BNDES e Caixa irão financiar programa de concessões

Jornal GGN – O governo do presidente interino Michel Temer prepara um novo programa de concessões, que vai incluir licitações de áreas do pré-sal e prevê a entrada da Caixa Econômica Federal e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) como agentes financiadores.

Segundo técnicos da Caixa, estuda-se a utilização de recursos do fundo FI-FGTS, com a mudança de regras do fundo de investimentos para desembolsar cerca de R$ 12 bilhões.  Dentro da lista de concessões, estão ativos de energia elétrica e também leilões de portos, aeroportos, rodovias e ferrovias. 

O governo interino tenta apresentar projetos mais atraentes para o mercado, deixando de fixar a taxa de retorno dos empreendimentos. Os primeiros editais poderão ser publicados ainda este ano. 

Do Estadão

Caixa e BNDES vão financiar concessões

Governo prepara novo programa de privatizações, que contará com verbas dos bancos públicos, incluindo recursos do Fundo de Garantia

Duas semanas depois de concluída a votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff, o governo de Michel Temer prepara o anúncio do programa de concessões. As estrelas do anúncio serão as licitações de áreas do pré-sal. Vão entrar como agentes financiadores a Caixa Econômica Federal e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O secretário não entrou em detalhes, mas técnicos da Caixa informaram que está em estudo o uso dos recursos do fundo de investimento FI-FGTS, que utiliza parte dos recursos do FGTS para investimentos em infraestrutura. A ideia é mudar algumas regras do fundo para desembolsar os cerca de R$ 12 bilhões. A Caixa tem também R$ 1,1 bilhão de um outro fundo, captado com recursos de fundos de pensão, que podem financiar um projeto menor. 
 
O banco estatal, responsável pela gestão do FI-FGTS, estuda permitir a aquisição pelo fundo de letras financeiras emitidas pelos bancos. Seria uma forma de fugir da proibição legal de repassar os recursos do fundo a instituições financeiras. Essa alteração teria de passar no conselho curador do FGTS. Com o dinheiro dos papéis, os bancos financiariam os projetos, assumindo o risco das obras. Outra opção seria um aporte direto do fundo nos consórcios vencedores, por meio de sociedades de propósitos específicos (SPE), o que já é permitido. Há a opção também de usar os recursos do fundo para conceder empréstimos-ponte até o consórcio vencedor conseguir um empréstimo de longo prazo.
 
Também farão parte da lista de concessões ativos de energia elétrica e os já divulgados leilões de portos, aeroportos, rodovias e ferrovias. Terça-feira, em reunião entre Temer e o secretário do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI), Wellington Moreira Franco, foi marcado o dia 13 de setembro para o encontro que formalizará a entrega das propostas.
 
A pedido do governo, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) encaminhou sugestões para as próximas concessões. O documento é dividido em quatro partes, incluindo medidas que visam a impedir a formação de possíveis cartéis.
 
De acordo com Moreira Franco, ainda que a votação na Câmara sobre a mudança do regime de exploração do pré-sal não tenha sido concluída no dia 13 de setembro, o setor de petróleo e gás será um dos principais motores do programa de concessões.
 
Recuo. O anúncio de que os bancos públicos continuam a ser os principais agentes financeiros das concessões deixou a impressão de que o governo manteve o modelo anterior por falta de alternativas no mercado privado, opção considerada mais adequada. “Os dois bancos têm boa expertise no assunto, especialmente o BNDES, e dar apoio financeiro e técnico são funções clássicas de um banco de desenvolvimento, mas infelizmente o governo reconhece que não há alternativa de financiamento de longo prazo no mercado privado brasileiro”, disse o economista José Roberto Afonso, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).
 
Na avaliação da economista-chefe da XP Investimento, Zeina Latif, o governo interino também sinaliza que tem pressa. “A luz do discurso inicial, os bancos públicos iriam complementar o financiamento privado, mas ao que parece houve um recuo: talvez o governo tenha pressa em produzir resultados, mas o ideal é que fosse mais paciente, fizesse projetos mais redondos e construísse um ambiente regulatório mais sólido para atrair o capital privado”, diz Zeina.
 
O especialista em finanças públicas, Raul Velloso, tem uma preocupação adicional: “Primeiro o governo teria de atacar a herança: várias concessões de 2013 não foram para frente por falta de recursos do BNDES porque as regras mudaram. Complicado começar projetos novos com essa pendência”, diz o especialista.
 
Taxa de retono. Ao contrário das concessões realizadas pelo governo da presidente afastada, Dilma Rousseff, a taxa de retorno dos empreendimentos, desta vez, não será fixada pelo governo. A ideia é apresentar ao mercado um portfólio de projetos para que os potenciais interessados façam as suas contas. Para Moreira Franco, o setor privado é que deve tomar suas decisões de investimento.
 
Confirmado o anúncio na primeira metade de setembro, os primeiros editais podem ser publicados ainda este ano. Boa parte dos projetos de portos, ferrovias e aeroportos já passaram pelo aval do Tribunal de Contas da União (TCU) e a nova modelagem teria uma aprovação mais rápida. / COLABORARAM ALEXA SALOMÃO E MARCOS SERAPIÃO 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

7 comentários

  1. Hipocrisia às claras: Agora BNDES financia até empresa falida

    apareceu dinheiro do BNDES, que a antiga oposição execrou pode foinanciar compra de empresa falida.

    Amigos falidos serão beneficiados com dinheiro público apropriado por esses Assastantes de Poder

  2. BNDES….

    Ou seja o governo vai pegar dinheiro do governo para tranformar as empresas do governo em empresas particulares. E sabe quais as garantias exigidas: as empresas do governo (ou do Estado, ou do país ou nossas. Chame como quiser) . Dinheiro público para garantir o lucro privado. No Brasil quando você crê que a imbecilidade já faz escola, você constata que a aberração pode ser sempre pior.  É o retorno à privataria. Onde está dona Mirian Leitão afirmando todo dia que dinheiro público não pode salvar, nem financiar empresa privada?! Quando é nacional, não é dona Miriam? Quando não fez parte da privataria? Não é dona Miriam? Quando nos liberta da especulação internacional? Não é dona Miriam? Como podemos ser tão lerdos, tão asnos? Basta ver que as ferrovias nacionais foram todas privatizadas, mas sem o financiamento do tipo “doação” do BNDES tucano, ninguém investiu um cenavo. Foi tudo sucateado, abandonado, linhas, estações, patrimônio histórico, um mercado excepcional de infraestrutura e alavancagem comercial deteriorados, porque capital especulativo não faz financiamento de longo prazo em infraestrutura em lugar nenhum do mundo. A não ser no país de origem do próprio capital. Esta balela já vimos nos anos 1990/2000 da globalização medíocre onde nos enfiou FHC. A salvação da GM pelo governo norte americano foi a pá de cal, nas teorias de iludidos tupiniquins. Voltaremos a esta tragédia? Retornaremos com Arminio Fraga e Malan? O governo que novamente se diz “quebrado” e que precisa vender o país e sua soberania é o mesmo que está dando mais de R$ 100.000.000.000,00 (Cem bilhões de reais) a apenas duas categorias do funcionalismo público federal? Fala aí Lewandovisky? É inacreditável. 

  3. É a mesmíssima coisa que FHC

    É a mesmíssima coisa que FHC fez.

    O “comprador” acaba não botando um “tusta”.

    Negócio da China, ops, da Banânia.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome