O Primeiro de Maio e os professores, por Urariano Mota

As notícias deste primeiro de maio se traduzem agora nas greves dos professores. 

Do Paraná, vem a brutal repressão da polícia contra os professores. Ali, a pedagogia que está vencendo são bombas, espancamentos e balas de borracha.  213 feridos e gritos de hurra no palácio em Curitiba.

De São Paulo, a brava mestra Renata Hummel nos informa:

“A gente leva um susto quando entra na rede pública. Na licenciatura, muito professor (que está sem entrar na sala de aula de ensino fundamental e médio há uns 15 anos) nos diz que o problema da escola pública são as aulas ‘tradicionais’, sem imaginação, sem criatividade. Que o problema está na forma de ensinar, ‘conteudista’ (com ‘decoreba’) e não ‘construtivista’ e por aí vai…. Mas mais difícil ainda é conseguir falar 5 minutos em uma sala lotada com 40 jovens ou mais, em um dia de verão, com um ventilador apenas funcionando e sem água nas torneiras.

Mais da metade de seus colegas toma estimulante ou fluoxetina para aguentar o tranco de dar aulas em duas ou três escolas diferentes, das 7h da matina às 23h; quando seu salário, mesmo trabalhando em duas escolas diferentes, cerca de 40 horas por semana (40 horas por semana são as cumpridas na escola, não as de preparação e planejamento de aulas, correção de trabalhos – essas, me arrisco a dizer, ultrapassam esse tempo em umas 15 horas a mais), com cerca de 700 alunos, não chega a R$ 2.600”.

Em Pernambuco, não é diferente. O governador, durante a campanha, prometeu um aumento de 100% para os professores. Isto mesmo: 100%.  Mas agora, no governo, diante da greve dos mestres pernambucanos, fala que tudo mudou. Os professores querem, pelo menos, a aplicação do reajuste de 13,01% referente ao Piso Nacional dos Professores para todos os mestres. Projeto de lei aprovado na Assembleia Legislativa de Pernambuco, no dia 31 de março, prevê o reajuste para menos de 10% da categoria. Eu não sei como as pessoas prometem mundos e fundos na campanha, depois retiram o prometido, e saem com a cara mais limpa deste mundo ao sol do meio-dia.

Na verdade, quando olhamos o estado a que chegou a educação, concluímos que não precisamos de um novo governo. Precisamos de um novo Estado, com E maiúsculo. Há muito, a burguesia trata os professores como novos criados. O respeito é invertido: os mestres é que devem limpar, de modo muito humilde, a ignorância dos seus superiores. Os mestres têm que ser bem qualificados, cordatos, criativos e, melhor ainda, mal pagos. Desrespeitados. 

Como podemos chegar a um Brasil novo, digno da nossa riqueza humana, terceirizando a educação para profissionais miseravelmente pagos? Como sair do inferno da ignorância sem o papel fundamental dos mestres?

É inesquecível para mim o papel do formador de gerações que conheci com o  professor Arlindo Albuquerque. O velho Arlindo, como ainda o chamamos até hoje, sem a percepção de que temos hoje a mesma idade que o velho possuía quando éramos adolescentes, o mestre Arlindo Albuquerque era um homem de estatura baixa, quase obeso, atleta dos prazeres da boa mesa, prenhe no ventre e no espírito do amor pelo conhecimento.

De ânimo sempre alto, quase até o delírio, era como se o cotidiano para ele fosse uma continuação imediata, sem transição, dos seus ideais. Daí que ele chegasse a ser esquisito, daí que ele fosse tomado quase como um lunático, até mesmo pelo círculo mais íntimo, familiar. A sua esposa nos contava, quando aos domingos íamos à sua casa para almoçar, para comer e beber alimentos e lições, que o professor subia nos ônibus a cantar a Marselhesa, não em voz baixa, mas, esquecido de si, em voz alta, com um sorriso nos lábios, a cumprimentar, a dividir com as pessoas do povo o hino da revolução francesa.    

A estudante Juçara, de beleza morena, com seu porte de mocinha índia, se viva estivesse, dele evocaria o professor que a chamava de “pequenininha”. Conceição, Nazirdes, do Carmo, onde estiverem no Brasil, dele falarão como o mestre que as saudava a partir das leituras que em pé faziam em voz alta. “Grande, Magnífico”, ele lhes dizia.

Nós, os meninos, dele podemos dizer que era o mestre só possível acompanhar com os nossos queixos erguidos, para melhor vê-lo. Apreendê-lo. Para não perder na sala um só momento seu, com os nossos olhos e ouvidos despertos. Por mim, posso dizer que ele me deu um conselho fundamental, que às vezes consigo cumprir: “seja mais pessoal”, ele escreveu à margem de um texto em que eu imitava o estilo precioso de José de Alencar.

Que coisa mais feia, ele poderia dizer, de onde você copiou isso, menino?, poderia perguntar. Mas foi mais longe que um reparo, um conserto, uma censura ocasional – passou um ideal de criação: “seja pessoal”, o que significava: escreva conforme a sua experiência e índole, menino.

A outro, José Antonio Spinelli, hoje grande cientista político, o mestre Arlindo pediu que fosse até a sala dos professores. E lá, diante do nosso amigo intimado, que estava com medo de uma reprimenda, de um castigo, o mestre pediu com humildade:

– Spinelli, por favor, não me faça mais perguntas difíceis. Você me pergunta coisas que vão além da minha capacidade. Eu sou apenas um professor, compreenda.

Que mentira. Ele era apenas esta coisa rara, um professor de radical honestidade. Porque ele poderia com duas ou três citações destruir qualquer impertinência, mencionar autores sobre os quais nem sonhávamos, mandar-nos de volta para o lugar de estudantes pobres em começo de formação intelectual. Ou mesmo brandir ameaças de notas em provas de perseguição, como os professores medíocres executavam e executam, aprisionavam e aprisionam o espírito de alunos mais rebeldes até hoje. Em lugar disso, ele nos escolhia como o público ideal para ouvir Jean-Jacques Rousseau. Acreditam nisso, meninos pobres em uma escola pública a ouvir o mestre em voz alta nos contar sobre o prazer de caminhar?

Com frequência, muitas vezes repetimos um mesmo texto, pois ele nos mandava ler este gozo: “Sur la liberté de la conscience”. Eram anos de ditadura, sabíamos, e comentava-se, aos murmúrios, que o professor em 1964 fora espancado, preso, porque fizera parte da direção do Serviço Social contra o Mocambo. O texto no livro de Marcel Debrot vinha sempre a calhar, e era em estado de êxtase que o mestre nos fazia ler “Sobre a liberdade da consciência”.

– Vejam a beleza. Repitam esta frase. O título é uma coisa extraordinária – e silabava em ritmo lento “sur la liberté de la conscience”.

E líamos, e passávamos pela Revolução Francesa.
Esse francês a gente lembra porque uma lição mais funda vinha naquelas aulas do professor Arlindo Albuquerque. Em lugar da conjugação mecânica de verbos ele nos legava um valor permanente de humanidade. Sem trombetas, de bata azul, em um subúrbio que hoje chamam de periférico, de nome Água Fria, ninguém nunca nos falou tão bem sobre a felicidade que é a liberdade de consciência.

Penso que entenderão por que lembro esse mestre de escola pública, neste primeiro de maio, quando são desprezados, espancados e reprimidos os professores brasileiros.  

*Na Rádio Vermelho http://www.vermelho.org.br/noticia/263210-333

15 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Leo V

- 2015-05-03 03:15:30

Só que a foto é de uma

Só que a foto é de uma professora que foi agredida pela Guarda Municipal de Goiânia, sob administração do PT.

Fabio SP

- 2015-05-02 11:16:34

Completaram o trio: São

Completaram o trio: São Paulo, Paraná e Goiás...

Só os 3? O resto do país só tem professores contentinhos?

Depois dizem que não é greve política!!!

Jair Fonseca

- 2015-05-02 05:00:41

Nada é simples assim.

Nada é simples assim. Polícia, com exceções de praxe, é uma merda no Brasil inteiro. Mas quer equiparar um massacre, de responsabilidade direta do governador e seu secretário de segurança, a um ato isolado em Goiânia é forçar bastante a barra. Aquela coisa de "redes sociais"; bota aí que é tudo a mesma coisa... O pessoal acredita.

Antígora

- 2015-05-01 22:24:50

Estão sempre mentindo

Adão está mentindo. O prefeito de Goiana-PE chama-se Frederico Gadêlha Malta de Moura Junior e é do PTB.

Adão

- 2015-05-01 20:56:54

Houve truculência semelhante

Houve truculência semelhante semana passada durante manifestação dos professores em Goiânia, capital dirigida pelo PT, Adma.

 

Curiosamente, muito pouco foi divulgado, mas a notícia pode ser lida aqui:

 

http://www.emaisgoias.com.br/2015-04-23/cidades/goiania/protesto/professores-sao-feridos-a-pauladas-durante-protesto-no-paco-municipal

 

Meu ponto aqui não foi provocar os petistas e nem me solidarizar com os tucanos, foi apenas uma observação de que absolutamente TODOS OS PARTIDOS não respeitam e não se importam com os profissionais de educação.

 

Simples assim.

Adão

- 2015-05-01 20:52:09

http://www.emaisgoias.com.br/

http://www.emaisgoias.com.br/2015-04-23/cidades/goiania/protesto/professores-sao-feridos-a-pauladas-durante-protesto-no-paco-municipal

Ivan de Union

- 2015-05-01 20:39:00

Ler antes de comentar.  O

Ler antes de comentar.  O post JA TEM assunto a ser comentado.

Atila

- 2015-05-01 19:03:40

Professores

Em todo o país, independente de qual seja o partido, os professores são tratados com desrespeito e, como vimos recentemente, criminosamente agredidos. Salários miseráveis, condições precárias de quase todas as escolas que chegam ao limite dos alunos não terem onde sentar, além das merendas (proibidas de uso para os professores e funcionários) de fazer pena. Lixo alimentício cujas compras superfaturadas enriquecem os nossos probos prefeitos e secretários.

Material didático, principalmente livros, não são distribuidos na maioria das escolas públicas. Com certeza os nossos governantes não querem que os futuros cidadãos adquiram conhecimentos, melhorem as suas condições de vida. Assim, prometendo o que deveria ser obrigatório por lei  continuam se elegendo.

Não sou professor, mas defendo  esses valorosos profissionais e apoio incondicionalmente todas as suas reinvidicações.

Marcos K

- 2015-05-01 19:03:04

Texto que merece servir de

Texto que merece servir de base para muita reflexão. Nosso sistema educacional está falido. Isto é fato. Quero só destacar dois problemas. O primeiro são os governos, que não ligam a mínima para a educação porque a geração, transmissão e manutenção do conhecimento não faz parte do seu horizonte de problemas seja a curto, médio e longo prazo. Cegos. Não enxergam nenhum futuro nele e consideram uma despesa, não um investimento. No discurso todos governos enfatizam a educação, mas na prática a desprezam. Pior: nem sabem pra que serve. 

O segundo problema é a escandalosa desconexão entre os níveis de ensino. Professor universitário vive num mundo paralelo, onde desenvolvem todas as teorias possíveis e imagináveis. Quase todas, infelizmente, muito longe da realidade da nossa escola e do nosso aluno. Estão mais pra autistas do que pra professores.

O inacreditável nível de ignorância da nossa população são a prova mais evidente de que nosso sistema de ensino pode ser tudo, menos levado a sério. E depois ainda tem gente que acha que esse país tem futuro.....

 

Adma Andrade Viegas

- 2015-05-01 18:49:39

Você tem razão em parte.

Você tem razão em parte. Dilma tratou  a greve dos professores e  técnicos das universidades federais com olímpica indiferença. Para não dizer desprezo. O mesmo desprezo que Fernando Henrique Cardoso dedicou à classe.

Mas a truculência da polícia militar  do governo de Beto Richa supera qualquer coisa vista até então. Foi declaração de guerra mesmo.

HA

- 2015-05-01 18:29:54

Fotografias do Prostesto contra o Massacre

Curitiba, 1º de Maio de 2015 - Dia do Trabalhador
 

https://www.facebook.com/hugo.abati/posts/10204140952795163?notif_t=like

Cláudio José

- 2015-05-01 17:30:46

AOS NOSSOS HERÓIS

Rio de Janeiro, 1 de maio de 2015

AOS NOSSOS HERÓIS

Caros amigos (as) nesse primeiro de maio gostaria de agradecer a todos os meus heróis, queridos professores (as) , que me ajudaram nessa jornada de cidadania, vocês não merecem balas de borracha, e sim muito carinho, amor e flores, por tudo, que vocês representam, para o nosso sofrido povo. Que Deus esteja sempre com vocês, pois o Brasil, e a nossas crianças do futuro, contam muito com vocês, por um mundo melhor para todos. #Obrigado meus mestres, por tudo!

Atenciosamente:
Cláudio José, um amigo do povo e da paz

Ivan de Union

- 2015-05-01 17:09:15

E o link de referencia?

E o link de referencia?

Adão

- 2015-05-01 16:42:01

A foto que ilustra o post

A foto que ilustra o post mostra um professor ferido após ataque covarde da polícia... só que aconteceu em Goiânia, prefeitura administrada por Paulo Garcia do PT.

 

Não há diferença no tratamento dos profissionais de educação por nenhum partido político: seja petista, tucano, demo... a política cag* para a educação.

Aracy_

- 2015-05-01 14:47:59

Os governos estaduais tucanos

Os governos estaduais tucanos e municipais de vários outros partidos não têm dado motivo nenhum para que os educadores comemorem o 1o. de maio. O governo paranaense declarou guerra aos educadores e deixou evidente que quer, literalmente, é o sangue dos professores da rede pública.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador