adotar a reciprocidade nestes casos?
    Perdendo o Brasil sairá mesmo se for adotada as emendas nos EUA como em outros países. Mesmo ganhando no caso do aço, não é o único setor que interesse o Brasil não é?
    Não seria interessante o Brasil ascenar com uma proposta igual de forma a sinalizar a não paralisia nas medidas necessárias à defesa dos interesses brasileiros?
    Abraços
    FUI!!!!!!

  12. essa sempre foi uma briga da
    essa sempre foi uma briga da america latina contra essa posicao de protecionismo dos eua aos seus produtos…Ha um =a lenda de que os democratas protegem mais do que os republicanos…
    E ahi? A globalizacao ja era?
    Restaria o mercado interno? Ehh por isso que a china tenta implantar algo semelhante aos nossos programas sociais?
    Resta ao brasil ampliar esse programas que deram certo para beneficiar os participantes do bolsa-familia, programa de agricultura familiar, assentamentos, reforma agraria etc?
    Numa dessas eh capaz dos conservadores criticarem isso cada vez mais?

  13. Falando em correr atrás do
    Falando em correr atrás do prejuizo e em protecionismo:

    Globalização no país dos outros é refresco…

    Talvez Obama fizesse mais pontes, escolas e rodovias nos EUA se também contratasse mão de obra de outros países. Ou não?

    Se o aço brasileiro, por exemplo, ficar mais caro lá, não ficará mais barato cá?

    E aí não poderemos fazer, aqui, mais pontes, escolas e rodovias?

  14. Me lembro quando o governo
    Me lembro quando o governo Lula começou a diversificar as parcerias comerciais, para não ficar muito dependente dos EUA. Os Deméritos Magnólios, Mirians Leitãos e Mervals da vida acusaram o governo de agir assim por ideologia. Uma espécie de doença esquerdista anti-americana e infantil do petismo. (Acho que foram essas as palavras do Demérito). Buscar parceria com países do terceiro mundo, o diálogo sul-sul, para que? Um bando de países pobretões. Se o Lula tivesse dado ouvido a esses gênios, como ficariam nossas importações agora? Sem os mercados que não tem uma economia como a americana e precisam importar nossos produtos?

  15. Nassif,

    como se não fosse
    Nassif,

    como se não fosse tradição democrata o protecionismo. Esperavam o que? Hillary no governo, Congresso de maioria democrata e um país afundado em crise se postar como ‘amigo do mundo’? O que era óbvio se tornou realidade. Sorte nossa que não dependemos tão mais da tal ‘mudança’ de Obama, como apontou brilhantemente o comentarista Juliano Guilherme.

  16. É claro que, com essa crise
    É claro que, com essa crise global, iria começar uma onda de protecionismo no mundo inteiro. Isso era a coisa mais previsível de todas. Somente países governados por néscios é que não farão isso.

    E o governo brasileiro agiu corretamente na implantação das licenças para importações, a fim de limitá-las.

    Outra coisa perfeitamente previsível é que, com essa crise global, tudo quanto é país vai querer colocar a sua produção excedente no mercado externo a fim de fazer a sua economia continuar crescendo e gerando empregos. E não importa se essa exportação será feita com lucro ou com prejuízo, o que interessa é exportar a fim de se produzir mais.

    Privilegiar a produção nacional na compra de bens e serviços por parte do governo é outra medida mais do que óbvia em tempos de crise, mesmo que esses bens e serviços sejam mais caros do que os importados.

    Não interessa, neste momento, o que é mais caro ou mais barato. O que importa é estimular a produção e o consumo internos e colocar a economia na rota do crescimento novamente. O resto é irrelevante.

    Besta é o governo que não fizer tais coisas.

  17. Prezado Luis Nassif.

    Para
    Prezado Luis Nassif.

    Para que serve Davos? Para o stablishment mundial desfilar seu charme boreal temperado ou se buscar soluçoes objetivas a economia global?
    O carnegao, o cisto cebaceo ,ou melhor, o tumor ja foi detectado faz tempo: e a maldita especulaçao financeira. Este mesmo mal _pra la de manjado_ apodreceu os alicerces de wall Street em 29, Japao em 97 e agora o mercado imobiliario dos EUA.
    A miopia economica,hoje, so se justifica por conivencia ou burrice, pois o tempo da ingenuidade ja passou ha muito.

  18. ” E ahi? A globalizacao ja
    ” E ahi? A globalizacao ja era?
    Restaria o mercado interno? Ehh por isso que a china tenta implantar algo semelhante aos nossos programas sociais?
    Resta ao brasil ampliar esse programas que deram certo para beneficiar os participantes do bolsa-familia, programa de agricultura familiar, assentamentos, reforma agraria etc?”
    Pois é, Altamiro, parece que voltaremos à economia de subsistência…viva a nova Idade Média.

  19. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome