Nova York quer tecnologia que impeça mortes nos trilhos do metrô

Jornal GGN – A MTA (Metropolitan Transportation Authority), organização responsável pela administração do metrô de Nova York, está trabalhando em um programa-piloto para avaliar quatro sistemas diferentes que possam detectar quando alguém cai nos trilhos e interromper o sistema para evitar acidentes ou mortes. Os sistemas contemplam o uso de lasers, sensores de movimento, câmeras térmicas e softwares de vídeo inteligentes.

O MTA irá instalar os sistemas em uma estação de metrô para testar se são viáveis e, se for o caso, considerar a possibilidade de instalá-los em toda a cidade. O objetivo é conter o crescente número de acidentes e mortes nos trilhos. Em 2013, 52 pessoas morreram nas linhas do sistema de metrô de Nova York, e outras 144 foram atingidas pelos trens, de acordo com a MTA.

A organização quer experimentar câmeras de circuito fechado de televisão e software de vídeo que possam detectar, de forma inteligente, quando grandes objetos se movem da plataforma para as vias. Uma rede de lasers vai disparar um alarme se alguém ultrapassar o limite de segurança. Frequências de rádio transmitidas abaixo da beira da plataforma, além de câmeras térmicas, vão monitorar as faixas para acompanhar a movimentação dos usuários por meio do calor emitido por seus corpos.

Custos

Os sistemas são projetados para que, quando os alarmes são acionados, um trem do metrô que esteja a caminho do local do incidente seja alertado para que possa desacelerar antes mesmo que o condutor possa ver a pessoa nos trilhos. O MTA não informa mais detalhes, mas afirma que será feito um piloto que entrará em vigor ao longo de “várias semanas”.

A dúvida é sobre como a organização vai manter tantos sistemas em funcionamento ao mesmo tempo, já que deve US$ 250 bilhões à prefeitura de Nova York. A MTA também não informa sobre a estimativa de quanto um programa como esse irá custar se for implementado em toda a cidade.

Com informações do Mashable.com

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Weslei

- 2013-12-15 01:31:28

Exemplo Linha amarela

Como o metrô é subtarrâneo o melhor seria evitar que pessoas entrassem nos trilhos, um bom exemplo é a linha amarela em São Paulo, com portas que impedem esses tipos de acidentes. Não vi nenhuma falha no sitema da linha amarela, ``ainda`` porém não utilizo com frequência, mas na minha opinião é melhor que este que irão testar em Nova York.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador