Os problemas na construção do novo aeroporto de Berlim

Sugerido por Marco St.

Do Esquerda.net

 
Deveria ser o mais moderno do mundo e ter sido inaugurado em 2011. Mas o orçamento derrapou para o dobro, a sua capacidade em passageiros/ano diminuiu, e não se sabe quando estará pronto. A famosa eficiência germânica naufraga num escândalo sem fim.

As luzes feéricas do novo aeroporto internacional de Berlim iluminam a noite que, no Inverno da capital alemã, começa cedo. Uma iluminação brilhante inunda os 118 balcões de checkin, os mais de 100 pontos de autocheckin, as instalações para receber simultaneamente 110 aviões, oito do quais de grandes dimensões, que podem ser o gigante Airbus A380.

As luzes estão acesas, mas não iluminam qualquer atividade, exceto a de duas centenas de operários que trabalham em marcha lenta. O motivo: o mais moderno aeroporto do mundo deveria ter sido inaugurado em 2011, mas, dois anos depois, ainda não foi. E não se sabe quando será.

Mas então, porque não se apagam as luzes? Não se poderia poupar muita energia, tão escassa e tão cara nos dias de hoje, e particularmente num país que quer dar um exemplo de austeridade para toda a Europa? A resposta embaraçosa é dada por uma hilariante reportagem do insuspeito site da revista alemã Der Spiegel: não se apagam as luzes porque não podem ser apagadas. Não há interruptores. Coisas da modernidade germânica.

Orçamento derrapou para o dobro

O aeroporto de Berlin-Brandenburg começou a ser construído em 2005, com um orçamento de 2.400 milhões de euros. As previsões atuais são de que os custos cheguem a 4.330 milhões. Mas a derrapagem pode ser maior, porque a data de inauguração ainda não está marcada, e o responsável pelo aeroporto recusa-se a marcá-la. Horst Amann, diretor técnico do aeroporto, disse à imprensa que só avançará com uma data quando se puder responsabilizar por ela.

Segundo a Der Spiegel, os operários dedicam-se agora a deitar abaixo paredes e tetos para inspecionar cabos elétricos, condutas de ventilação e detalhes estruturais. A revista afirma mesmo que já houve quem sugerisse que todo o complexo fosse demolido e construído de novo. O diretor, é claro, diz que isso é um disparate.

O aeroporto, que leva também o nome do antigo chanceler Willy Brandt, foi construído para substituir os de Tegel e de Schönefeld, e inicialmente estava previsto que pudessem passar por ele 45 milhões de passageiros por ano. Agora, oito anos depois de se ter iniciado a construção, já só se prevê que tenha capacidade para 27 milhões, e a sua capacidade real poderá ser menor, de 17 milhões, de acordo com um consultor ouvido pela The Economist.

Um escândalo que não acaba nunca

O plano inicial de construir o aeroporto só com investimento privado foi abandonado, devido às disputas judiciais intermináveis em que se envolveram os dois consórcios concorrentes. O empreendimento passou assim a ser público, tendo como sócios a cidade e os governos do Estado e federal.

Para começar a construção, foi preciso demolir duas aldeias e deslocar 350 habitantes. Cerca de cem mil pessoas sofrerão com o barulho, quando, com pequenas alterações poderiam ser apenas 30 mil as pessoas atingidas. Mas o mais grave, ainda para mais num país com o mito da eficiência, foram os múltiplos problemas técnicos que surgiram durante a construção e que persistem.

Problemas de design, do sistema contra incêndios que em maio passado foi o responsável pelo adiamento, parques de estacionamento subdimensionados, um escândalo que não acaba nunca, no dizer da Der Spiegel.

Valha a verdade que os atrasos de grandes obras não são, afinal, novidade no país. A construção de uma enorme estação de comboios de Stutgart está fora de prazo. A inauguração do maior porto de contentores da Alemanha já foi adiada várias vezes, até abrir apenas parcialmente em setembro. Até a mudança da agência estatal de espionagem de Munique para Berlim teve de ser adiada devido aos atrasos da construção da nova sede.

Segundo Horst Amann, diretor técnico do novo aeroporto, foi contratada uma empresa de “caçadores de talentos” para encontrar alguém capaz de responder ao desafio: descobrir os interruptores das luzes. Era uma piada, claro.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

47 comentários

  1. Prevejo suicídios

    Aquele povo americanófilo, germanófilo, que adora dizer que o Brasil é um lixo e bom mesmo são os “países desenvolvidos”, esses vão se suicidar em massa!

  2. aqui também

     

    Quando foi inaugurado, o centro administrativo do estado do rio grande do sul tinha um interruptor POR ANDAR do prédio. Enquanto tivesse alguem em um determinado andar, todas as luzes do andar tinham que ficar acesas.

     

    • só por curiosidade

      Segundo a Wikipedia, o Centro Administrativo gaúcho teve sua construção iniciada em 1976, e a inauguração ocorreu em 10 de março de 1987.

      Portanto nenhum governador “alemão”  no período…

      A obra começou no governo de Sinval Guazzelli (Arena/1976 a 1979), seguiu no de José A. Amaral de Souza (Arena-PDS/1979 a 1983) e foi inaugurada/entregue cinco dias antes do final do mandato de Jair Soares (PDS). Com o que o atual senador Pedro Simon, que governou a seguir (PMDB/1987 a 1990) livrou-se da suspeição de ser um dos responsáveis pela economia de interruptores.

  3. Imagina nas Olimpíadas!!!

    Imagina nas Olimpíadas!!! Daqui a pouco vão dize que Dilma é que orientou a contrução do tal aeroporto e não colocou interruptores por conta da LRF!

  4. Um abusrdo

    Um absurdo, um festival de incopetência, mal uso do dinheiro público, um horror, tudo culpa deste governo petralha, sem vergonha, ordinário. Hã???Como assim, na Alemanha?  Um absurdo, um horror, um problema grave. E atenção, denúncia: essa construtora e esses projetistas são os mesmos que tem um parente distante que veio para  o Brasil no século passado, que se instalou em Santa Catarina, que é vizinho de um primo do caseiro da Ideli Salvati! Álvaro Dias acaba de pedir uma CPI para investigar o envolvimento do PT! kkkkkkkkkkkkkkk

     

  5. Penso que o interruptor para

    Penso que o interruptor para apagar as luzes não foi feito porque o aeroporto está previsto para ser operado 24 horas por dia. E e o ideal é nem ter mesmo interruptor – vai que alguém desliga sem querer?

    Só quem já construiu alguma coisa, uma casa que seja, sabe que às vezes uma determinada parte fica pronta “cedo demais”. Numa construção que fiz, um quarto+banheiro+churrasqueira, contratei um pintor que, infelizmente, chegou muito cedo. Terminada a pintura ainda faltavam vários detalhes do acabamento que acabaram por prejudicar a pintura nova. Numa mega-obra como um aeroporto com certeza acontece dessas, por melhor que seja o planejamento.  

     

    • Interruptores nesse tipo de

      Interruptores nesse tipo de ambiente não ficam à mostra do público. São agrupados em caixas embutidas na parede com tampa e chave.

      Mesmo em um local que funcione 24 horas por dia, com aquele tamanho, certamente existem áreas que não precisam ser iluminadas 24 horas por dia. Alias, é quase regra da arquitetura moderna, tentar aproveitar a luz natural ao máximo, para que durante o dia a iluminação artificial seja reduzida ao mínimo.

      • não são interruptores

        são disjuntores. além de servir de interruptor protege a rede contra sobrcargas de corrente, desligando automaticamente.

        com tanta confusão nesta obre podem ter esquecido de colocar sensores de luminosidade para acendimento automático. mas o disjuntor ainda não acredito que seja possível eliminá-lo.

    • AEROPORTO
      Incompetentes os alemães, incompetente vc quenao chamaram os eletricistas in time e se preocuparam com a inauguração. Mas os alemães ganham o Prêmio Nobel de amadorismo com projeto mal feito, prazo ultrapassado, orçamento estourado, falhas absurdas de construção como essa dos interruptores, poluição sonora para uma população acima do necessario…

  6. qual é o correto?

    Marco St, ontem compartilhei no FB uma matéria sobre o referido aeroporto. Lá os valores estão em bilhões de euros, o que me parece mais correto dado a magnitude da obra.

    The cost of the Brandenburg hub has soared from its initial €2.5 billion (A$3.8bn) budget to exceed €4.3 billion (A$6.6bn), with a sub-standard fire safety system leading the host of problems held responsible for the setbacks.

    http://www.ausbt.com.au/berlin-s-new-brandenburg-airport-won-t-open-until-2016

    • Os valores estão postados à

      Os valores estão postados à moda portuguesa.

      Basta dizer que até hoje já foram gastos 5 bilhões de euros no aeroporto. (cerca de 18 bilhões de reais).  Dinheiro suficiente, para por exemplo, a construção de mais de 20 estádios “padrão-fifa” no Brasil.

  7. Gostaria de ter este problema aqui

    Bem que eu gostaria que este fosse o problema nos aeroportos do Brasil… Enquanto lá sobra luz.. aqui estamos em um verdadeiro Apagão!

    Para quem gosta de aventuras, sugiro passear rapidamente pelo aeroporto de Cuiabá. Com sua estrutura reduzida pela metade para obras (que obviamente estão superfaturadas, atrasadas e sem a menor perspectiva de conclusão), há anos este aeroporto vem sendo uma aventura para quem deseja entrar ou sair da capital mato-grossense…

    Bem que os alemães poderiam emprestar um pouco destas luzes, para ver se iluminando a noite, a obra evolui…

  8. Imagina que isso acontece lá

    Imagina que isso acontece lá fora!!!

    Isso só acontece no Brasil. Sim, porque todas as vezes que eu mexo com construção e reforma da minha casa  o orçamento estoura. E nunca construi sem que acontecesse alguma mudança do projeto original. Mas isso só acontece comigo, com  obras do governo, somente do PT, frise-se bem. E naturalmente, da Petrobrás.

    Mas da próxima vez que for construir vou contratar projetistas que trabalham para a imprensa e partidos de oposição e resolvo o problema.

  9. Taí uma boa sugestão de

    Taí uma boa sugestão de atividade para Joaquim Barbosa, quando ele se aposentar: desatarrachador de lâmpadas.

    Como o mundo gira ao redor dele, basta ele ficar segurando a lâmpada por alguns segundos e ela estará desatarrachada automaticamente. Assim elimina-se a necessidade de interruptores.

  10. Festival de falácias

    Como esperado, os comentaristas estão abusando da falácia do “dois errados fazem um certo”. É evidente que há problemas de gestão – e de corrupção – em qualquer lugar do mundo. O problema está no percentual de empreendimentos com tais problemas, que é lamentavelmente maior no Brasil que em outros países, inclusive em desenvolvimento.

    Além disso, acho curioso que a matéria do site Esquerda.net omita que o grande responsável pela obra, o prefeito de Berlim Klaus Wowereit, seja do SPD, partido situado à esquerda do espectro político da Alemanha.

    • Por gentileza, Sr. Cidadão:

      Onde estão os dados que comprovam a sua afirmação? Do contrário me parecerá apenas mais um amestrado pela velha e carcomida mídia brasileira. Chega de hipocrisia!

    • Assim como aquele ministro

      Assim como aquele ministro presidente tem dificuldade com a leitura – minha filha de tres anos ler de maneira mais fluente, isto sem guaguejar – voce parece que tem dificuldade de leitura. Releia. Lá pelas tantas  consta que a responsabilidade da obra é da cidade, do estado e do governo federal. Não posso afirmar mas o prefeito não está lá a uns 10 anos. Quanto ao governo federal, com certeza, a Merkel é uma ferrenha comunista já que nasceu na antiga Alemanha Oriental. Todas as ações e afirmações dela são apenas para despistar pois carrega uma alma comunista e, por isso, o tal aeroporto que tambem é de responsabilidade dela não sai.

    • Gostaria de ver a pesquisa…

      “que é lamentavelmente maior no Brasil que em outros países, inclusive em desenvolvimento.”. Gostaria de ver a pesquisa que embasa essa afirmativa. Por favor, mande-nos o link ou o material. Já fiz várias costruções, e entendo que os problemas existem, mas dai se afirmar que são maiores aqui, merecemos então a pesquisa que mostra isso.

       

  11. Uai, mas o “Bom (?) Dia

    Uai, mas o “Bom (?) Dia Brasil” de ontem fez uma matéria sobre uma goteira no terminal novo de Cumbica, justamente louvando o funcionamento dos aeroportos alemães!

  12. Quem diria…

    Logo a “competente Alemanha” que tanto critica a incompetência do Brasil para organizar a Copa? É bom divulgar isso para os “coxinhas” com complexo de viralatas, aqueles que acham que essas coisas só acontecem no Brasil e por conta do PT estar no governo. Os mesmos que gritam que só nos “países do primeiro mundo” (em vias de se tornarem terceiro mundo) as coisas funcionam, há planejamento, todos os serviços são impecaveis e tudo é melhor do que no Brasil. Por que essa gente fica falando mal do Brasil e não se muda logo pra lá? Vão viver lá e verão ” o que é bom pra tosse”

  13. E daí Valcke? E daí, Folha,

    E daí Valcke? E daí, Folha, Estadão, Globo, Veja, TCU, PSDB, Demos, et caterva? E eu achando que éramos incompetentes e os únicos do mundo a enfrentar esse tipo de problema…

  14. Texto mentiroso. Uma coisa

    Texto mentiroso. Uma coisa dessas não acontece no Primeiro Mundo, só ao Sul do Equador, especialmente num País chamado Brasil, onde se diz que o povo, se não é feliz, é alegrinho  por natureza e não quer nada com nada com “o espírito protestante e a ética capitalista”, em suma foge do trabalho árduo como o coisa ruim foge da cruz. Como ja falou a filósofa Rita Lee, nosso sonho é, “se Deus quizer, queremos (todos) ser indios, viver pintado, pelado de verde, num eterno domingo, ser um bicho preguiça…e tomar banho de sol….” regado a muita serva e fornicação, é claro, pois que ninguém é de ferro mesmo. kkkkkk

    • Pior que é verdade

      Quando fui a Berlim recentemente, entranhei que um aeroporto enorme e aparentamento moderno estivesse sem uso. Mas é a pura realidade. As operações desse aeroporto, são feitas numa instalação antiga que remonta ao período soviético. Inclusive, de fato as luzes ficam todas acessas.

  15. Servindo carne vermelha

    Há uma expressão no repertório político americano “serve up read meat”, basicamente servir carne vermelha, muito usada nas primárias eleitorais de lá. Utiliza-se quando um político dá um discurso sem consistência, mas “bota pilha na massa”, falando o que ela quer ouvir. É o caso desse artigo. As pessoas criticam a infraestrutura e as obras no Brasil. Pega-se um exemplo de algo que não está dando certo na Alemanha. Começam os argumentos, “viu, tb acontece lá!”, “quem diz que o Brasil é lixo vai ter que xingar a Alemanha”. E o eleitorado mais ferrenho da Dilma aqui no blog fica feliz.

    Qual a utilidade deste artigo?

    1) Nenhuma, pois criticar o Brasil não é chamá-lo de lixo (a não ser para a turma do “ame-o ou deixe-o”, cada vez mais presente no blog);

    2) Além disso, o fato de haver problemas de infraestrutura na Alemanha não muda a questão de aquele país é muito mais avançado que o Brasil em infraestrutura, educação, saúde, economia, política ambiental, segurança, direito das minorias etc. Quer dizer que é o paraíso na terra? É claro que não, longe disso, mas talvez (só talvez) seja uma sociedade com alguns bons exemplos a serem seguidos pela gente, e outros a serem evitados.

    Essa história parece aquela de você estar praticamente com cirrose e aí falar que o vizinho do décimo andar tb tem problemas de saúde. Não adianta nada e você fica parecendo um idiota, sem a menor noção do que deve ser feito.

    O que está acontecendo na eleição desse ano é que a mídia (talvez até o Nassif) está “kirchnerizando” a Dilma e ela está caindo nessa, dando argumentos para quem fala que o Brasil está no rumo errado.

    Acho um erro grave de estratégia dela correr para a esquerda, abrindo todo um espaço de centro (que era do Lula) para a oposição.

    O discurso do primeiro de maio foi um erro, pois é direito de qualquer um querer aumentar gastos públicos, mas não quando você quer aumentar ao mesmo tempo aumentar o superavit primário. Uma coisa não bate com a outra. Fica parecendo enrolação, e é.

    Mesmo que ela ganhe, será o chefe de governo brasileiro com menos apoio desde a redemocratização, a polarização nunca interessa para quem já está no poder…

     

     

    • Não concordo

      Não consegui concordar com nada do que disse. Como não apresentar este exemplo alemão se toda a midia o dia inteiro fala em araso nas obras. É claro que não precisaria se não fosse a grosseira falha de apontar um erro que não existe, já que NENHUMA obra no país, mesmo de multinacionais cumpre prazo e custo. Neste ponto as obras da copa, ao contrário, foram um sucesso, acabaram no prazo, com dinheiro privado e portanto sem preocupação minha quanto ao custo e possivelmente sem corrupção, que se houve foi de entes privados sobre entes privados..

      E a Dilma vai ser reeleita no primeiro turno e com apoio de todos, exceto os do pig bandido e criminoso, vende desinformação,e suas vítimas, como no seu caso. 

       

  16. Na coréia também…

    http://www.bbc.co.uk/portuguese/videos_e_fotos/2014/05/140513_predio_torto_coreia_dg.shtml

    Prédio sul-coreano amanhece cinco vezes mais torto que Torre de Pisa

    Um prédio em construção na Coreia do Sul amanheceu na segunda-feira em um ângulo de 20 graus, provocando espanto entre os engenheiros da obra.

    Ninguém ficou ferido no incidente, na cidade de Asan, a 100 quilômetros de Seul. Os responsáveis pela obra estão investigando as causas do incidente.

    O ângulo da envergadura é cinco vezes maior do que o da famosa Torre de Pisa da Itália.

    Os engenheiros ainda não decidiram que medidas tomarão para resolver o problema. A obra estava prevista para ser inaugurada neste mês.

  17. Essas reportagens só pode ser

    Essas reportagens só pode ser montada, afinal, esses problemas só existem no Brasil, países como Alemanha, Japão, Coreia do Sul, Estados Unidos, não, eles não erram, não há corrupção. 
    É mais ou menos como aqui no Brasil, quando não há notícias de corrupção o país está puro, quando estás aparecem, é porque somos o país mais corrupto do mundo.

  18. A pergunta que não quer

    A pergunta que não quer calar; como ps vira latas daqui vão fazer para latir em alemão?

    Heheheheheh

  19. Se o problema no Brasil fossem só os Aeroportos


    Se o problema no Brasil fossem só os Aeroportos ?!

    Mostrem a Saúde, Educação, Segurança e a punição aos corruptos fora do Brasil ?!
    Mostrem se é possível manipular o Supremo Tribunal ?!

    Mostrem a compra da refinaria-sucata nos EUA que gerou prejuízos à Petrobrás de US$ 1,180 BILHÕES à Petrobras.
     

    Enfim, nos últimos doze anos muitas obras foram aprovadas e pagas, mas sem nenhum tijolo assentado !!
    Orgulho de ser Brasileiro, e orgulhoso por não ter votado na atual administração do meu País !!
    Infelizmente os últimos doze anos entrarão para história do meu País, com os maiores rombos dos cofres públicos.

  20. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome